Notícias (1282)

O prazo será de cinco dias para que o prefeito da cidade preste informações referentes ao levantamento do número de animais nas ruas, com as respectivas zoonoses e laudos veterinários, comprovando as doenças.

A Promotoria de Justiça de Piancó, no interior da Paraíba, instaurou um inquérito civil público, na tarde da última quarta-feira (07), para apurar as mortes a pauladas de aproximadamente 50 cachorros no interior de um imóvel público da cidade de Igaracy, interior do Estado. O caso aconteceu na terça-feira e repercutiu nas redes sociais com o compartilhamento de imagens, vídeos e em rede nacional.

De acordo com a instituição, a matança teria ocorrido sob a responsabilidade direta e pessoal do secretário José Carlos Maia, que teria autorizado ou permitido o ato, ainda que por omissão. Em entrevista , Maia admitiu que os animais foram mortos por uma medida em defesa da saúde dos habitantes da cidade, na terça, e que nesta quarta-feira mais bichos seriam sacrificados. “Eles estavam moribundos, todos enfermos. Outros foram abandonados pelos moradores e traziam prejuízo para a saúde da população”, disse.

Entretanto, para a promotoria, o secretário cometeu, em tese, infração penal e ato de improbidade administrativa decorrente do exercício do cargo. ‘Por isso, foi encaminhado ofício ao prefeito de Igaracy, José Carneiro Almeida da Silva, requisitando a exoneração imediata de José Carlos Maia do cargo de secretário de Saúde, haja vista a flagrante violação aos princípios da legalidade, moralidade e legitimidade, inerentes ao cargo público, bem como para não atrapalhar as investigações’, afirma a publicação realizada no site do Ministério Público da Paraíba.

De acordo com o texto, foi concedido prazo de cinco dias para que o prefeito da cidade preste informações referentes ao levantamento do número de animais nas ruas, com as respectivas zoonoses e laudos veterinários, comprovando as doenças, bem como, quanto à retirada e transporte, detalhando ainda como se procedeu a matança dos animais, de acordo com as normas sanitárias.

O Ministério Público também encaminhou ofício para a Delegacia de Polícia Civil, requisitando a instauração de inquérito policial, inclusive para preservação e realização de imediata perícia no local do crime.

Ainda de acordo com informações da promotoria, considerando as primeiras informações de que o Secretário Municipal de Saúde é médico veterinário, foi determinada a expedição de ofício para o Conselho Regional de Medicina Veterinária da Paraíba, requisitando a instauração de procedimento administrativo com vistas à aplicação das sanções administrativas e disciplinares inerentes à atividade de médico veterinário. As informações são do Portal T5.

PB Agora

A Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão (Abert), a Asoociação Nacional de Editores de Revistas (Aner) e a Associação Nacional de Jornais (ANJ) repudiaram, com veemência, a invasão do MST ao parque gráfico do GLOBO.

Cerca de 400 integrantes do Movimento dos Sem-Terra (MST), a maioria mulheres, invadiram o parque gráfico do GLOBO na manhã desta quinta-feira (8). Entre os manifestantes, que chegaram em dez ônibus, havia pessoas armadas com facões. O grupo parou no estacionamento para visitantes, de acesso livre, e invadiu o prédio. Os seguranças da empresa não impediram a invasão, devido à quantidade de pessoas.

Os manifestantes fizeram pichações de mensagens políticas em vidraças, sofás, paredes e no piso. Também atearam fogo em pneus ao redor de um totem com o nome do jornal, que é de metal e não chegou a ser danificado. Os invasores gravaram toda a ação e divulgaram em redes sociais. Meia hora depois da invasão, o grupo deixou o local. Não houve feridos.

A polícia vai investigar o caso. Uma perícia foi enviada ao local.

Entidades repudiam ocupação 

A Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão (Abert), a Asoociação Nacional de Editores de Revistas (Aner) e a Associação Nacional de Jornais (ANJ) repudiaram, com veemência, a invasão do MST ao parque gráfico do GLOBO.

Em nota conjunta, as entidades afirmaram que “é inadmissível que um grupo, que se diz defensor das causas sociais, ameace e ataque profissionais e meios de comunicação que cumprem a missão de informar a sociedade sobre assuntos de interesse público”.

O texto diz ainda que “atos criminosos como este são próprios de grupos extremistas, incapazes de conviver em ambiente democrático, e não pautarão os veículos de comunicação brasileiros”.

A Abert, a Aner e a ANJ pedem apuração dos fatos, “com a punição dos responsáveis, para que vandalismos como este não voltem a se repetir”.

Fonte e conteudo da Globo

Segundo o levantamento, 920 raios atingiram o Estado entre às 18h e 22h da segunda-feira(05).

Quase mil raios atingiram o Espírito Santo durante a tempestade registrada na noite da última segunda-feira (05). A informação é do Climatempo. Segundo o levantamento, o número total de raios na região metropolitana foi de 920 raios entre às 18h e 22h desta segunda-feira. 

Deste total, 524 raios foram do tipo nuvem solo, que incidem diretamente no solo e podem atingir pessoas.  

Somente em Vitória, foram registrados 91 raios, sendo 55 nuvem solo. 

Mais de 180 descargas por hora

De acordo com o Núcleo de Monitoramento de Descargas Atmosféricas, a incidência de raios no Espírito Santo chegou a mais de 180 descargas por hora a noite.

 

Descargas nuvem-solo

As descargas nuvem solo, como próprio nome diz, têm sua origem na nuvem e seu caminho final no solo. São as mais comuns em nosso cotidiano e por esta razão as mais estudadas. Este tipo de descarga pode ser subdividido em duas modalidades dependentes da sua polaridade, os negativos e os positivos.

As descargas nuvem solo negativas equivalem a cerca de 90% das emissões de raios desta natureza, estes se originam no interior das nuvens que são carregadas negativamente e são descarregadas no solo.

As descargas nuvem solo positivas são mais raras mais não improváveis, ela se da normalmente no tipo de nuvens chamadas de cúmulo-nimbo, que são nuvens de formato achatados e planos. Apesar de serem raras as descargas positivas se caracterizam por serem mais destrutivas do que as negativas podendo o pico de corrente chagar a marca dos 200kA enquanto que em descargas negativas a corrente de descarga inicial e tipicamente de 30kA.

 

Fonte: Folha de Vitória


 

 

Após apresentar quadro de confusão mental e surdez à atriz  Claúdia, volta  a ser internada, recentimente, teve uma infecção causada pela herpes-zóstes, o vírus da catapora.
 
Claudia Rodrigues voltou a ser internada no Centro Médico de Vida Saudável (Cevisa), em Engenheiro Coelho, no interior de São Paulo, na  ultima terça-feira. Segundo sua empresária, Adriane Bonato, a atriz, que luta contra a esclerose múltipla desde 2000, apresentou alguns sintomas como confusão mental e surdez durante o último fim de semana. Por isso, foi levada ao Cevisa para passar por uma bateria de exames e para retomar o tratamento de reabilitação.
 
Claudia teve uma infecção causada pela herpes-zóster, o vírus da catapora, recentemente. Adriane afirma que os sintomas que a atriz apresentou, que incluíam também dificuldade de locomoção e para enxergar, podem ser tanto de um surto de herpes-zóster ou da esclerose múltipla. Os exames devem apontar qual o causador desses problemas. "Essa herpes é muito forte e fica encubada, podendo voltar e atacar o sistema imunológico", afirma a empresária.
 
De acordo com Adriane, parte do progresso contra a esclerose múltipla que a atriz havia conquistado se perdeu por causa dessa crise. Por isso, ela já retomou o tratamento de reabilitação contra a doença. Claudia passou pelo Cevisa pela primeira vez em 2016, sendo internada em 2017. No centro, passava por sessões de fisioterapia, pilates e hidroterapia, além de manter uma dieta restrita. Teve alta em outubro, quando passou a morar em Engenheiro Coelho e ia e voltava todos os dias do centro para continuar o tratamento.
 
Para tratamento da esclerose múltipla, doença degenerativa que atinge o sistema nervoso e não tem cura, Claudia passou por um transplante de células-tronco em dezembro de 2015. O procedimento, doloroso, segundo a comediante, teve efeitos positivos, ajudando a reduzir as sequelas da doença -
 
Fonte: Veja

De acordo com o estudo da Cobap, as perdas dos aposentados foram maiores durante os mandatos do presidente Lula, com acumulado de 42,61%. Durante o governo de Fernando Henrique Cardoso, as perdas foram menores, totalizando 26,60%. Já no governo Dilma, a diferença entre os reajustes foi a menor já registrada.

Um estudo da Confederação Brasileira de Aposentados e Pensionistas (Cobap) aponta que as perdas salariais históricas dos aposentados e pensionistas acumularam 84,52% no período de setembro de 1994 até janeiro de 2018. Para chegar ao índice, a confederação utiliza os reajustes anuais do salário mínimo e a correção dos salários de aposentados e pensionistas que ganham acima do piso, reajustado pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC).

Neste ano, aposentadorias e pensões acima do salário mínimo foram reajustadas em 1º de janeiro de 2018 em 2,07%, enquanto o mínimo teve aumento de 1,95%. Porém, esse comportamento não é comum. Historicamente, o salário mínimo tem reajustes anuais maiores do que aposentados e pensionistas que ganham acima do piso nacional, atualmente em R$ 954.

De acordo com o estudo da Cobap, as perdas dos aposentados foram maiores durante os mandatos do presidente Lula, com acumulado de 42,61%. Durante o governo de Fernando Henrique Cardoso, as perdas foram menores, totalizando 26,60%. Já no governo Dilma, a diferença entre os reajustes foi a menor já registrada. Em comparação ao mínimo, os aposentados e pensionistas perderam 15,67%.

Fonte: Extra Globo 

 

O presidente da Federação do Comércio do Rio de Janeiro (Fecomércio), Orlando Diniz, foi preso na manhã desta sexta-feira (23/2) pela Polícia Federal. A ação é desdobramento da Operação Calicute, uma das fases da Lava Jato. São investigados desvios, lavagem de dinheiro e pagamento de cerca de R$ 180 milhões em honorários advocatícios.

Diniz havia sido afastado da presidência do Sesc-RJ, em dezembro, pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ), por suspeita de irregularidades.

Diniz entrou na mira do Ministério Público Federal (MPF) suspeito de integrar a organização criminosa chefiada pelo ex-governador Sérgio Cabral (MDB). De acordo com investigações, servidores fantasmas ligados a pessoas e familiares do grupo eram mantidos dentro do Sistema S.

Além disso, apontam as investigações, a Fecomércio teria contratado o escritório de advocacia da ex-primeira dama Adriana Anselmo. Suspeita-se que, em troca, Cabral adotava medidas para ajudar a entidade. O escritório teria recebido cerca R$ 20 milhões.

Ainda de acordo com o MPF, o presidente da Fecomércio-RJ teria utilizado o esquema de lavagem de dinheiro de Ary Filho, operador financeiro de Cabral, por falsos serviços prestados pela sua empresa Thunder com concessionárias de veículos e empresas de ônibus, movimentando cerca de R$ 3 milhões.                                                                                                                                                        Outros três mandados de prisão foram emitidos. Os envolvidos são acusados dos crimes de lavagem de dinheiro, corrupção e pertencimento à organização criminosa. Equipes da PF também fizeram busca e apreensão na Fecomércio e no Sesc-RJ.

Além de Diniz, foram alvo de mandados de prisão temporária Plínio José Freitas Travassos Martins, Marcelo José Salles de Almeida e Marcelo Fernando Novaes Moreira. Até as 9h20, havia a confirmação da prisão apenas de Plínio José, funcionário do Sesc-RJ.

Lava Jato
 

Um repasse de R$ 13 milhões da Fecomércio do Rio ao escritório de Adriana Ancelmo havia sido alvo da Lava Jato. Em novembro de 2016, quando o ex-governador Sérgio Cabral foi preso, o Ministério Público Federal havia apontado um ‘crescimento vertiginoso’ da banca.

Durante o governo Cabral, o escritório de Adriana Ancelmo recebeu R$ 35,8 milhões de 10 empresas. A Fecomércio do Rio foi uma delas.

Na época, a força-tarefa da Lava Jato chamou a atenção para ‘o assombroso volume de recursos que a Fecomércio – Federação das Indústrias do Comércio do Rio – passou a desembolsar para o escritório de Adriana Ancelmo principalmente em 2015 e 2016’.

“Os valores pagos exclusivamente pela Fecomércio são superiores à soma de todos os clientes do escritório nos anos anteriores, sabendo que existe pedido de investigação do Ministério Público de Contas junto ao Tribunal de Contas da União, envolvendo a Fecomércio e a contratação de escritórios de advocacia”, destacou a força-tarefa na ocasião. (Com informações da Agência Estado)

metropoles

Alguns juízes garantem que o auxílio-moradia é uma forma indireta de salário, como afirmou o presidente do Tribunal de Justiça de São Paulo, Manoel de Queiroz Pereira Calças, para quem o valor do benefício (R$ 4,3 mil mensais) é baixo.

Entre a legalidade e a moralidade há uma considerável distância. Isso significa que nem tudo que é legal pode ser considerado moral. Na verdade, no país em que apenas na Constituição Federal “todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza”, a imoralidade quase sempre prevalece.

Esse pensamento serve para ilustrar a questão do auxílio-moradia pagos a juízes, integrantes do Ministério Público e políticos. No momento em que bons exemplos são necessários para tirar o Brasil da vala do descrédito, juízes defendem a realização de greve para garantir a discussão do tema. A ameaça dos magistrados é grave e deve ser rechaçada pela sociedade, pois é inadmissível que um movimento como esse ganhe força apenas para manter um privilégio amoral e aético.

Alguns juízes garantem que o auxílio-moradia é uma forma indireta de salário, como afirmou o presidente do Tribunal de Justiça de São Paulo, Manoel de Queiroz Pereira Calças, para quem o valor do benefício (R$ 4,3 mil mensais) é baixo. Levando-se em conta que o benefício é considerado como complementação de salário, que sobre o montante incida os devidos impostos, pois não se pode aceitar que operadores da lei driblem a legislação.

A situação torna-se ainda mais grave quando constatado que um casal de juízes reside no mesmo imóvel mas o benefício é pago a ambos. Em determinados casos, magistrados são proprietários de vários imóveis e não escondem esse status material, pelo contrário. Ou seja, o escárnio é gigantesco. O que confirma a tese de que juízes acreditam ser semideuses, quando na verdade são servidores públicos pagos com o suado dinheiro do contribuinte.

Não importa o fato de o tal auxílio-moradia constar da Lei Orgânica da Magistratura, a qual não pode atropelar a Constituição e muito menos a moralidade pública. Se aquele que ingressa na magistratura não está contente com o salário, que mude de carreira. E se optar por permanecer no Judiciário, que coloque a mão no bolso para morar, seja em imóvel próprio ou alugado. Causa preocupação a possibilidade de todos servidores públicos pleitearem o mesmo benefício. Em um país à beira do despenhadeiro da crise, a queda no abismo é questão de tempo.

Situação idêntica acontece na seara do Ministério Público, onde o auxílio-moradia é pago sob o manto da legalidade, não importando se o benefício é provido de moralidade. Há servidores públicos (Judiciário ou MP) que, valendo-se da situação de trabalhar fora do domicílio de origem, optam por residir em cidades aprazíveis próximas ao local de trabalho. Ou seja, usam o dinheiro público para manter casas de veraneio, onde familiares se refestelam nos finais de semana.

Em determinado caso, um procurador da República decidiu morar em badalada ilha do litoral paulista, onde recebe a família para corriqueiros convescotes. O auxílio-moradia foi instituído para recompensar o servidor público que é transferido para outra localidade, que não a de seu domicílio. Isso significa que fazer do benefício uma complementação de salário é violar a lei.

Presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), a ministra Cármen Lúcia pautou para o dia 22 de março o julgamento das ações que tratam do pagamento de auxílio-moradia a juízes. Entre as referidas ações está a que o ministro Luiz Fux julgou em 2014, em caráter liminar, estendendo o auxílio-moradia (R$ 4,3 mil) a todos os juízes do País. Fux deveria se declarar impedido de julgar a ação, pois sua filha, Marianna Fux, é desembargadora do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro, portanto contemplada com o auxílio-moradia.

Casos semelhantes no Congresso

No Congresso Nacional o pagamento de auxílio-moradia também é algo escandaloso, mas a classe política trata de manter o assunto longe dos holofotes. Durante anos, o UCHO.INFO denunciou o uso indevido do auxílio-moradia, uma vez que parlamentares destinavam os valores recebidos para pagar parcelas de financiamento de imóveis. E nesse caso há um desvio na destinação do recurso público.

A farra era tamanha, que alguns políticos adquiriram vários imóveis em Brasília, muitos alugados para terceiros. O construtor, movido pela virulenta esperteza verde-loura, financiava diretamente os imóveis de acordo com o status do parlamentar: em quatro anos para deputados federais e em oito para senadores (tempo de cada mandato)

Durante esse período, o editor deste noticioso foi pressionado e ameaçado por políticos donos de construtoras, que alegavam ser nossas denúncias nocivas aos negócios deles. Muitos foram obrigados a abrir mão do auxílio-moradia.

Na diplomacia brasileira a situação não é diferente. Há casos em que diplomatas ou funcionários de embaixadas e consulados usaram o auxílio-moradia para a aquisição de imóveis, o que viola a lei. Isso aconteceu, por exemplo, em Miami, onde o então cônsul-geral Luiz Fernando Benedini usou o benefício para pagar as parcelas do financiamento de confortável casa na cidade da Florida, adquirida em nome de terceiros. A denúncia feita pelo editor deste portal resultou na exoneração do diplomata a bem do serviço público, Anos mais tarde, acabou reintegrado ao posto por obra e graça da Justiça brasileira.

 

 

Algumas delas ficam no Nordeste,  a praia de Tambaba é uma das mais paradisíacas para a prática do naturismo

Dora Vivacqua, mais conhecida pelo nome artístico Luz Fel Fuego, foi uma capixaba que nasceu em 21 de fevereiro de 1917. Dançarina, escritora e feminista, ela foi uma das primeiras pessoas a implantar a cultura do naturismo no Brasil, ainda na década de 1940. Em 1951, ela fundou o Clube Naturalista Brasileiro, o primeiro do gênero na América Latina, em uma ilha particular na costa do Rio de Janeiro.

Luz del Fuego foi assassinada em julho de 1967, aos 50 anos de idade. Sua morte passaria “despercebida” pela polícia carioca em plena ditadura caso um de seus assassinos não tivesse entrado em confronto com oficiais algumas semanas mais tarde e também matado um cabo. Por conta de sua luta pelos direito dos que gostam de viver sem roupa, o dia do nascimento de Luz del Fuego foi estipulado extraoficialmente como o Dia Nacional do Naturismo.

Luz del Fuego, a pioneira do naturismo no Brasil (Crédito: Reprodução)
Luz del Fuego, a pioneira do naturismo no Brasil (Crédito: Reprodução)

 

A pioneira do naturismo no Brasil não viveu para ver o surgimento de praias em que a prática passou a ser considerada legal. A Praia do Pinho, em Balneário Camboriú (SC), foi a primeira do gênero em nosso país, tendo sido inaugurada na década de 1980. Atualmente, são apenas 8 os locais oficiais (e mais de 30 os extraoficiais) de nossa costa – que possui mais de 7,3 mil km de extensão – destinados à prática. Saiba quais são:

1. Praia do Pinho – Balneário Camboriú (SC)

Inaugurada em 1986, a primeira praia destinada ao naturismo no Brasil tem um lugar específico para homens desacompanhados e uma grande infraestrutura para receber os banhistas adeptos da vida sem roupas. Para chegar de carro, é preciso pagar uma taxa de R$ 20, mas também é possível entrar no local a pé através de uma trilha.

Praia do Pinho

 

2. Praia Olho de Boi – Armação de Búzios (RJ)

Apesar de não ter uma infraestrutura destinada ao turismo, a Olho de Boi possui uma das melhores águas para o banho, mesmo contando com uma pequena extensão de apenas 50 metros, entre dois costões. O acesso ao local é exclusivamente a pé, a partir de uma trilh que começa na praia Brava .

Praia Olho de Boi

3. Praia da Galheta – Florianópolis (SC)

Oficializada como praia naturista em 1997, ela é uma das poucas em que o nudismo é opcional. A praia é muito frequentada por surfistas e por curiosos que querem conhecer um pouco mais sobre esse estilo de vida, mas ainda não se sentem confortáveis em tirar a roupa.

praia da galheta

4. Praia de Massarandupió – Entre Rios (BA)

A 93 km de Salvador, a praia de Massarandupió conta com quiosques e é uma área de proteção ambiental que recebe tartarugas em períodos de desova, então é possível ter a sorte de encontrar esses animais por lá. O mar desse lugar é muito calmo e convidativo ao banho.

Praia de Massarandupió

5. Praia Barra Seca – Linhares (ES)

Com areia grossa e mar agitado, a praia Barra Seca é a única do Espírito Santo a permitir oficialmente o naturismo. A infraestrutura ainda é precária, mas já é possível encontrar churrasqueira, banheiro, área de camping, chuveiro e energia elétrica por lá. Um rio deságua no mar, fazendo com que a região tenha áreas de banho tanto em água doce quanto salgada.

praia barra seca

6. Praia de Tambaba – Conde (PB)

Com falésias de até 20 metros de altura, a praia de Tambaba é uma das mais paradisíacas para a prática do naturismo. Dividida em três setores, ela tem locais para famílias e para homens desacompanhados. Um dos trechos também permite o uso de roupas. Foi oficializada para a prática do nudismo em 1989, sendo usada para essa função mesmo antes da liberação.

praia de tambaba

7. Praia do Abricó – Rio de Janeiro (RJ)

O Rio de Janeiro não é feito só de Copacabana ou Ipanema: em um pontinho mais reservado está a praia de Abricó, que permite o nudismo desde 2003. Tem aparência de praia selvagem, com montanhas e pedras que garantem a privacidade dos peladões. Por enquanto, não oferece muita infraestrutura aos turistas.

praia de abricó

8. Praia de Pedras Altas – Palhoça (SC)

Santa Catarina possui 3 das 8 praias brasileiras oficializadas para praticar o naturismo. A praia de Pedras Altas possui um acesso um pouco mais complicado, mas compensa o visitante com um mar calmo e uma passagem incrível, com várias pedras compondo o cenário.

praia de pedras altas

Regras de visitação

O naturismo é um estilo de vida que não tem nada a ver com a sexualidade, portanto, comportamentos obscenos em áreas destinadas à prática do nudismo não são tolerados por quem estiver por lá. Então, não vá pensando que o fato de a galera estar sem roupa é motivo para ter intimidades excessivas.

Além disso, evite fotografar ou filmar outros banhistas em praias ou clubes de naturismo. Só faça isso se tiver autorização expressa para o registro. O desrespeito e o preconceito contra os praticantes do nudismo também são combatidos por seus seguidores.

Para finalizar, saiba que ao visitar essas praias é necessário tirar a roupa. Mulheres em período menstrual até são liberadas a praticar apenas o topless, mas o ideal é que todo mundo respeite as regras – salvo, é claro, praias com áreas e regulamentos específicos para o uso de roupas.

praia do pinho

 
Fonte:  Megacurioso
A Constituição estabelece que seu texto não poderá ser alterado na vigência de uma intervenção federal.
 
A Câmara dos Deputados aprovou na madrugada desta terça-feira, após mais de 6 horas de discussão, o decreto que trata da intervenção federal na área de segurança pública do Estado do Rio de Janeiro, nomeando um general do Exército como interventor para coordenar o combate à violência.
 
Por 340 votos favoráveis a 72 contrários, com 1 abstenção, os deputados aprovaram o decreto presidencial, que ainda precisa ser analisado pelo Senado. Os senadores devem votar a medida ainda nesta terça.
 
A relatora da proposta, deputada Laura Carneiro (MDB-RJ), incluiu duas sugestões ao Poder Executivo em seu parecer. Ela pediu que o governo federal apresente recursos em caráter continuado para segurança pública e áreas de assistência social, e também sugeriu que o Poder Executivo regulamente o poder de polícia das Forças Armadas e estabeleça diálogos com o Ministério Público e o Judiciário para o controle externo da operação.
 
"Durante dez meses, seriam necessários cerca de R$ 250 milhões adicionais para custeio e investimento das ações de intervenção, recursos de que o Estado do Rio de Janeiro não dispõe", afirmou a deputada, segundo a Agência Câmara Notícias.
 
Enquanto a maioria dos deputados governistas posicionou-se favoravelmente à medida, lideranças da oposição criticaram o fato de o tema não ter sido mais detalhado antes do envio à Câmara.
 
O líder da minoria, José Guimarães (PT-CE), por exemplo, defendeu que a proposta fosse melhor discutida e que não poderia ser votada "no escuro". O líder do Psol, Ivan Valente (SP), afirmou que o governo optou pela intervenção para que sirva de "cortina de fumaça" para desviar o foco e tirar o governo da situação desconfortável de admitir que não tem os votos necessários para aprovar a reforma da Previdência.
 
A Constituição estabelece que seu texto não poderá ser alterado na vigência de uma intervenção federal. Isso impacta diretamente na votação da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) da reforma da Previdência, que tinha o início de sua discussão previsto para esta semana. Com a intervenção, o tema foi enterrado.
 
 
Fonte: Portal Terra
 
 
 
Seus sócios, como também está nos dados da Receita, são Luciano Huck e Angélica Kysivikis Huck
 
O empresário e apresentador de TV Luciano Huck recebeu, do BNDES, um empréstimo de R$ 17, 71 milhões para comprar o jatinho Phenom 505, , prefixo PP-HUC,  que usa em seus deslocamentos. O crédito, tomado pela Brisair Servicos Técnicos Aeronáuticos Ltda, empresa pertencente a ele e à mulher, Angélica, foi obtido pela linha do Finame (financiamentos a máquinas e equipamentos), a juros de 3% ao ano, 5 meses de carência e outros 114 meses para pagamento, funcionando o Itaú como operador do financiamento.
 
O documento do BNDES está aqui e pode ser obtido por qualquer um na página de consultas do Banco.
 
A Brisair, que funciona em parte de uma sala na Barra da Tijuca, no seu registro na Receita Federal, consta como tendo atividades de“ consultoria em gestão empresarial, exceto consultoria técnica específica” e, secundariamente, “administração de caixas escolares” e “atividades de apoio à educação, exceto caixas escolares “.
 
Seus sócios, como também está nos dados da Receita, são Luciano Huck e Angélica Kysivikis Huck.
 
A imagem do avião, aí de cima, foi tomada pelo fotógrafo e entusiasta de aviação Bruno Ramm, logo após pousar, em 15 de junho de 2016, no Aeroporto de Canela (RS), vindo do Rio de Janeiro. O documento que lhe atesta a propriedade está no Registro Aeronáutico Brasileiro.
 
Espero que Luciano não reaja como fez em 2005, quando mandou uma carta agressiva para a Revista Contigo, de fofocas de “celebridades” desmentindo o que ela publicara: que ele havia comprado um helicóptero de R$ 1 milhão de reais, na época, e escolhido prefixo PR-KIM para homenagear o filho.
 
Queixou-se em termos duros da revista, a quem acusou de publicar “informação infundada, sem critérios jornalísticos de apuração e publicada de forma não responsável e que pode, de alguma forma, prejudicar a paz e tranqüilidade que eu e minha esposa esperamos poder construir e proporcionar para nosso filho. Nós esperamos que ele tenha uma infância normal e feliz.
 
Ele mesmo admitia, porém,  que o helicóptero era da Brisair e que era um dos sócios da empresa. A informação, portanto, não tinha nada de infundado.
 
E tanto era assim que, partindo dela, resolvi procurar aeronaves com prefixo HUC e…bingo!
 
Pega pela vaidade pueril, a compra com financiamento subsidiado, desmonta o discurso do “é meu porque comprei com o meu dinheiro”. Não, foi com o nosso, a juros subsidiados. Se eu quiser comprar um carro popular, vou pagar 25% ao ano. Huck, nos mesmos 12 meses, paga 3% com sua empresa que nem mesmo tem a atividade de táxi aéreo no registro. Se ele a aluga, deve ter as notas fiscais, pois não? Duvido.
 
Alguém que “estuda” ser Presidente da República tem de dizer o que acha disso. Não vale, como os juízes fizeram com o  auxílio-moradia, apenas dizer que ‘é legal” e se “estão dando, eu pego”. Não se está chamando de ilegal, mas de imoral.
 
E, por favor: nada de alegar “informações infundadas’, ok? Os documentos estão linkados, são públicos e oficiais. 
 
 
Fonte: Tijolaço
 

 

Pagina 6 de 92
JR Esquadrias