Notícias (1282)

Segunda, 09 Abril 2018 22:06

Chove em 58 cidades da PB e açudes ganham água

Escrito por

Estado registra oito mananciais sangrando, 32 em estado de observação e 14 em estado crítico

Pelo menos 58 cidades monitoradas pela Agência Executiva de Gestão das Águas da Paraíba (Aesa) registraram chuvas nesse fim de semana no estado. As chuvas registradas entre sexta (6) e esta segunda-feira (9) contribuíram para recarga em açudes e aliviar a estiagem.                                                                                              

Conforme a Aesa, a cidade que mais registrou chuvas nos últimos três dias foi São José dos Cordeiros, com 144 milímetros (mm). Em seguida aparecem: Catingueira, 110 mm; Taperoá, 104,5 mm; Lagoa, 71,2 mm; Princesa Isabel, 67,2 mm; Passagem, 66,8 mm; São José de Piranhas, 57,3 mm; Cacimba de Areia, 51 mm; Ouro Velho, 50,2 mm; e Malta, 46 mm.

Com relação aos açudes, o estado registra oito mananciais sangrando, 32 em estado de observação (quando o volume acumulado é menor de 20% e maior do que 5%) e 14 em estado crítico, com volume menor do que 5%.

Entre os principais açudes o volume total deles é de:

Marés: capacidade de 2.136.637 milhões de metros cúbicos (m³) e possuí atualmente 1.662.637 milhões de m³, ou 77,81%;

Gramame: capacidade de 56.937.000 milhões de m³ e possuí atualmente 51.532.200 milhões de m³, ou 90.51%;

Boqueirão: capacidade de 411.686.287 milhões de m³ e possuí atualmente 90.537.373 milhões de m³, ou 21,99%;

Engenheiro Ávidos: capacidade de 255.000.000 milhões de m³ e possuí atualmente 38.666.980 milhões de m³, ou 15,16%;

Coremas: capacidade de 591.646.222 milhões de m³ e possuí atualmente 75.991.727 milhões de m³, ou 12,84%.

 
 
 
 
Fonte: Portalcorreio
 

 

A Vivo afirma ainda que sempre é pedida a autorização prévia do consumidor, por meio do termo de adesão do serviço móvel, que pode ser cancelada a qualquer momento pelos canais de atendimento. 

O Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT) instaurou um inquérito civil público para apurar o uso pela Vivo de dados de cerca de 73 milhões de usuários para fins de publicidade. Segundo a promotoria, a plataforma de marketing mobile da operadora, a Vivo Ads, promete fornecer publicidade usando dados qualificados dos clientes, como perfil, localização, comportamento de navegação, lugares frequentados e hábitos de consumo, o que permite o direcionamento da publicidade.

Segundo o MPSFT, as informações podem estar sendo usadas de maneira imprópria para a venda de espaço publicitário. De acordo com i MPDFT, seria possível identificar, por exemplo, usuários em tratamento médico, a partir do mapeamento da circulação em clínicas e hospitais.

A Comissão de Proteção dos Dados Pessoais do MPDFT, responsável pela investigação, lembra que Marco Civil da Internet assegura direito de inviolabilidade da intimidade e da vida privada, e também o direito de não fornecimento a terceiros dos dados pessoais, salvo mediante consentimento livre, expresso e informado. E, no caso do Vivo Ads, diz a promotoria, não é dado aos usuários da operadora a opção de não ter seus dados usados para fins de publicidade.

No texto do inquérito, o MPDFT chama atenção para o fato de que no contrato de serviço, nem no centro de privacidade da empresa Vivo existem informações sobre uso dos dados pessoais de clientes para fins de publicidade. A investigação poderá resultar em ação civil coletiva de responsabilidade por danos aos usuários.

Edinho cumpre pena no interior de São Paulo por lavagem de dinheiro e associação ao tráfico de drogas

 

Condenado a 12 anos e dez meses de prisão por lavagem de dinheiro e associação ao tráfico de drogas, Edinho passa boa parte do tempo na quadra poliesportiva da penitenciária Dr. José Augusto César Salgado, de Tremembé, no interior paulista. É a famosa P-II. O filho de Pelé joga futebol e gosta de orientar as equipes como treinador, realizando o que fazia quando estava em liberdade. Ele também se mantém no prumo com as visitas da mulher Jessica e os grupos de oração. Pessoas próximas o definem como “espiritualizado”.

Quando o regulamento da instituição permite, mais ou menos uma hora por dia, Edinho está na quadra de cimento, aberta todos os dias. Com a bola, volta ao passado antes de ser preso. Quando joga no gol, ele se lembra da carreira no Santos. Titular, foi vice-campeão brasileiro em 1995 – fez a partida final com o Botafogo no Pacaembu. Edinho busca as lembranças ao orientar os times da P-II e tentar imprimir alguma organização tática à pelada da cadeia. Ele era técnico antes de ser preso, com passagens por Mogi Mirim e Água Santa. Na prisão, tudo é informal. Edinho dá dicas de esquemas táticos e ajuda na preparação física dos detentos. O filho de Pelé tem prestígio com os amigos.

Três Corações

Em janeiro do ano passado, em Três Corações (MG), ele treinava o Tricordiano, time em que seu avô, Dondinho, foi ídolo nos anos 1930 e 1940, na cidade em que Pelé nasceu. Entusiasmado, Edinho falava em reviver a memória do avô, mas a coincidência histórica durou pouco. Ele foi demitido após dois jogos. Agora, faz planos de retomar a carreira quando sair da prisão.

Em Tremembé, todos sabem que ele é filho de Pelé, mas isso não faz diferença em sua rotina. Ele tem de acordar  às 5h45 como todos – o colchão finíssimo não ajuda a dormir bem. Os agentes penitenciários contam preso por preso três vezes ao dia. A primeira refeição tem pão com manteiga e café; o almoço mais comum oferece arroz, feijão, bife à rolê, rúcula e tomate. Banana e laranja compõem o cardápio diário.

Comparada às outras 86 penitenciárias do Estado, as condições até que são boas. Cabem na P-II 408 presos, mas a população atual é de 344. Edinho divide a cela com outros seis. Por questões de segurança, a Secretaria de Administração Penitenciária não informa quem são seus colegas nem a localização do cômodo, de 8 x 15 metros.

Redução de pena

O detento pode ir à biblioteca, ver filmes com comentários, fazer artesanato e teatro ou participar de cursos profissionalizantes e de ensino regular. Edinho gosta de estudar em Tremembé. Ele está na fila para trabalhar também, pois as vagas são por ordem de ingresso na prisão. As atividades são limpeza, distribuição de cartas, manutenção e cozinha. Há atividades remuneradas, prestadas às empresas dentro da P-II, como reformar carteiras. Trabalhar significa reduzir a pena.

Na igreja ecumênica são realizadas missas católicas e cultos evangélicos e Edinho participa de grupos de oração. Já são oito meses, contados hora após hora. As visitas dos familiares são importantes – a mulher, Jessica, sempre visita o marido. “No sistema carcerário, a pessoa tende a ficar emocionalmente abalada, mas o Edinho é um cara espiritualizado. Ele está razoavelmente bem”, diz o advogado Eugênio Malavasi, que o vê uma vez a cada 15 dias. A secretaria informa que Edinho tem bom comportamento.

Regime semiaberto

Edinho está completando oito meses em seu quinto período de prisão. Desde 2005, ele está perto de completar 1/6 da pena de 12 anos e dez meses. Depois de completar a sexta parte da pena, Edinho pode solicitar a progressão do regime fechado (o preso não pode sair da cadeia) para o semiaberto (o preso pode sair para trabalhar e estudar durante o dia, mas tem de voltar à noite). Os defensores estão otimistas e afirmam que ele poderá ser beneficiado nos próximos meses.

“Edinho tem totais condições de mudar o regime. Só existe um entrave na execução penal dele relacionado à falta de documentação. Logo após a Páscoa, deve ser expedida a carta de guia. Assim que ela for autuada, a petição já está pronta. Vamos ingressar com o pedido de semiliberdade”, garante o advogado Eugênio Malavasi.

O filho de Pelé reafirma inocência, se sente injustiçado e diz que não cometeu crime de lavagem de dinheiro. “Eu tenho a consciência tranquila da minha total inocência em relação às acusações que foram feitas”, disse em janeiro de 2017.

Operação Indra

Edinho foi preso com outras 17 pessoas pela Operação Indra em junho de 2005, acusado de ligação com uma organização de tráfico de drogas comandada por Ronaldo Duarte Barsott, o Naldinho, na Baixada Santista. Sua pena foi de 33 anos e quatro meses de prisão.

Ele chegou a ser preso, mas depois de seis meses em prisão provisória, foi solto com liminar em habeas corpus do Supremo Tribunal Federal (STF). Edinho permaneceu em liberdade, alternando idas e vindas à cadeia, por ser possível a apresentação de recursos. No dia 23 de fevereiro de 2017, a 14.ª Câmara de Direito Criminal do Tribunal de Justiça de São Paulo confirmou a condenação, mas reduziu a pena para 12 anos e dez meses, em regime fechado. Edinho foi obrigado a se apresentar. Foi detido em julho do ano passado, após a 14.ª Câmara de Direito Criminal do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo (TJ-SP) decidir por rejeitar as apelações da defesa. Desde então, está preso.

 

 

Fonte: Informaparaiba

 

Circula desde a tarde do último sábado (31) a imagem de Dom Aldo di Cillo Pagotto visivelmente abatido. Segundo informações obtidas de fontes ligadas à Arquidiocese da Paraíba, o Arcebispo Emérito da Paraíba estaria passando por um tratamento quimioterápico contra o câncer.

Em junho de 2011, Dom Aldo já havia iniciado um tratamento contra um câncer de próstata, de cuja doença chegou a afirmar estar curado.

Em dezembro passado, Dom Aldo foi operado em Fortaleza, onde encontra-se recluso desde que deixou a Paraíba, para a retirada do apêndice e do intestino grosso, obstruídos por secreção  de pus, segundo os médicos que o operaram.

Em sua carta de renúncia, apresentada ao Papa Francisco em julho de 2016, o religioso alegou “causa grave ou doença” como argumento para deixar ao cargo de Arcebispo da Paraíba, no que foi prontamente atendido.

Segundo as mesmas fontes, trata-se de um avanço do câncer, que teria retornado e estaria em sua fase mais agressiva. Uma das fontes chegou a falar em metástase. Nenhuma das informações foi confirmada oficialmente pela Arquidiocese da Paraíba.

Dom Aldo está recluso no mosteiro de sua ordem, a Congregação do Santíssimo Sacramento, em Fortaleza, de onde sai apenas para fazer o tratamento quimioterápico.

Em novembro do ano passado, o Conselho Superior do Ministério Público da Paraíba arquivou denúncias de suposto envolvimento de Dom Aldo em casos de pedofilia na igreja. O religioso negou as acusações.

Fonte: Portaldolitoral

 

Previsão de chuvas fortes segue até a proxima terça-feira (3) em várias cidades do Nordeste

Apesar do último sábado (31) ter começado ensolarado em João Pessoa, a capital paraibana está entre as cidades do Nordeste que podem receber chuvas volumosas até a segunda-feira (2). Chuvas ainda mais fortes podem alcançar São Luís (MA), Teresina (PI) e Fortaleza (CE), com raios e ventos no fim de semana e também na segunda (2) e na terça-feira (3).

Segundo informações da Climatempo, uma Zona de Convergência Intertropical (ZCIT) voltou a ganhar força sobre a costa norte do Nordeste na última semana de março trazendo muita nebulosidade e chuva forte.

Em João Pessoa, as chuvas fortes começaram na quinta-feira (29) e causaram alagamentos em vários pontos da cidade. A capital paraibana recebeu, em 24 horas, quase todo o volume de chuvas esperado para o mês de março. “Foi a maior quantidade de chuva em 24 horas sobre a capital paraibana este ano, até agora”, diz a Climatempo.

Natal (RN) também teve alagamentos desde a quinta-feira (29). A chuva do feriado da sexta-feira (30) causou alagamentos em ruas e rodovias na região de Teresina.

O fim de semana de virada de março para abril é com alerta para fortes pancadas de chuva sobre o Maranhão, Piauí, Ceará, Rio Grande do Norte e Paraíba. O risco de chuva forte é menor em Pernambuco, mas não deve ser completamente descartado. Além de João Pessoa, as regiões de Natal e de Recife (PE) podem ter chuva volumosa até segunda-feira (2).

Conforme a Climatempo, a ZCIT não tem influência direta sobre as regiões de Maceió (AL) e de Aracaju (SE), mas essas duas capitais podem ter chuva moderada no sábado (31), por causa de outras áreas de instabilidade que avançam do mar. Sol forte e tempo seco predominam sobre a Bahia. Há previsão de pancadas de chuva para o litoral, mas não há risco de tempestade.

Fonte: Portalcorreio

Foi com profunda tristeza que a presidente da Câmara Municipal de Campina Grande, vereadora Ivonete Ludgério, recebeu a notícia da morte da jornalista Nelma Figueiredo, que faleceu nesta sexta-feira (30), em João Pessoa.

Ivonete lamentou profundamente a perda e comunicou os votos de pesar para os familiares e amigos, principalmente para a classe jornalística paraibana que perde um dos seus mais importantes representantes.

De acordo com a vereadora, Nelma Figueiredo era uma querida amiga, pela qual Ivonete Ludgério nutria grande carinho e admiração.



"Recebi essa notícia com muita tristeza no coração. Nelma era uma mulher forte e uma grande jornalista que sempre cumpriu sua missão com ética e honradez. Todos nós que fazemos a Câmara de Campina Grande sentiremos profundamente a sua ausência", disse Ivonete - Dirp/CMCG.


 

Fonte: Portal Carlos Magno

Foi com profunda tristeza que a presidente da Câmara Municipal de Campina Grande, vereadora Ivonete Ludgério, recebeu a notícia da morte da jornalista Nelma Figueiredo, que faleceu nesta sexta-feira (30), em João Pessoa.

Ivonete lamentou profundamente a perda e comunicou os votos de pesar para os familiares e amigos, principalmente para a classe jornalística paraibana que perde um dos seus mais importantes representantes.

De acordo com a vereadora, Nelma Figueiredo era uma querida amiga, pela qual Ivonete Ludgério nutria grande carinho e admiração.



"Recebi essa notícia com muita tristeza no coração. Nelma era uma mulher forte e uma grande jornalista que sempre cumpriu sua missão com ética e honradez. Todos nós que fazemos a Câmara de Campina Grande sentiremos profundamente a sua ausência", disse Ivonete - Dirp/CMCG.


 

Fonte: Portal Carlos Magno

Durante os quatro dias de operação, a PRF fará fiscalizações de motocicletas, com foco nas infrações.

Polícia Rodoviária Federal (PRF), começa nesta quinta-feira (29) a Operação Semana Santa, com reforço do policiamento nas rodovias federais da Paraíba. As ações do Órgão terão início às 00h da quinta-feira (29) e vão até às 23h59 do dia 1º de Abril (domingo). Durante este período, policiais rodoviários federais reforçarão a fiscalização nos trechos com maiores índices de acidentes e crimes, de acordo com estatísticas do Órgão.
 
 
A operação visa, além da diminuição do número e letalidade dos acidentes, garantir segurança e fluidez do trânsito aos usuários das rodovias federais e contará com atividades para diminuir a incidência de acidentes relacionados ao excesso de velocidade, à alcoolemia ao volante, ao uso inadequado do cinto de segurança e às ultrapassagens indevidas. Também serão realizadas ações operacionais direcionadas para o combate à criminalidade.
 
Fiscalização
 
Durante os quatro dias de operação, a PRF fará fiscalizações de motocicletas, com foco nas infrações que potencializam a ocorrência de acidentes e sua gravidade como uso e regularidade do capacete, equipamentos obrigatórios, sistema de iluminação e habilitação. Policiais rodoviários federais também reforçarão as fiscalizações de ultrapassagens forçadas ou proibidas, além de conferir se os motoristas estão utilizando o cinto de segurança e os dispositivos adequados para o transporte seguro de crianças.
 
Educação para o trânsito
 
Além do patrulhamento ostensivo, a PRF também promoverá ações educativas buscando sensibilizar motoristas e passageiros de seus papéis na construção de um trânsito mais seguro. Em alguns postos, o condutor será convidado a assistir a vídeos que mostram comportamentos inadequados no trânsito e as consequências dessas condutas. Os motoristas têm a oportunidade de fazer uma reflexão sobre suas atitudes e assimilar novos hábitos.
 
Restrição de tráfego
 
A PRF restringiu o tráfego de alguns tipos de combinações de veículos, em razão da segurança para os demais veículos em momentos de ultrapassagens, já que, dificultam estas manobras. Assim, o tráfego de Combinações de Veículos de Cargas (CVC), portadores de Autorização Especial de Trânsito (AET), de Combinações de Transporte de Veículos (CTV) e Combinações de Transporte de Veículos e Cargas Paletizadas (CTVP), portando ou não a AET, bem como o trânsito dos demais veículos portadores de AET será restrito nos trechos de pista simples em determinados dias e horários. A restrição visa aumentar a fluidez do trânsito nas rodovias de pista simples, maior parte da malha viária nacional. Nos dias e horários de maior movimento, esses veículos não poderão transitar.
 
Dicas de trânsito – A PRF recomenda algumas condutas para a realização de uma viagem segura:
 
– Lembre-se que os faróis ligados são obrigatórios em rodovias, durante o dia e a noite;
– Faça uma revisão atenta no veículo antes de viajar. Verifique principalmente pneus (inclusive o estepe), palhetas dos limpadores de para-brisa e itens de iluminação e sinalização;
– Planeje a viagem, lembre-se de programar paradas em locais adequados para alimentação, abastecimento e descanso;
– Mantenha a atenção na rodovia;
– Respeite a sinalização e os limites de velocidade, eles existem para proteger a sua vida;
– Não ligue o pisca alerta com o veículo em movimento. Isso pode confundir os outros motoristas e causar um acidente;
– Aumente a distância do veículo à frente e diminua a velocidade.
 
Assessoria

A acreana ganhava R$ 2,700 para sustentar a família, comprar remédios para mãe, pagar contas de água e luz, despesas dos irmãos e suprir a casa de alimentos. Ela também usava o dinheiro para pagar metade da faculdade de Psicologia na Uninorte.

Uma das favoritas ao prêmio de R$ 1,5 milhão no “BBB 18”, a acreana Gleici Damasceno, de 23 anos, leva uma vida muito diferente da que desfruta no reality show. De origem humilde, ela cresceu na zona rural e vive hoje em uma casa simples, de madeira e alvenaria, e três cômodos, com a mãe, o irmão mais velho e a sobrinha de 3 anos na periferia da Baixada da Sobral, uma das áreas mais violentas da capital do Acre.

 

 

Gleici viu a violência de perto quando o seu pai foi assassinado há três anos, dentro de casa e na frente da irmã mais nova, pelo tráfico de drogas que domina a região. O pai da sister era dependente químico e se separou da mãe dela quando Gleici tinha 6 anos.

 

 

Gleici na formatura do Ensino Médio
Gleici na formatura do Ensino Médio Foto: Jardy Lopes

 

 

Mãe de Gleici trabalhou como doméstica e criou os três filhos sozinha
Mãe de Gleici trabalhou como doméstica e criou os três filhos sozinha Foto: Jardy Lopes

 

Sem internet e TV a cabo em casa

Na mesma época, a mãe, Vanuzia, de 39, foi diagnosticada com um câncer no útero e teve que abandonar o emprego no gabinete de uma vereadora da cidade, sua ex-patroa. Para a função, ela ganhava R$ 2 mil, renda essa que era complementada como zeladora da UPA (Unidade de Pronto Atendimento) à noite. Coube a Gleici assumir as despesas da família. Sem internet e TV a cabo em casa, Vanuzia, e o irmão da sister, Gleisson, de 24, acompanham o programa graças à generosidade dos vizinhos, que cederam um ponto.

 

Irmão de Gleice na casa onde eles moram, no Acre
Irmão de Gleice na casa onde eles moram, no Acre Foto: Jardy Lopes

 

 

Irmão de Gleice, Gleisson, de 24 anos
Irmão de Gleice, Gleisson, de 24 anos Foto: Jardy Lopes

 

 

Cama de Gleici fica na sala da casa, atrás do sofá
Cama de Gleici fica na sala da casa, atrás do sofá Foto: Jardy Lopes

 

 

Irmão de Gleici dorme na sala da casa com ela
Irmão de Gleici dorme na sala da casa com ela Foto: Jardy Lopes

 

Sister dorme em uma cama na sala

A casa é protegida por uma cerca de madeira e possui um quarto, cozinha e sala (mobiliada com um sofá simples, uma TV e a cama da Gleici). "Íamos usar o 13º (salário) dela para desmanchar a sala e fazer um quartinho aqui. Era o sonho dela", conta a mãe, que sobrevive atualmente com a ajuda de vizinhos e do dinheiro da exoneração de Gleici no cargo comissionado na Assessoria de Juventude, no Governo do Estado.

 

Mãe de Gleici na casa em que a família mora, no Acre
Mãe de Gleici na casa em que a família mora, no Acre Foto: Jardy Lopes

 

 

Vizinho cedeu um ponto de TV a cabo para mãe de Gleici assistir ao
Vizinho cedeu um ponto de TV a cabo para mãe de Gleici assistir ao "BBB" Foto: Jardy Lopes

 

 

Cozinha da casa de Gleici do
Cozinha da casa de Gleici do "BBB 18" Foto: Jardy Lopes

 

Compra fiado em mercearia

A acreana ganhava R$ 2,700 para sustentar a família, comprar remédios para mãe, pagar contas de água e luz, despesas dos irmãos e suprir a casa de alimentos. Ela também usava o dinheiro para pagar metade da faculdade de Psicologia na Uninorte. Os outros 50% são custeados pelo Fies (programa de financiamento estudantil do Governo). A família Damasceno tem uma conta fiada no mercadinho que fica na frente da casa. "Ela acerta tudo direitinho. É uma menina honesta. Dá gosto de ver”, elogia o comerciante Manoel Malveira.

 

O comerciante Manoel Malveira deu um crediário para Gleici comprar fiado
O comerciante Manoel Malveira deu um crediário para Gleici comprar fiado Foto: Jardy Lopes

 

 

Família de Gleici compra fiado na mercearia da região
Família de Gleici compra fiado na mercearia da região Foto: Jardy Lopes

 

Família passou fome

A casa da família é própria, fruto do esforço do trabalho de Vanuzia, que durante anos deu duro como empregada doméstica. A matriarca juntou o dinheiro de uma rescisão contratual e conseguiu um empréstimo para comprar o imóvel. Foi quando a família deu uma melhorada de vida. Até a adolescência, Gleici viveu na extrema pobreza, com a mãe tendo que sustentar sozinha os três filhos e ainda pagar aluguel.

"Com um salário mínimo não dá para pagar tudo. Algumas vezes, eu os mandava tomar café na casa de um parente ou outro e, às vezes, não tinha o que fazer, eu fechava os olhos e deixava ir para escola sem tomar café mesmo”, relembra a mãe, emocionada.

Inconformada com a realidade em que vivia, Gleici decidiu trabalhar aos 12 anos como babá e passou a ajudar nas despesas. Quando fez 15 anos, pediu à mãe um computador de presente. "Trabalhei muito para juntar dinheiro, mas não consegui. Até que um tio se ofereceu para fazer um crediário. A Gleici chorou muito quando viu o computador".

 

Gleici em ação solidária no Acre
Gleici em ação solidária no Acre Foto: Reprodução

 

Trabalho comunitário

Bastante estudiosa, ela ganhou do melhor amigo um vestido para a formatura do Ensino Médio. "Ela disse que não tinha condições de ir ao evento porque não tinha um vestido, e eu ofereci o meu, de Miss Acre Gay", conta João Reis, homossexual assumido e líder comunitário.

"Conheci a Gleici quando ela tinha 15 anos, e tínhamos em comum essa vontade de ajudar as pessoas das comunidades carentes. Às vezes, íamos do bairro até o centro a pé, o que significa longos quilômetros. Parávamos debaixo de um pé de jaca e manga para comermos as fruta, pois não tínhamos dinheiro para comprar comida", relembra: "Mesmo sendo pobre, ela sempre lutou por outras pessoas mais carentes que ela. De um lado, eram nossas mães fazendo de tudo para nos dar de comer, e nós fazendo de tudo para dar de comer aos outros".

 

Gleici usou o vestido de uma amigo gay na formatura do Ensino Médio
Gleici usou o vestido de uma amigo gay na formatura do Ensino Médio Foto: Jardy Lopes

 

 

Gleici usou um vestido de um amigo gay na formatura do Ensino Médio
Gleici usou um vestido de um amigo gay na formatura do Ensino Médio Foto: Reprodução

 

 

Líder comunitário, João Reis é o melhor amigo de Gleici
Líder comunitário, João Reis é o melhor amigo de Gleici Foto: Jardy Lopes

 

O trabalho comunitário cresceu, e Gleici quis criar uma associação e lutou por uma biblioteca comunitária. "O que motivava a Gleici era a história de vida do pai dela, que ela nem gosta muito de falar, mas levava ela a não aceitar aquilo que parecia ser seu destino", acredita o amigo.

Assim como sister, a mãe não aceita o papel de “coitadinha” para a filha e diz que ela é inteligente, esforçada e determinada:

"Gleici não gosta de ser coitadinha, de ser vitimizada. Ela lutou contra isso a vida toda e sempre disse que seria alguém na vida. A história dela é diferente porque ela nunca se acomodou, nunca se conformou. Minha filha não é a única daqui a passar por essas dificuldades, nem é melhor por causa disso. Em cada esquina aqui a gente encontra uma Gleici, mas poucas com a coragem e a determinação dela", diz Vanuzia.

 

Gleici com amigos no Acre
Gleici com amigos no Acre Foto: Jardy Lopes

 

 

Outdoor de Gleici colocado por moradores próximo à casa dela
Outdoor de Gleici colocado por moradores próximo à casa dela Foto: Jardy Lopes

 

 

Rua que dá acesso à casa de Gleici, no Acre
Rua que dá acesso à casa de Gleici, no Acre Foto: Jardy Lopes

 

 

Mercearia que fica em frente da casa de Gleici; sister tem uma conta fiada lá
Mercearia que fica em frente da casa de Gleici; sister tem uma conta fiada lá Foto: Jardy Lopes

 

 

Rua de dá acesso à casa de Gleici, no Acre

Rua de dá acesso à casa de Gleici, no Acre Foto: Jardy Lopes

 

Fonte: extra.globo/Colaborou Gina Menezes

O presidente da Assembleia Legislativa da Paraíba (ALPB), deputado Gervásio Maia, visitou, as obras que estão sendo realizadas no prédio-sede, garagem e centro médico do Legislativo paraibano. A ocasião contou com a presença do engenheiro responsável, Vinícius Fernandes Filgueira e representantes da construtora responsável pela obra.

O presidente afirmou que algumas alterações foram definidas para dar maior conforto e visibilidade durante o funcionamento da Assembleia. “Estamos todos muito empenhados para a conclusão dessas obras que vão transformar toda a dinâmica dos trabalhos parlamentares. Portanto, viemos acompanhar o andamento e solicitar alguns ajustes na parte elétrica, de acessibilidade e manutenção para proporcionar um ambiente agradável a toda população e que dê celeridade nos trâmites internos”, destacou.

Já o engenheiro Vinícius Fernandes explicou o andamento da obra. “Nós já terminamos toda a fase de desmonte e demolição. A parte elétrica já está com cerca de 70% executada, assim como as instalações hidráulicas”, adiantou.

Centro Médico

Com investimentos na ordem de R$ 1,3 milhão, o novo Centro Médico da Assembleia Legislativa da Paraíba vai reunir especialidades médicas, psicossocial e atendimento ao idoso em um mesmo endereço. A nova sede vai funcionar ao lado da ALPB.

De acordo com Gervásio, cada detalhe do projeto foi pensado para otimizar o atendimento dos servidores. “Vamos ter todas as especialidades no mesmo endereço. O setor de psicologia foi bem montado, desde a estrutura física até o o atendimento. O setor odontológico terá três novos consultórios.”, ressaltou Gervásio.

A diretora do Centro Médico, Deyse Queiroga, destacou que será a primeira vez que as diversas assistências do Centro Médico funcionarão em um mesmo prédio e afirmou que as novas instalações irão proporcionar um melhor atendimento também aos idosos. “Pela primeira vez nós estamos unindo a assistência à saúde dos funcionários da Assembleia Legislativa em um departamento que vai ficar todo unido neste prédio. Além disso, nós ainda vamos trazer o idoso, a parte dos aposentados, aqui para dentro do centro, para poder dar mais assistência a eles e melhor a qualidade de vida deles”, explicou a médica.

Com Ascom

Pagina 5 de 92
JR Esquadrias