Notícias (1329)

Um grupo de pastores evangélicos levou ontem (04/04) à Câmara crianças (foto acima) para participar de manifestações em favor da permanência do pastor deputado Marco Feliciano (PSC-SP) na presidência da comissão de Direitos Humanos da Câmara.

Em horário escolar, meninos e meninas gritavam palavras de ordem e o nome de Jesus sob a regência dos adultos. Misturados a outros manifestantes contrários a Feliciano, as crianças foram empurradas e levaram pisões no meio do tumulto.

Sem a presença de deputados do PSOL e do PT que não participam das sessões em protestos pelas declarações de Feliciano contra gays e supostamente racistas, a comissão aprovou requerimento que restringe a participação de populares nas reuniões.

O objetivo é evitar a interrupção das reuniões com as manifestações gays e de militantes do movimento negro. Quem não for parlamentar, só entrará nas sessões se for convidado.

Resolução da Câmara de Regulação do Mercado de Medicamentos (Cmed) publicada nesta quinta-feira (04/04) no Diário Oficial da União autoriza reajuste de até 6,31% nos preços dos remédios. As alterações valem para três grupos de medicamentos, definidos de acordo com o nível de participação de genéricos.

Na categoria com maior participação, onde os genéricos representam 20% ou mais do faturamento, o reajuste autorizado pode chegar ao teto de 6,31%. Para remédios com faturamento de genéricos entre 15% e 20%, o reajuste autorizado é de até 4,51%. Já entre medicamentos com menor participação de genéricos (faturamento menor que 15%), a Cmed autorizou um reajuste até 2,7%.

No ano passado, o reajuste autorizado pelo governo para medicamentos vendidos em todo o país chegou a 5,85%.

Reajuste vai prejudicar empresas, diz sindicato

O Sindicato das Indústrias Farmacêuticas do Estado de São Paulo (Sindusfarma) questionou o reajuste. Em nota, a entidade diz que o governo aplicou “um discutível cálculo de produtividade, que reduz o índice de reajuste e prejudica muitas empresas, ao impedi-las de repor o aumento de custos de produção do período”.

Segundo nota do Sindusfarma, desde 2011, a indústria farmacêutica enfrenta pressões de custo, sobretudo com pessoal, insumos e matérias-primas importadas, cujas cotações internacionais subiram no ano passado e ficaram mais elevadas por causa da desvalorização do real. “Até agora, o setor absorveu esse impacto mas, em contrapartida, experimentou queda de rentabilidade”, ressalta o sindicato.

No comunicado, a entidade destaca que, se todas as apresentações de medicamentos forem reajustadas pelos índices máximos autorizados, o aumento médio ponderado chegará a 4,59% e a variação de preços dos medicamentos ficará abaixo da inflação geral.  Em 2012, segundo o Sindusfarma, os medicamentos subiram 4,11% em média, enquanto a inflação geral foi de 5,84%.

“É sempre importante esclarecer que o reajuste atualiza a tabela de Preços Máximos ao Consumidor [PMC] e não gera aumentos automáticos nem imediatos nas farmácias e drogarias. Em regra, há um período de ajuste, que dura de dois a três meses. As primeiras variações de preço registram-se em junho ou julho, quando começam as reposições de estoques, já que o varejo costuma antecipar compras antes da entrada em vigor do reajuste.”

Em meio às apurações da Comissão Nacional da Verdade, buscar no passado as lembranças de uma tortura ou violência sofrida por um agente do Estado pode ser uma situação dolorosa. Em muitos casos, reprimi-las é ainda mais problemático. Por isso, a  Comissão de Anistia do Ministério da Justiça vai investir 2,4 milhões de reais em um projeto de tratamento psicológico gratuito para pessoas que passaram por violências do Estado durante a ditadura.

Quatro entidades foram selecionadas para comandar o projeto-piloto “Clínicas do Testemunho”, que visa ampliar as reparações do Estado e construir uma política pública de saúde mental que possa ser usada em outras vítimas deste tipo de violência.“Esse projeto é muito importante, porque o Estado reconhece sua responsabilidade na prática de violência na ditadura e também o dano subjetivo causado às vítimas destes atos”, diz Moisés Rodrigues da Silva Júnior, presidente do Instituto Projetos Terapêuticos e coordenador voluntário do projeto.

As clínicas terão psiquiatras, psicólogos e psicanalistas para realizar um trabalho já desenvolvido em outros países da América Latina, como Argentina e Uruguai. Duas unidades ficarão em São Paulo, uma no Rio de Janeiro e outra em Porto Alegre. Há ainda um centro em Recife, patrocinado pelo governo de Pernambuco.

As entidades selecionadas darão apoio às vítimas e seus familiares, além de capacitar profissionais e colher informações que possam ser usadas como referência em outros projetos. Ao todo, serão 702 vagas para atendimento individual e em grupos. Em São Paulo, serão 332 vagas, no Rio, 200, em Porto Alegre, 70, e no Recife, 100.

Segundo o MJ, qualquer anistiado político e seus familiares podem se inscrever no programa preenchendo uma ficha e enviando-a para o email O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo. até 06 de abril.

 

    Foto: AEsade

Foto: AEsade

 

O lançamento do programa ocorre em São Paulo, em 15 de abril, com eventos nos dias seguintes nas demais cidades.

Caso haja procura maior que as vagas, critérios de seleção como a gravidade da violação aos direitos humanos e a idade avançada do candidato serão avaliados. Os selecionados receberão, então, um número de inscrição por email.

O projeto pode trazer ao debate casos de vítimas da ditadura sufocados pelo tempo e também evitar tragédias como a de Carlos Azevedo, filho do cientista político Dermi Azevedo, opositor do regime militar. Torturado com um ano e oito meses de idade por agentes da ditadura, ele desenvolveu fobia social, doença da qual nunca se recuperou. Recentemente, aos 37 anos, se suicidou.

 

Reprodução do MJ

Reprodução do MJ

 

“A tortura era para fazer falar e também calar pelo medo. E esse tipo de esquecimento forçado leva ao sofrimento”, conta Silva Júnior. “A possibilidade de levantar o problema após tantos anos traz um benefício direto, porque atendemos também as famílias, que sofrem com a transmissão deste trauma silenciado. Poder abordar isso é colocar uma sociedade de pé.”

Os selecionados poderão escolher uma das clínicas na lista. Eles serão avaliados e encaminhados ao atendimento individual ou em grupo. Os núcleos funcionarão por até 24 meses.

A intenção é que a experiência se torne uma política pública e possa ser estendida a outros tipos de violência do Estado nos dias atuais. “Há populações imensas em periferias onde ocorrem genocídios de jovens pobres e negros, que são populações vulneráveis e vítimas de uma violência dirigida. O Estado e seu aparelho repressivo são violentos e a expectativa é responsabilizá-lo por estes atos.”

 

Mais de 16 mil alunos da rede municipal de Santa Rita, região Metropolitana de João Pessoa, estão sem aulas desde a manhã desta quarta-feira (03/04). O motivo é que os professores do município deflagraram greve por tempo indeterminado nas 55 escolas da rede. Uma das principais reivindicações da categoria é a falta de pagamento do salário do mês de dezembro e do décimo terceiro.
 
A greve dos professores foi decidida em uma assembleia realizada durante a manhã de ontem, e de acordo com o presidente do sindicato da categoria, José dos Santos, os profissionais pedem ainda o índice de reajuste salarial de 7,97%. “Estamos paralisando as atividades porque trabalhamos o mês de dezembro e não recebemos até agora e ainda não tivemos o aumento que é justo para o piso”, reforça.
 
Ainda na manhã de ontem, o secretário de Educação de Santa Rita, Neroaldo Pontes, ofereceu uma proposta aos professores em que o pagamento do décimo terceiro e do salário do mês de dezembro seria feito de maneira parcelada, além do reajuste de 4% no salário, a partir do mês de maio, e ainda um reajuste de 3,97%, a partir de agosto. No entanto, conforme o secretário, a proposta foi rejeitada pelo sindicato.
 
“Nós ainda não fomos comunicados oficialmente pelo sindicato sobre a greve. Os salários atrasados e o décimo, que foram da gestão passada, chegam a R$ 5 milhões, e esse pagamento não pode ser feito com os recursos recebidos este ano. Por isso lançamos essa proposta. Vamos aguardar a contraproposta do sindicato e esperar que a promotoria do município tome as devidas providências em relação à greve”, explicou Neroaldo Pontes.
 
Em fevereiro do ano passado, os professores da rede municipal de Santa Rita iniciaram uma greve que durou quase quatro meses, em virtude da falta de pagamento de salários e infraestrutura nas escolas. O retorno das aulas só foi possível com a intervenção da Justiça, mesmo assim, os docentes realizaram várias paralisações até o final de 2012 e os alunos quase perderam o ano letivo.

 

Com investimento de R$ 1,5 milhão e previsão de gerar 100 empregos diretos a ‘Paradise Indústria Aeronáutica’, de Feira de Santana (Bahia), irá instalar uma filial em Campina Grande até o final de 2013. A empresa atua na montagem, manutenção e fabricação de aeronaves (ver foto do galpão da empresa) com valores médios de R$ 199 mil. Com o empreendimento, a ‘Rainha da Borborema’ sediará a segunda unidade da fábrica no Nordeste e entrará na rota de exportação de aeronaves para a África do Sul, Austrália e Estados Unidos, além de vender no mercado nacional.

O anúncio da instalação da fábrica foi feito na manhã de ontem (03/04) por diretores da empresa que visitaram a cidade e se reuniram com o prefeito, Romero Rodrigues e o presidente da Federação das Indústrias do Estado da Paraíba (FIEP), Buega Gadelha. O potencial econômico e a oferta de mão de obra qualificada foram os principais atrativos considerados pelos diretores da ‘Paradise’. 

O diretor da empresa, Noé de Oliveira Sousa Filho, informou que a carta de intenção especificando a área necessária para a instalação da ‘Paradise’ e o prazo para início das obras deverá ser entregue ao prefeito o mais breve possível.

“Nós temos um quadro de 60 funcionários e fabricamos quatro modelos. Com isso vendemos uma média de quatro aeronaves por mês. Mas a demanda é bem maior e existem casos de clientes que aguardam até seis meses para conseguir comprar um dos nossos produtos. A demora se dá justamente por falta de mão de obra suficiente para atender a esses pedidos e pensando em expandir a nossa produção, visualizamos Campina como uma cidade que tem potencial para isso”, disse.

Segundo Noé, visitas técnicas serão realizadas na cidade para checar uma área específica para a instalação da ‘Paradise’. “Precisamos de uma área ampla, com capacidade para instalação de pista de pouso e galpão”, declarou. O secretário executivo da Indústria e Comércio do Estado, Marcos Procópio, enfatizou que a empresa se pautou nas condições estratégicas oferecidas em Campina Grande. “Não teremos impasses nas políticas de incentivos. Temos apoiado esse tipo de atividade e podemos prover recursos humanos para atender as necessidades desta empresa. Além disso, Campina tem uma localização estratégica pela proximidade com a Capital, com um porto, aeroportos e rodovias que interligam todo o Estado”, declarou.

O prefeito Romero Rodrigues alegou que a prefeitura apresenta abertura e flexibilidade tanto em relação à colaboração com a área onde a empresa será instalada quanto à questão dos impostos. “Vamos estudar um regime especial em relação ao Imposto Sobre Serviços de Qualquer Natureza (ISS) e estamos dispostos a fazer o necessário para criar as condições necessárias ao crescimento econômico da cidade”, declarou.

Cursos

Durante a reunião o presidente da FIEP, Buega Gadelha, apresentou propostas de criação de cursos específicos para qualificar a mão de obra necessária para atender a demanda da empresa ‘Paradise’. 

“Oferecemos a contrapartida em equipamentos de ponta e fornecimento de cursos específicos. Possuímos laboratórios de robótica e compraremos os equipamentos que forem necessários para criar cursos de manutenção de turbinas aqui na cidade. Com essa ação compreendemos o quanto Campina Grande se destaca no cenário econômico do nosso país, pois esta empresa não vende unicamente para o Nordeste, mas para todo o mercado brasileiro e até internacional”, ressaltou.

 

O Projeto de Lei que proíbe o uso de aparelhos sonoros nos transportes públicos em todo o Estado foi aprovado nesta quarta-feira (03/04), por unanimidade, durante votação em plenário na Assembleia Legislativa da Paraíba (ALPB).

O Projeto de Lei é de autoria do deputado estadual Gervásio Maia (foto), do PMDB, e segue agora para a sanção do governador Ricardo Coutinho (PSB), que pode ser feita nos próximos dias.

Segundo Gervásio, a ideia surgiu a partir das reclamações dos usuários que muitas vezes são obrigados a compartilhar o som alto dos aparelhos sonoros durante o trajeto nos transportes públicos.

"Muitos usuários têm reclamado sobre o incômodo no uso dos transportes, pois algumas pessoas utilizam o som do celular para ouvir música em som alto. Então, o intuito do projeto é fazer com que estes usuários sejam respeitados, pois muitos voltam para casa cansados do trabalho", ressaltou.


O Projeto de Lei de número 1.229/13, que inicialmente foi aprovado pelos deputados da Comissão de Constituição, Justiça e Redação (CCJ) da Assembleia Legislativa da Paraíba, teve sua aprovação pelos parlamentares durante sessão ordinária e pode ser sancionado pelo Poder Executivo nos próximos dias. 

 

A Paraíba tem 48 cidades com alto risco de contaminação da dengue, ou seja, dos 223 municípios do Estado 21,52% podem enfrentar epidemia da doença este ano. O dado faz parte do boletim epidemiológico número cinco da Secretaria de Estado da Saúde (SES) divulgado esta semana.

O boletim mostra ainda que de 1º de janeiro a 30 de março, foram notificados 2.289 casos suspeitos de dengue na Paraíba, sendo que 631 já foram confirmados para dengue clássica, 17 de dengue com complicações, dois de síndrome do choque da dengue e quatro ocorrências de febre hemorrágica. Outros 129 casos suspeitos foram descartados. As demais 1.529 notificações estão em investigação.

Conforme o boletim epidemiológico da dengue da SES, dois óbitos por dengue (João Pessoa e Arara) foram confirmados, um caso suspeito de óbito por dengue foi descartado, enquanto outros quatro casos estão em investigação e foram registrados em Salgado de São Félix, Conde, João Pessoa e Santa Rita.

De acordo com a gerente executiva de Vigilância em Saúde da SES, Talita Tavares, para analisar a situação da dengue na Paraíba, os municípios foram divididos em quatro grupos de acordo com indicadores de incidência e ocorrência de óbitos e conforme orientação do Ministério da Saúde. O levantamento mostra que 48 cidades apresentaram risco alto de contaminação de dengue e fazem parte do grupo I. Já 27 têm risco médio (grupo II), outros 27 possuem risco baixo (grupo III) e os demais 117 foram classificados como grupo IV - municípios silenciosos este ano para dengue, sendo que 37 destes não apresentaram notificações desde o ano passado.

Segundo Talita Tavares, no grupo I estão as localidades que apresentaram óbito por dengue no período do primeiro trimestre do ano, além de alta taxa de incidência em 2013, com o Índice de Infestação Predial maior que 3,9%. Entre elas a situação mais preocupante ocorreu em Catingueira, Nova Olinda, Lagoa, Arara, Teixeira, Dona Inês, Santarém, Santa Cruz, Brejo dos Santos e Bernardino Batista, onde, segundo a gerente executiva de Vigilância em Saúde da SES, foi registrado um número maior de casos notificados de dengue este ano, com alta taxa de transmissibilidade da doença.

De acordo com a gerente de Vigilância da SES, o aumento de notificações da dengue na Paraíba é preocupante. “A situação chama atenção porque mostra que os municípios devem melhorar a realização de trabalhos de vigilância ambiental para combater o aparecimento de reservatórios do mosquito da dengue”, pontuou. Acrescentando que nas localidades com alto índice de risco de infestação é preciso implementar ações efetivas de combate a criadouros do mosquito Aedes aegypti.

Talita Tavares também alertou os municípios sobre a importância da notificação dos casos suspeitos de dengue:

“Deve-se comunicar em até 24 horas a notificação de casos suspeitos das formas graves de dengue ou óbitos à Secretaria Estadual de Saúde e incluir no Sistema de Informação de Agravos de Notificação (Sinan) em até 7 dias. Além disso, é importante repassar, da forma mais ágil possível, os casos estratificados por local de residência ou de infecção para subsidiar o direcionamento das atividades de controle de vetor do município nas áreas de maior ocorrência de casos. Óbitos suspeitos da doença devem ser investigados imediatamente pela equipe composta por vigilância e assistência, usando o protocolo de investigação padronizado pelo Ministério da Saúde, para a confirmação ou descarte e identificação e correção dos fatores determinantes”, afirmou.

Até o dia 1º de março, a SES tinha recebido 770 notificações de dengue na Paraíba. Em apenas 30 dias, este número subiu para 2.289. A gerente operacional de Vigilância Epidemiológica, Bernadete Moreira de Moura , explicou que o aumento de notificações está diretamente relacionado à capacitação de médicos e enfermeiros realizada pela SES este mês no interior do Estado. "Vejo este aumento como algo positivo”, pontuou.

Confira as cidades com alto risco de infestação

Alhandra, Bayeux, Bom Sucesso, Brejo dos Santos, Cabedelo, Conde, João Pessoa, Sapé, Araçagi, Araruna, Dona Inês, Solânea, Campo de Santana, Damião, São João do Cariri, Catingueira, Emas, Matureia, Patos, Santa Luzia, São Mamede, Teixeira, Várzea, Diamante, Nova Olinda, Olho d'Água, Santana de Mangueira, Santana dos Garrotes, Lagoa, Bernardino Batista, Bonito de Santa Fé, Cajazeiras, Poço de José de Moura, Santa Helena, Santarém, São João do Rio do Peixe, Santa Cruz, Água Branca, Imaculada, Juru, Manaíra, Itabaiana, Salgado de São Félix, Itapororoca, Arara, Esperança, Remígio e Riacho de Santo Antônio.

Quinta, 04 Abril 2013 10:12

CNJ suspende remoção e promoção de juízes no TJPB

Escrito por

 

O Conselho Nacional de Justiça (CNJ) decidiu suspender os processos de remoção ou promoção de juízes no Tribunal de Justiça da Paraíba (foto). A medida será mantida até que o Plenário do CNJ julgue o mérito de um Procedimento de Controle Administrativo (PCA) movido pela Associação Nacional dos Magistrados Estaduais (Anamages) contra decisões do TJPB baseadas em leis estaduais de organização do Judiciário local.

A decisão levantou o debate sobre se devem ser aplicadas as leis estaduais nos processos de movimentação na magistratura estadual ou se deve ser observado apenas o que está previsto na Lei Orgânica da Magistratura Nacional (Loman). De acordo com a Loman, a remoção deve preceder o provimento inicial e a promoção por merecimento, nas carreiras da magistratura estadual.

O relator do processo, conselheiro Gilberto Valente Martins, já havia concedido liminar determinando a suspensão de qualquer processo de remoção ou promoção no TJPB baseado em lei estadual, até que o CNJ adote posicionamento definitivo sobre a questão. Além do caso da Paraíba, o CNJ já enfrentou casos semelhantes em outros estados, como o Pará. O tema também é alvo de questionamentos no Supremo Tribunal Federal (STF).

“É importante suspendermos as movimentações na Paraíba até que o CNJ decida de forma definitiva como deve ser a movimentação na carreira, de maneira uniforme para todos os estados”, defendeu o conselheiro Gilberto Valente. Seu voto foi seguido pela maioria dos conselheiros presentes, exceto pelos conselheiros Jorge Hélio, José Guilherme Vasi Werner, Silvio Rocha e José Lucio Munhoz.

A regra adotada pelo Tribunal de Justiça da Paraíba, com base na Lei de Organização Judiciária (Loje), diz que antes de qualquer promoção, seja ela por merecimento ou por antiguidade, deve haver a remoção. Na defesa apresentada ao CNJ, o TJPB alega que a regra vem sendo aplicada há mais de 20 anos.

“A regra em vigor na Paraíba levou muitos magistrados a planejarem suas carreiras considerando o instituto da remoção em todas as fases, fazendo com que optassem por ir ao Sertão e Alto Sertão na legítima expectativa de serem removidos para centros maiores na mesma entrância”.

 

Nesta terça-feira (02/03) o prefeito de Natal, Carlos Eduardo (foto), assinou a ordem de serviço para o inicio das obras de construção de um túnel de drenagem no entorno da Arena das Dunas. O objetivo é levar as águas das lagoas e áreas próximas até o seu destino final: o Rio Potengi.

O benefício tem custo aproximado em R$ 200 milhões e faz parte do complexo de obras da Copa do Mundo devendo ter a sua primeira parte concluída até maio de 2014. A construtora Queiroz Galvão será a responsável pela execução dos serviços que começarão na próxima semana. As intervenções constam da limpeza e urbanização de cinco lagoas: a de São Conrado em Dix-Sept Rosado, duas do Centro Administrativo (que serão interligadas por meio de nova tubulação com diâmetro superior ao existente); e duas da Cidade da Esperança.

Essas cinco lagoas serão interligadas a um túnel com 4.500m de extensão e diâmetro medindo 2,20 a 3,00m que será construído a partir das lagoas do Centro Administrativo. O túnel segue adiante passando pela Av. Jerônimo Câmara até chegar a Av. Interventor Mário Câmara - onde haverá uma bifurcação - com um braço saindo para a Lagoa de São Conrado e outro para as lagoas da Cidade da Esperança. O percurso prossegue na Av. Jerônimo Câmara até a Rua dos Caicós, pegando a Rua Miguel Castro a esquerda em direção ao Rio Potengi.

O prefeito destacou a representatividade da assinatura da ordem, lembrando que o Governo Federal mostrava muita preocupação com Natal, pois a capital potiguar era a única sede da Copa do Mundo de 2014 que não havia iniciado nenhuma obra de mobilidade urbana. Com a construção desse túnel de drenagem 28 pontos de alagamento existentes na cidade serão resolvidos, deixando para a população o verdadeiro legado com o evento da Copa do Mundo de 2014.

Carlos Eduardo mostrou muito otimismo para a obtenção dos R$ 74 milhões para a realização da segunda etapa da obra. O chefe do executivo municipal vai reforçar os contatos com o governo federal para garantir recursos: “Já temos uma sinalização muito clara para a conquista desse dinheiro e espero assinar a ordem de serviço para essa segunda etapa no mês de junho”, disse.

Os serviços dessa 2ª etapa incluem a limpeza e urbanização das lagoas do Preá e dos Potiguares, em Nova Descoberta e a drenagem da Rua Dr. José Gonçalves, por trás do Nordestão da Salgado Filho. Essas áreas, por sua vez, serão interligadas a um túnel com 3.500m de extensão e diâmetro de 1,80 a 2,20m que será construído para se integrar ao da primeira etapa no cruzamento das ruas São José e Jerônimo Câmara.

O secretário municipal de Obras e Infraestrutura, Rogério Mariz, reforçou a importância do momento para a cidade, enfatizando o trabalho desenvolvido pelos técnicos da prefeitura para viabilizar o inicio da obra: “Nós corremos contra o tempo para garantir essa intervenção que vai solucionar definitivamente os problemas históricos de alagamento nesses pontos. O titular da Semopi acredita que o trânsito não será muito afetado com o início das obras, visto que a metodologia que será utilizada nos serviços prevê poucas intervenções nas vias que serão contempladas com as obras.


O prefeito aproveitou a solenidade da assinatura da ordem de serviço pra anunciar a aprovação junto ao Governo Federal do Projeto de Urbanização Integrada do Bairro do Planalto, Zona Oeste da cidade. Serão aplicados nesse projeto R$ 196 milhões de reais. A Urbanização integrada prevê a drenagem e pavimentação de ruas e a construção de escolas e creches na comunidade.

A prefeitura do Natal também apresentou projeto semelhante para a Urbanização do Bairro Lagoa Azul na Zona Norte e aguarda aprovação do projeto nos órgãos federais: “Até o final deste ano e o inicio de 2014 a cidade vai receber investimentos na ordem de R$ 1,2 bilhão de reais que contribuirão para a retomada da auto-estima do cidadão natalense”.

Carlos Eduardo também informou que o município de Natal, a partir do dia 19 de abril, vai ingressar no Movimento Brasil Competitivo (MBC). O MBC é uma organização não governamental que visa contribuir expressivamente para a melhoria da competitividade das organizações privadas e da qualidade e produtividade das organizações públicas, de maneira sustentável, elevando a qualidade de vida da população brasileira. “Com essa iniciativa teremos a oportunidade de modernizar a administração municipal, como também temos a chance de firmar parcerias em busca de financiamentos para aplicar nos projetos da gestão” falou.

O chefe do executivo municipal encerrou seu discurso, agradecendo a contribuição do Tribunal de Justiça, do Ministério Público Estadual, do Tribunal Regional do Trabalho do Rio Grande do Norte e da Câmara Municipal de Natal na pessoa do seu presidente, o vereador Albert Dickson presente ao evento.

 

Na manhã desta quarta-feira (03/04), o prefeito de Guarabira, Zenóbio Toscano foi recebido em audiência pelo governador Ricardo Coutinho, na Granja Santana. Ao lado da primeira-dama, a deputada Léa Toscano, Zenóbio levou a conhecimento do governador (ver foto do encontro acima), um pacote de reivindicações em benefício do povo guarabirense.

Sempre demostrando entrosamento quando se encontram, prefeito e governador desenvolveram uma conversa bastante amistosa e interessante, em se tratando de recursos em prol da cidade de Guarabira.

Entre os pleitos entregues por Zenóbio ao líder maior do executivo paraibano está a construção de um centro esportivo com estádio de futebol amador; pista olímpica para atletismo, além de quadras para práticas do basquete, vôlei e futsal; a incluisão do município de Guarabira no Plano Estadual de Habitação; a construção de uma escola técnica estadual; dentre outros.

Maiores detalhes acerca da conversa entre o prefeito de Guarabira e o governo do estado da Paraíba, nesta quinta-feira, durante o programa “Conversa Com o Prefeito”, gerado direto dos estúdios da rádio Constelação FM, a partir das 11 horas da manhã.

PUBLICIDADE

JR Esquadrias