Notícias (1272)

As ações preventivas realizadas pela Prefeitura Municipal de João (Pessoa) para que a cidade não sofra com alagamentos no período das chuvas foi acompanhado pelo prefeito Luciano Cartaxo, na manhã da útima sexta-feira dia (9). No encontro das águas do Rio Jaguaribe com o mangue, nas proximidades da Avenida Tancredo Neves, a Defesa Civil e a Emlur estão realizando um trabalho de desassoreamento e retirada do lixo acumulado pelo descarte incorreto feito pela população. Já nas proximidades da Companhia Brasileira de Trens Urbanos (CBTU), a tubulação nova já começou a chegar e na próxima semana, serão iniciados os trabalhos para minimizar os efeitos das chuvas na região.

“Esse é um trabalho permanente e preventivo que a Prefeitura faz envolvendo várias secretarias, no sentido de que a gente possa conviver melhor com o período chuvoso na cidade. Já resolvemos problemas históricos como na Beira Rio e nos Bancários, onde as obras estão 90% concluídas. Como também, no São José e Timbó, que eram áreas de risco, e na Rua do Arame, de onde estamos tirando os moradores para outras habitações ainda neste mês. Agora damos continuidade nas proximidades da CBTU com as obras iniciando nos próximos dias para fazer a drenagem daquela área. Ou seja, pontos estratégicos da cidade, onde a Prefeitura está buscando soluções para os problemas”, afirmou o prefeito Luciano Cartaxo.

Segundo o prefeito, as secretarias da Prefeitura Municipal de João Pessoa (PMJP) aproveitam o período de sol para tomar as medidas antecipadamente e evitar alagamentos e que famílias sejam desabrigadas, como acontecia há alguns anos. “O trabalho que estamos realizando tem apresentado bons resultados. Tanto é verdade que tivemos pouquíssimas famílias desabrigadas ao longo destes cinco anos de nossa gestão. Tivemos um cuidado especial com áreas de risco como a Saturnino de Brito e São José, e garantimos mais segurança para estes moradores”, destacou.

O coordenador da Defesa Civil, Noé Estrela, ressaltou as dificuldades para realizar o trabalho de desassoreamento do rio e a participação da população no agravamento dos problemas. “Este trabalho é de grande complexidade porque é uma área de mangue onde há o lançamento do Rio Jaguaribe. E, em virtude da quantidade de lixo que é jogado, ele desce na época das cheias e fica represado no mangue fazendo com que algumas comunidades sejam prejudicadas. Tivemos uma situação bem atípica este ano na Comunidade dos Ipês. Já encontramos sofá, colchões, capacetes, pneus, carrinho de bebê, e os problemas no período das chuvas são exatamente o resultado do descarte incorreto desse lixo”, afirmou. Somente neste trabalho iniciado há aproximadamente 15 dias, já foram retiradas 8 toneladas de lixo.

Avenida Sanhauá – Luciano Cartaxo e o vice-prefeito, Manoel Junior, também foram à Avenida Sanhauá, onde a PMJP inicia na próxima semana os trabalhos para minimizar os problemas históricos que ocorrem no período chuvoso na região em frente à CBTU.

O secretário de Infraestrutura, Cássio Andrade, explicou o trabalho: “Todos os anos durante os meses de chuva ocorre uma retenção de água porque este é um ponto baixo, que também sofre influência da maré. Então, vamos iniciar esta obra que vai refazer toda a drenagem desse trecho e minimizar muito este transtorno que acontece aqui. Vamos acoplar a tubulação nova na já existente para que a água corra e seja lançada no Rio Sanhauá”.

 Todo, 158 concursos públicos com o período de inscrições abertas.

As seleções nacionais e do Distrito Federal somam nesta semana 5.321 oportunidades efetivas para ingresso no serviço público. São, ao todo, 158 concursos públicos com o período de inscrições abertas. Na capital federal o destaque vai para o Serviço Social do Comércio (Sesc), que abriu cadastro reserva com salários que variam de R$ 3.681 a R$ 7.044. Os cargos oferecidos são destinados a candidatos com formação em qualquer nível escolar e os interessados podem se cadastrar aqui.

Já o Conselho Nacional de Técnicos em Radiologia (Conter) e o Conselho Regional de Biomedicina da 3ª Região (CRB-3) também oferecem chances para o DF. O primeiro abriu 78 vagas de provimento imediato e mais 2.182 para formação de cadastro reserva para Brasília e mais 15 estados. As chances são para todos os níveis de escolaridade e os salários variam de R$ 945,80 a R$ 3.800. Clique aqui para participar 
 

E o CRB-3 oferece, ao todo, 390 chances, sendo 12 para provimento imediato e o restante para formação de cadastro reserva. Podem concorrer candidatos com nível médio de formação ao cargo de auxiliar administrativo, e com nível superior para fiscal biomédico e jornalista. De acordo com o edital de abertura, os salários variam de R$ 1.566,67 a R$ 3.256,87. As inscrições podem ser feitas aqui 

A Companhia de Saneameto Ambiental do Distrito Federal (Caesb) também anunciou a abertura de um novo concurso público para o preenchimento de 20 vagas de nível superior, sendo uma efetiva e 19 para formação de cadastro reserva. As oportunidades são para o cargo de analista de suporte ao negócio, na área de medicina do trabalho. O salário admissional é de R$ 7.727,34. Participações aqui. 

Concursos abertos: 

Corpo de Bombeiros Militar da Bahia 

Polícia Militar da Bahia 

Marinha – oficiais 


Marinha – nível superior 

 
 

O presidente da Asplan Murilo Correia Paraíso, é de Recife, capital pernambucana, agradeceu a homenagem da Assembleia Legislativa em conceder a ele o Título de Cidadania Paraibana. 

O presidente da Assembleia Legislativa (ALPB), deputado Gervásio Maia, participou nesta quinta-feira (25) de uma Sessão Especial em homenagem aos 60 anos da Associação dos Plantadores de Cana (Asplan). Na ocasião, a Assembleia concedeu o título de Cidadania Paraibana, proposto pelo deputado Tovar Correia, ao presidente da entidade, Murilo Paraíso.

Na solenidade, Gervásio destacou a importância da Asplan para o desenvolvimento da Paraíba. “A Asplan é representante de um setor que gera muitos empregos, com uma atuação forte na economia paraibana”, disse. “Já quanto ao título, posso dizer que Murilo Paraíso tem prestado serviços relevantes à categoria, ao estado. Então, fico muito feliz em participar de um momento como esse”, comentou.

Já o deputado Tovar Correia, autor da propositura, justificou a concessão do título de Cidadania Paraibana ao presidente da Asplan. “Murilo Paraíso tem trabalhado nesta entidade como poucos, colaborado para o desenvolvimento do setor canavieiro, que gera muitos empregos e renda para o nosso estado. Por isso, o mérito desse reconhecimento”, afirmou.

Para o deputado Branco Mendes, a homenagem da Casa de Epitácio Pessoa à Asplan e ao presidente da entidade ocorre em um momento oportuno. “Ao longo desses 60 anos, a Asplan não apenas tem gerado emprego e renda, mas também colaborado com os produtores de cana-de-açúcar, evitando o êxodo rural, prestando toda a assistência possível”, disse.

O presidente da Asplan, que é de Recife, capital pernambucana, agradeceu a homenagem da Assembleia Legislativa em conceder a ele o Título de Cidadania Paraibana. “Estou na Paraíba há quarenta anos, e já me sinto paraibano. No entanto, esse título vem fortalecer ainda mais esse sentimento. Por isso, recebo essa homenagem com muita alegria”, disse.

O secretário de Estado do Turismo e Desenvolvimento Econômico, Lindolfo Pires, parabenizou a iniciativa da Assembleia. “É um segmento da nossa sociedade que gera emprego, que traz riquezas para o estado da Paraíba. A Asplan, durante esses 60 anos, tem atuado de forma significativa no desenvolvimento do nosso estado”, finalizou.

Participaram ainda da solenidade auxiliares do Governo do Estado, a exemplo de Rômulo Montenegro, secretário de Estado da Secretaria de Desenvolvimento Agropecuário e Pesca, o deputado federal André Amaral, empresários, entre outras autoridades.

O homenageado

Murilo Correia Paraíso é natural de Recife, Pernambuco. O engenheiro civil chegou à Paraíba há quarenta anos. Na capital paraibana, Murilo ajudou na construção de importantes avenidas. Mas logo ingressou no setor canavieiro, sendo um dos mais importantes produtores do setor.

Fonte: clickpb

Quando uma criança mergulha na brincadeira, ela para o tempo. Os longos intervalos de tempo para a criança criar, socializar, estar com ela mesma, imaginar, são muito preciosos. 

Acesso amplo à tecnologia, falta de segurança nos espaços públicos ou de tempo na agenda cheia de compromissos. Atualmente, vários aspectos da rotina dificultam a dedicação das crianças a uma atividade básica e essencial para o seu desenvolvimento pleno: brincar. “É a única obrigação da criança. É a linguagem dela, a expressão cultural, a maneira como ela se relaciona com o mundo e como o descobre”, explica Letícia Zero, coordenadora da secretaria executiva da organização Aliança pela Infância.

Há 15 anos, a entidade organiza atividades de incentivo à brincadeira no Brasil. Neste ano, promove a oitava edição da Semana Mundial do Brincar, pouco antes do Dia Mundial do Brincar, comemorado em 28 de maio. A programação inclui palestras, rodas de conversas e mobilizações para as famílias, além de brincadeira para crianças e adultos. O evento se encerra no domingo (28). Em 2016, cerca de 200 mil pessoas aderiram à proposta em mais de 200 municípios brasileiros.

Letícia explica por que é importante ter uma data exclusiva para estimular a brincadeira, atividade tão simples e natural na infância. “Quanto as crianças de 50 anos atrás brincavam mais do que as crianças de hoje? Elas tinham mais tempo e espaço para isso. Toda a mudança do mundo e as tecnologias fazem com que as crianças de agora cresçam rápido demais. A gente pensa em toda a competitividade e sucesso e por isso quer que elas aprendam matemática, inglês, natação, e a gente acaba criando uma agenda cheia de atividades que tomam o cotidiano da criança e ela fica sem o fator que é mais fundamental para o desenvolvimento dela”, sintetiza.

A contradição entre a busca pelo desenvolvimento infantil que opõe as atividades dirigidas ao brincar livre norteou a escolha do tema desta edição: “O brincar que encanta o tempo”. “Quando uma criança mergulha na brincadeira, ela para o tempo. Os longos intervalos de tempo para a criança criar, socializar, estar com ela mesma, imaginar, são muito preciosos. As crianças agora vivem o tempo dos adultos e os adultos andam muito apressados. É importante lembrar aos adultos que esse tempo é necessário e que a gente precisa colocar em nossa agenda o tempo para brincar”, aconselha a professora Mariana Campello, ativista pela infância e organizadora da Semana do Brincar em Brasília. Na capital, desde o domingo estão sendo realizadas atividades para pais e filhos.

Para participar do movimento, não é necessário atuar na área nem ser ligado à nenhum órgão específico. Basta propor as brincadeiras ou atividades  gratuitas e que valorizem a união de pessoas de diversas idades e culturas. Para inscrever uma atividade, acesse a página do movimento.

Edição: Amanda Cieglinski

Os vereadores da Câmara Municipal de João Pessoa (CMJP) estavam emocionados. “Pedro Coutinho era um homem sério, ético, honrado e que sempre teve uma postura exemplar, durante toda sua trajetória de vida pública

A Mesa Diretora da Câmara Municipal de João Pessoa (CMJP) fará a partir da próxima semana uma série de homenagens a memória do vereador, Pedro Alberto Coutinho (PSD), falecido nesta sexta-feira (19).

Na segunda-feira (22) não haverá expediente simbolizando o luto pela perda do parlamentar, já na terça-feira (23) a sessão será aberta e encerrada após uma singela homenagem da Mesa Diretora ao vereador falecido.

Na quinta-feira (25), na primeira sessão da “Câmara no Seu Bairro”, no Centro Cultural do de Mangabeira, localizado no encontro das ruas Josefa Taveira e Dr. Euclides Neiva, em Mangabeira será exibido um vídeo relembrando a carreira política de Pedro Coutinho.

O presidente da Casa Napoleão Laureano, Marcos Vinícius (PSDB), revelou ainda que ainda esta semana será encaminhado ao prefeito, Luciano Cartaxo (PSD), um pedido para que o Residencial Vista Alegre , em Gramame, receba o nome do vereador Pedro Alberto Coutinho.

Já a posse do vereador, Professor Gabriel (PHS), será na sexta-feira (26), no gabinete da presidência, sem maiores festejos, em respeito a memória do parlamentar falecido.

Corpo do vereador Pedro Coutinho é velado e sepultado em clima de comoção

Em clima de muita tristeza e comoção, o corpo do vereador Pedro Coutinho foi velado na Mortuária Morada da Paz, no bairro de Jaguaribe, desde ontem a noite até o final da tarde deste sábado, quando seguiu num grande cortejo para o Cemitério Senhor da Boa Sentença, no Varadouro, onde foi sepultado, por volta das 15h40. Durante o velório, familiares, amigos, correligionários aproveitaram o momento para dar o último adeus ao parlamentar.

No local, vereadores da Câmara Municipal de João Pessoa (CMJP) estavam emocionados. “Pedro Coutinho era um homem sério, ético, honrado e que sempre teve uma postura exemplar, durante toda sua trajetória de vida pública. Assumiu vários papeis importantes na Casa como, por exemplo, a presidência da Comissão que estuda e atualiza o Regimento Interno pela capacidade e experiência como parlamentar”, afirmou o presidente da Câmara, vereador Marcos Vinícius (PSDB).

“Pedro teve uma morte precoce. Ainda tinha muito o que contribuir com a cidade”, falou o vereador Dinho. Para o vereador João Almeida (SD), João Pessoa perde um grande homem público e uma parceria de todas as horas. “Uma perda lastimável para o Poder Legislativo e a cidade. Num momento em que a classe política enfrenta um descredito geral a gente perde um político sério”, ressaltou o vereador Lucas de Brito. Na opinião do vereador João dos Santos, Pedro era um exemplo de vereador e de amigo. “A Câmara perde uma grande representação”, disse.

Segundo o vereador Tibério Limeira (PSB), um dos mais novos parlamentares da Câmara, foi muito grande o impacto com o falecimento de Pedro Coutinho. “A morte dele (Pedro) deixa muito importante”, observou Tibério que não escondeu a emoção. “Pedro era uma pessoa do bem. Um cara educado, respeitoso e um político diferenciado”, declarou o vereador João Corujinha (PSDC). O vereador Thiago Lacerda destacou que, quando criança, acompanhou na política, ao lado do pai e ex-vereador Potengi Lucena, falecido há vários anos, a militância de Pedro.

Os vereadores Milanez Neto e Eduardo Carneiro disseram que o momento era de muita dor para os amigos e familiares. A bancada feminina da CMJP também compareceu ao velório para prestar condolências aos familiares de Coutinho. “Um cidadão educado, com uma vida limpa e honesta”, assegurou Raíssa Lacerda (PSD). Já a vereadora Sandra Marrocos comentou que Pedro era um político que respeitava o contraditório e as divergências. De acordo com a vereadora Eliza Virgínia (PSDB), seu colega era uma pessoa conciliadora. Os vereadores Chico do Sindicato e Helena Holanda (PP) também estiveram presentes.

Ao lado da esposa Maysa, o prefeito da Capital, Luciano Cartaxo (PSD), lembrou que Pedro faz parte de uma família tradicional na política paraibana e possui uma sequência muito grande de mandatos legislativos. “É um momento de tristeza profunda. Peço a Deus que conforte toda a família e amigos”, acrescentou. O vice-prefeito Manoel Júnior (PMDB) ressaltou que a classe política perde um grande amigo, um político competente e um homem zeloso com a coisa pública.  O ex-senador Cícero Lucena, que esteve no velório acompanhado de sua esposa Lauremília, também disse que estava muito abalado com a morte de Pedro Coutinho que ele classificou como prematura. O líder do Governador Ricardo Coutinho na Assembleia Legislativa, Hervázio Bezerra (PSB), disse que foi pego de surpresa com a morte do vereador. “Sinceramente não sei o que falar. João Pessoa perde um de seus grandes políticos”, completou.

Também estiveram no velório várias outras autoridades políticas, jurídicas e representantes do esporte paraibano, como o ex-deputado e presidente municipal do PSDB, Ruy Carneiro; o ex-prefeito Carlos Mangueira; o procurador Eitel Santiago; o presidente do Botafogo e ex-vereador Zezinho Botafogo; o presidente da Federação Paraibana de Futebol (FPF), Amadeu Rodrigues; o vice-presidente da Associação do Pessoal da Caixa Econômica Federal (APCEF-PB), Sérgio Meira; o presidente do Clube dos Oficiais da PM da Paraíba, Coronel Francisco; o procurador Eitel Santiago, deputados estaduais e secretários municipais

Familiares e amigos do parlamentar não continham a emoção e as lágrimas. Os filhos dele, Pedro, Luís Neto e Angélica estavam inconformados. Emocionados, os irmãos Carlos e Luís Coutinho não quiserem falar. O desembargador Fred Coutinho, primo de Pedro, comentou apenas que o vereador deixa uma lição de vida e muitos amigos. Pedro Alberto Coutinho faleceu aos 57 anos, devido a um infarto fulminante quando participava de uma partida de futebol do Campeonato Nacional dos aposentados da Caixa Econômica Nacional, no campo do antigo Dede, na Vila Olímpica Parahyba, no Bairro dos Estados, contra o selecionado de Brasília.

Cortejo – Antes de chegar no Cemitério Senhor da Boa Sentença, o Cortejo, com o corpo do parlamentar, saiu da Mortuária Morada da Paz, passou por algumas ruas do bairro de Jaguaribe e seguiu para o bairro do Róger, onde o vereador Pedro Coutinho tinha um grande reduto eleitoral.

Secom CMJP

 

 

Religioso foi acusado de acobertar casos de pedofilia na Igreja

O arcebispo emérito da Paraíba, Dom Aldo di Cillo Pagotto, é esperado para a posse do seu sucessor na Arquidiocese da Paraíba, Dom Delson em João Pessoa. O religioso retornará a cidade de João Pessoa para uma atividade eclesial pela primeira vez desde que renunciou ao cargo, em 6 de junho do ano passado. Pagotto é acusado de ter acobertado casos de pedofilia na Igreja e de ter participado de orgias com jovens. As suspeitas são investigadas simultaneamente pelo Ministério Público do Trabalho, no que tange à exploração sexual de crianças e adolescentes, e pelo Ministério Público da Paraíba, que apura as acusações sob o ângulo criminal.

De acordo com fontes da Arquidiocese da Paraíba, a vinda do arcebispo emérito foi confirmada durante a última Assembleia Geral da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), realizada em Aparecida, em São Paulo. Ele teria comunicado a vinda e não requisitou hospedagem durante o período que estivesse em João Pessoa. A informação, porém, ainda não foi confirmada oficialmente pela Arquidiocese.  Foram convidados todos os bispos, arcebispos e arcebispos eméritos da Regional Nordeste II da CNBB, que inclui Paraíba, Pernambuco e Alagoas.

Arquidiocese

Dom Delson exibe chave durante evento. Foto: Leonardo Silva

A orientação da Arquidiocese da Paraíba é que os fiéis não compareçam à posse canônica, na Catedral Basília. Todos os bancos serão reservados aos padres, bispos, arcebispos e arcebispos eméritos. Só de padres, na Arquidiocese da Paraíba, são esperados 100 padres. São aguardados também religiosos de Caicó (RN) e Campina Grande (PB), cidades onde Dom Delson exerceu o cargo de bispo. A posse vai ser dada pelo Núncio Apostólico no Brasil (representante do Papa), Dom Giovanni d’Aniello. É nesta Celebração que Dom Delson deixa de ser o Arcebispo nomeado/eleito para ser, oficialmente, agora empossado, o arcebispo Metropolitano da Paraíba.

A sugestão é que os fiéis compareçam à celebração no Ginásio de Esportes o Ronaldão, no bairro do Cristo, em João Pessoa. A missa será celebrada por Dom Delson, já na condição de Arcebispo da Paraíba. Católicos de todas as quase 100 Paróquias da Arquidiocese da Paraíba vão estar presentes, além de participantes de Associações, Movimentos, Pastorais e Serviços da Arquidiocese da Paraíba.

Desconforto

A vinda de Dom Aldo para a posse de Dom Delson é vista como constrangedora por vários religiosos paraibanos. Durante o período em que esteve à frente da Arquidiocese da Paraíba, o religioso colecionou inimigos por causa das suas posições. As acusações de envolvimento com casos de pedofilia também são vistas com desconforto por padres e diáconos que conviveram com o hoje arcebispo emérito. Em meio a uma série de denúncias enfrentadas pelo religioso, ele renunciou ao cargo através de carta enviada ao Papa Francisco. O lugar dele foi ocupado provisoriamente pelo administrador apostólico Dom Genival Saraiva de França.

Fonte:Blog Suetoni Souto Maior

Para saber se teve a declaração liberada, o contribuinte deverá acessar a página da Receita na Internet (http://idg.receita.fazenda.gov.br), ou ligar para o Receitafone 146. 

A Receita Federal abriu nesta segunda feira (8) consulta ao lote de restituição residual do Imposto sobre a Renda da Pessoa Física (IRPF), referente aos exercícios de 2008 a 2016.

O crédito bancário para 128.232 contribuintes será realizado no dia 15 de maio, totalizando R$ 213,4 milhões, dos quais R$ 74,7 milhões referem-se aos contribuintes com prioridade no recebimento: 22.107 idosos e 1.930 com alguma deficiência física ou mental ou moléstia grave.

Para saber se teve a declaração liberada, o contribuinte deverá acessar a página da Receita na Internet (http://idg.receita.fazenda.gov.br), ou ligar para o Receitafone 146.

Na consulta à página da Receita, serviço e-CAC, é possível acessar o extrato da declaração e ver se há inconsistências de dados identificadas pelo processamento. Nesta hipótese, o contribuinte pode avaliar as inconsistências e fazer a autorregularização, mediante entrega de declaração retificadora.

A Receita disponibiliza, ainda, aplicativo para tablets e smartphones que facilita consulta às declarações do Imposto de Renda e situação cadastral no CPF – Cadastro de Pessoas Físicas. Com ele será possível consultar diretamente nas bases da Receita Federal informações sobre liberação das restituições do IRPF e a situação cadastral de uma inscrição no CPF.

Prazo para resgate

A restituição ficará disponível no banco durante um ano. Se o contribuinte não fizer o resgate dentro do prazo, deverá fazer o requerimento por meio da Internet, mediante o Formulário Eletrônico - Pedido de Pagamento de Restituição, ou diretamente no e-CAC, no serviço Extrato do Processamento da DIRPF.

Caso o valor não seja creditado, o contribuinte poderá contatar pessoalmente qualquer agência do Banco do Brasil ou ligar para a Central de Atendimento por meio do telefone 4004-0001 (capitais), 0800-729-0001 (demais localidades) e 0800-729-0088 (telefone especial exclusivo para deficientes auditivos) para agendar o crédito em conta-corrente ou poupança, em seu nome, em qualquer banco.

Os montantes de restituição para cada exercício e a respectiva taxa Selic aplicada para corrigir o valor podem ser acompanhados na tabela a seguir:

 

Tabela

Tabela

Fonte Agência Brasil

 

Cenário de desolação e abatimento na sociedade lança cenário imprevisível para eleição de 2018

 

A grave crise política e econômica que assola o país não causa apenas o descrédito e o desemprego. Atinge sobretudo o ânimo dos brasileiros e é a grande causa da desesperança que afeta a nação. Especialistas entrevistados pelo JB comentaram o cenário nacional e projetaram as expectativas para o futuro, principalmente com relação às eleições de 2018. “Chegamos a um ápice em 2017. É difícil piorar. Temos uma gama enorme de políticos envolvidos em corrupção, com 13% do eleitorado desempregado. Isso gera na população um desânimo e uma vontade grande até de deixar o país”, avalia o professor de Ciência Política da Universidade Veiga de Almeida, Guilherme Carvalhido. 

Recente pesquisa realizada pelo Instituto Datafolha revelou que 34% dos entrevistados sentem vergonha de serem brasileiros, o que corresponde a um terço da população. Ainda segundo a análise, nunca houve tanta gente com mais vergonha que orgulho de ser brasileiro. “Diariamente o povo vem sendo submetido a esquemas de corrupção, intermináveis em todos os níveis. Não parece haver nenhuma proposta para mudar isso”, afirmou a socióloga e professora da Uerj, Alba Zaluar.

Para explicar esse quadro, Zaluar ressaltou que um motivador importante para o resultado da pesquisa é a desilusão enfrentada pela população após a revelação do envolvimento de grandes figuras da política brasileira com crimes de corrupção. “Temos a destruição da imagem de muitos políticos que fizeram parte de um projeto que era considerado salvador, totalmente minado pela corrupção.”

Já para Carvalhido, esses números vieram acompanhando o crescimento da crise econômica, além da política. “O que pode reduzir o quadro de desesperança no país é a credibilidade econômica. A crise nessa área contribui para o aumento da violência e sensação de insegurança, que por sua vez diminui o orgulho de ser brasileiro.”

De acordo com a professora da Uerj, esse cenário contribui para a ascensão nas eleições de políticas opressivas, em um momento no qual a sociedade teme o aumento da violência, buscando apressadamente uma solução definitiva e efetiva. “Essa situação de insegurança no caso do Rio, por exemplo, com o governo estadual sem dinheiro, em que as pessoas têm muito medo da violência, tudo isso torna o estado um terreno fértil para políticas autoritárias de direita”, explicou, acrescentando que esse sentimento deve se espalhar para um âmbito nacional.

Outra pesquisa do Instituto Datafolha divulgada esta semana destacou que o deputado federal Jair Bolsonaro (PSC-RJ) já aparece disputando o segundo lugar nas intenções de voto para presidente, com 15%. O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva segue liderando a consulta, com 30% em média da preferência do eleitorado.

Mesmo manifestando preocupação com as eleições de 2018, Zaluar defende: “Deveriam ser realizadas eleições diretas agora. Eleições para governador e presidente deveriam ser realizadas este ano”, afirmou, com o complemento de que, dessa forma, a sociedade se reaproximaria da classe política, evitando uma crise de representatividade ainda maior e com consequências inimagináveis.

Soluções

Ainda de acordo com a pesquisa do Datafolha, a parcela de 34% dos que sentem vergonha de serem brasileiros vem crescendo desde o fim de 2014, e é quase o quádruplo dos 9% no fim de 2010, o menor valor registrado. Para Carvalhido, essa diferença crescente nos últimos sete anos é explicada principalmente pela situação econômica. “Em 2010, tínhamos um quadro economicamente bom, promissor. As acusações de corrupção não eram tão fortes - com o Mensalão ficando para trás - e a imagem do presidente Lula era fortíssima.”

Alba Zaluar concorda. “O presidente vivia um ápice de popularidade, o Brasil crescia muito bem, e esse crescimento era refletido no quadro internacional. Hoje, já não há essa perspectiva, não há essa projeção.”

Para ela, a valorização da produção de conhecimento é fundamental para a recuperação da autoestima do brasileiro. “Tanta coisa precisa ser reformada, temos que mudar a maneira de montar os partidos políticos, as eleições… Temos que deixar que prevaleça o conhecimento, o capital social, para exercermos essas mudanças.”

No entanto, a professora manifestou otimismo em relação aos resultados da pesquisa. “São 34%, apenas um terço da população. Ainda tem muita gente que tem orgulho e acredita no Brasil”. E concluiu: “As pessoas culpam a cultura brasileira pela sua classe política, mas o povo não tem nada a ver com isso. O brasileiro precisa ter a consciência de que ainda é um povo formidável, simpático e acolhedor.”

* do projeto de estágio do JB

Desacreditou no amor da mãe, no contato com outros seres humanos e na fé evangélica da criação que recebeu na Zona Oeste do Rio

 

Mariana (nome fictício), de 15 anos, sente o peito vazio. Não sabe explicar bem o que é. Só sofre. Desacreditou no amor da mãe, no contato com outros seres humanos e na fé evangélica da criação que recebeu na Zona Oeste do Rio. Entregou-se ao que agora desconhecidos dão a adolescentes; a última, exige o suicídio do jovem. Mariana só está viva porque a mãe conseguiu impedir o fim trágico.

 

— Quem tiver com vontade de entrar no Baleia Azul, não faça isso. Só vai te causar coisas ruins. Em vez de parar sua tristeza, só vai aumentar. E vai acumular, e vai acumular... E quando você vê, já vai estar vazio por dentro e por fora. Apostem numa coisa que você gosta. Talvez numa música de que você gosta. Talvez você se sinta melhor. Porque eu sei o quanto dói, mas não vai ser um jogo que vai te fazer parar de sentir dor. E nem a morte — desabafa a menina.

 

Mariana não está sozinha. Só no Brasil, há, pelo menos, dois casos de morte sob investigação policial, em Mato Grosso e na Paraíba.

 

A delegada interina da Delegacia de Repressão aos Crimes de Informática (DRCI) do Rio, Fernanda Fernandes, organiza o rastreamento de redes sociais de pessoas que teriam envolvimento com o Baleia Azul. Já há, pelo menos, mais dois casos na cidade em investigação. Os responsáveis podem responder por associação criminosa, lesão corporal e tentativa de homicídio.

 

Mariana foi internada após a mãe descobrir que ela estava participando do jogo, e já estava na 15ª ordem. A menina teve alta após dois dias e acabou tentando suicídio. A mãe, que abandonou o trabalho por preocupação, conseguiu impedir que o pior acontecesse.

 

A dor da mãe a fez recuar. Vez por outra, Mariana diz que sente vontade de desistir, mas tenta mudar de pensamento. Está em tratamento, e sonha em ser fotógrafa:

 

— Minha mãe me disse que fazia tudo para eu ficar viva. E eu entendi. Às vezes eu penso (na morte), mas aí eu penso no meu futuro — conta a menina.

 

Mensagens

 

O jogo consiste em uma série de 50 desafios, que devem ser cumpridos diariamente e que chegam por meio de mensagens (WhatsApp, Facebook, SMS e outros aplicativos e redes sociais).

 

Tarefas

 

Há desde tarefas simples, como desenhar uma baleia num papel, até outras muito mais mórbidas, como cortar os lábios ou furar a palma da mão. Em outra tarefa, o participante deve “desenhar” uma baleia em seu antebraço com uma lâmina.

 

Desafio mais macabro

 

O 50º desafio é sempre o mesmo: suicídio.

 

Como começou

 

Na Rússia, em 2015, uma jovem de 15 anos se jogou de um edifício. Dias depois, uma adolescente de 14 anos se atirou na frente de um trem. Após investigar, a polícia ligou os fatos a um grupo que participava de um desafio com 50 missões, sendo a última delas acabar com a própria vida.

 

Por extra.globo


 

Dois navios com cargas de petcoke, um derivado de petróleo, e um com carga de trigo estão ancorados há pelo menos dois dias nas imediações do Porto de Cabedelo sem poder atracar no porto. O problema, causado pela maré baixa, pelo baixo calado do porto e pela restrição ao horário noturno, vem afetando o trabalho no local e só deve ser resolvido a partir das 6h30 desta terça-feira (18), momento em que a maré vai estar em preamar, que é quando ocorre nível mais alto da maré cheia, dando segurança para que os navios cheguem ao porto sem risco de encalhe.

De acordo com a presidente da Companhia Docas da Paraíba, Gilmara Timóteo, os três navios estão com capacidade máxima que o porto pode receber, de 35 mil toneladas de carga, e a travessia deles ao porto não ocorreu no fim de semana por conta da maré baixa, que causa risco de encalhe.

“Desatracamos um navio na sexta e outro no sábado. Depois, ainda no sábado, chegaram esses outros três navios, mas eles ainda não desatracaram por conta da maré baixa e da nossa restrição ao trabalho noturno, que ocorre faz dez anos. Os navios estão vindo muito pesados e mesmo com o calado atual de 9,14 metros só podemos receber esses navios quando a maré estiver em preamar, para que possamos realizar a operação sem risco de encalhe”, contou Gilmara Timóteo.

Com relação ao calado, a presidente da Companhia Docas afirmou que a última dragagem no porto ocorreu de forma incompleta, em 2009, e que já estão sendo detectados pontos em que o calado está com 9,01 metros, o que compromete a operacionalização dos navios.

“Só podemos receber navios com até 35 mil toneladas de carga e ainda sim precisamos estar com maré cheia para que eles atraquem sem risco de encalhe. Além disso temos a restrição noturna. Não é possível mais que a gente continue com restrições por conta do canal. Precisamos que a dragagem, parada desde 2009, seja completada para que possamos operar com 11 metros de calado, sem necessidade de esperar a maré encher. Isso também possibilitará o recebimento de navios de até 50 mil toneladas”, disse a presidente da Docas.

Ainda segundo Gilmara Timotéo, a conclusão da dragagem do Porto de Cabedelo demanda investimentos de R$ 50 milhões, considerado baixo para a importância do porto para o Estado.

“Com 9,14 metros não dá mais para funcionar. Precisamos dos 11 metros para que possamos triplicar nosso recebimento de carga mensal, que é de 120 mil toneladas, trazidas por até doze navios. É um investimento considerado pouco que o governo Federal necessita realizar para a importância do porto para a economia do estado. O que nos deixa tristes é o investimento Federal em outros portos, como o de Paranaguá que vai receber R$ 384 milhões enquanto nós estamos desde 2009 com uma obra importante incompleta”, concluiu Gilmara Timóteo.

portalcorreio

Pagina 9 de 91
JR Esquadrias