Terça, 06 Novembro 2018 14:40

Comissão de Constituição e Justiça da CMJP aprecia mais de 30 matérias

Escrito por  POSTADO ATUAL
Avalie este item
(0 votos)
 FOTOS DE Olenildo Nascimento FOTOS DE Olenildo Nascimento

As matérias em que tiveram aprovados pareceres pela inconstitucionalidade, em sua maioria, promoviam despesas ao Município e/ou era assunto de competência exclusiva do Executivo Municipal.

A Comissão de Constituição, Justiça, Redação e Legislação Participativa da Câmara Municipal de João Pessoa (CMJP) apreciou 34 matérias na manhã desta segunda-feira (5). Foram 16 Projetos de Lei Ordinária (PLO) e dois Projetos de Decreto Legislativo (PDL) com pareceres pela constitucionalidade aprovados; 12 com pareceres pela inconstitucionalidade aprovados; dois PLOs arquivados por duplicidade; e quatro com pedido de vista para uma melhor análise dos parlamentares.

Divulgação de pessoas desaparecidas

Teve parecer favorável o projeto 873/2018, de autoria do vereador Humberto Pontes (Avante), que acrescenta parágrafos ao artigo 1º da Lei 11.524/2008, que dispõe sobre a divulgação de pessoas desaparecidas por meio de página da Prefeitura da Capital na internet. Os parágrafos prevem a realização de parcerias com instituições públicas, privadas ou não governamentais para a divulgação, além da criação de links na página da Prefeitura que redirecionem para outras páginas que versem sobre o assunto.

Locais apropriados para realização de provas

De autoria do vereador Thiago Lucena (PMN), o projeto 871/2018 que dispõe sobre a realização de provas de concursos, vestibulares e seleções públicos municipais apenas em locais com boas condições teve parecer pela constitucionalidade aprovado. O projeto estabelece normas gerais sobre os locais de realização dos certames, como climatização, banheiros limpos e em boas condições, bebedouros e sala reservada para candidatas lactantes amamentarem.

Demais projetos

Dentre os PLOs que tiveram pareceres pela constitucionalidade, destacam-se: a proibição da venda comercial, bem como o uso, da linha encerada com quartzo moído, algodão e óxido de alumínio, denominada ‘linha chilena’; o que dispõe sobre sobre a afixação de placas de conscientização para destinação correta de lixo nos muros das creches e escolas municipais; e sobre a proteção isolante em postes de ferro existentes na Capital.

As matérias em que tiveram aprovados pareceres pela inconstitucionalidade, em sua maioria, promoviam despesas ao Município e/ou era assunto de competência exclusiva do Executivo Municipal, como: o que dispõe sobre o combate à poluição de praias da Capital; o que prevê a realização de campanha sobre a conscientização para uso seguro da faixa de pedestres; e o que dispõe sobre a política municipal de incentivo ao primeiro emprego.

 

 

TEXTO DE Clarisse Oliveira 

Ler 7 vezes
JR Esquadrias