Política (194)

“Tem que ser um candidato homologado pelo povo”, frisou, revelando ter obtido bom desempenho nas pesquisas qualitativas.

Senador e pré-candidato ao Governo do Estado, José Maranhão (MDB) se mostrou disposto a buscar entendimento com integrantes da Oposição para as eleições de outubro, no entanto, destacou que para isso são necessários critérios, como análise de pesquisas. Segundo ele, a política é a “arte dos possíveis”.

“Tem que ser um candidato homologado pelo povo”, frisou, revelando ter obtido bom desempenho nas pesquisas qualitativas.

Porém, na mesma entrevista em que revelou disposição para uma união já falada anteriormente, mas não colocada em prática, Maranhão também demonstrou que a unidade não deve ocorrer. “Cada um tem um projeto. Acham que uma aliança com determinada pessoa pode dar abertura em João Pessoa”, afirmou.

Ele destacou que nunca se opôs à escolha de um candidato do grupo que representasse os três partidos de Oposição e criticou reunião ocorrida em Brasília, onde o PSDB ‘bateu o martelo’ e confirmou apoio à pre-candidatura de Lucélio Cartaxo ao Governo. “Aquele encontro foi tão catastrófico que todo mundo criticou”, opinou.

‘Namoro’ com Progressistas

José Maranhão (MDB) voltou a apostar em uma possível aliança com o Progressistas após a deputada estadual Daniella Ribeiro anunciar sua pré-candidatura ao Senado. Ele revelou ter conversando com o deputado federal Aguinaldo Ribeiro há duas semanas.

“Namoro quando é seguro não precisa ficar nesse pega-pega”, disse ao se referir ao ‘longo período’ sem contato com os Progressistas. Ainda sem saber com quem o partido irá se aliar, Maranhão disse esperar o apoio da sigla.

Alvo de críticas por sua idade e por disputar um quarto mandato à frente do Governo do Estado, José Maranhão demonstrou que essa é sua melhor qualidade. “Meus adversários ficam dizendo que sou velho, mas estão apenas enaltecendo a melhor qualidade que tenho. Eu mostro o que fiz”, frisou.

A entrevista com o senador foi a segunda de uma série com pré-candidatos ao Governo do Estado no Arapuan Verdade, da Arapuan FM.

 

Fonte: MaisPB

Se o teto constitucional passar para R$ 38 mil, congressistas e ministros do STF seriam beneficiados.

No Congresso Nacional, está ganhando força uma movimentação que pode elevar o salário de senador e deputado para R$ 38 mil. Atualmente, o montante é de R$ 33,7 mil.

De acordo com a coluna Estadão, do jornal O Estado de S. Paulo, alguns ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) também participam da discussão. Os magistrados estariam insatisfeitos com a decisão da presidente da Corte, ministra Cármen Lúcia, que decidiu não aumentar o salário deles para 2019.

Se o teto constitucional passar para R$ 38 mil, congressistas e ministros do STF seriam beneficiados. O reajuste de R$ 4,3 mil é justamente o valor do auxílio-moradia, que seria incorporado aos vencimentos dos magistrados.

O último aumento do teto constitucional foi aprovado em dezembro de 2014, quando o salário de ministros do STF subiu de R$ 29,4 mil para R$ 33,7 mil. O Congresso quer colocar o reajuste em votação após as eleições.

 

 

Fonte: O Estado de São Paulo

Aconteça o que acontecer, acho que Maranhão vai definir a eleição da Paraíba mais uma vez. Pelo trabalho que ele tem, acredito que o lado que ele for vai definir a eleição, tanto se ele se aliar ao governo ou a oposição vai definir a eleição.

Aliado histórico do ex-deputado federal Rômulo Gouveia (PSD), já falecido, e filiado ao PSDB, o prefeito de Areal, Adelson Banjamin, defendeu a união das forças de oposição e fez um prognóstico sobre o resultado das eleições de outubro na Paraíba. Segundo ele, se não for eleito governador, o senador José Maranhão, pré-candidato do MDB, vai decidir o pleito novamente. “Para o lado que pender, Maranhão decide”, avaliou, em entrevista ao portal de notícias seligapb.

Apesar de o PSDB integrar a aliança que apoia Lucélio Cartaxo, do PV, Adelson não decidiu ainda em quem votará para governador do Estado. Está indeciso entre Lucélio e Maranhão, embora respeite o pré-candidato do PSB, João Azevedo. O prefeito lembrou o currículo do pré-candidato do MDB, que já governou a Paraíba por três vezes e exerce pela segunda vez o mandato de senador da República.

“Aconteça o que acontecer, acho que Maranhão vai definir a eleição da Paraíba mais uma vez. Pelo trabalho que ele tem, acredito que o lado que ele for vai definir a eleição, tanto se ele se aliar ao governo ou a oposição vai definir a eleição”, sustentou o prefeito.

Fonte: Vanderlan Farias

Pedido de habeas corpus do ex-presidente foi entregue ao tribunal na última sexta-feira (06), às 19h32

O pedido de habeas corpus para tirar da cadeia o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva foi protocolado 32 minutos após o início do plantão do Tribunal Regional Federal da 4.ª Região(TRF-4). O documento é subscrito pelo advogado e deputado federal Wadih Damous (PT-RJ) para a segunda instância da Operação Lava Jato.

Lula está preso desde 7 de abril. O petista foi condenado por corrupção e lavagem de dinheiro a 12 anos e um mês de prisão no caso triplex.

O plantão começou às 19h de sexta-feira, 6. O pedido pela liberdade de Lula entrou às 19h32.

O Tribunal Regional Federal da 4ª da Região não tem recesso no meio do ano.                                                                                                                                                          O desembargador Rogério Favreto, plantonista na Corte, concedeu liberdade ao ex-presidente Lula às 9h05 deste domingo, 8. Este é o primeiro fim de semana no ano em que Favreto estava de plantão.

Rogério Favreto concedeu liberdade ao ex-presidente Lula às 9h05 deste domingo, 8
 
 
Rogério Favreto concedeu liberdade ao ex-presidente Lula às 9h05 deste domingo, 8
Foto: Sylvio Sirangelo/TRF4 / Divulgação

Por volta de 12h, o juiz Sérgio Moro determinou que a ordem de soltura não fosse cumprida e que o relator da Lava Jato no TRF-4 desembargador João Pedro Gebran Neto, fosse consultado. Moro afirmou que o desembargador é "absolutamente incompetente" para contrariar decisões colegiadas do Supremo e do TRF-4.

Ministério Público Federal pediu logo em seguida que a decisão de Favreto fosse "reconsiderada" e alegou também falta de competência do juiz plantonista para determinar a soltura de Lula.

Em novo despacho, Favreto insiste em sua decisão.

No início da tarde, Gebran Neto revogou a ordem de soltura de Lula expedida por Favreto.

Em sua decisão, afirmou que "chama a atenção a excepcionalidade da distribuição em plantão" do pedido de HC feito pelos petistas em favor de Lula. "Haja vista que o paciente encontra-se em cumprimento de pena em face de Execução Provisória nos autos da Apelação Criminal nº 50465129420164047000/PR, determinada pelo Tribunal Regional Federal da 4ª Região (evento 171 - em 05/04/2018), sem que fato novo verdadeiro houvesse."

Fonte: Portal Terra

Comenta-se que o PSD poderá romper com a pré-candidatura de Lucélio Cartaxo (PV) e migrar para a do senador José Maranhão (MDB).

A deputada Eva Gouveia também distribuiu nota após desistência do senador Raimundo Lira e convocou “reunião de emergência” para avaliar a decisão. Nos bastidores, comenta-se que o PSD poderá romper com a pré-candidatura de Lucélio Cartaxo (PV) e migrar para a do senador José Maranhão (MDB), onde ocuparia a vaga de vice. A outra alternativa seria Eva disputar o Senado no lugar de Lira, como estimulou um grupo do partido pouco depois da morte de Rômulo Gouveia.

Abaixo, a nota da presidente do PSD:

Amigos e amigas,

Recebemos com muita tristeza a desistência do Senador Raimundo Lira em disputar as eleições deste ano.

O nome do Senador Lira reúne a experiência, a ética e uma visão empreendedora e municipalista que muito tem contribuído com as necessidades mais emergentes da nossa Paraíba.

A chegada do Senador Lira ao PSD nos encheu de alegria. Recebemos em nossos quadros, com muito entusiasmo e esperança, aquele que é um dos melhores Senadores do Brasil.

Respeitamos e entendemos a decisão do Senador Raimundo Lira.

Manifestamos toda a nossa gratidão pela confiança que foi depositada em nosso projeto partidário. Agradecemos profundamente pelos reiterados gestos de apoio e solidariedade recebidas do Senador e de sua família, na partida de Rômulo, em nossa chegada à Presidência do partido e em nosso afastamento temporário na disputa das eleições.

O PSD deverá se reunir, com a presença do Senador Lira, do Deputado Manoel Ludgério, de nossos Prefeitos, Vice Prefeitos, Vereadores e Lideranças Politicas para avaliar a nossa posição após a decisão do Senador.

Eva Gouveia

Presidente Estadual do PSD

O ex-presidente foi preso em 7 de abril após ser confirmada a condenação pelo TRF-4, de acordo com entendimento atual do Supremo Tribunal Federal (STF), que permite o cumprimento de pena mesmo que ainda reste a possibilidade de recurso a instâncias superiores.

Condenado a doze anos e um mês de prisão por corrupção e lavagem de dinheiro, Lula entrou com novo pedido no Supremo Tribunal Federal (STF) para que possa recorrer em liberdade contra decisão da segunda instância da Justiça Federal. O mesmo pedido também foi protocolado no Superior Tribunal de Justiça (STJ).

Entre os argumentos utilizados pela milionária defesa, está o de que Lula é pré-candidato à Presidência da República pelo PT, sendo líder em pesquisas de intenção de voto. “Assim, além de ver sua liberdade tolhida indevidamente, corre sério risco de ter, da mesma forma, seus direitos políticos cerceados, o que, em vista do processo eleitoral em curso, mostra-se gravíssimo e irreversível”, escreveram os advogados.

Os requerimentos são da lavra da equipe de oito advogados do ex-presidente, entre eles Sepúlveda Pertence, ex-ministro do STF, e Cristiano Zanin Martins, responsável pela maioria das sustentações orais em julgamentos de Lula, que ainda não explicou como consegue custear defesa tão cara.

Os advogados querem que as apelações contra a condenação, destinadas ao STF e ao STJ, tenham efeito suspensivo sobre a execução de pena, o que resultaria na libertação de Lula. Tal efeito suspensivo foi negado, no início do mês passado, pela vice-presidente do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4), desembargadora Maria de Fátima Freitas Laberrère.

Laberrère é responsável por analisar a admissibilidade dos recursos extraordinário e especial, destinados respectivamente ao STF e STJ, contra a condenação. Antes de serem encaminhados às instâncias superiores, tais recursos precisam passar pelo crivo da segunda instância da Justiça.

 
 

O ex-presidente foi preso em 7 de abril após ser confirmada a condenação pelo TRF-4, de acordo com entendimento atual do Supremo Tribunal Federal (STF), que permite o cumprimento de pena mesmo que ainda reste a possibilidade de recurso a instâncias superiores.

Argumentos

Para embasar o novo pedido, a defesa de Lula volta a citar supostas irregularidades no processo que levou à condenação do ex-presidente, entre eles o argumento de que Moro não poderia ter sido o juiz responsável pelo caso, pois o próprio magistrado teria admitido na sentença que os fatos investigados não teriam conexão com contratos na Petrobras.

Os advogados insistem em alegar falta de imparcialidade do juiz e dos procuradores, citando episódios como a condução coercitiva de Lula e a divulgação do áudio de uma conversa entre ele e a então presidente Dilma Rousseff como provas dessa parcialidade. “O requerente [Lula] foi tratado como culpado desde a fase pré-processual; jamais lhe foi assegurada a presunção constitucional de inocência”, enfatiza o texto.

Diante de tais argumentos, os advogados pedem a imediata soltura de Lula devido à “visível probabilidade de êxito” dos recursos extraordinário e especial nas instâncias superiores, o que anularia a condenação.

“Os dias em que requerente é mantido indevidamente detido jamais lhe serão devolvidos”, escreveram os advogados. “De tão grave a situação, sequer existe mais o ‘iminente perigo’ de dano, eis que o dano já está consolidado, e seus perversos efeitos aumentam a cada dia em que o requerente se mantém injustamente no cárcere”, ressalta o texto.

 

Fonte: ucho.info

Segundo Hervázio, Lucélio pode até comer a canjica de São João como pré-candidato, mas até o final de julho estará “fora do páreo”.

Lideranças ligadas ao governador Ricardo Coutinho (PSB) não “botam fé” na pré-candidatura de Lucélio Cartaxo (PV) à sucessão estadual. O próprio governador já declarou, diversas vezes, que o projeto encabeçado pelo irmão do prefeito de João Pessoa não passa de blefe. O deputado Hervázio Bezerra (PSB), líder do governo na assembleia Legislativa, vai mais longe e estipula “prazo de validade’ para a pré-candidatura do Partido Verde.

Segundo Hervázio, Lucélio pode até comer a canjica de São João como pré-candidato, mas até o final de julho estará “fora do páreo” entre os que disputarão o comando do Estado em outubro próximo. “A lua de mel acabou. Agora virão as cobranças”, justificou o deputado, em entrevista ao portal pbagora, prevendo que os irmãos Cartaxo não suportarão a pressão de aliados por espaços na gestão municipal.

O parlamentar socialista acredita que o “cobertor” das oposições ficará curto para abrigar todos os aliados que certamente “cobrarão” pelo apoio a Lucélio Cartaxo.

Será?

Fonte: Jornalista Vanderlan  Farias

O deputado federal e presidente do PSD da Paraíba, Rômulo Gouveia, faleceu na madrugada deste domingo (13), vítima de um infarto fulminante na cidade de Campina Grande (PB). Romulo tinha 53 anos de idade, foi vereador de Campina Grande, deputado estadual, presidente da Assembleia Legislativa da Paraíba, vice-governador do estado e deputado federal.

Ele estava internado no Hospital da Santa Clara tratando uma infecção urinária. A assessoria de Gouveia informou que por volta das 2h da madrugada sentiu fortes dores e foi levado ao Hospital Antonio Targino. Durante 30 minutos a equipe médica tentou reanimá-lo mas não teve sucesso.

Por meio de nota, o presidente do partido de Romulo Gouveia, Gilberto Kassab, manifestou pesar pela morte do deputado: “muito triste e chocante a perda de um dos nossos mais queridos homens públicos. O nosso fraterno amigo, com brilhante carreira na vida pública, já deixa saudades.”

O líder do PSD da Câmara, Domingos Neto, também se manifestou. “O PSD perde mais que uma liderança política, perde um membro devoto, fiel à missão de construir um partido com princípios e valores democráticos claros. Já nós, que tivemos a oportunidade de conviver com Rômulo Gouveia, perdemos um grande amigo”, disse.

O presidente Michel Temer também lamentou a morte do deputado. Por meio de uma rede social, Temer disse que recebeu a informação com tristeza. “Com muita tristeza soube da morte prematura de Rômulo Gouveia. Um parlamentar com experiência e espírito público notáveis. Outra qualidade, a capacidade de diálogo, fará muita falta nos dias atuais. Minhas condolências aos familiares e amigos”, se solidarizou o presidente Temer.

Administrador, bacharel em Direito e funcionário público, Rômulo Gouveia era casado com Eva Gouveia e deixa quatro filhos.

O velório está sendo realizado na Câmara Municipal de Campina Grande. À noite o corpo segue para o Cemitério Campo Santo da Paz, onde o velório continua até às 16h da segunda-feira. O sepultamento será em seguida.

Com a morte do deputado Gouveia, assume em seu lugar na Câmara Federal, o suplente da coligação Marcondes Gadelha (PSC). Já a presidência do partido na Paraíba ficará com o deputado estadual Manoel Ludgério.

 

Nota

Por meio de nota, a assessoria de Rômulo lamentou a morte repentina:

É com profundo pesar que comunicamos o falecimento do deputado federal Rômulo Gouveia, presidente estadual do PSD.

Rômulo foi vítima de um infarto. Após uma semana hospitalizado, para tratar uma infecção urinária, ele recebeu alta na noite deste sábado. Ao sentir os sintomas do infarto, o deputado foi socorrido para o hospital Antônio Targino, mas não resistiu.

Rômulo foi vereador de Campina Grande, presidente da Câmara, deputado estadual e presidente da Assembleia Legislativa da Paraíba, vice-governador da Paraíba e atualmente era o quarto-secretário da Câmara Federal, tendo recebido a maior votação para ocupar um cargo da Mesa Diretora na história do Congresso Nacional.

Filho de José Antônio de Gouveia e Berenice de Almeida Gouveia. Rômulo era casado com a pedagoga e ex-deputada estadual Eva Gouveia. Ele também era pai de quatro filhos: Robson, Lucas, Pablo e Rômulo Filho.

Rômulo Gouveia foi administrador, bacharel em Direito e funcionário público, foi presidente SAB (Sociedade de Amigos de Bairro) do Jardim Tavares em Campina Grande e da UCES (União Campinense de Equipes Sociais). Em 1989 foi convidado para ocupar o cargo de coordenador da Merenda Escolar da 3ª Região de Ensino em Campina Grande, depois, Diretor Regional da Companhia Estadual de Habitação Popular em 1991, até entrar na política em 1992 quando foi eleito vereador.

 
 
Fonte: agenciabrasil / Acessoria do Deputado 
Números bastante sugestivos vazaram pelas redes sociais sobre o desempenho dos candidatos ao Governo do Estado e eles teriam saído de ninho tucano de alta plumagem e de respeitável credibilidade tal a posição do cardeal na hierarquia das coloridas aves hoje um tanto quanto desbotadas tais os percalços que abalaram figuras proeminentes da legenda.
 
Os números teriam sido levantados pelo instituto Opinião entre o final de abril e início de maio revelando que José Maranhão seria eleito com 35% dos votos dos paraibanos se as eleições fossem realizadas nesse período.
 
A pesquisa discretamente aboletada nas gavetas de recinto credenciado da Câmara Municipal emergiu repentinamente no burburinho agitado do Poder Legislativo pessoense deixando claro que a candidatura patrocinada por Cássio Cunha Lima não conseguirá decolar e que os votos da oposição teriam migrado para o acreditado senador José Maranhão cuja honorabilidade atrai boa parte do eleitorado paraibano.
 
Pelos números vazados nas redes sociais, Maranhão teria 35% da preferência estimulada e 29,1% da espontânea, de acordo com o instituto Opinião, deixando em segundo o candidato socialista, João Azevedo, com 16,1% na estimulada e 11,1% na espontânea, e na última posição o candidato do Folia de Rua, Lucélio Cartaxo, que teria 11,6% na estimulada e 19% na espontânea.
 
O que chama atenção na pesquisa de consumo interno é que ela supostamente teria sido encomendada ou pelos tucanos ou pelo prefeito Luciano Cartaxo, o que explicaria a fonte de onde emergiram os números, ou seja, o gabinete de um emplumado tucano pessoense.
 
Esses números revelariam o que já é perceptível nas ruas: o crescimento vertiginoso do senador José Maranhão, acompanhado do socialista João Azevedo. 
 
Nos bastidores já se sabe que a candidatura de Lucélio vem encolhendo assustadoramente enquanto a disputa se direciona para uma polarização entre José Maranhão e João Azevedo.
 
Esses números vazados estariam pautando as decisões dos partidos e estimulando o abandono do irmão de Cartaxo por já ser do conhecimento das legendas e dos políticos, o que estaria levando ao esvaziamento da postulação de Lucélio.
 
Fonte: jampanews
 

É uma calúnia deslavada tudo o que cometeu o senador Lira, diz o senador maranhão 

Através de nota, o senador José Maranhão (MDB) rebateu as denúncias do também senador Raimundo Lira (PSD) de que a filha do emedebista, Maria Alice Maranhão, teria sido funcionária fantasma do Senado durante o mandato de Vital do Rêgo Filho. 

veja trechos da nota:

“Lira cometeu mais um deslize na sua carreira ao atacar covardemente a filha do senador José Maranhão quando atribuiu ilegalidade inexistente de prestar assessoria do então senador Vital Filho, tanto que respondia a ponto eletrônico, provando seu trabalho lícito”.

“É uma calúnia deslavada tudo o que cometeu o senador Lira quando ele sabe que ela pediu espontaneamente a exoneração do cargo da assessoria jurídica quando decidiu fazer Medicina”.

Fonte: Paraibatododia

Pagina 1 de 14
JR Esquadrias