Policial (446)

 Em janeiro foram 129 mortes, 97 em fevereiro e 93 assassinatos em março de 2018.

 

Registro mostra  na Paraíba que ouve uma queda de 24% nas mortes violentas no primeiro trimestre deste ano em relação ao mesmo período do ano passado. O índice faz parte do levantamento do Monitor da Violência, feito pelo Portal G1 em parceria com o Núcleo de Estudos da Violência da Universidade de São Paulo (USP). Em março de 2019, foram registrados 79 assassinatos, o mesmo número do mês de janeiro. Já em fevereiro, o número aumentou para 84.

 

O que se ver é que índice representa 77 mortes a menos entre 2018 e 2019. De acordo com o levantamento, no primeiro trimestre de 2019, houve 319 mortes violentas, contra 242 no mesmo período de 2018.

 

Em 2018, os números diminuíram gradativamente até o mês de março. Em janeiro foram 129 mortes, 97 em fevereiro e 93 assassinatos em março de 2018.

 

Os dados do Monitor da Violência são abastecidos por informações repassadas pela Secretaria da Defesa e Segurança Social (Seds) da Paraíba por meio da Lei de Acesso à Informação (LAI).

Números nacionais

                                                                                                                                              O Brasil também registrou a mesma queda (24%) no trimestre. Isso quer dizer que o país teve 3,2 mil mortes violentas a menos em janeiro, fevereiro e março deste ano em relação a 2018. O número de assassinatos, porém, continua alto.                                                                                  

 

Fonte: G1 PB                                                                        Portal atual Nordeste.

 

PF investiga grupo criminoso responsável pela aprovação fraudulenta de financiamentos do PRONAF e cumprem oito mandados de busca e apreensão nos municípios de Fortaleza, Morada Nova, Tabuleiro do Norte e Quixadá.

 A Polícia Federal deflagrou nesta sexta-feira (10/5) a terceira fase da Operação Gremlins, com o objetivo de coletar novos elementos de prova relacionados à atuação de grupo criminoso responsável pela aprovação fraudulenta de 351 financiamentos do PRONAF, contratados nos anos de 2009 a 2011, junto à agência do BNB de Limoeiro do Norte/CE.

Policiais federais cumprem oito mandados de busca e apreensão nos municípios de Fortaleza, Morada Nova, Tabuleiro do Norte e Quixadá. As medidas foram determinadas pela 15ª Vara da Justiça Federal em Limoeiro do Norte, que autorizou, ainda, o bloqueio de contas e bens móveis dos investigados.

Serão indiciados dez suspeitos envolvidos nas fraudes, entre os quais funcionários do banco, pecuarista, elaboradores de projetos e lideranças de projeto de assentamento. Alguns já respondem a processos na Justiça Federal de Limoeiro do Norte por fraudes na obtenção de financiamento relacionadas a 1ª fase da operação.

As investigações apontam que o esquema criminoso gerou prejuízo aos cofres públicos em um montante que poderá ultrapassar R$ 50 milhões, conforme dados levantados nas 1ª, 2ª e 3ª fases da Operação Gremlins.

Os indiciados poderão responder, de acordo com o nível de participação, pelos crimes de associação criminosa e fraude na obtenção de financiamento, com aumento de pena em razão do prejuízo causado à instituição bancária oficial. Já os bancários, em razão da função exercida, poderão responder também pelo crime de gestão fraudulenta.

O nome da operação é uma alusão ao personagem do filme homônimo da década de 80, que retratava um pequeno bichinho, aparentemente inofensivo, que se multiplicava rapidamente e causava transtornos no meio social.

 

Fonte: Comunicação Social da Polícia Federal no Ceará 

Contato: (85) 3392-4867/9.8970-0624

“Infelizmente para ele, o telefone tocou na hora errada”, disse um funcionário da penitenciária, de acordo com a agência AFP.

Um detendo de uma cadeia no Sri Lanka teve a brilhante ideia de esconder um aparelho celular no seu orifício anal, durante uma revista rotineira nas celas. Mas ele acabou sendo traído pelo toque do aparelho bem na hora em que os guardas vistoriavam o local.

O detento, de 58 anos, foi levado a um hospital de Colombo, capital do país asiático, onde os médicos tiveram que retirar o aparelho das suas entranhas. “Infelizmente para ele, o telefone tocou na hora errada”, disse um funcionário da penitenciária, de acordo com a agência AFP.

Após de dois dias no hospital, o sujeito voltou à prisão, onde cumpre pena de 10 anos por roubo.

Com CM7

Prisão foi efetuada pelo MPPB e pela Secretaria de Estado e Defesa Social durante o cumprimento de mandado de prisão e outro de busca e apreensão

Um homem de 40 anos foi preso em Santa Rita, na Grande João Pessoa, na manhã desta terça-feira (7), suspeito de estuprar uma adolescente por, pelo menos, três anos. Os abusos teriam começado quando a vítima tinha apenas 14 anos. A prisão foi efetuada pelo Ministério Público da Paraíba e pela Secretaria de Estado e Defesa Social durante o cumprimento de mandado de prisão e outro de busca e apreensão.

De acordo com o 6º promotor de Justiça de Santa Rita, Romualdo Tadeu de Araújo Dias, a prisão preventiva cumpre os requisitos de uma medida excepcional para garantir a ordem pública e a conveniência da instrução criminal. Ele também informou que não há parentesco entre vítima e acusado.

Os mandados de prisão foram cumpridos na residência do suspeito, que têm por finalidade reunir mais provas que confirmem as evidências do crime já existentes no inquérito policial. Além de materializar o crime contra a liberdade sexual, a operação também tem como finalidade identificar outros atos criminosos da mesma natureza ou de outros tipos, que podem surgir com a análise do material coletado com a busca e apreensão.

Até 12 anos de reclusão

O homem preso é suspeito de crime de estupro contra menor de 18 anos, e a pena pode chegar a 12 anos de reclusão. Participaram da ação equipes do MPPB, da Delegacia Especializada da Mulher (Deam) e da Polícia Militar.

 

Fonte: Portal  Correio

Atualmente ele está detido no 1º Batalhão de Polícia Militar (BPM) e pode ser levado ou para o Róger ou para o PB1.

O empresário Roberto Santiago que está preso desde o fim do mês de março por força de mandado de prisão expedido durante a Operação Xeque-Mate que investiga crimes de corrupção no município de Cabedelo, teve o Habeas Corpus negado pelo Tribunal de Justiça da Paraíba.

O mérito pedido de revogação de prisão foi negado por 3 votos a 0 pela Câmara Criminal do TJ.

Por conta de uma portaria que determina a transferência de presos provisórios que não são militares para presídios comuns, o empresário deverá ser transferido nos próximos dias pra um presídio da Capital.

Atualmente ele está detido no 1º Batalhão de Polícia Militar (BPM) e pode ser levado ou para o Róger ou para o PB1.

Fonte:PB Agora

 

 

Os três desembargadores que compõem a Câmara Criminal rejeitaram, por unanimidade, o pedido da defesa

A Câmara Criminal do Tribunal de Justiça da Paraíba (TJPB) rejeitou, por unanimidade, o pedido de habeas corpus solicitado pela defesa do empresário Roberto Santiago. O empresário foi preso preventivamente no dia 22 de março, em desdobramento da operação Xeque-Mate. Ele é apontado como responsável pela suposta compra do mandato do ex-prefeito de Cabedelo, Luceninha. O caso aconteceu em 2013. O empresário também foi acusado por delatores de ter recebido pagamentos feitos por empresas de lixo que atuaram na cidade. O relator do pedido de liberdade foi o desembargador Arnóbio Alves Teodósio. O voto dele foi seguido pelos desembargadores Ricardo Vital de Almeida e João Benedito.

De acordo com a denúncia que pesa contra o empresário, Roberto teria agido para beneficiar a posse do agora ex-prefeito de Cabedelo, Leto Viana. Em depoimento à Polícia Federal, o ex-gestor admitiu os crimes apontados pela Polícia Federal e pelo Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco). Com a manutenção da prisão, pela Câmara Criminal, o empresário será transferido para um dos presídios de João Pessoa. Atualmente, ele está na carceragem do 1º Batalhão da Polícia Militar. Uma determinação expedida pela Justiça Militar, no entanto, estabeleceu que todos os presos provisórios civis sejam transferidos. O destino deve ser o Presídio do Róger ou o PB1.

Roberto Santiago já havia protocolado um pedido de Habeas Corpus no Superior Tribunal de Justiça. Os advogados do empresário, no entanto, desistiram do pedido. O ministro sorteado para o pedido foi Félix Fischer, conhecido pelo pouco costume de conceder liberdade aos apenados.

 

Fonte:Suetoni Souto Maior

 

 

A “Operação Calvário” que já tem presos 11 pessoas, entre elas: a ex-secretária de administração do Estado, Livânia Farias, seus assessores, Daniel Gomes da Silva, e Michelle Cardoso acusados de distribuirem propinas durante a campanha eleitoral para alguns agentes políticos da Paraíba.

Preso no dia 14 de dezembro na 1ª fase da Operação “Calvário” na Paraíba, o Empresário, Roberto Kremser Calmon teria sido levado na manhã desta quinta-feira (18) da sede do 5º Batalhão na Capital para o Rio de Janeiro.
                                                                                                                                            A informação chamou atenção da Imprensa Paraibana que acompanha os passos da “Operação Calvário” que já tem presos 11 pessoas, entre elas: a ex-secretária de administração do Estado, Livânia Farias, seus assessores, Daniel Gomes da Silva, e Michelle Cardoso acusados de distribuirem propinas durante a campanha eleitoral para alguns agentes políticos da Paraíba.

Preso a 4 meses na Paraíba, o Empresário Roberto Kremser Calmon teria sido transferido ao Rio de Janeiro durante a amanhã desta quinta-feira (18), e poderá fazer delação premiada.

A notícia já é divulgada na Imprensa do Estado, e muitas especulações surgem a esse respeito. 

O Advogado do Empresário procurado pela Imprensa não teria sido encontrado até então.

Dentro de mais alguns instantes, detalhes sob o assunto.

Repórter PB

Foi o que decidiu o juiz Adilson Fabrício (1ª Vara Criminal), durante a audiência de custódia, realizada no início da tarde desta segunda feira, na Câmara Criminal do Tribunal de Justiça.

A ex-secretária Livânia Farias deverá permanecer presa à disposição da Justiça na 6ª CIPM (Companhia Independente de Polícia Militar), em Cabedelo, onde se encontra desde o último sábado, quando foi detida no âmbito da Operação Calvário 3. Foi o que decidiu o juiz Adilson Fabrício (1ª Vara Criminal), durante a audiência de custódia, realizada no início da tarde desta segunda (dia 18), na Câmara Criminal do Tribunal de Justiça.

Conforme o magistrado, a partir de agora, Livânia só poderá receber a visita de parentes e de seus advogados. Estão, portanto, vedadas visitas de políticos e outras pessoas do governo do Estado, que possam, de alguma forma, exercer qualquer tipo de pressão sobre a ex-secretária ou promover alguma interferência política no caso.

Prisão – Sua prisão foi decretada pelo desembargador Ricardo Vital, por solicitação do Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Combate à Corrupção). Livânia foi delatada pelo seu ex-assessor Leandro Nunes Azevedo, de ter comandado esquema de propina com recursos da Cruz Vermelha, dentro da Operação Calvário. Na madrugada de domingo, o governador João Azevedo assinou sua exoneração da Secretaria, alegando ter sido um pedido dela.

Propinagem – Leandro, ex-assessor e braço direito da secretária Livânia revelou em delação para o Gaeco ter recebido , no hotel do Rio de Janeiro, uma caixa de dinheiro de Michele Cardozo, secretária particular de Daniel Gomes da Silva (chefe da organização criminosa), Leandro revelou que havia nela R$ 900 mil. Disse ainda que Livânia comandou toda a operação.

O dinheiro recebido no Rio de Janeiro foi utilizado para financiar a campanha do então candidato João Azevedo, num esquema que envolveu, não apenas caixa 2, mas, especialmente, utilização da propina. Foram pagos, segundo ele, vários fornecedores da campanha ainda no Rio de Janeiro.

Ainda de acordo com Leandro, após combinar com Livânia, foram pagos os fornecedores Zé Nilson (Adesivos Torres), Weber (Plastifort), Henrique (Prática Etiquetas) e Júnior (carro de som). Para alguns deles, o pagamento foi feito em dinheiro e pessoalmente, e até com um bônus (afinal veio dinheiro a mais…). Para outros, depósito bancário realizado numa agência de shopping.

Imóveis – Leandro revelou também que Livânia adquiriu de um empresário conhecido como Waltão e com dinheiro da propina, um imóvel em Sousa, no valor de R$ 400 mil, pago em duas parcelas de R$ 200 mil, em dinheiro vivo. Livânia teria usado na operação Aparecida Estrela. E também confirmou que ele próprio adquiriu imóvel no condomínio Bosque de Intermares, usando o nome de sua mãe.

juiz Adilson Fabrício (1ª Vara Criminal)

 

Blog Helder Moura

A reportagem ligou várias vezes para o Geo Tambaú, solicitando esclarecimentos sobre o caso, porém a unidade prometeu que seria enviada uma nota, que no entanto não chegou à redação do Portal. 

Um áudio vazado de uma suposta reunião ocorrida nesta segunda-feira (11) entre pais de alunos e a diretoria do colégio Geo mostra que a escola teria abafado o suposto caso de abuso sexual praticado por adolescentes contra um menino de 8 anos, em maio do ano passado, na unidade de Tambaú, em João Pessoa. O áudio mostra ainda a revolta de muitos pais porque a escola não informou sobre o fato, não tomou providências e anunciou hoje que somente a partir de amanhã os alunos serão acompanhados por um adulto quando forem ao banheiro.                                                                                                                                                                                             Três adolescentes, entre 12 e 17 anos foram apreendidos nesta segunda-feira (11) pela Polícia Civil, por determinação judicial, e um outro ainda não teria sido localizado.

O áudio da reunião que foi divulgado pelos próprios pais nas redes sociais mostra a revolta de diversos responsáveis que têm crianças estudando na escola. Eles questionam o fato da direção não ter tomado providências quando soube do ocorrido ainda no ano passado.

O diretor-geral das unidades Geo Tambaú e Geo Sul, identificado como Roberto, alega que a escola fez “uma série de encaminhamentos para que a gente pudesse entender o fato em função de estar envolvendo menores de idade”, mas ao mesmo tempo diz que “esse processo não foi finalizado” e que “estava sendo encaminhado em segredo de justiça”.

“Me surpreende o fato de, hoje, algumas mídias terem divulgado até algumas imagem dos alunos, dos pequenos, dos menores, o Jurídico vai tomar conta disso”, disse o diretor na reunião com os pais.

A denúncia dos pais da criança vítima do abuso gerou um inquérito policial, mas segundo o diretor, muitas vezes eles chegaram a questionar o fato do abuso ter ocorrido ou não.

“A partir de amanhã toda criança que precisar ir ao banheiro vai ser acompanhada por uma educadora, independente de ser menino ou menina”, disse.

Depois dessa informação, os pais abandonaram a reunião, revoltados com o fato da escola anunciar a providência somente a partir de amanhã, após o abuso sexual ter sido divulgado pela imprensa.

A reportagem ligou várias vezes para o Geo Tambaú, solicitando esclarecimentos sobre o caso, porém a unidade prometeu que seria enviada uma nota, que no entanto não chegou à redação do Portal. Internamente, a escola teria divulgado uma nota à comunidade escolar afirmando que “o Colégio Geo tem buscado junto ao Poder Público a apuração dos fatos” e mencionando que o processo tramita em segredo de justiça em “respeito à privacidade dos menores envolvidos”.

Por Click PB

Os 34 mandados de busca e apreensão nos endereços dos acusados estão sendo concluídos

Os dois homens presos, na manhã desta terça-feira (12), por suspeita de executar a vereadora carioca Marielle Franco (PSOL) e o motorista Anderson Gomes prestam depoimento neste momento na Delegacia de Homicídios da capital (DH). O PM aposentado Ronnie Lessa e o ex-PM Élcio Queiroz foram presos nesta madrugada depois de terem sido denunciados à Justiça. Os agentes realizaram 34 mandados de busca e apreensão nos endereços dos acusados.

Suspeito do assassinato de Marielle Franco, Ronie Lessa, é preso por policiais em seu condomínio na Barra da Tijuca, no Rio de Janeiro

 
 
Suspeito do assassinato de Marielle Franco, Ronie Lessa, é preso por policiais em seu condomínio na Barra da Tijuca, no Rio de Janeiro
Foto: Sergio Moraes / Reuters

Ronnie Lessa foi apontado pelo Ministério Público do Rio de Janeiro como o autor dos 13 disparos que atingiram o carro onde estava a vereadora Marielle. Já Élcio Queiroz teria atuado como motorista do veículo onde estava Ronnie.Carro onde estava Marielle no dia do crime Ricardo Moraes/Reuters/direitos reservados

A execução ocorreu na noite de 14 de março de 2018, quando o carro onde estavam Marielle, Anderson e uma assessora da parlamentar, que sobreviveu ao atentado, parou em um sinal no cruzamento das ruas Joaquim Palhares, Estácio de Sá e João Paulo I.

Às 11h, o governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel, o secretário da Polícia Civil, Marcus Vinícius Braga, e os delegados responsáveis pelo caso darão detalhes à imprensa, no Palácio Guanabara.

Perfil

Ronnie Lessa foi aposentado depois de um atentado a bomba contra ele, que resultou na amputação de uma de suas pernas e que teria sido provocado por uma briga entre facções criminosas.

Já Élcio Queiroz foi expulso da corporação. Ele chegou a ser preso em 2011 na Operação Guilhotina, da Polícia Federal, que apurou o envolvimento de policiais militares com traficantes de drogas e com grupos milicianos. Na época, Queiroz era lotado no Batalhão de Olaria (16º BPM).

Fonte: Portal Terra

Pagina 2 de 32
JR Esquadrias