Esportes (353)

 

Jamais antes um lutador de MMA consagrado e no auge da carreira migrou para o boxe para enfrentar uma lenda da modalidade

Para quem duvidou quando as especulações surgiam, se espantou com a confirmação do inusitado duelo entre o americano Floyd Mayweather, 40, multicampeão e lenda viva do boxe, e Conor McGregor, 29, principal lutador de MMA da atualidade e campeão do UFC. O combate entre artistas marciais de modalidades diferentes ocorrerá no ringue da nobre arte, amanhã, em Las Vegas (EUA). Mais do que um simples confronto, o encontro é encarado como um embate boxe x MMA.

A situação do irlandês McGregor é inédita no mundo dos combates. Lutador de MMA no auge da carreira e astro maior do UFC no momento, o irlandês migrou para o boxe para enfrentar aquele que é considerado um dos maiores pugilistas de todos os tempos. É um encontro de gigantes das lutas.

O caminho inverso, de um pugilista campeão mundial indo para o MMA, já aconteceu, mas sem a mesma dimensão e publicidade de agora.

Mayweather se aposentou em 2015, invicto com 49 vitórias, sem jamais ter sofrido um knockdown, ou seja, nenhum árbitro abriu contagem contra ele.

A expectativa é que todo o evento movimente US milhões. Os cachês dos dois atletas somados pode chegar a US milhões — US milhões para o americano e US milhões para o irlandês. É esperado que o confronto quebre o recorde de vendas de pay-per-view, que pertence ao duelo Mayweather x Pacquiao, publicizada como a “luta do século” em 2015.

“A diferença entre esta luta e a luta entre Mayweather e Pacquiao é que o alcance do Conor no mundo é maciço. Essa é a luta que o mundo vai assistir”, dimensionou Dana White, presidente do UFC. “Esta é a luta que vai trazer todas as estrelas de Hollywood: Jay-Z, Beyoncé, todos os atores e atrizes de Hollywood, as estrelas da NBA”, garantiu Leonard Ellerbe, promotor da Mayweather Promotions.

 MARCA UFC 

A divulgação da marca UFC vinculada a Conor McGregor é valiosa para o crescimento da organização, já considerada a maior do MMA — cujo recorde de arrecadação anual é US milhões em 2015 —, mas que ainda está distante do dinheiro movimentado na indústria do boxe. É a chance de conquistar novos patamares.

 

Por  Lucas Mota.  

 

 

O Tricolor ainda pode embolsar mais R$ 20 milhões de acordo com o desempenho de David Neres no Ajax, de Maicon no Galatasaray e de Augusto Galvan no Real Madrid B.

O São Paulo já embolsou R$ 160 milhões nos primeiros meses do ano com as vendas de jogadores para o exterior.

O valor, que já exclui a participação de terceiros nas negociações, aumentou na última semana depois da confirmação do atacante Centurión no Genoa, da Itália, por R$ 13 milhões.

No total, foram sete jogadores vendidos: David Neres, Luiz Araújo, Thiago Mendes, Maicon, Lyanco, Centurión e Augusto Galvan, que jogava no Sub-17.

E o valor tem tudo para crescer. O Tricolor ainda pode embolsar mais R$ 20 milhões de acordo com o desempenho de David Neres no Ajax, de Maicon no Galatasaray e de Augusto Galvan no Real Madrid B.

Fonte: Jorge Nicola, da Rádio Bandeirantes.

FONTE: esporte.band.uol

 

Segunda, 14 Agosto 2017 21:02

Paulinho é o novo reforço do Barcelona

Escrito por

 O clube espanhol entrou em acordo com os chineses do Guangzhou Evergrande e pagou os 40 milhões de euros (R$ 148 milhões) do valor da multa de rescisão, mas o negócio será feito como venda.

Diante da dificuldade para contratar Dembelé e Philippe Coutinho por causa da intransigência de Borussia Dortmund e Liverpool, respectivamente, o Barcelona atacou em outra frente e fechou a compra de Paulinho. O clube espanhol entrou em acordo com os chineses do Guangzhou Evergrande e pagou os 40 milhões de euros (R$ 148 milhões) do valor da multa de rescisão, mas o negócio será feito como venda. Como a janela de transferências na China está fechada para novas chegadas, o time dirigido por Felipão não terá como substituir o seu melhor jogador.

A diretoria do Barça resolveu ceder e pagar a multa por dois motivos: 1) os chineses não aceitavam liberar Paulinho por menos do que isso; 2) com o mercado aquecido como está e os preços lá em cima, contratar um titular da Seleção Brasileira por 40 milhões de euros pode ser considerado um bom negócio.

Paulinho estava ansioso para o martelo ser batido. Há mais de um mês ele tem acordo salarial com o Barça – receberá 5 milhões de euros (R$ 18,5 milhões) por ano, dois milhões de euros (R$ 7,4 milhões) a mais do que o seu salário no Guangzhou. Ele se torna o primeiro jogador a fazer o caminho inverso do lógico, saindo de um time chinês para um dos gigantes da Europa. É a negociação mais cara da China para o futebol europeu.

Contratado por 14 milhões de euros, Paulinho, dirigido por Felipão no Guangzhou, recuperou seu futebol depois de uma passagem apagada pelo Tottenham, da Inglaterra, e voltou à Seleção Brasileira. Junto com Felipão, conquistou seis de oito títulos disputados nos últimos dois anos.

Sua contratação agrada muito ao técnico Ernesto Valverde, que acha que sua força e seu dinamismo podem fazer muito bem ao meio-de-campo do Barcelona. Paulinho poderá jogar tanto no lugar de Rakitic quanto junto com ele – nesse caso, quando o veterano Iniesta não estiver em campo. Paulinho se apresentará ao clube espanhol nesta segunda-feira (14/8).

Agora o Barça voltará para a batalha com o Liverpool para contratar Coutinho. Está difícil, mas o clube acredita que a vontade de sair do jogador – já manifestada aos dirigentes ingleses – pode ajudar a virar o jogo.

Fonte: chuteirafc

 

Só no primeiro dia de Neymar no clube, o PSG faturou 500 mil euros (cerca de R$ 1,9 milhão) com a venda de camisas do brasileiro

O efeito Neymar no PSG é impressionante. De acordo com informações da RMC, em 10 dias de clube, o jogador brasileiro já vendeu mais camisas que o meia argentino Di María em um ano. Foram comercializadas pouco mais de 20 mil camisas com o nome de Ney. Uma loucura que não deve parar tão cedo.

“Acho que 90% das camisas vendidas são com o nome de Neymar. Já estão faltando alguns modelos”, disse um representante do PSG.

Só no primeiro dia de Neymar no clube, o PSG faturou 500 mil euros (cerca de R$ 1,9 milhão) com a venda de camisas do brasileiro. Nas redes sociais, as páginas do clube passaram a ser vistas sete vezes mais por dia. Os seguidores cresceram e a meta do PSG é se tornar o clube mais midiático da Europa.

Neymar fez a sua estreia pelo PSG neste domingo, contra o Guingamp, fora de casa. Ele marcou um gol e deu uma assistência na vitória do Paris por 3 a 0.

Fonte: extra.globo

 

Maior contratação da história do futebol, custando aos cofres do PSG 222 milhões de euros, e com o peso de quem trocou o gigante Barcelona pelo emergente clube francês

Mesmo ainda sem poder estrear, Neymar foi o grande protagonista no Parc des Princes no último sábado. Momentos antes da estreia do Paris Saint-Germain diante do Amiens pelo Campeonato Francês, o jogador brasileiro foi apresentado oficialmente para a torcida em uma grande festa.

Após a cerimônia, Neymar se mostrou emocionado e agradeceu seus novos fãs pelo carinho neste primeiro contato. "É inexplicável a sensação que vivi ali dentro. Foi de arrepio a todo momento, já imaginando conquistas. O carinho foi surreal. Estou muito contente, com vontade de jogar e fazer esta torcida feliz", declarou em entrevista ao SporTV.

Com o nome cantado pela torcida, Neymar foi celebrado e aplaudido durante toda sua estadia em campo. Rapidamente, mostrou um pouco de sua habilidade ao fazer embaixadinhas. Depois, deu uma espécie de "volta olímpica" e arremessou brindes à torcida, inclusive a camisa que usava.

Maior contratação da história do futebol, custando aos cofres do PSG 222 milhões de euros, e com o peso de quem trocou o gigante Barcelona pelo emergente clube francês, Neymar sabe que sua responsabilidade será grande. Ele classificou a nova jornada como "o maior desafio de sua carreira", mas garantiu que foi justamente isso que o motivou a aceitar a proposta do clube.

"É o maior desafio da minha carreira. Mas eu sou um cara movido a isso, a querer mais, me superar toda hora. É um desafio muito grande fazer a torcida feliz, fazer esse clube maior do que já é", afirmou.

Havia a expectativa de que Neymar estreasse já neste sábado, mas a ausência de um documento impediu que o PSG o colocasse em campo. Por isso, sua primeira partida com a camisa do novo clube deverá acontecer na segunda rodada do Campeonato Francês, contra o Guingamp, dia 13, fora de casa.

Com isso, a tendência é que o auxiliar Jayme de Almeida assuma o comando técnico do Flamengo de forma interina

O cargo de técnico do Flamengo está vago. Isto, porque Zé Ricardo foi demitido após reunião na noite deste domingo, horas depois da derrota por 2 a 0 para o Vitória, em plena Ilha do Urubu, pela 19ª rodada do Campeonato Brasileiro.

O revés em casa foi o estopim para a demissão do treinador, que vinha sendo muito criticado por torcida e dirigentes rubro-negros pela campanha aquém do esperado no Brasileirão, do qual o clube é o quinto colocado, com 29 pontos, 18 a menos que o líder Corinthians.

Com 46 anos, Zé Ricardo era o “protegido” do presidente Eduardo Bandeira de Melo, que não resistiu às pressões interna e externa. Com um dos maiores investimentos do Brasil, o Flamengo ainda amargou a precoce eliminação na fase de grupos da Copa Libertadores da América, principal competição no calendário de 2017 da equipe.

Com isso, a tendência é que o auxiliar Jayme de Almeida assuma o comando técnico do Flamengo de forma interina na partida contra o Palestino, do Chile, nesta quarta-feira, no Rio de Janeiro. Os cariocas venceram o jogo de ida por 5 a 2.

O Flamengo informa que Zé Ricardo não é mais treinador da equipe.

 

Efetivado ao cargo de técnico do Flamengo em julho do ano passado, Zé Ricardo deixa o clube com um aproveitamento de 63,7%. Foram 48 vitórias, 25 empates e 16 derrotas. Seu auge à frente do comando da equipe se deu em 2016, quando o Rubro-Negro disputou o título brasileiro com o Palmeiras praticamente rodada a rodada, mas acabou vice-campeão do torneio. Em 2017, conquistou o Campeonato Carioca em cima do Fluminense.

 

 

O Real Madrid perdeu Neymar para o Barcelonadeu  mais agora deu o troco com Vinicius Jr., a joia de 16 anos do Flamengo a imprensa de Madri já batizou como “o novo Neymar”.

O Real Madrid perdeu Neymar para o Barcelona mesmo tendo colocado uma fortuna sobre a mesa para tentar seduzir o craque e seu pai, mas deu o troco com Vinicius Jr., a joia de 16 anos do Flamengo. Com uma postura muito agressiva nos últimos dias e, claro, com muito dinheiro, virou o jogo e laçou o atacante. A manobra deixou a cúpula do Barça – que já admitiu a derrota – furiosa com o rival, com a Traffic e com o pai do garoto.

Para ficar com Vinicius Jr. (que nesta segunda-feira já foi submetido a exames médicos no Rio sob a supervisão do Real Madrid), o gigante espanhol desembolsará nada menos do que 61 milhões de euros (R$ 201,3 milhões), quase o dobro dos 32,75 milhões de euros (R$ 108 milhões) que o Manchester City pagou há menos de um ano por Gabriel Jesus – que à época era titular do time principal do Palmeiras, artilheiro do Campeonato Brasileiro e uma das estrelas da Seleção Olímpica.

A divisão da bolada ficou assim: 45 milhões de euros (R$ 148,5 milhões) pelos direitos econômicos, sendo 80% para o Flamengo (R$ 118,8 milhões) para o clube e 20% para a Traffic (R$ 29,7 milhões). Isso já seria uma barbaridade, porque a multa de rescisão contratual do jogador está fixada em 30 milhões de euros (R$ 99 milhões), mas não é tudo. Para dobrar a Traffic e a família do garoto, que estavam do lado do Barcelona, o Real Madrid pagará gordas comissões: 8 milhões de euros (R$ 26,4 milhões) para a empresa de marketing esportivo e mais 8 milhões de euros para a família como signing bonus (prêmio pela assinatura do contrato).

Como o garoto só poderá ser utilizado pelo Real Madrid quando completar 18 anos (em julho de 2018), ficará no Brasil até lá. Embora ele ainda não tenha 17 anos, já é um destaque no time sub-20 do Flamengo – domingo fez dois gols e deu duas assistências na vitória por 4 a 0 sobre o Fluminense. E ninguém no clube tem dúvida de que será aproveitado na equipe de cima durante o Brasileirão.

O assédio sobre Vinicius Jr. aumentou depois que ele brilhou no Sul-Americano Sub 17 disputado em fevereiro no Chile. Foi o artilheiro e o melhor jogador da competição vencida pelo Brasil, e chamou a atenção de muitos clubes europeus. Mas o Barcelona se mostrava tranquilo, e dava como certo que ficaria com o garoto.

Eram dois os motivos do otimismo: André Cury, o representante do clube no Brasil, seguia de perto o garoto há mais de dois e tinha se aproximado muito da família; o bom relacionamento do Barça, também via Cury, com a Traffic (que cuida da carreira dele).

Vinicius Jr. ainda não fez 17 anos e já é destaque no time sub-20 (Foto: Gilvan de Souza/flamengo.com.br)

O Barcelona, com ajuda da Nike, fez de tudo para ligar a imagem de Vinicius Jr. ao clube. Ele deu entrevistas dizendo que no videogame sempre escolhia o Barça para ser o seu time, foi para a Espanha e apareceu em fotos na casa de Neymar, visitou o craque na concentração da Seleção Brasileira em São Paulo e vivia trocando mensagens com ele. Tudo indicava que a escolha do garoto já estava feita e o clube catalão havia derrotado o Real Madrid de novo. Mas tudo mudou de dez dias para cá.

O clube merengue partiu com apetite para o ataque e deixou as três partes (Flamengo, Traffic e família do jogador) de boca aberta com os valores oferecidos. E o destino de Vinicius Jr. passou a ser a capital espanhola.

A diretoria do Barcelona se sentiu desrespeitada pelo rival, e considerou-se traída pela Traffic e pela família do garoto. Seus dirigentes dizem nos bastidores que, decidido a jogar no clube, Neymar fechou os olhos para uma ofertamirabolante feita pelo Real Madrid em 2013, e que se Vinicius Jr. e sua família não tiveram a mesma atitude é porque não estavam tão comprometidos com o clube.

O choro do Barça não comove o rival, que comemora a vitória na disputa para contratar aquele que a imprensa de Madri já batizou como “o novo Neymar”.

FONTE: Chuteirafc

 

 

De virada e jogo de sete gols no Engenhão, Hernanes e Marcos Guilherme garantiram a vitória do São Paulo por 4 x 3   sobre o Botafogo no Rio.

Na reestreia de Hernanes, quem brilhou foi outro estreante. O meia Marcos Guilherme marcou dois gols nos minutos finais e garantiu a vitória por 4 a 3 do Tricolor sobre o Botafogo, no Rio de Janeiro.

 

A primeira etapa do duelo foi bastante movimentada. Com dez finalizações, sendo 4 do Botafogo e 6 do São Paulo. Os donos da casa terminaram os 45 minutos iniciais com a vantagem de 2 a 1 no placar.

 

Mesmo com uma pressão inicial dos cariocas, foi o Tricolor que abriu o marcador no estádio Nilton Santos. Após uma falha da zaga do Fogão, Cueva aproveitou a sobra da bola e empurrou para o fundo do gol, aos 17 minutos. 

 

Porém, não deu nem tempo dos visitantes comemorarem o tento, pois aos 19, a bola sobrou na esquerda para Pimpão, que tocou no meio para Marcos Vinícius bater cruzado da entrada da área e empatar o jogo.

 

Após o empate, a partida ficou aberta. Os dois times atacavam com intensidade em busca do gol. Aos 25, o Botafogo chegou com perigo mais uma vez e consegui virar a partida. Marcos Vinícius, de novo, recebeu na intermediária e arriscou de fora da área. Renan Ribeiro caiu cedo e foi traído pelo quique da bola, que o encobriu e foi parar no fundo do gol.

 

O time de Dorival tentou não se abater com a virada e foi para cima. O ataque da equipe trabalhou bastante, mas as finalizações não foram efetivas para igualar o placar.

 

No segundo tempo, o São Paulo entrou em campo disposto a buscar o empate nos minutos iniciais, mas Dorival viu seus atacantes apagados e uma defesa consistente do Botafogo pela frente.

 

O Tricolor chegou perto do gol aos 20 minutos, quando Wellington Nem foi derrubado na área e o juiz marcou pênalti. Cueva foi para a bola e bateu sem muita força no canto. Gatito pulou bem e defendeu a cobrança.

 

Foi aí que o time da capital paulista viu que a bola pune. Na jogada seguinte à defesa de Gatito, o Botafogo partiu rápido para o contra-ataque. Luis Ricardo recebeu na direita, foi para o fundo do campo e cruzou rasteiro para Guilherme bater forte no canto e ampliar para o time da casa.

 

Mas quem disse que a vantagem do Fogão iria esfriar o São Paulo? Os dois estreantes do time paulista chegaram mostrando a que vieram.

 

Marcos Guilherme aproveitou cruzamento de Cueva e tocou de cabeça para diminuir aos 39 minutos. Logo em seguida, aos 41, o "profeta" Hernanes levou a torcida visitante à loucura ao empatar a partida.

 

E não parou por aí. Os são-paulinos não estavam satisfeitos com o empate e o estreante menos badalado da noite mostrou que o jogo era dele. Marcos Guilherme recebeu um belo lançamento de Cueva, invadiu a área e virou o jogo, para delírio do banco de reservas Tricolor.

 

Com o resultado, o São Paulo deixa a zona de rebaixamento e assume a 15ª colocação, com 19 pontos. O próximo compromisso da equipe é na quinta-feira (3), contra o Coritiba, no Morumbi. 

FICHA TÉCNICA

BOTAFOGO 3 X 4 SÃO PAULO

BOTAFOGO - Gatito Fernández; Luis Ricardo, Igor Rabello, Joel Carli e Victor Luis (Victor Lindenberg); Rodrigo Lindoso, Matheus Fernandes, João Paulo e Marcos Vinícius (Guilherme); Rodrigo Pimpão e Roger (Brenner). Técnico: Jair Ventura.

SÃO PAULO - Renan Ribeiro; Bruno, Rodrigo Caio, Arboleda e Edimar; Jucilei, Petros (Marcos Guilherme) e Hernanes; Marcinho (Wellington Nem), Lucas Pratto (Gilberto) e Cueva. Técnico: Dorival Júnior

GOLS - Cueva, aos 18, e Marcos Vinicius, aos 19 e 25 minutos do primeiro tempo; Guilherme, aos 24, Marcos Guilherme, aos 39 e aos 47, e Hernanes, aos 41 minutos do segundo.

ÁRBITRO - André Luiz de Freitas Castro (GO).

CARTÕES AMARELOS - Petros.

RENDA - R$ 528.128,00.

PÚBLICO - 14.016 pagantes.

LOCAL - Engenhão, no Rio.

 

Fonte atribuna/CAÍQUE STIVA 

 

Nas oitavas de final da Sul-Americana, o Fluminense espera o vencedor do confronto entre Bolívar-BOL e LDU-EQU.

A Universidad Católica começou focada em busca do gol e quase abriu o placar logo aos dois minutos. López recebeu passe na entrada da área e chutou cruzado para grande defesa de Julio Cesar. No entanto, depois do susto, o Fluminense melhorou a marcação e conseguiu equilibrar a partida. Tanto que aos 13, Richarlison foi lançado na área, mas chutou fraco, em cima de Galíndez.

Só que aos 17 minutos, os donos da casa marcaram o primeiro gol. Após cobrança de escanteio, Cifuente se livrou da marcação de Henrique Dourado e tocou com o joelho para a rede.

O gol animou os equatorianos, que criaram nova chance aos 19 minutos. Ibarra fez grande jogada individual, passou por dois marcadores e, mesmo sem ângulo, chutou para boa defesa de Julio Cesar. O Fluminense novamente equilibrou as ações após novo susto e passou a ter mais posse de bola. Os tricolores voltaram a criar boa chance aos 27, quando Marcos Júnior recebeu passe na área e chutou para defesa de Galíndez.

A Universidad Católica aproveitava os erros de passe do Fluminense para chegar com perigo. Aos 32 minutos, Ibarra arriscou da entrada da área, mas parou no goleiro carioca. Em seguida, após avanço rápido dos donos da casa, a bola chegou em Prado na área. O lateral esquerdo ficou de frente para o gol, chutou cruzado, mas viu Julio Cesar salvar os brasileiros.

Na parte final, os equatorianos passaram a dominar o confronto e criar boas jogadas no ataque. Defederico, de longe, além de Cifuente, duas vezes, quase marcaram o segundo gol em Quito. Quando mais sofria na partida, o Fluminense chegou ao empate, aos 38 minutos. Henrique aproveitou falta cobrada na área e cabeceou para grande defesa de Galíndez. Só que no rebote, Henrique Dourado finalizou para a rede. Com a igualdade, os tricolores foram mais tranquilos para o intervalo.

Com a classificação encaminhada, o Fluminense iniciou o segundo tempo apenas administrando o resultado. A Universidad Católica sentiu o revés na etapa inicial e já não mostrava a mesma disposição de antes. Assim, o duelo ficou bem lento, com nenhuma chance de gol.

Somente aos 15 minutos, os cariocas criaram boa chance e chegaram ao segundo gol em Quito. Richarlison tocou para Marlon Freitas, que entrou e mesmo tendo chutado errado, viu a bola ir mansamente para a rede.

O novo revés acabou de vez com a motivação dos donos da casa, que passaram somente a esperar o apito final. Com isso, o Fluminense dominou amplamente a partida e começou a criar diversas chances de gol. No entanto, os tricolores pecavam nas finalizações.

Na parte final do jogo, os cariocas recuaram e permitiram a pressão da Universidad Católica. No entanto, os equatorianos nada fizeram para assustar Julio Cesar. Com isso, o Fluminense apenas esperou o fim do jogo para comemorar a classificação para as oitavas de final da Sul-Americana.

FICHA TÉCNICA
UNIVERSIDAD CATÓLICA QUITO-EQU 1 X 2 FLUMINENSE-BRA

Local: Estádio Olímpico Atahualpa, em Quito (Equador)
Data: 26 de julho de 2017, quarta-feira
Horário: 19h15 (de Brasília)
Árbitro: Darío Herrera (Argentina)
Assistentes: Ezequiel Brailovisky (Argentina) e Iván Núñez (Argentina)

Cartões amarelos: Romero, Oñate e León (Universidad Católica); Orejuela (Fluminense)
GOLS:
UNIVERSIDAD CATÓLICA: Cifuente, aos 17min do primeiro tempo
FLUMINENSE: Henrique Dourado, aos 38min do primeiro tempo; Marlon Freitas, aos 15min so segundo tempo

UNIVERSIDAD CATÓLICA: Herman Galíndez; Wilmer Meneses, Ronaldo Oñate, Wilmer Godoy e Haminto Prado (Jordy Caicedo); Gastón Gil Romero, Jerry León, Matías Defederico e Romário Ibarra (Jhonatan Lucas); Jhon Cifuente
Técnico: Facundo Martínez

FLUMINENSE: Júlio César; Mateus Norton, Henrique, Frazan e Léo (Marlon); Marlon Freitas, Jefferson Orejuela e Wendel (Marcos Calazans); Marcos Júnior (Renato Chaves), Richarlison e Henrique Dourado
Técnico: Abel Braga

Fonte: Gazetaesportiva

O Santos lutou, fez quatro gols, venceu em casa, mas foi eliminado da Copa do Brasil. A vitória por 4 a 2, na noite desta quarta-feira, não foi o suficiente para reverter a derrota por 2 a 0 para o Flamengo no jogo de ida das quartas de final. Na Vila Belmiro, o time carioca ficou com a vaga e confirmou o clássico com o Botafogo na semifinal.

No duelo que marcou os retornos de Ricardo Oliveira e Alex Muralha, Diego e Berrío brilharam pelo Flamengo. Bruno Henrique e Copete foram os destaques santistas, diante da atuação discreta de Oliveira. O goleiro flamenguista voltou a ganhar uma chance nesta quarta, mas cometeu erros que podem devolvê-lo ao banco de reservas.

Pressionado pela derrota por 2 a 0 na ida, o Santos esteve longe de se impor em campo na Vila porque o Flamengo saiu na frente e não recuou para jogar no contra-ataque. Após empatar, o time da casa viu o rival ficar em vantagem novamente com gol relâmpago no segundo tempo.

Na sequência, buscou a virada, ao fazer 3 a 2, com dois gols em apenas um minuto, com Copete e Victor Ferraz. O Flamengo, com passes precisos de Diego e investidas perigosas de Guerrero, seguia no jogo, às vezes melhor em campo. Tirando vantagem do nervosismo do rival, que gerou até dois momentos de desentendimento entre jogadores das duas equipes no segundo tempo, o visitante se segurou no fim e agendou o clássico com o Botafogo, que eliminou o Atlético-MG, nesta mesma noite.

O JOGO – Santos e Flamengo fizeram uma etapa inicial de dois momentos distintos. No primeiro, o time carioca bloqueou a tentativa de pressão dos santistas, criou boas chances de gol e ainda saiu na frente. Berrío, aos 9, recebeu passe de Diego pela direita e venceu o goleiro Vanderlei com uma cavadinha.

O gol dos cariocas fora de casa deixou o Santos em situação tensa. Precisava fazer quatro gols para reverter o confronto e avançar na Copa do Brasil. O Flamengo, porém, não recuava. Seguia melhor no meio-campo e ameaçava o gol anfitrião, ora com Guerrero pelo meio, ora com Berrío, pela direita. Everton, pela esquerda, era mais discreto e oferecia pouco perigo à defesa santista.

O Flamengo dominava o jogo quando o afobado Santos buscou o empate e mudou o panorama do primeiro tempo. Aos 33, Bruno Henrique recebeu pela esquerda, cortou para dentro e acertou lindo chute de fora da área. A bola acertou o ângulo, sem qualquer chance para Muralha.

Os visitantes responderam com um gol anulado de forma duvidosa pela arbitragem. Réver mandou de cabeça para as redes, mas Leandro Pedro Vuaden assinalou falta de Guerrero sobre a defesa, aos 38.

O árbitro voltaria a ser protagonista dois minutos depois. Bruno Henrique foi derrubado na entrada da área por Réver. Leandro Pedro Vuaden assinalou a penalidade de imediato. A decisão, contudo, durou apenas dois minutos, pois ele consultou o bandeirinha e voltou atrás. Não marcou nem falta no lance.

“Eu peguei na bola primeiro. O Réver foi malandro, quando eu ia passar, deu um toquinho em mim. Arbitragem errando muito, querendo interferir”, reclamou Bruno Henrique, na saída para o intervalo. “Ele [o árbitro] estava longe. Bati primeiro na bola. Não foi falta. Ele acertou em voltar atrás. Só disse que conversou e decidiram que não foi pênalti”, alegou Réver.

Se a situação seguia difícil para o Santos, ficou ainda mais complicada na volta para o segundo tempo. Logo aos 45 segundos Guerrero anotou o segundo gol do Flamengo, ao aproveitar passe preciso de Everton, pela esquerda.

Parecia sacramentada a eliminação do Santos. Até que Copete, aos 8, e Victor Ferraz, aos 9, deram nova esperança à torcida. O colombiano marcou de cabeça, sozinho na área, em falha de Muralha. O lateral acertou forte chute, quase de voleio, da entrada da área, um minuto depois do gol de Copete.

Os lances esquentaram novamente o jogo. Mas o Santos ainda precisaria marcar mais dois gols para seguir vivo na Copa do Brasil. Nos minutos finais, o Flamengo voltou a mostrar força no meio-campo. Conteve as investidas e assegurou a classificação. O gol de Copete aos 48 minutos, novamente de cabeça, não alterou o futuro do Flamengo na competição.

FICHA TÉCNICA:

SANTOS 4 x 2 FLAMENGO

SANTOS – Vanderlei; Victor Ferraz, Lucas Veríssimo, David Braz e Jean Mota; Yuri (Rafael Longuine), Vecchio (Léo Cittadini) e Lucas Lima; Copete, Bruno Henrique e Ricardo Oliveira (Vladimir Hernández). Técnico: Levir Culpi.

FLAMENGO – Alex Muralha; Pará, Réver, Rafael Vaz e Trauco; Márcio Araújo, Cuellar (Willian Arão) e Diego; Everton (Gabriel), Guerrero e Berrío (Rodinei). Técnico: Zé Ricardo.

GOLS – Berrío, aos 9, e Bruno Henrique, aos 33 minutos do primeiro tempo. Guerrero, aos 45 segundos, Copete, aos 8, Victor Ferraz, aos 9, e Copete, aos 48 minutos do segundo tempo.

CARTÕES AMARELOS – Berrío, Vecchio, Victor Ferraz, David Braz, Guerrero, Lucas Veríssimo, Márcio Araújo.

ÁRBITRO – Leandro Pedro Vuaden (RS).

RENDA – R$ 525.080,00.

PÚBLICO – 12.507 pagantes.

LOCAL – Estádio da Vila Belmiro, em Santos (SP).

Fonte: metrojornal

Pagina 6 de 26
JR Esquadrias