Esportes (355)

 

Adriano de Souza, o Mineirinho, fez bonito na noite de segunda-feira (01/04) na Austrália a vencer a etapa de Bells Beach (ver foto) e se tornar o primeiro surfista sul-americano a se sagrar campeão de uma das provas mais tradicionais do Circuito Mundial.

Na final, Mineirinho derrotou o americano Nat Young, com 16,26 contra 15,83 do adversário. A conquista elevou o brasileiro para a quarta colocação no ranking mundial, atrás apenas de Kelly Slater, Mick Fanning e Taj Burrow.

"Este é o evento mais importante para mim. Caras como Andy Irons, Kelly Slater, meu herói Mick Fanning, todos eles tocaram o sino. Tem sido um momento difícil para mim ultimamente. Eu comecei 2013 sem patrocinador pela primeira vez depois de muitos anos. Eu tenho que agradecer muita gente, mas tudo o que eu quero fazer agora é tocar o sino", disse o brasileiro se referindo ao troféu da etapa, que tem um sino.

A próxima etapa do circuito será no Rio de Janeiro, a partir de 8 de maio. "Eu me sinto confortável em casa, mas também há uma pressão pela performance", declarou.

Antes de bater Young na decisão, Mineirinho passou pelo australiano Mick Fanning e pelo sul-africano Jordy Smith. "Estou muito orgulhoso de mim durante toda a etapa", comemorou Adriano de Souza.

O melhor surfista do Brasil já havia conquistado outros três títulos antes de Bells Beach. Em 2011 ele ganhou dois, em Portugal e no Rio de Janeiro, e em 2009 venceu em Mundaka, na Espanha.

 

 

O Vasco sabe que não terá o zagueiro Dedé (foto) no segundo semestre. O diretor geral Cristiano Koehler e o técnico Paulo Autuori confirmaram o adeus em recentes entrevistas. Por isso, o clube abriu uma espécie de “contagem regressiva” e deseja lucrar ao menos R$ 17 milhões com a transferência do seu principal jogador. O compromisso atual vai até 2015, mas o capitão será negociado e não deve jogar mais pelo Cruzmaltino a partir do dia 30 de junho.

Até o prazo estipulado nos bastidores, Dedé deve entrar em campo mais nove vezes com a camisa do Vasco. São quatro jogos pela fase de classificação da Taça Rio e cinco pelo Campeonato Brasileiro. Caso consiga a classificação às semifinais do returno do Campeonato Carioca e a vaga na finalíssima contra o Botafogo, o camisa 26 terá mais quatro partidas para atuar.

Como o Cruzmaltino entra apenas nas oitavas da Copa do Brasil pela quinta colocação obtida no último Brasileiro e a conquista da Sul-Americana pelo São Paulo, Dedé não é nome cogitado no elenco para a disputa do torneio.

 

Fellipe Bastos, Carlos Alberto e Dedé participam de treino do Vasco em São Januário Marcelo Sadio/vasco.com.br

 

A transferência é tratada como emergencial pela diretoria. Frequentemente com salários atrasados, o Vasco sabe que o montante da venda é fundamental para o chamado “fôlego financeiro”. O clube espera receber R$ 17 milhões pela negociação, possivelmente para o futebol europeu. Recentemente, o Corinthians buscou a contratação de Dedé, mas a administração Roberto Dinamite tem preferência por vê-lo fora do país e, desta forma, evitar reforçar um rival.

Em janeiro, o Cruzmaltino deu a cartada decisiva para obter lucro com o zagueiro a partir de junho. No momento em que o Corinthians assediou o jogador, a diretoria firmou parceria com o grupo DIS e revelou a alteração em duas cláusulas do contrato. A multa no valor de 7 milhões de euros (cerca de R$ 18 milhões) subiu para 10 milhões de euros (cerca de R$ 26 milhões). Além disso, o capitão não poderia ser negociado antes de 30 de junho.

O grupo DIS comprou os 45% da Liga Participações e se tornou parceiro do Cruzmaltino. Até então, Dedé era “fatiado” entre Vasco (45%), Liga (45%) e Villa Rio (10%). O clube segue com a prioridade de adquirir o restante dos direitos econômicos em caso de proposta oficial no valor pré-determinado, mas não tem condições financeiras para exercer a cláusula. Com isso, a expectativa otimista é a de que o negócio saia por 15 milhões de euros (cerca de R$ 38 milhões).

 

VASCO SOFRE COM SALÁRIOS ATRASADOS E TENTA IMPEDIR AÇÕES NA JUSTIÇA

Marcelo Sadio/ site oficial do Vasco

Além da má campanha na Taça Rio e o decisivo clássico contra o Botafogo pela frente, o Vasco tem um problema emergencial para resolver durante a semana. O clube está próximo de completar três meses de salários atrasados e tenta impedir novas ações de funcionários e jogadores na Justiça. Mesmo sem dinheiro em caixa, a expectativa dos dirigentes é a de quitar ao menos um mês até a próxima sexta-feira. A situação é tema de debate na administração Roberto Dinamite diariamente. Os meses de janeiro e fevereiro não foram pagos. Março vence no próximo dia 5, mas existe um acordo com o elenco profissional para que o vencimento só ocorra no dia 20. No entanto, o atraso do terceiro mês já é considerado completo na próxima sexta. A situação configura a possibilidade de novas ações na Justiça de jogadores buscando a rescisão contratual.

 

Desta forma, o Vasco terá direito a 45% do valor, algo em torno de R$ 17 milhões. O plano inicial é de que o montante seja usado para o pagamento de salários e dívidas. Caso seja possível, também será feito um investimento para reforçar o grupo. A cúpula de futebol já trabalha com a convocação do zagueiro para a Copa das Confederações. Os dirigentes dizem acreditar que Dedé será ainda mais valorizado.

Experiente, o técnico Paulo Autuori concorda com a questão, porém, vê o zagueiro consolidado no mercado cerca de três meses antes de se despedir do clube.

“Claro que uma convocação para a seleção brasileira, ainda mais para uma competição importante como a Copa das Confederações, valoriza e dá peso ao jogador. Mas o Dedé solidificou o seu espaço como um grande jogador, todos já sabem o seu potencial e o mercado sabe quem é o Dedé. Não acredito em desvalorização, até porque ele joga em um grande clube como o Vasco”, comentou.

Até o momento, Dedé disputou 158 jogos com a camisa do Vasco e marcou 18 gols. Ele foi campeão brasileiro da Série-B (2009) e um dos principais personagens do título da Copa do Brasil (2010) após um longo jejum de conquistas do clube de São Januário.

 

No último sábado (30/-3) a cidade de Porto Alegre, no Rio Grande do Sul, recebeu a final do Campeonato Sul-americano da classe Optimist. O evento contou com representantes de diversos países no clube Veleiros do Sul. A disputa começou uma semana antes, no dia 23, e teve dez regatas disputadas, além da competição por equipe.

O brasileiro Gabriel Lopes(foto), de 12 anos, foi uma dos destaques da última regata. Ele enfrentou as ondas e foi o grande campeão do circuito, mesmo conquistando a segunda colocação no dia. O primeiro colocado, o norte-americano Ivan Shestopalov, de 13 anos, por pertencer a um país convidado não disputou o troféu sul-americano.

“Fui tranquilo e procurei fazer uma boa regata. Voltei com sentimento de campeão. O campeonato foi bom, mas difícil para todos por causa das condições do vento rondado. Consegui manter uma média boa de resultados”, contou Lopes – atual vice-campeão brasileiro de Optimist.

A Argentina ficou em terceiro lugar com Fausto Peralta e venceu na categoria Feminina com Clara Vignati. "Em um campeonato como esse, ganha quem rende mais na raia. Eu consegui esse privilégio. Meu maior adversário foi realmente o cansaço" revelou a velejadora. Ao todo, participaram 144 atletas de 14 países. O Brasil teve uma equipe composta por 30 integrantes de cinco estados.   

 

A opção de Jorginho ao substituir Nixon nos minutos finais do primeiro tempo contra o Audax gerou mal-estar no Flamengo. Ninguém no clube entendeu a atitude do treinador, embora como técnico tenha direito e autoridade máxima em campo.
 
Os jogadores consideraram a substituição desnecessária e em circunstâncias desfavoráveis, afinal o time perdia por 1 a 0 e não faria diferença alguma trocar o atleta no intervalo, dois minutos mais tarde.
 
Nixon é considerado o xodó de Paulo Pelaipe, diretor de futebol.
 
O ex-técnico, Dorival Júnior, teve que se explicar quando barrou Nixon após o jogador voltar de contusão.
 
Por sinal, duas semanas se passaram desde a demissão de Dorival Júnior. E o que mudou de lá pra cá?
 
Rigorosamente nada, pelo contrário, as coisas pioraram.
 
Sob comando de Jorginho, o Flamengo fez 3 jogos. Empatou com Boavista, venceu o Bangu e perdeu para o Audax.
 
15 dias, esquema de jogo ruim, indefinição dos titulares e insegurança.
 
Ingênuos são aqueles que acreditam que Dorival saiu por questões financeiras. Óbvio que não. A diretoria achou a desculpa certa no momento mais aproprioado.
 
Como pode esse elenco, basicamente com os mesmos jogadores, ser líder na Taça Guanabara, invicto e empolgar até a semifinal contra o Botafogo? Era assm com Dorival ou não?
 
Não existe diferença técnica entre Madureira, Volta Redonda, Olaria, Boavista, Macaé, Audax ou Bangu. Ou existe?
 
O que se viu contra o Audax foi algo vergonhoso que não condiz com a história o Flamengo. Perder de virada para o Resende idem.
 
Dorival e Jorginho são responsáveis, mas é evidente a necessidade de reforços.
 
Paulo Pelaipe fala bonito, continua com o discurso de priorizar o lado financeiro do clube, mas sem time e sem vitórias não terá paz. A contratação de Carlos Eduardo é injustificável. Jogador fraco, sem condição física e em decadência.
 
Rafinha, Adrian e Rodolfo, jovens promissores, alternam altos e baixos.
 
Ultimamamente apenas Rodolfo se salva. Rafinha não é nem sombra daquele atacante rápido e envolvente do primeiro turno.
 
Jorginho admite que a classificação é quase impossível.
 
Sendo assim, a estreia na Copa do Brasil contra o Remo já ganha ares decisivos para o futuro do treinador.
 

 

O atacante do Grêmio, Eduardo Vargas, causou polêmica nesta semana eu sua passagem pela seleção do Chile. Uma foto tirada pelo ‘Turboman’ em um momento íntimo com a atriz Elinda Olivares nua (ver foto acima), foi publicada pela imprensa local. A moça mantém relacionamento com Gary Medel, colega de Vargas na seleção.

A imagem teria sido feita após a vitória do Chile sobre o Uruguai pelas eliminatórias, na última terça-feira. A ‘festinha’ foi realizada na casa do próprio Medel.

“Foi na intimidade. Ele tirou a foto no celular e me mandou. Tínhamos uma relação. Havia mais vídeos e fotos, mas apaguei. Essa é a única que tenho”, disse ela a rede de televisão La Red.

Na imagem, ela aparece nua abraçada em Vargas. O gremista tirou a foto com celular de um espelho. Vargas e Medel já foram sacados juntos da seleção por terem sido flagrados em uma boate durante concentração.

E o histórico do time chileno vai ainda mais longe, em 2007, cinco jogadores beberam demais e se envolveram em uma discussão no hotel da concentração dos jogadores durante a Copa América disputada na Argentina.

 

Eduardo Vargas (à direita, de camisa preta) se relaciona com alguns torcedores do Grêmio antes da entrevista coletiva para oficializar a sua contratação

Pagina 26 de 26
JR Esquadrias