Esportes (352)

Após três rodadas, o Flamengo ainda não venceu no Campeonato Brasileiro. Até agora, foram dois empates, contra Santos e Atlético-PR, e uma derrota para a Ponte Preta. Este é o pior início na competição desde 2004, quando a esta altura também havia conquistado apenas dois pontos - empates com Grêmio e Ponte Preta e derrota para o Paraná.

Apesar de satisfeito com o poder de reação da equipe no 2 a 2 com o Furacão, Jorginho (foto) reconheceu que o atual 16º lugar na classificação é preocupante. Em 2004, o Fla ocupava a 20ª colocação num campeonato com 24 participantes.

O técnico não quer deixar o pelotão da frente distanciar, por isso deseja resultados positivos nos dois jogos antes da parada para a Copa das Confederações, contra Náutico e Criciúma.

 

 

 

- Sabemos que estamos longe dos nossos objetivos, e isso preocupa sempre. Sempre que não há uma vitória, é preocupante, principalmente se tratando de Flamengo. É muito importante que a gente consiga pontuar agora para não distanciar, porque depois fica complicado, e também para não sofrermos no grupo de baixo. Estes dois jogos daqui para frente serão fundamentais - afirmou Jorginho.

A tendência é que o Flamengo tenha alterações para o jogo contra o Náutico, quarta-feira (05/06), às 22h (de Brasília), no Orlando Scarpelli, em Florianópolis. Jorginho não gostou do rendimento do time que escalou contra o Atlético-PR, que teve como novidades Carlos Eduardo e Paulinho. Na segunda etapa, a equipe melhorou com as entradas de Renato e Rafinha.

Sexta, 31 Maio 2013 19:47

Treino da seleção tem protesto contra Marin

Escrito por

O treino da seleção brasileira realizado na tarde desta sexta-feira (31/05) na Gávea foi marcado por dois fatores extracampo: o protesto contra o presidente da CBF, José Maria Marin, e as 'Neymarzetes' sem poder entrar. Um grupo presente nas arquibancadas (foto) no centro de treinamentos do Flamengo proferiu gritos contra Marin como: "Canalha, vamos derrubar o Zé Medalha", "Marin torturador" e "Fora Marin".

O protesto foi feito por seis torcedores que se identificaram como membros da Frente Nacional dos Torcedores. Com a ajuda de um megafone, gritou "Fora Marin, Marin Torturador e Canalha, vamos derrubar o Zé das Medalhas".

Em seguida, foram convidados a se retirar por dois seguranças do Flamengo. "Aqui não é lugar de protesto, é lugar de treinamento", afirmou José dos Santos Pinheiro, que se apresentou como chefe de segurança do Flamengo.

Ele não esclareceu de quem foi a ordem para a retirada dos torcedores. Enquanto os manifestantes deixavam o clube, ele disse: "Vocês precisam entender, a polícia federal está aí".

"Queremos a saída do Zé das Medalhas porque ele nem foi eleito, está lá por ser o mais velho, por causa de sua ligação com a ditadura e pelo episódio da medalha na Copa São Paulo", disse José Hermínio Marques, presidente da Frente Nacional dos Torcedores.

Segundo ele, haverá uma onda de manifestações promovidas pelo grupo contra Marin. A próxima será no domingo, dia do amistoso entre Brasil e Inglaterra, no Maracanã.

Apesar dos protestos contra o presidente da CBF, o clima nas arquibancadas da Gávea foi de apoio ao time comandado pelo técnico Luiz Felipe Scolari e de tietagem aos jogadores.

Um grupo de 'Neymarzetes', nome como ficaram conhecidas as fãs do atacante Neymar, não pôde entrar na Gávea com uma faixa pois o acesso ao local ficou restrito aos sócios do Flamengo.

Sexta, 31 Maio 2013 19:31

Muricy Ramalho não é mais o treinador do Santos

Escrito por

Na mesma semana em que acertou a venda de Neymar para o Barcelona, o Santos perdeu outra peça importante em seu plantel. O clube anunciou nesta sexta-feira (31/05) em seu site que Muricy Ramalho (foto) não é mais o treinador. “O Comitê de Gestão decidiu que Muricy Ramalho não é mais técnico do time profissional do Santos. A decisão foi comunicada ao treinador nesta quinta-feira”, diz a nota publicada pelo Santos.

Com bom retrospecto no São Caetano e no São Paulo, Muricy Ramalho assumiu o Santos em abril de 2011. No mesmo ano, conquistou o Campeonato Paulista, a Copa Libertadores e foi vice-campeão do Mundial de Clubes da Fifa, perdendo a final para o Barcelona.

Em 2012, foi tricampeão paulista e conquistou a Recopa Sul-Americana. Em 2013, ele não conseguiu dar um bom padrão de jogo ao Santos, mesmo após a contratação do meia Montillo para atuar ao lado de Neymar.

O clube tomou a decisão de demitir Muricy Ramalho depois de o Santos perder por 2 a 1 pelo Botafogo, em Volta Redonda, na quarta-feira (29/05), pela segunda rodada do Campeonato Brasileiro. Muricy Ramalho deixa o Santos depois de 150 jogos. É o sétimo treinador que mais dirigiu a equipe, com 72 vitórias, 42 empates e 36 derrotas.  

O Santos também confirmou nesta sexta que Claudinei Oliveira, técnico da equipe sub-20 do clube e campeão da Copa São Paulo de Futebol Júnior, irá assumir interinamente o comando do time na partida deste sábado, contra o Grêmio, na Vila Belmiro, pela terceira rodada do Brasileirão. 

O melhor judô do mundo está com a imagem estremecida fora dos tatames. Na última semana, o diretor da federação japonesa Jiro Fukuda admitiu ter abusado de uma atleta da seleção, o que estremeceu de vez a credibilidade da luta no país após a explosão de uma série de escândalos revelados neste ano. A modalidade já teve a verba do comitê olímpico cortada em março por conta dos casos.   

Fukuda admitiu o ocorrido e renunciou ao cargo após o anúncio de que seria formada uma comissão com o propósito de investigar possíveis abusos na seleção nipônica.

O dirigente de 76 anos disse que tentou abraçar e beijar a lutadora à força em um elevador do metrô de Tóquio, em 2011. Fukuda não quis revelar o nome da atleta e disse não se lembrar perfeitamente do que aconteceu por estar embriagado durante o ocorrido.

A medalhista de prata nas Olimpíadas de Barcelona-92 Noriko Mizoguchi foi a público e confirmou o incidente em um simpósio contra o abuso sexual no esporte na capital do Japão. A vice-campeã olímpica disse que a judoca, atualmente com 30 anos, comunicou o ocorrido à federação, mas que nenhuma medida foi tomada.

"Não seria surpresa ver esta história acabar em um processo criminal", comentou Noriko Mizoguchi depois de ter sido contatada pela vítima.

O caso mancha ainda mais a credibilidade do judô japonês após as primeiras revelações de abuso no começo do ano. Antigo rival de João Derly, o bicampeão olímpico Masato Uchishiba foi condenado a cinco anos de prisão após ter sido acusado de estupro por uma atleta treinada por ele.

A decisão saiu dias após o técnico da seleção feminina Ryuji Sonoda (foto acima) renunciar oficialmente ao cargo. O treinador de 39 anos foi acusado de agressão física por nada menos do que 15 atletas diferentes em cartas anônimas entregues ao comitê olímpico. De acordo com as judocas, elas apanhavam de varas de bambu, levavam tapas na cara, chutes e eram empurradas no peito por Sonoda.

As primeiras reclamações contra os métodos violentos do técnico chegaram à Federação Japonesa de Judô em setembro do ano passado, mas ele recebeu apenas uma advertência na época, o que motivou o envio das cartas ao comitê.

"Quero me desculpar profundamente por ter causado problemas a todos os envolvidos pelo que fiz e disse. Será difícil continuar com o programa de treinamentos. Gostaria de entregar minha renúncia", declarou Ryuji Sonoda.

Os escândalos forçaram o comitê a tomar uma primeira atitude contra a federação: corte da verba anual, que gira em torno de anuais em torno de R$ 600 mil.

 

BICAMPEÃO OLÍMPICO, MASATO UCHISHIBA FOI PRESO POR ESTUPRO

Getty Images

"O comitê tem uma política de tolerância zero em qualquer ação que atinja os princípios olímpicos. Não há nenhuma desculpa para o uso de violência, não importa o que aconteça. Precisamos pensar em como desenvolver habilidades técnicas para treinar os atletas da maneira apropriada", afirmou o secretário geral do comitê, Noriyuki Ichihara.

Pressionado para deixar o cargo, o presidente da Federação Japonesa de Judô, Haruki Uemura, resiste aos pedidos. Acusado também de corrupção, ele afirmou em abril que eventualmente deixaria o cargo, mas continua à frente da entidade.

Vale ressaltar que as polêmicas ainda não afetaram o desempenho do Japão dentro do tatame. No último fim de semana, o país terminou o Masters – segundo torneio mais importante do circuito mundial – na primeira colocação, com três ouros, duas pratas e dois bronzes. A Mongólia ficou em segundo lugar, seguida pelo Brasil.

A juíza Adriana Costa dos Santos, da 13ª Vara de Fazenda da Capital, concedeu liminar na tarde desta quinta-feira suspendendo o amistoso entre Brasil e Inglaterra, partida que marca a reabertura do Maracanã (foto), agendada para o domingo. A informação foi confirmada ao UOL Esporte pelo governo do Estado do Rio de Janeiro.

O pedido para o cancelamento do jogo amistoso foi feito pelo Ministério Público do Rio de Janeiro, com argumentos de que o novo Maracanã não oferece condições mínimas de segurança ao visitante. Consultado pelo reportagem, o governo estadual diz que vai recorrer da decisão nas próximas horas.

O texto da juíza Adriana Costa dos Santos ainda informa que, se a partida for realizada nas atuais circunstâncias burocráticas (sem a apresentação dos laudos de vistoria de engenharia; de prevenção e combate de incêndio; de condições sanitárias e de higiene), a Confederação Brasileira de Futebol, o Comitê Organizador Local e o presidente destas entidades, José Maria Marin, terão de pagar multa de R$ 1 milhão (por evento realizado).

O UOL Esporte também consultou a assessoria de comunicação da CBF, que afirmou que o "departamento jurídico diz que todos os laudos necessários foram emitidos e serão encaminhados para a juíza a fim de mostrar que a decisão não faz sentido".

A ação civil pública do MP pede que o jogo seja suspenso para garantir a segurança até que todos os laudos técnicos do estádio sejam apresentados. O órgão alega que não recebeu a documentação em sua totalidade até o momento e que o status do Maracanã é de "estádio em fase de construção".

A liminar emitida nesta quinta apresenta relatório que aponta a existência de materiais perigosos na região do estádio, nas partes interna e externa, como pedras, pedaços de calçada e restos de obras - objetos que podem ser usados em caso de distúrbios de multidão. O texto ainda ressalta problema de piso "mal fixado".

Em sua argumentação, a juíza ainda registra que o jogo-teste realizado no Maracanã no dia 27 de abril, apenas para convidados, mostrou que havia inúmeros problemas, amplamente repercutidos pela imprensa do país. 

Pressionado pela liminar, o governo estadual promete correr para assegurar burocraticamente a realização da partida festiva no Maracanã, que para o time de Luiz Felipe Scolari serve de preparação para a Copa das Confederações. 

"O jogo vai ser realizado. Temos um laudo parcial do GEPE (Grupamento Especial de Policiamento em Estádios), e até amanhã [sexta-feira]  concluiremos o restante. Além disso, já temos o laudo dos bombeiros. O estádio está 100% pronto para receber o torcedor com segurança", disse André Lazaroni, secretário de esporte do Rio de Janeiro, em entrevista à Rádio Tupi. "O entorno está sendo preparado para receber o público", acrescentou. 

Confira a nota do governo do Estado do Rio de Janeiro sobre a suspensão:

Sobre a decisão da juíza da 13ª Vara de Fazenda da Capital, Adriana Costa dos Santos, de suspender o jogo deste domingo (02/06) entre Brasil e Inglaterra, no Maracanã:
 
O Governo do Rio de Janeiro já está recorrendo da decisão.
 
 **Todos os requisitos de segurança para o amistoso Brasil e Inglaterra foram cumpridos** e, por uma falha burocrática, o laudo da PM que comprova o cumprimento das regras de segurança no Maracanã não havia sido entregue à Suderj.
 
O laudo será encaminhado com o recurso do Estado ao plantão Judiciário.

O nome do estádio do Palmeiras agora é Allianz Parque (na foto, a perspectiva de fachada da nova arena). O clube vai fazer o anúncio no dia 6 de junho, às 10h, no seu Centro de Treinamento, na Barra Funda, zona oeste de São Paulo. O UOL Esporte apurou que, na votação feita pela internet, que define a escolha do nome, Allianz Parque ganhou com uma larga margem em relação aos concorrentes e será usado, pelo menos, nos próximos 20 anos.

Esse é o prazo do contrato assinado entre a empresa de seguros, a WTorre, construtora do estádio, e a AEG, que vem dos Estados Unidos e escolheu a casa palmeirense para gerir no Estado de São Paulo. Pelos naming rights, a Allianz pagou R$ 300 milhões. A enquete acabou no dia 20 de maio e contou com a participação de cerca de 620 mil pessoas. Allianz 360 e Allianz Center eram os outros concorrentes.

No evento do dia 6, além da apresentação do nome, será feito também o anúncio dos vencedores do concurso cultural organizado pela Allianz, que dará prêmios para alguns torcedores, como, por exemplo, ingresso para todos os jogos em 2014. Nomes de outros espaços do estádio também serão revelados.

O nome surgiu como favorito desde o início da enquete, mas chegou a ser alvo de protestos. Torcedores queriam que o nome tivesse ligação com o Palestra Itália. O problema é que é padrão por parte da Allianz não usar referência ao time nas arenas que batiza pelo mundo para que sua marca seja destaque e não perca força.

A WTorre, aliás, busca uma solução para escapar de outro problema. Além de negociar com a Rede Globo para que o naming rights seja pronunciado, a construtora estuda uma saída para não esbarrar na Lei Cidade Limpa. Ainda não há uma solução para que a fachada leve o nome e o logotipo da empresa sem que isso gere problemas com a legislação, que tem limites para o tamanho de propagandas em áreas externas.

A Arena deve ser entregue apenas em janeiro ou fevereiro de 2014 e acabará com um valor que vai beirar os R$ 500 milhões, superando em R$ 200 milhões a conta inicial, que chegou a ser de R$ 300 milhões e, até o início desta temporada, estava estimada em R$ 350 milhões, sempre com dinheiro apenas da iniciativa privada. A previsão inicial de término da obra também acabou não cumprida, já que o estádio seria entregue no segundo semestre de 2013.

A Allianz já fez a primeira ação de ativação de seu patrocínio ao estádio palmeirense.  Em vídeo divulgado na semana passada, a empresa levou operários que trabalham na obra para assistir ao jogo entre Palmeiras e Tijuana, pela Libertadores. 

 

Hélio Castroneves (foto) fez duras críticas à política da F1 e aos seus pilotos. Em entrevista à revista “Forbes”, o tricampeão das 500 Milhas de Indianápolis afirmou que respeita apenas cinco dos nomes do grid da categoria.

Ao ser questionado sobre o motivo da F1 não decolar nos Estados Unidos, ele disparou contra o modelo de administração do Mundial. Para o brasileiro, a habilidade do piloto não é o fator principal para decisão de uma vaga nas equipes no campeonato.

“F1? É muita política. É tudo política”, reclamou. “Bem, todos os esportes têm política, mas não é tanto. Na F1, eles não ligam se você é bom, não se importam se é uma boa pessoa. Parece um negócio de Hollywood e é exatamente o que é. Política é, com certeza, o problema.”

“Hoje eu respeito provavelmente apenas cinco pilotos de lá. Acho que [Fernando] Alonso, Felipe Massa é um amigo meu, [Michael] Schumacher. Schumacher não corre mais. Diria Sebastian Vettel. Até Mark Webber é um bom piloto. Eu só gosto de alguns pilotos que você pode contar nos dedos, é isso. O resto é um grupo de garotos mimados.”, afirmou.

Castroneves, que corre em um dos melhore times da Indy, a Penske, apontou a necessidade de se estar em uma boa equipe para ter uma oportunidade de conquistar vitórias e títulos na F1 e que nem sempre bons pilotos têm esta oportunidade.

“Nos anos 90 era bem interessante. Hoje, se você não tem um bom carro, esquece. Jenson Button ganhou um campeonato e hoje está concorrendo pelo Top 10. Agora você vem me dizer que ele esqueceu como se dirige? Isso foi de um ano para o outro. Insano! É a minha opinião. Às vezes as pessoas dizem: ‘Ah, você só diz isso porque não teve uma chance’. Eu não tive uma chance, mas respeito muito mais o que o Roger [Penske, dono de sua equipe] fez comigo: lealdade e uma equipe incrível que eu nunca pensaria em mudar”, concluiu.

Helinho chegou a testar pela Toyota no final de 2002. Na época, inclusive, ele chegou a pedir a Roger Penske para esperar a experiência antes de continuar com sua negociação para uma renovação de contrato.

A equipe japonesa acabou preferindo contratar outro brasileiro para a temporada seguinte, Cristiano da Matta. Castroneves reclamou diversas vezes que a decisão tinha sido tomada antes mesmo da sessão em que ele andou com o carro, e que por isso, teria sido uma chance um pouco falsa de mostrar o seu trabalho.

O empresário iraniano Kia Joorabchian é o agente de futebol mais influente na seleção brasileira. Marcado pela controversa parceria do Corinthians com a MSI, empresa da qual era presidente, ele tem relação profissional com cinco dos 23 jogadores convocados para a Copa das Confederações (entre eles David Luiz e Oscar, do Chelsea, na foto). Um levantamento do UOL Esporte com todos os agentes dos atletas da seleção apontou que  nenhum outro possui tantos clientes no grupo de Luiz Felipe Scolari.

Há pelo menos dois anos Kia frequenta os hotéis onde os jogadores estão hospedados e vai aos jogos do Brasil. Em parceria com o brasileiro Giuliano Bertolucci, cuida da carreira de David Luiz, Oscar e Paulinho. Ramires, presença constante na seleção desde a era Dunga, mas que ficou fora da lista de Scolari, também é agenciado pela dupla. O iraniano ainda teve participação na transferência de Julio Cesar, que tem Josias Cardoso como agente, da Internazionale para o QPR, da Inglaterra, em 2012.

Há cerca de um mês, Kia acertou a compra de 15% dos direitos econômicos do meia Bernard, do Atlético-MG. O jogador de 21 anos, destaque do clube mineiro na temporada, é o mais jovem da seleção e já desperta o interesse de clubes europeus. 

Braço-direito de Kia no Brasil, Bertolucci afirma ter relação pessoal e profissional com o iraniano. "Somos parceiros em algumas negociações de atletas", disse ao UOL Esporte por meio de sua assessoria de imprensa. Questionado se era sócio de Kia, respondeu: "somos amigos".

A assessoria de imprensa do Bertoluccio nega que Kia seja o agente de David Luiz, Paulinho, Oscar e Bernard. Segundo a assessoria, o iraniano participou apenas como intermediário nas negociações de David Luiz e Oscar com o futebol inglês. A assessoria também afirma que  o percentual de 15% que o Giuliano está tratando com o Atlético-MG pelo direito econômico de Bernard não tem nenhum dinheiro do Kia.

Recluso e avesso a entrevistas, o parceiro de Kia trabalha há 18 anos no futebol. Hoje diz ser dono de uma carteira de cerca de 100 atletas, entre profissionais e jogadores das categorias de base.
 

ACUSADO DE LAVAGEM DE DINHEIRO, KIA JÁ FOI IMPEDIDO DE ENTRAR NO BRASIL

O empresário iraniano foi o homem-forte da MSI, empresa que investiu no Corinthians em 2005. A parceria durou dois anos e rendeu a contratação de jogadores como os argentinos Carlos Tevez e Javier Mascherano, que ganharam o Campeonato Brasileiro em 2005. O agente foi alvo de investigação das autoridades brasileiras, que acusaram a MSI de lavagem de dinheiro. Em 2005, o Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado) investigou o empresário. Dois anos depois, o MPF-SP (Ministério Público Federal de São Paulo) apresentou uma denúncia contra ele. Kia chegou a ter pedido de prisão decretado e, por isso, não podia entrar no Brasil até 2008. Nesse ano, porém, o ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Celso de Mello suspendeu o pedido em caráter liminar. Há quatro meses, o iraniano esteve em São Paulo, onde prestou depoimentos na Justiça sobre o caso.

 

"Comecei investindo em atletas de categoria de base e ao longo do trabalho me tornei agente de jogadores. Eu apenas recebo pela intermediação e, quando investimos, pela parte do investimento", afirma Bertolucci. "Atualmente, fico seis meses no Brasil e outros seis meses viajando, vendo jogadores e visitando clubes", completa.

A influência de Kia e Bertolucci na seleção é um reflexo da força da dupla nos mercados inglês e brasileiro. Além do trio do Chelsea (David Luiz, Ramires e Oscar), Kia trabalha com Carlitos Tevez e outros sul-americanos que atuam na Inglaterra.

No Brasil, os dois têm jogadores em quase todos os grandes clubes. A maior influência talvez seja no Corinthians e no Atlético-MG. Destaques no ataque do time mineiro, Diego Tardelli e Jô são agenciados pela dupla. Já no campeão paulista, além de Paulinho, Edenilson e outros sete jogadores trabalham com os agentes.

Iraniano segue seleção de perto

A visita de Kia aos hotéis onde a seleção está hospedada é uma constante há pelo menos dois anos, principalmente nos jogos na Europa, onde ele vive. Em março, antes do amistoso contra a Rússia em Londres, o agente ficou mais de três horas conversando com David Luiz, Oscar e Júlio Cesar . O encontro aconteceu no restaurante do hotel, onde qualquer cliente tem acesso. Não há registro de que o empresário teve acesso a áreas restritas aos jogadores, comissão técnica e funcionários da CBF.

Kia também esteve no último amistoso da seleção, em abril, no Mineirão. Assistiu ao jogo ao lado do ex-presidente do Atlético-MG e dono do banco BMG, Ricardo Guimarães. O agente tem sociedade com o empresário em alguns jogadores brasileiros.

Em maio de 2012, Kia foi visto com o então diretor de seleções da CBF, Andrés Sanchez, num camarote do estádio do Hamburgo, na Alemanha, onde a seleção jogava um amistoso com a Dinamarca. A imagem dos dois juntos ajudou a enfraquecer ainda mais o dirigente, que já vivia uma disputa interna pelo poder na entidade com o presidente José Maria Marin e seu vice Marco Polo Del Nero. Após abraçar Andrés na frente dos jornalistas, Kia brincou: "Temos uma surpresa para o Corinthias. Esperem", disse em português. 

A Fifa anunciou nesta terça-feira (28/05) que pretende iniciar a venda de ingressos para o público em geral para a Copa do Mundo de 2014 no próximo dia 20 de agosto. A informação é do diretor de marketing da entidade, Thierry Weil.
 
Os preços ainda não foram divulgados. Em março deste ano, porém, o secretário-geral da Fifa, Jérôme Valcke, afirtmou que "os preços serão parecidos com os praticados na África do Sul, em 2010". 
 
No Mundial sul-africano, os ingressos mais baratos custaram US$ 20 (cerca de R$ 40), mas estes só podiam ser comprados por sul-africanos. Os jogos da fase de grupos custavam entre US$ 80 (R$ 160) e US$ 160 (R$ 320). Os preços cresciam de acordo com a importância dos jogos.
 
Nas semifinais, custavam entre US$ 250 (R$ 550) e US$ 600 (R$ 1200). Para a final, entre US$ 400 (R$ 800) e US$ 900 (R$ 1800). A Fifa vai anunciar oficialmente os preços dos bilhetes para o Mundial do Brasil no dia 1º de julho, um dia após a final da Copa das Confederações.
 
Venda antecipada
 
O início da venda de ingressos para a Copa do Mundo para quem possui cartões da Visa, uma das patrocinadoras do evento, foi no final do mês de abril. O número de bilhetes disponibilizados foi de 26 mil. Eles são oferecidos junto com um pacote de serviços de hospitalidade nos estádios.
 
São vendidos ingressos para dois tipos de categoria. Uma é chamada Match Pavilion, que disponibiliza ingresso da categoria 1, serviço de bar premium antes e depois do jogo, um kit e estacionamento exclusivo.
 
A outra é chamada Match Premier, que tem os mesmos benefícios e mais mesas de pé, telas de TV e um balcão de bar de estilo pub.
 
Os ingressos variam muito nos preços. No Match Pavilion só é possível comprar ingressos para os três jogos do Brasil na primeira fase, com preços de R$ 5126 o primeiro jogo e R$ 3.200 dos outros dois (valores originais são em dólar e já estão transformados pela cotação do dia).
 
Na Match Premier é possível comprar ingressos para qualquer partida. O mais barato é de R$ 1.185 e o mais caro de R$ 9.126 para eventuais semifinais e final que tenham participação do Brasil. Os ingressos podem ser adquiridos pelo site da Fifa no link http://hospitality2014.fifa.com/visa_bra.

O empresário do atacante Robert Lewandowski (foto), Cezary Kucharski, confirmou o que já se especulava havia várias semanas na Europa: o polonês já acertou com o Bayern de Munique para a próxima temporada europeia, trocando o Borussia Dortmund pelo campeão da Liga dos Campeões. "Para nós, esse caminho já está claro, mas ainda não assinamos nada", disse o agente em entrevista a uma emissora de TV alemã.

De acordo com Kucharski, o único obstáculo à oficialização da contratação é a definição dos termos do acordo entre os dois clubes - entre o Bayern e o jogador já está tudo certo. Os bávaros ainda não teriam cumprido todas as exigências financeiras do clube de Dortmund.

Depois do vice-campeonato na Liga dos Campeões, o artilheiro do Borussia - que também interessava ao Real Madrid - se concentrou com a seleção da Polônia, que disputará jogos eliminatórios para a Copa do Mundo de 2014. "Agora vou para a seleção e depois verei o que vai acontecer", disse o jogador.

Caso a negociação se concretize, Lewandowski não será o único a trocar Borussia por Bayern. O meia Mario Götze acertou com os bávaros ainda durante a disputa da Liga dos Campeões e irritou alguns torcedores do Borussia, que queimaram camisas do jogador. Ele não disputou a final de sábado (25/05).

Lewandowski, de 24 anos, transformou-se num dos destaques da temporada depois de marcar quatro gols sobre o Real, nas semifinais da competição continental. No Bayern, sob o comando de Pep Guardiola, o polonês disputará posição com Mario Gomez e Mario Mandzukic.

JR Esquadrias