Esportes (350)

Considerado atualmente um dos melhores jogadores do mundo, o atacante do Barcelona, Neymar Júnior, afirmou não estar nada incomodado por não receber o prêmio Bola de Ouro. "Estou muito feliz aqui no Barcelona, com a família e com a equipe, com a vida que tenho. Se não ganhar a Bola de Ouro, não tem problema. Eu não jogo futebol para isso, jogo para ser feliz porque gosto do futebol. Ganhar a Bola de Ouro é consequência do trabalho", afirmou o atleta em entrevista ao site oficial do Campeonato Espanhol. As informações são da Agência Ansa.

Segundo levantamento publicado pelo jornal espanhol "Marca", Neymar lidera o ranking dos jogadores mais bem pagos do mundo, com um salário de cerca de 30 milhões de euros (R$ 102,7 milhões) por temporada. Em segundo lugar, está o também brasileiro Oscar, recém-contratado pelo clube chinês Shanghai, por cerca de 24 milhões de euros (R$ 84,5 milhões).

A terceira posição ficou com o craque argentino Messi, que recebe 22 milhões de euros, seguido do português Cristiano Ronaldo, contratado por 21 milhões de euros. O quinto lugar da lista é ocupado pelo brasileiro Hulk, também jogador da liga chinesa. A sexta posição ficou com o francês Paul Pogba, que defende o Manchester United e recebe 17,5 milhões de euros por temporada, seguido pelo inglês Wayne Rooney, que fatura cerca de 17,1 milhões.

 

A definição aconteceu nesta segunda-feira, após reunião do Conselho da Confederação Sul-Americana de Futebol - representada por membros dos dez países da América do Sul

Foram dias de tristeza, luto e solidariedade. Agora, quase uma semana depois da tragédia envolvendo o avião da Chapecoense, a Conmebol confirmou que aceitou o pedido do Atlético Nacional-COL e declarou a equipe catarinense como a campeã da Copa Sul-Americana de 2016.

A definição aconteceu nesta segunda-feira, após reunião do Conselho da Confederação Sul-Americana de Futebol - representada por membros dos dez países da América do Sul.

O título garante a Chape na fase de grupos da Copa Libertadores de 2017. Além disso, o time tem encontro confirmado com o próprio Nacional de Medellín, pela Recopa Sul-Americana da próxima temporada.

A decisão da Conmebol ainda rende prêmio financeiro para a Chapecoense. Como campeã da Sul-Americana, receberá US$ 2 milhões (R$ 6,92 mi). Mais que isso, a simples participação na Recopa garante mais US$ 1 milhão (R$ 3,46 mi), e o mando de campo em três jogos da fase de grupos da Libertadores ainda renderá US$ 1,8 milhão (R$ 6,23 mi) - são US$ 600 mil por partida (R$ 2,07 milhões).

Pela escolha de pedir a entrega da taça para a Chape, o Atlético Nacional recebeu o prêmio de Fair Play da entidade, o "Centenario Conmebol al Fair Play", e ganhará bonificação de US$ 1 milhão.

A Chape viajava para a Colômbia, onde disputaria a primeira partida da final contra o Atlético Nacional, na ultima quarta-feira (30). Porém, na madrugada de segunda para terça-feira, o avião que levava a delegação e um grupo de jornalistas caiu nos arredores da cidade colombiana de Medellín. A tragédia tirou a vida de 71 pessoas.

Na noite de sábado, o presidente em exercício da Chape, Ivan Tozzo, havia confirmado que a decisão da Conmebol estava tomada. "Sim, a Conmebol vai declarar a Chapecoense como campeã da Copa Sul-Americana", comentou o dirigente em entrevista ao "Globo Esporte", explicando até os ganhos que terá com a taça. "Inclusive a Chapecoense já vai receber a premiação de US$ 2 milhões pelo Campeonato. Já está tudo confirmado. Não sei se vai ter cerimônia para receber a taça de campeão", disse, na época.

Leia a nota completa da decisão da Conmebol sobre o título da Chape:

"A Confederação Sul-Americana de Futebol confirma que o Conselho da Conmebol, em sua qualidade permanente de fazer cumprir os Estatutos da Instituição, decidiu declarar a Associação Chapecoense de Futebol a campeã da edição 2016 da Copa Sul-Americana, assim como outorgar ao Club Atlético Nacional o reconhecimento extraordinário do prêmio "Centenario Conmebol al Fair Play". A decisão foi tomada com base nas seguintes considerações:

1)Na quarta-feira, 30 de novembro, a Confederação Sul-Americana de Futebol recebeu uma carta do Club Atlético Nacional, dirigida ao senhor Alejandro Domínguez, presidente da Conmebol, convidando a Conmebol "a entregar o título da Copa Sul-Americana à Associação Chapecoense de Futebol como laurel honorário a sua grande perda e homenagem póstuma às vítimas do acidente fatal que enluta nosso esporte".

2) À raiz disso, o Conselho tomou a decisão de nomear a Associação Chapecoense de Futebol como campeã da Copa Sul-Americana 2016 com todas as prerrogativas esportivas e econômicas que ela carrega.

3) Para a Conmebol, não há maior mostra do "espírito de paz, compreensão e jogo limpo" anunciado como objetivo de nossa Instituição que a solidariedade, a consideração e o respeito exibido pelo Club Atlético Nacional da Colômbia com seus irmãos da Associação Chapecoense de Futebol do Brasil.

4) Em razão da petição realizada pelo Club Atlético Nacional, que com sua atitude promoveu o futebol na América do Sul em um espírito de paz, compreensão e jogo limpo, na busca de que os valores esportivos prevaleçam sempre sobre os interesses comerciais, o Conselho decidiu por uma vez outorgar ao Club Atlético Nacional o prêmio "Centenario Conmebol al Fair Play" consistente na soma de US$ 1 milhão."    

Por ESPN

 Presidente interino do clube, Ivan Tozzo confirmou que a entidade entregará o troféu à equipe

                                                                                                                                                                    O pedido da diretoria do Atlético Nacional (e de todo o mundo do futebol) será atendido. Ivan Tozzo, presidente interino da Chapecoense, confirmou, neste sábado (3), que a Conmebol oficializará o título da Copa Sul-Americana ao time catarinense.

"Sim, a Conmebol vai declarar a Chapecoense como campeã da Copa Sul-Americana. Inclusive a Chapecoense já vai receber a premiação de US$ 2 milhões (R$ 6,9 milhões) pelo campeonato. Já está tudo confirmado. Não sei se vai ter cerimônia para receber a taça de campeão.", declarou, após o velório coletivo ads vítimas da tragédia de terça-feira (29), quando o avião que transportava a delegação da Chape caiu e deixou 71 mortos.

Para o dirigente, o clube já precisa começar a se reestruturar para seguir no caminho vitorioso que contruiu. "A gente está recebendo apoio de todas as federações, CBF, Conmebol, Fifa e, principalmente, do povo de Chapecó. Tenho certeza que o povo de Chapecó vai abraçar a causa e todo mundo vai ajudar. Tivemos apoio de pessoas de fora, dos clubes ajudando. Primeiro foi aquela meta de confortar a família. Agora, a segunda meta, a partir da semana que vem, é começar a pensar e fazer planejamento", disse.

Por: Diário SP

Depois de meses cantando 'seremos campeões', o palmeirense agora pode soltar o grito guardado

Depois de uma semana que pareceu demorar 22 anos para passar, o palmeirense enfim trocou o grito de “seremos campeões” por “é campeão”. Dominante durante toda a campanha, o Verdão assegurou o título brasileiro neste domingo, com uma rodada de antecedência, ao vencer a Chapecoense por 1 a 0 para quase 41 mil pessoas – recorde absoluto de público no Palestra Itália. É a 12ª conquista nacional do clube, o maior do Brasil neste quesito.

O campeonato desde o inicio teve a cara alviverde. Mas o palmeirense, sempre desconfiado, não quis atrapalhar a corrente que fez com o elenco pela conquista que não vinha desde 1994. Foi cauteloso, sofreu e não cantou vitória antes do tempo, mesmo com o forte time de Cuca vencendo críticas, jogos e dando mínimas chances aos rivais. Se antes falavam de 2009, esqueça! Fantasma exorcizado. Ainda assim, o grito de campeão veio sair apenas aos 36 minutos do segundo tempo.Ao lado do presidente alviverde Paulo Nobre, Dudu levanta o troféu de campeão do Brasileirão no Allianz Parque

 
Ao lado do presidente alviverde Paulo Nobre, Dudu levanta o troféu de campeão do Brasileirão no Allianz Parque
Foto: Miguel Schincariol/Gazetapress

 
Fabiano comemora com Edu Dracena o gol que deu a vitória ao Palmeiras
 
Fabiano comemora com Edu Dracena o gol que deu a vitória ao Palmeiras
Foto: Marcelo Zambrana/Agif/Gazetapress

No jogo da taça, o Verdão foi aguerrido como sempre, correu poucos riscos como sempre e abriu o caminho para vencer em uma jogada bem ensaiada por Cuca, que contou também com uma pitada de sorte de Fabiano. O lateral foi fazer seu 1º gol no clube logo no domingo! Antes contestado, virou herói.

Gabriel Jesus fez sua despedida no Allianz Parque; atacante já está vendido para o Manchester City
 
Gabriel Jesus fez sua despedida no Allianz Parque; atacante já está vendido para o Manchester City
Foto: Marcelo Zambrana/Agif/Gazetapress
Com o gol cedo do Flamengo, o torcedor pôde curtir mais calmamente o jogo, embora a “calma” não combine com o palmeirense. Ainda assim, pôde ver Cuca, o técnico que é a cara do clube, cumprir a promessa de título e gritar seu nome; pôde ver a despedida no Allianz Parque do meteoro Gabriel Jesus, que tentou muito o gol, mas passou em branco.

 

 

Pôde homenagear o ídolo Fernando Prass, que entrou nos últimos minutos do jogo após quase quatro meses fora. Depois de tudo que passou nos últimos anos, esta era uma tarde em que as lágrimas do palmeirense eram até necessárias para, permita aqui o clichê, lavar a alma. Um domingo inesquecível.

Torcedores exibem no Allianz Parque cartaz com "não deu nem pro cheiro" em resposta à brincadeira da torcida do Flamengo, que rodadas antes dizia que "sentia cheirinho do hepta"
 
Torcedores exibem no Allianz Parque cartaz com "não deu nem pro cheiro" em resposta à brincadeira da torcida do Flamengo, que rodadas antes dizia que "sentia cheirinho do hepta"
Foto: Sergio Barzaghi/Gazetapress

O título coroa: Jailson, a “revelação“ de 35 anos; os campeões Dracena, Egídio e Jean; o guerreiro Zé Roberto, que venceu o 1 Brasileiro aos 42 anos; os garotos Mina, Vítor Hugo Tchê Tchê e Róger Guedes; os coadjuvantes Fabiano, Thiago Santos e Cleiton Xavier, e os decisivos Jesus, Moisés e Dudu. O país, de novo, é verde e branco. A torcida canta: “vai sacudir essa cidade, meu Palestra campeão”. Pois o Verdão fez mais: sacudiu o Brasil!

FICHA TÉCNICA 
PALMEIRAS 1 X 0 CHAPECOENSE 


Local: Allianz Parque, em São Paulo (SP) 
Data-Hora: 26 de novembro de 2016 (domingo), às 17h (de Brasília) 
Árbitro: Anderson Daronco - RS (FIFA) 
Assistentes: Rafael da Silva Alves - RS (ASP-FIFA) e Alexandre A Pruinelli Kleiniche (RS)- RS (CBF-1) 
Cartões amarelos: Fabiano (PAL), Bruno Rangel e Marcelo (CHA) 
Público/Renda: 40.986 / R$ 4.171.317,26 
Gol: Fabiano 25' 1ºT (1-0) 

PALMEIRAS: Jailson (Fernando Prass 45' 2ºT); Fabiano (Gabriel 30' 2ºT), Edu Dracena, Vitor Hugo e Zé Roberto; Tchê Tchê (Thiago Santos 35' 2ºT), Jean e Moisés; Dudu, Gabriel Jesus e Róger Gudes. Técnico: Cuca 

CHAPECOENSE: Danilo; Gimenez, Marcelo, Filipe Machado e Alan Ruschel; Matheus Biteco, Sérgio Manoel e Cleber Santana (Gil - intervalo); Tiaguinho (Ailton Canela 28' 2ºT), Bruno Rangel (Kempes 31' 2ºT) e Lucas Gomes. Técnico: Caio Júnior

 
Lancepress!

 

 

 

O Flamengo perdeu a chance de reassumir a vice-liderança ao empatar por 2 a 2 com o Coritiba, neste domingo, no Maracanã. Com o resultado, os rubro-negros chegam a 67 pontos, saem de vez da briga pelo título e ainda não se garante na Fase de Grupos da Libertadores. Já os paranaenses, com 46, abrem mais um pouco a distância para a zona de rebaixamento.

O primeiro tempo foi muito movimentado, com o Flamengo abrindo o placar com Gabriel. Ainda na etapa inicial, os rubro-negros ampliaram com Diego, mas viram o Coritiba diminuir no fim, com Amaral. Na etapa final, as duas equipes desperdiçaram diversas oportunidades, mas os paranaenses conseguiram chegar ao empate nos minutos finais, com Kleber Gladiador.

Na próxima rodada, o Flamengo terá o confronto direto pela vice-liderança contra o Santos, no próximo domingo, no Maracanã. Na segunda-feira, o Coritiba terá duelo direto contra a degola contra o ameaçado Vitória, no Couto Pereira.

O jogo - O Flamengo começou tudo a partida e abriu o placar logo aos dois minutos. Márcio Araújo cruzou pela esquerda e achou Gabriel livre. O atacante finalizou de primeira, sem chance para Wilson.

O gol empolgou a torcida e fez os rubro-negros seguirem no ataque. Tanto que aos quatro minutos, Márcio Araújo tabelou com Diego, mas se desequilibrou no momento da finalização e permitiu a zaga do Coritiba tirar o perigo.

Aos poucos, o Coritiba melhorou a marcação e conseguiu impedir a criação de boas jogadas por parte dos donos da casa. Mesmo assim, o Flamengo controlava a posse de bola e não permitia aos visitantes tocar a bola no setor ofensivo. Os paranaenses só tiveram sua primeira chance aos 19 minutos. Kleber foi lançado na área, levou a melhor sobre Réver, mas chutou em cima de Alex Muralha

O lance animou o Coritiba, que equilibrou o jogo e passou a chegar com mais intensidade ao ataque. Os paranaenses quase empataram aos 26 minutos, quando Raphael Veiga cobrou falta na área, Ney cabeceou, mas viu Alex Muralha salvar os donos da casa.

Quando os visitantes conseguiram ser mais perigosos, o Flamengo tratou de se impor e chegou ao segundo gol, aos 28 minutos. Em contra-ataque rápido, Everton cruzou pela esquerdo e encontrou Diego na área. O meia finalizou com força, sem chance para Wilson.

Após o segundo gol, o Flamengo diminuiu o ritmo e passou a tocar mais a bola. O Coritiba sentiu o novo revés e pouco produziu no ataque. O jogo só voltou a ter emoção nos minutos finais. Os rubro-negros ainda tiveram a chance de marcar o terceiro, aos 41. Guerrero recebeu passe na área, dominou e tocou de calcanhar para William Arão. O volante chutou em cima de Wilson.

Só que no minuto seguinte, o Coritiba marcou seu gol no Maracanã. Após cobrança de escanteio, Kazim acertou o travessão. No rebote, Amaral só teve o trabalho de tocar para a rede. Assim, os paranaenses foram para o intervalo com a desvantagem mínima no placar.

No segundo tempo, após um início sem muita emoção, o jogo mudou radicalmente depois dos dez minutos. Aos 12 minutos, Guerrero recebeu passe na área, dominou a bola, mas chutou para fora. No minuto seguinte, o Coritiba desperdiçou grande oportunidade. Primeiro, Kazim chutou, mas Jorge salvou antes da linha. No rebote, foi a vez de Leandro finalizar, mas Alex Muralha fazer grande defesa.

As duas equipes continuavam em busca do ataque e aos 17 minutos, Guerrero acertou o travessão após aproveitar cobrança de escanteio. Só que o Coritiba respondeu novamente no minuto seguinte. Márcio Araújo recuou mal, Muralha foi obrigado a salvar de carrinho antes de Raphael Veiga chegar. Só que no rebote, Kleber chutou cruzado, o goleiro flamenguista espalmou e bola ainda bateu no travessão.

O Flamengo pressentiu o perigo e tratou de diminuir o ritmo com muito toque de bola. Mesmo assim, os rubro-negros continuavam com a vocação ofensiva e aos 31 minutos quase chegaram ao gol em chute de Diego que parou em boa defesa de Wilson. Já aos 38, foi a vez de Fernandinho finalizar para grande defesa do goleiro paranaense.

Nos minutos finais, o panorama da partida permaneceu o mesmo. O Flamengo perdeu mais uma chance de marcar aos 40 minutos. Guerrero foi lançado pela esquerda e cruzou para Fernandinho, mas o atacante chutou pela linha de fundo. O Coritiba parecia sem força, mas conseguiu chegar ao empate aos 42. Kleber foi lançado na área e chutou no canto, sem chance para Alex Muralha para dar números finais a partida.

FICHA TÉCNICA

FLAMENGO 2 X 2 CORITIBA

Local: Maracanã, no Rio de Janeiro (RJ)

Data: 20 de novembro de 2016 (Domingo)

Horário : 19h30(de Brasília)

Árbitro: Ricardo Marques Ribeiro (Fifa-MG)

Assistentes: Guilherme Dias Camilo (Fifa-MG) e Pablo Almeida da Costa (MG)

Renda : R$ 1.567.534,00

Público: 35.066 pagantes

Cartões amarelos: Rafael Vaz (Flamengo); Leandro e Amaral (Coritiba)

Gols:

FLAMENGO: Gabriel, aos 2min do primeiro tempo; Diego, aos 28min do primeiro tempo

CORITIBA: Amaral, aos 42min do primeiro tempo; Kleber Gladiador, aos 42min do segundo tempo

FLAMENGO: Alex Muralha, Pará, Rafael Vaz, Réver e Jorge; Márcio Araújo (Felipe Vizeu), Willian Arão, Diego, Gabriel (Mancuello) e Everton (Fernandinho); Paolo Guerrero

Técnico: Zé Ricardo

CORITIBA: Wilson, César Benítez (Carlinhos), Nery, Juninho e Walisson Maia; Amaral, Yan Sasse e Raphael Veiga (Yago); Leandro, Kazim (Vinícius) e Kleber Gladiador

Técnico: Paulo César Carpegiani

 
Gazeta EsportivaGazeta Esportiva

 

O Auto Esporte apresentou seu principal reforço para a disputa do Campeonato Paraibano de 2017. O zagueiro Fábio Bilica, de 37 anos, ex-jogador  da seleção Brasileira, Olimpíadas de 2000, chega ao Mangabeirão para comandar o time de jovens jogadores que serão dirigidos pelo treinador Gerson Júnior na próxima temporada a apresentação do atleta  acontece na tarde  da  ultima sexta-feira (18)

Experiente e bastante polêmico, o defensor estava no futebol turco desde 2008, acumulando passagens por Sivasspor, Fenerbahçe e Elazigspor. Antes disso, ainda na Europa, ele jogou por Cluj, da Romênia, Istres-FRA, Colonia-ALE, Ancona-ITA, Brescia-ITA, Palermo-ITA e Venezia-ITA. No Brasil, atuou pelo Vitória-BA, mas foi formado no Vila Branca, de Solânea, em 1996.

Fábio Bilica participou das Olimpíadas de 2000 defendendo a Seleção Brasileira. Nos últimos anos o jogador teve mais destaque nas páginas policiais do que dentro de campo. No último mês de outubro, Bilica foi detido pelo atraso do pagamento de pensão alimentícia. Em 2013, suspeito de estupro, também acabou na delegacia, assim como em 2009, também pelo atraso no pagamento de pensão. No ano 2000, quando atuava pela Seleção Brasileira Sub-23, foi preso acusado de corrupção de menores.

A pré-temporada do Auto Esporte tem início previsto para a primeira quinzena do mês de dezembro. O Paraibano de 2017 é a única competição do calendário do clube.

 

O especialista Denio Coelho ressaltou, por exemplo, que ciclistas não devem pedalar com fones de ouvido

A famosa magrela está cada vez mais presente no trânsito de Fortaleza e de muitas cidades brasileiras  é a opção de transporte de muitas pessoas que buscam aliar saúde com a rotina do dia dia. Com os investimentos de ciclovias e ciclofaixas nos últimos anos nas principais  cidades do país, a tendência é de que o número de ciclistas urbanos cresça muito mais, nos próximos anos.

Mas antes de comprar uma bike e sair pedelando pelas ruas  de  sua cidade, é importante que todo ciclista conheça algumas técnicas defensivas que tornam a pedalada mais segura. Em entrevista ao jornal  Tribuna do Ceará o assessor de pilotagem defensiva em bicicletas, o professor Denio Coelho, da Escola do Ciclista, destacou algumas dicas que os ciclistas precisam tomar na hora de pedalar.

Confira:

Legislação

Conforme Denio, conhecer e obeder as leis do Código de Trânsito Brasileiro (CBT) é essencial. Segundo o profissional, o ciclista ganhou alguns direitos, mas também possui deveres a cumprir.

“A bicicleta sempre tem prioridade no trânsito. Infelizmente a lei não é cumprida e por causa disso nós tocamos nessa tecla de pilotagem defensiva. O artigo 58 do CTB diz que o ciclista pode andar em qualquer borda da via, e os motoristas precisam respeitá-lo antes de dobrar em qualquer rua. No entanto, o ciclista também tem que saber que ele não é permitido trafegar na contramão”, explica.

Aguçe seus sentidos

Outra dica abordada pelo especialista é a atenção no trânsito. Para ele, aguçar sentidos, como visão e audição, são determinantes para evitar acidentes.

“Temos que apurar a visão e audição. Porque elas que vai lhe proteger, vai lhe fazer desviar de algo. Infelizmente o ciclista ainda pedala com a questão da antecipação. Ele sempre tem que se antecipar para não sofrer acidentes envolvendo outros veículos. Então, na dúvida reduza a velocidade e deixe o maior passar”, informa.

Corredores e ciclistas precisam manter-se sempre à direita (FOTO: Dudu Ruiz/Truke Mídia)

Corredores e ciclistas precisam manter-se sempre às margens da rua (FOTO: Dudu Ruiz/Truke Mídia)

Sinalize

Utilizar braços como forma de sinalizar aos motoristas suas intenções pode ser uma boa medida, mas não as únicas.

“Alguns ciclistas são reclusos a esse tipo de investimento. À noite recomendo que pelo menos use luzes de LED que pisca, o motorista de carro consegue identificar com mais de um quarteirão de distância. A roupa também é interessante. A ideia é que ela seja clara para rebater a luz e chamar atenção do motorista”, destaca.

Evite uso de fones de ouvido

Pode parecer estranho, mas usar fones durante a pedalada aumenta consideravelmente o risco de acidentes. Para o professor, essa é uma dica primordial.

Fone  de Ouvido

“Na minha escola, uma das coisas que eu peço é não usar fone de ouvido. Por questões de segurança isso é super importante. Ele faz com que o ciclista tire a atenção da via e não aguçe seus sentidos. Além disso, é prejudicial para a sinalização, às vezes as pessoas não possuem essa coordenação motora”, ressalta. 


Gentileza gera gentileza

E, para finalizar, a dica do professor é essencial para qualquer pessoa e não somente ao ciclista. Conforme Denio, ser gentil no trânsito deve ser uma atitude de todos.

“Geralmente os motoristas estão preocupados em obedecer as leis. Afinal, ninguém quer atropelar um ciclista de propósito. Então, agradeça com gestos de positivo quando motoristas lhe cederem passagem. Cada pessoa pedelando é um representante de todos os ciclistas da cidade. Agindo com educação, ganhamos a simpatia dos motoristas”, conclui.

SERVIÇO                                                                                                                                                                                   Escola do Ciclista/CE

Após a goleada sofrida para o Cruzeiro neste domingo, o técnico Levir Culpi foi demitido do Fluminense. A equipe não vence no Campeonato Brasileiro há cinco jogos e se distanciou da zona de classificação para a próxima edição da Libertadores.

A decisão foi anunciada pelo próprio presidente tricolor, Peter Siemsen, minutos após o término do confronto no Mineirão. O dirigente também afirmou que o auxiliar-técnico Marcão, ex-jogador das Laranjeiras, passará a assumir o comando do elenco a partir da próxima terça-feira.

“Existe ainda a chance de Libertadores e é preciso dar uma chacoalhada, uma mexida no jeito de jogar para que a gente possa produzir mais em termos de resultado”, explicou Siemsen.

Levir chegou ao Flu após ser demitido do Atlético-MG e encantou os olhos da torcida ao conquistar o título da Primeira Liga. O treinador, no entanto, nunca chegou a ser unanimidade entre os tricolores, principalmente por conta dos resultados irregulares e devido a um suposto desentendimento com Fred, sendo apontado como o principal responsável pela ida do atacante ao Galo.

À frente da equipe carioca, o técnico paranaense de 63 anos acumulou um aproveitamento de 52% (22 vitórias, 15 empates e 15 derrotas, em 52 jogos). Ele deixou o time na nona colocação do Brasileirão com 48 pontos, três atrás do novo G6.

 

O Lateral-direito levantou a taça do tricampeonato de 1970 pela seleção brasileira

A braçadeira de capitão sempre lhe caiu bem. Porte esguio, olhar penetrante, personalidade marcante. Não tinha jogador que não ouvisse com atenção suas observações, seus conselhos ou, na pior das hipóteses, suas broncas. Nem Pelé escapava, e foram  muitas as vezes em que precisou até baixar a cabeça. E foi esse grande capitão que o futebol brasileiro e o mundo perderam nesta terça-feira, aos 72 anos. Morreu no Rio de Janeiro, vítima de enfarte fulminante, Carlos Alberto Torres, atualmente comentarista do SporTV.. Nome e sobrenome de craque. O homem do tricampeonato mundial em 1970, que beijou e levantou a Taça Jules Rimet.

Seja como lateral-direito, onde começou na base do Fluminense, seja como zagueiro, ele sempre desfilou pelos gramados uma classe com a bola nos pés em que não ficava para trás nem para um astro do nível de Franz Beckenbauer. Santos, Botafogo, Flamengo e New York Cosmos tiveram em campo a sua classe. Era reverenciado no mundo todo pelo seu passado. Depois, como treinador, o Capita, como era carinhosamente chamado, teve como pontos altos a conquista do Campeonato Brasileiro de 1983, pelo Flamengo, a Copa Conmebol, em 1993, pelo Botafogo, e o Campeonato Carioca pelo Fluminense, em 1984.
Como jogador, Carlos Alberto conquistou uma penca de títulos. No Fluminense, clube de coração. onde começou a carreira, conquistou o Carioca em 1964, quando estourou, e depois no seu retorno, em 1975 e 1976, com a famosa máquina montada pelo presidente eterno Francisco Horta. No Santos de Pelé, onde chegou em 1965, ainda garoto, e viveu o auge e atuou ao lado de craques como o próprio Rei doi Futebo, Edu e Clodoaldo, companheiros de tricampeonato mundial, ganhou a Taça Brasil em 1965 e 1968, o Torneio Rio-São Paulo em 1966, a Recopa Sul-Americana em 1968 e muitos campeonatos paulistas - 1965, 1967, 1968, 1969 e 1973.

Em sua breve passagem pelo Botafogo em 1971, emprestado pelo Santos, Carlos Alberto Torres não conquistou títulos mas teve também presença marcante, atuando ao lado de craques como Jairzinho, Paulo Cezar Caju e outros. Depois, voltou ao Peixe, até retornar ao Fluminense, onde viveu outro grande momento em sua carreira, com a Máquina de Rivellino, Paulo Cezar, Pintinho & Cia.

Saiu da Máquina em 1977 para atuar no Flamengo de Zico, onde também passou em branco mas viu começar ali aquele que seria a maior equipe rubro-negra da história. Depois, reviu Zico, Junior, Leandro e Adílio quando os comandou na conquista do Brasileiro de 1983.

O pouco tempo no Flamengo como jogador teve explicação. O New York Cosmos o queria. Já como zagueiro, Carlos Alberto foi para a equipe americana recém-montada para atuar com supercraques. O Cosmos ficou conhecido por reunir uma verdadeira seleção mundial, de Pelé a Franz Beckenbauer. E o Capita, por lá, foi campeão por quatro temporadas - 1977, 1978, 1980 e 1982. Levantar taça era com ele mesmo.

E quando levantou a Jules Rimet, a maior que conquistou, no tricampeonato de 1970, Carlos Alberto eternizou não só o gesto, mas também uma geração fora de série. Zagallo sempre dizia que fora de campo era o comandante, mas, no gramado, era o seu capitão o porta-voz. O gol marcado pelo lateral-direito, o último na goleada por 4 a 1 sobre a Itália, sintetizou o que o então camisa 4 e toda aquela Seleção tinham de melhor. A jogada, que iniciou da intermediária com série de dribles de Clodoaldo, foi de pé em pé até Pelé dar um simples toque para o lateral, que vinha de trás. A bola ainda deu uma pequena subida antes de o jogador desferir o potente chute que estufou a rede. 

Carlos Alberto era um jogador moderno no seu tempo. Tinha forte poder de marcação, a ponto de poder ter atuado, já como veterano, na zaga. Era também dono de uma rara habilidade e tinha fôlego e capacidade para subir ao ataque como elemento surpresa.

Fonte: JL/Globo

 

Sem nenhuma surpresa, o Barcelona não teve dificuldades para derrotar o Deportivo La Coruña, neste sábado, pela oitava rodada do Campeonato Espanhol. Em partida realizada no Estádio Camp Nou, a equipe catalã goleou por 4 a 0, com dois gols do brasileiro Rafinha Alcântara, além de duas assistências de Neymar.

O duelo ainda marcou o retorno do craque Lionel Messi aos gramados. O argentino não atuava desde o empate por 1 a 1 diante do Atlético de Madrid, pela quinta rodada, no dia 21 de setembro, quando lesionou a virilha direita.

Desde então, o camisa 10 desfalcou o Barça no jogo contra o Borussia Monchengladbach, pela Liga dos Campeões da Europa, e em outras duas partidas pelo Espanhol. Para coroar sua volta, Messi balançou a rede adversária apenas três minutos após sua entrada, no segundo tempo.

Com o resultado, o Barcelona se recupera da derrota para o Celta de Vigo na última rodada e chega aos 16 pontos, mantendo-se no pelotão da frente, que tem equipes como Real Madrid e Atlético (jogam no período da tarde), além do Sevilla. O time da Andaluzia, inclusive, também conseguiu um resultado positivo neste sábado ao derrotar o Leganés, por 3 a 2, fora de casa.

Pelo Campeonato Espanhol, o Barcelona volta a campo exatamente daqui a uma semana, no sábado, quando enfrentará o Valencia, no Estádio Mestalla. Antes, contudo, a equipe comandada por Luis Enrique medirá forças com o inglês Manchester City, no Campo Nou, pela terceira rodada da fase de grupos da Liga dos Campeões.

 Apesar de encontrar um La Coruña bem fechado em seu campo de defesa, o Barcelona não demorou para ameaçar a meta do goleiro Lux. Aos sete minutos, Neymar recebeu livre bom lançamento e bateu de primeira no travessão. No rebote, Luis Suárez, sem marcação, testou por cima, perdendo chance incrível de abrir o placar.

O time da casa continuou tentando pressionar os visitantes, que dificultavam com uma marcação adiantada. Só que, no melhor momento do La Coruña na partida até então, o Barça tratou de frear o ímpeto do adversário. Aos 20, Rafinha Alcântara rouba a bola, recebe de Suárez para bater forte, e cruzado. O arqueiro Lux demorou a cair e espalmou para dentro do gol.

Apesar de não articular grandes jogadas, Neymar chamava o jogo para si e incomodava os marcadores rivais. Em um destes lances de habilidade, o brasileiro recebeu falta na direita, próxima à área do La Coruña. Na cobrança, o zagueiro Piqué, em impedimento, cabeceou forte para boa defesa de Lux. No rebote, Rafinha só empurrou para a rede e marcou o segundo dele e do Barcelona, aos 35 minutos da partida.

Ainda antes do intervalo, coube mais um gol da agremiação catalã. Aos 42, Suárez recebeu bom passe de Neymar na esquerda e bateu no canto, sem chances para Lux. Pouco depois, o uruguaio quase fez o quarto do Barça em cobrança de falta, que passou raspando a trave direita da meta rival.

As coisas ficaram ainda mais fáceis quando o lateral direito do La Coruña, Laure, recebeu cartão vermelho por conta de uma cotovelada em Neymar, que incomodou o defensor durante todo o confronto.

A partir daí, o Barcelona não saiu mais do campo de defesa adversário. Tanto que Arda Turan e Paco Alcácer perderam chances incríveis logo em seguida. Quem não vacilou foi o zagueiro Mathieu, que testou firma após cruzamento vindo da esquerda. No entanto, o bandeirinha assinalou, erroneamente, impedimento no lance, evitando o que seria o quinto gol catalão.

Gazeta Esportiva

 

 

 

Pagina 10 de 25
JR Esquadrias