Esportes (272)

O ex-treinador da seleção Brasileira recebeu apenas sondagens de alguns clubes e por muito pouco não foi parar na China em dezembro de 2016.

Dunga está fora do futebol há pouco mais de um ano, esquecido no seu Rio Grande do Sul. Demitido da Seleção Brasileira por Marco Polo Del Nero, depois do fracasso na Copa América Centenário nos Estados Unidos, em junho de 2016, o treinador não é requisitado por grandes clubes. Nem participa de debates e discussões na mídia. Prefere usar, até de forma comedida, as redes sociais para destilar seu rancor com algumas figuras importantes do futebol brasileiro. Ricardo Teixeira, presidente da CBF de 1989 a 2012, está nessa lista de desafetos.

Nesse longo período de isolamento, Dunga recebeu apenas sondagens de clubes e por muito pouco não foi parar na China em dezembro de 2016. Sem acordo com os chineses, voltou ao mercado doméstico e, desde sábado (22/7), passou a ser a primeira opção no Internacional de Porto Alegre com a provável queda de Guto Ferreira no comando do time gaúcho, ainda nesta semana.

Guto Ferreira, segundo dirigentes do Inter, ganhou uma sobrevida após a derrota (2 a 1) diante do Vila Nova-GO na Série B do Brasileiro. Tem dois jogos – Oeste na terça-feira e Goiás no sábado, os dois em casa – para garantir seu emprego. Na 6.ª posição, o clube gaúcho vive momento de crise em tensão constante com sua torcida, em especial nas partidas no Beira-Rio.

Se Guto não resistir, Dunga deverá ser chamado. É o primeiro nome da lista. Sua última passagem pelo Inter foi em 2013 pelas mãos do então diretor de futebol Marcelo Medeiros, que, por coincidência, é o atual presidente do clube gaúcho.

Dunga esteve muito perto de assinar com o Beijing Guoan, clube do meia Renato Augusto e do volante Ralf. O acordo era de dois anos e salário padrão dos técnicos no futebol chinês – cerca de 10 milhões de euros por ano. Não deu certo.

As marcas de Dunga na Seleção Brasileira e CBF, porém, continuam fortes e seus rancores mais ainda. O treinador se sente traído na confederação. Na primeira passagem, em 2010, não engoliu a demissão imposta por Ricardo Teixeira, então presidente da CBF, após fracasso na Copa do Mundo da África do Sul.

Também não digeriu a segunda queda na Seleção, sob ordem de Marco Polo Del Nero, quando o Brasil caiu na primeira fase da Copa América Centenário nos EUA, eliminado pelo Peru com um gol de mão. Dunga já acumulava fiasco na Copa América de 2015 no Chile e uma tortuosa campanha nas Eliminatórias da Copa de 2018.

Del Nero e José Maria Marin haviam resgatado Dunga após o 7 a 1 da Alemanha na Copa de 2014. Se iludiram imaginando que o treinador recolocaria a Seleção nos trilhos. Não funcionou. Um retrocesso do retrocesso, como diz o jornalista José Eduardo Carvalho, colunista desse Chuteira FC. Daí a troca por Tite em julho de 2016.

Mais um motivo para Dunga alimentar seu rancor contra os cartolas da CBF, a ponto de ficar bem visível na sua página do Facebook. Assinada com seu nome Carlos Caetano Bledorn Verri na rede, Dunga compartilha publicações de Moises Campos, militar chefe de segurança da Seleção Brasileira na conquista do tetra na Copa dos EUA em 1994 quando o capitão Dunga levantou a taça. Todas publicações de Moises Campos são negativas a Ricardo Teixeira.

Moises Campos intitula Teixeira de “rato”. Nas publicações repetidas por Dunga, aparecem “O roedor, segundos contados”, em cima de matérias de jornais que mostram o ex-presidente da CBF enroscado com a Justiça e pedidos de prisão na Espanha e EUA. Outro compartilhamento: “Camundongo, cadeia em regime fechado”.

Ao usar nas redes sociais as publicações do ex-chefe de segurança da Seleção, Dunga expõe seu pensamento a respeito de Teixeira e atual comando da CBF.

No seu Rio Grande do Sul o que menos importa é o passado de Dunga na CBF. Pesa mais sua identidade com o Inter. Por isso não será surpresa se assumir o time já nesta quarta-feira (26/7), mesmo com uma vitória contra o Oeste. Jornal Zero Hora anuncia que Guto Ferreira pode ser demitido nesta terça-feira (25/7).

“Guto continua, né? Temos dois jogos importantíssimos no Beira-Rio (Oeste e Goiás, com Argel Fucks). Vai seguir porque a gente entende que ele também pode dar um pouco mais. Não vejo como correta essa mudança. A mudança da comissão técnica ainda não surtiu o efeito que esperávamos e há jogadores que ainda estão chegando”, disse o presidente Marcelo Medeiros, logo após a derrota para o Vila Nova no sábado.

Segundo a imprensa gaúcha, essa declaração do presidente não convenceu nem mesmo o roupeiro do Inter.

Fonte: Chuteirafc.cartacapital

 

Meia defendeu sua escolha de trocar Chelsea por Shanghai SIPG e disse estar adaptado à cultura asiática. E não perdeu a esperança de voltar à seleção

Muitos se surpreenderam quando o meia Oscar Emboaba decidiu trocar, aos 25 anos, o poderoso Chelsea pelo Shanghai SIPG, da China, no início do ano. Até então uma figura constante nas convocações da seleção brasileira, o jogador abriu mão de seu prestígio na Europa para faturar uma fortuna e se tornar uma das estrelas da emergente liga asiática. Passados sete meses, Oscar garante não ter nenhum arrependimento. Nem mesmo a incompreensível punição que recebeu recentemente, que o mantém afastado das partidas, diminuiu a satisfação em viver com a mulher e os dois filhos na moderna Xangai, a maior cidade do país, com mais de 20 milhões de habitantes.

Oscar não se importou com quem o tachou de “mercenário”. “Sempre vai haver críticas, mas ninguém está no meu lugar para tomar as minhas decisões. Eu nem ligo para isso, sou muito bem resolvido quanto às minhas escolhas. Era uma proposta muito difícil de recusar.” O jogador revelado no São Paulo e com passagem pelo Inter elogiou o nível da liga chinesa. “É bom, muito melhor do que eu imaginava. Lógico que não é uma Premier League, mas é legal de jogar. Alguns estrangeiros chegam aqui achando que vai ser muito fácil jogar e acabam ficando na reserva dos chineses, porque todos têm de dar o máximo.”

No Shanghai SIPG, Oscar atua ao lado dos compatriotas Hulk e Elkeson e tem como treinador o português André Villas-Boas, com quem também trabalhou no Chelsea. As contratações da equipe deram resultados rapidamente e o Shanghai SIPG é o segundo colocada da liga, com 39 pontos, um a menos que o líder e hexacampeão Guanghzou Evergrande, de Paulinho e Felipão. Neste sábado, às 8h30 (de Brasília), com transmissão do canal Band Sports, as duas equipes colocarão a liderança em disputa. Punido por oito jogos por confusão com o ex-jogador do Corinthians Chen Zizao, Oscar não estará em campo.

Na entrevista exclusiva, o meia revelou seu desejo de retornar à seleção de Tite, disse estar torcendo pelo São Paulo, seu clube do coração, se recuperar no Brasileirão, e falou sobre o desenvolvimento do futebol na China:

Como têm sido seus primeiros meses em Xangai após quatro anos em Londres? Ótimos, já me sinto adaptado à cultura local, eu e minha família estamos muito felizes. Xangai é uma cidade incrível e estamos sempre com os brasileiros, as crianças estudam em uma escola internacional muito boa. Estamos gostando bastante, não dependemos dos outros e, assim como fizemos em Londres, temos uma rotina que nos deixa tranquilos.

Dos jogadores chegaram à liga chinesa, você é um dos mais jovens. Acha que deixou o Chelsea no momento certo? Todos no Chelsea disseram que eu deveria ter vindo porque a proposta era muito difícil de recusar. E é justamente por ser jovem que tenho condições plenas de voltar para um grande clube da Europa um dia. Eu saí na hora que tinha de sair, ganhei tudo que queria ganhar na Inglaterra, cheguei à seleção… e no futuro espero voltar tanto para a Europa quanto para a seleção. Mas hoje estou com foco total na China e não fico pensando no futuro.

Não cogitaria um retorno ao Brasil, como Hernanes? Fiquei muito feliz que o Hernanes voltou para o São Paulo, que é o clube pelo qual torço. Tomara que o time saia logo desta situação, nas últimas posições. Também sou muito amigo do Dorival Júnior, o filho dele é padrinho dos meus filhos, então estou torcendo em dobro. Mas não penso em voltar agora como o Hernanes, acho que não é o momento.

 

O nível da liga chinesa surpreendeu? O nível é bom, muito melhor do que eu imaginava (…) Nosso time está disputando a liderança com o Guangzhou, uma equipe muito forte, com vários jogadores da seleção chinesa e estrangeiros muito bons, mas nossa equipe também é forte, está confiante e jogando bem, e esperamos que possamos terminar com o título.

Alguns jogadores que retornam ao Brasil dizem que o ritmo de treinos na China é inferior… Não sei o que eles têm falado, mas especificamente no meu clube o treinamento é bem semelhante ao da Europa, porque nosso técnico é o Villas-Boas e o treino é praticamente igual ao que fazíamos no Chelsea. A única diferença é que na Europa havia mais jogos ao longo da temporada.

Causou estranheza a sua suspensão de oito jogos por ter chutado uma bola em adversários do Guangzhou R&F, já que foram eles que reagiram e provocaram uma confusão… Eu também não entendi. Foi uma reação de jogo, que nós latinos, que temos sangue quente, estamos acostumados a fazer, para ganhar um lateral ou mesmo intimidar o adversário. É normal. Mas causou uma confusão e a federação local viu como má conduta da minha parte, porque saiu imprensa do mundo todo, pegou mal… mas é normal que repercuta, porque sou um jogador conhecido. E eu não tinha como recorrer, me deram oito jogos e não tinha o que fazer. Achei melhor não postar nem reclamar de nada.

Federação Chinesa suspende Hulk e Villas-Boas por dois jogos após protesto contra punição de Oscar

Lei e Hulk prestaram solidariedade a Oscar (Twitter/Reprodução)

 

 

 

 

 

 

Mas seus companheiros protestaram e também foram punidos por dois jogos e multa. Sim, o Hulk e o Wu Lei, um dos nossos principais jogadores, colocaram uma camiseta em apoio, como amigos… o Villas-Boas postou uma foto dizendo que, em quase 400 jogos na carreira eu nunca tinha sido expulso, e que isso era sacanagem. Aí eles também foram punidos por tentar me defender. Eles são bem rígidos por aqui e a gente só tem de aceitar tudo quieto, porque é assim que a federação age.

 

 

 

 

A federação chinesa também anunciou medidas para impedir novas contratações milionárias como a sua… Isso afeta o desenvolvimento do esporte no país? Dificulta um pouco para contratar jogadores de altíssimo nível, mas eles vão continuar contratando. A evolução aqui nos últimos três anos é incrível. Conversando com amigos chineses percebi que o maior problema aqui é não ter investimento na base, ainda não há campeonatos, categorias sub-13, sub-15… E quando os meninos estreiam no profissional ainda falta um pouquinho de noção. Mas acho que futuramente eles vão evoluir nisso também.

Desde que chegou à China, você não foi mais convocado para a seleção. Isso deixou de ser um grande desejo? Seleção é o objetivo e sonho de qualquer jogador. Fui chamado quase cinco anos seguidos, amo vestir essa camisa e vou sempre estar preparado. O Tite conhece meu futebol, sou um cara que joga muito para o time, meu estilo de jogo sempre foi esse. Não quero aparecer, quero ganhar o jogo. Já fui chamado pelo Tite uma vez e se ele precisar estarei à disposição.

Alguns atletas que atuam na China, como Paulinho e Renato Augusto, têm sido chamados. Isso te dá esperanças? Claro que é mais difícil, porque a visibilidade aqui não é a mesma. Esses jogadores já são titulares do Tite, então fica mais fácil. Quando fui chamado por ele, ainda no Chelsea, estava voltando de lesão e não cheguei a entrar, então no meu caso eu teria de recomeçar, é mais difícil. Mas nunca perco a esperança e sei que se estiver bem o Tite pode me chamar.

FONTE :  Por Luiz Felipe Castro/ veja.abril

 

Na estreia do novo uniforme camisa amarela e azul, o poderoso time rubro-negro teve muitas dificuldades para obter os três pontos diante do coritiba

O Flamengo buscava retornar o rumo das vitórias na Ilha do Urubu, neste sábado. Sem Diego, poupado, coube a Everton Ribeiro assumir o papel de herói, e o camisa 7 não amarelou. Aos 46 minutos, de pênalti, fez o gol da vitória suada de 2 a 1 sobre o Coritiba. Antes, Berrío abriu o placar e Henrique Almeida empatou a partida válida pelo Brasileirão.

De olho no jogo contra o Santos, pelas quartas de final da Copa do Brasil, o técnico Zé Ricardo não escalou Diego. Mas, no primeiro tempo, Everton Ribeiro, Geuvânio e Berrío deram conta do recado. O último, que entrou de útlima hora no lugar de Everton, gripado, foi quem encheu de esperança os rubro-negros aos seis minutos. Geuvânio roubou a bola ainda no campo de defesa e tocou para Everton Ribeiro, que enxergou Berrío no meio. O colombiano, com tranquilidade, tocou na saída do goleiro.

O volume de jogo do Flamengo no primeiro tempo não se repetiu no segundo. O empate do Coritiba veio pouco depois da volta do intervalo. A um minuto, Tomas Bastos achou Henrique Almeida, o zagueiro Juan não acompanhou e o atacante igualou o placar. O Flamengo tentou dar uma rápida resposta, com Rafael Vaz, mas o goleiro Wilson fez outra boa defesa. Guerrero marcou pouco depois, até comemorou com a torcida, mas foi avisado pelos próprios rubro-negros que o árbitro havia assinalado impedimento e anulado.Aos 27, Guerrero tentou ampliar em chute de fora da área, mas a bola foi por cima. Aos 29, Geuvânio deu um lindo passe de trivela para Everton Ribeiro, que obrigou Wilson a buscar no canto.

Berrío marcou o primeiro gol do FlamengoPedro Martins / MoWA Press

ERAM TRÊS JOGOS DE JEJUM

O Flamengo via o Coritiba ganhar confiança, e a afobação dos últimos jogos voltou a se abater sobre o time. Sem vitória há três partidas, duas delas em casa (derrota para o Grêmio e empate com o Palmeiras), a equipe de Zé Ricardo não conseguia criar. Juan, de cabeça, chegou a carimbar o travessão aos 26 minutos, mas não mais que isso. Aos 39 minutos, Rômulo recebeu passe de Guerrero na entrada da área e ficou cara a cara com Wilson, mas chutou nas mãos do goleiro.

O destino, porém, guardava um pênalti aos 46 minutos, cometido por Márcio em Vinicius Júnior. Everton Ribeiro, apesar de já sentir o cansaço, foi quem cobrou e fez o gol da vitória.

“É um alívio grande (a vitória). A gente vem buscando a cada jogo melhorar, e reencontrar a vitória é importante. Todo mundo fez a sua parte. Não vai ter jogo fácil, mas vamos buscar a vitória sempre”, disse Everton Ribeiro.

O próximo compromisso do Flamengo no Campeonato Brasileiro será o clássico contra o líder Corinthians, em São Paulo. Já o Coritiba recebe o Atlético Mineiro no Couto Pereira. Antes, o Rubro-negro vai até São Paulo enfrentar o Santos pela Copa do Brasil, na quarta-feira.

FICHA TÉCNICA

FLAMENGO 2 x 1 CORITIBA

FLAMENGO - Thiago; Pará, Rafael Vaz, Juan e Trauco; Rômulo (Lucas Paquetá), Willian Arão e Everton Ribeiro; Geuvânio (Felipe Vizeu), Guerrero e Berrío (Vinícius Júnior). Técnico: Zé Ricardo.

CORITIBA - Wilson; Léo, Márcio, Luizão e William Matheus; Jonas, Alan Santos (Neto Berola), Matheus Galdezani e Tomas Bastos; Rildo (Filigrana) e Henrique Almeida (Alecsandro). Técnico: Robson Gomes (interino).

GOLS - Berrío, aos 6 minutos do primeiro tempo; Henrique Almeida, aos 46 segundos, e Everton Ribeiro (pênalti), aos 46 minutos do segundo tempo.

CARTÕES AMARELOS - Willian Arão (Flamengo); Luizão, Tomas Bastos, Wilson, William Matheus, Rildo e Alecsandro (Coritiba).

ÁRBITRO - Braulio da Silva Machado (SC).

RENDA - R$ 732.655,00.

PÚBLICO - 11.722 pagantes (13.014 no total).

LOCAL - Ilha do Urubu

Fonte:  odia.ig.

  •  

 

Além do salário nababesco oferecido a Neymar, o grupo do Catar que dirige o Paris Saint-Germain também acena com a possibilidade de ele ganhar muito dinheiro com publicidade. O Catar adoraria ter o brasileiro como garoto-propaganda da Copa do Mundo de 2022

O PSG não está para brincadeira em sua intenção de tirar Neymar do Barcelona. Além da disposição para pagar a multa rescisória de 222 milhões de euros (R$ 821,4 milhões), o clube francês se dispõe a lhe dar o maior salário do mundo e a cercá-lo de amigos em campo.

Segundo o Chuteira FC apurou, o PSG oferece 40 milhões de euros (R$ 148 milhões) por ano ao craque. Isso supera o que Tevez fatura na China (38 milhões de euros, o equivalente a R$ 140,6 milhões), derrubando o argentino para o segundo lugar no ranking dos jogadores mais bem pagos. É muito mais do que os 15 milhões de euros (R$ 55,5 milhões) que Neymar recebe hoje, e também muito acima do que ganham Messi (24 milhões de euros, ou R$ 88,8 milhões) e Cristiano Ronaldo (21 milhões de euros, R$ 77,7 milhões). No ano passado, a oferta dos franceses para Neymar foi de 25 milhões de euros (R$ 92,5 milhões).

Em conversas preliminares com o craque durante as férias, o PSG ouviu que ele gostaria de ter Daniel Alves e Philippe Coutinho como companheiros se fosse para a França. O lateral-direito já foi contratado, e sua chegada causou surpresa porque a imprensa europeia dava como certo que ele assinaria com o Manchester City para voltar a trabalhar com Pep Guardiola – que, aliás, ficou furioso por Daniel ter roído a corda na última hora. E pagar 100 milhões de euros (R$ 377 milhões) ao Liverpool para contratar Coutinho é algo ao alcance do PSG, que conta com o suporte financeiro do poderosíssimo grupo Qatar Sports Investment (QSI) para bancar seus sonhos. O QSI é um colosso presidido por Nasser el-Khelaifi (presidente também do PSG) que investe em esportes e entretenimento. Khelaifi ainda comanda o beIN Group, um império que possui 22 canais de televisão.

Se contratar Neymar e Coutinho, o clube francês dará duas bordoadas no Barça. Uma ao levar Neymar embora, e outra ao comprar um jogador que interessa aos espanhóis. E pode dar ainda uma terceira, com Verratti decidindo ficar em Paris para fazer parte de um time de sonho ao invés de forçar a barra para se transferir para a Catalunha.

Além do salário nababesco oferecido a Neymar, o grupo do Catar que dirige o Paris Saint-Germain também acena com a possibilidade de ele ganhar muito dinheiro com publicidade. O Catar adoraria ter o brasileiro como garoto-propaganda da Copa do Mundo de 2022, ainda mais se ele for a estrela do clube. Para ajudar, Nasser el-Khelaifi é integrante do Comitê Organizador do Mundial. Outra porta que pode se abrir em termos de publicidade é a da companhia aérea Emirates, que patrocina o PSG.

Uma pessoa importante no processo que pode levar Neymar ao clube francês é o ex-jogador Maxwell. Ele encerrou a carreira ao final da temporada passada e hoje tem um cargo na direção do PSG. Foi companheiro de Neymar na Seleção em 2014 (assim como de Daniel Alves) e tem bom relacionamento com ele.

O PSG espera com ansiedade o sinal verde de Neymar para poder depositar o valor da multa rescisória. O elenco está nos Estados Unidos para a pré-temporada, mas na Europa há dirigentes alertas à espera da resposta do craque. Estados Unidos, por sinal, também será o destino do Barça em sua preparação para a temporada.

O time viaja quarta-feira e fará três jogos: sábado em Nova York contra a Juventus, dia 26 em Washington diante do Manchester United e dia 29 em Miami contra o Real Madrid. O PSG está no país desde sábado, treinando em Miami. Jogará quarta-feira em Detroit contra a Roma, sábado em Orlando diante do Tottenham e terá a Juventus pela frente em Miami no dia 26. Se a contratação for fechada rapidamente, como deseja o PSG, Neymar mudará de concentração nos Estados Unidos e se juntará aos novos companheiros.

Camisa bonita tudo bem! mais não tem nada  com as camisas originias nas cores vermelho e preto. A polêmica é grande.

Na manhã desta quarta-feira, o site Footy Headlines vazou a nova terceira camisa do Flamengo para esta temporada. A peça é predominantemente amarela, com detalhes em azul. Calção e meias amarelas completam o kit do terceiro uniforme do Flamengo.

 Segundo o Footy Headlines, o desenho da camisa é uma homenagem ao design do Maracanã.

flamengo-17-18-third-kit-4

 

O uniforme foi resultado do projeto Adidas Creator Studio. Neste projeto, em um primeiro momento, torcedores foram responsáveis por enviar modelos e votar nos desenhos favoritos. No caso do Flamengo, ficou pré-estabelecido logo no começo que a camisa deveria ser amarela e azul. Depois, a camisa vencedora foi definida por um colegiado de ídolos e representantes do clube.

Além do Flamengo, o projeto Adidas Creator Studio ajudou a escolher as novas terceiras camisas de Real Madrid, Bayern de Munique, Manchester United, Juventus e Milan.

Fonte: blogs.lance

Segunda, 10 Julho 2017 21:01

Botafogo-PB contrata zagueiro Jonas, ex-Sergipe

Escrito por

 

 

Jogador de 34 anos é mais um reforço para a sequência da Série C e chega para disputar vaga no setor que vem tendo muitas variações por causa de lesões e suspensões. É a estreia do gaúcho na Paraíba

 

Botafogo-PB apresentou nesta segunda-feira o zagueiro Jonas. O gaúcho de 34 anos tem passagem por clubes como ASA de Arapiraca, Guarani e Santo André, e que disputou o primeiro semestre da temporada 2017 pelo Sergipe. Após a apresentação, o jogador correu no gramado do Centro de Treinamento da Maravilha do Contorno, fez um treinamento físico e aguarda a regularização junto ao BID da CBF para estrear.

Na última semana, o técnico Itamar Schülle afirmou que ainda esperava dois ou três reforços para o Belo na sequência da disputa da terceira divisão. A zaga foi um setor mencionado pelo comandante botafoguense e a diretoria agiu rápido, confirmando a contratação de Jonas. Na posição, o novo reforço alvinegro vai ter a concorrência do capitão Plínio e Bruno Maia, os titulares, além de André Santos, Walber e Nildo.

Apesar de Plínio e Bruno Maia serem unanimidades na função, a zaga botafoguense tem passado por rodízios forçados diante de lesões ou suspensões. Na derrota para o Sampaio Corrêa nesse domingo, por exemplo, o capitão do Belo cumpriu suspensão. Quando foi necessário um substituto tanto para Plínio quanto Bruno, quem herdou a vaga foi André Santos.

Após sete anos longe do futebol nordestino, Jonas voltou a região para defender o Sergipe. Contudo, com a eliminação do Gipão na primeira fase do Brasileiro da Série D, o jogador teve o seu vínculo com o clube encerrado. Pela Copa do Nordeste, o jogador foi titular nos dois confrontos com o Botafogo-PB, com triunfo sergipano por 2 a 0 em casa e um empate por 2 a 2 no Estádio Almeidão, em João Pessoa.

 
 
Após ser apresentado,  Jonas correu pelo gramado da Maravilha do Contorno (Foto: Nádya Araújo / Botafogo-PB)Após ser apresentado,  Jonas correu pelo gramado da Maravilha do Contorno (Foto: Nádya Araújo / Botafogo-PB)

Após ser apresentado, Jonas correu pelo gramado da Maravilha do Contorno (Foto: Nádya Araújo / Botafogo-PB)

 

Elenco se reapresentou nesta segunda-feira

 

Após a derrota para o Sampaio Corrêa nesse domingo, o elenco do Belo se reapresentou na manhã desta segunda-feira no CT da Maravilha do Contorno, em menos de 24h após o revés pela nona rodada da Série C. Os jogadores participaram de treino regenerativo e tiveram folga no decorrer do dia. O time só retoma os treinamentos na manhã de quarta-feira, também na Maravilha.

Com 14 pontos e na quarta colocação, o clube volta a campo no próximo domingo, quando encara o Cuiabá, na Arena Pantanal, na abertura do returno da terceira divisão.

 

Por GloboEsporte

 

 

 

 

Sete dos jogadores que entraram em campo pelo time catalão seguem na ativa

O anúncio da renovação de contrato de Lionel Messi com o Barcelona, feito na dia (5/7), dá continuidade a um casamento de quase duas décadas. O argentino de 30 anos chegou jovem à base do clube. E já se passaram 13 anos desde a estreia dele pelo time profissional, num clássico local contra o Espanyol, em 16 de outubro de 2004.

Relembre onde estão os jogadores que estavam em campo pelo Barcelona naquela vitória por 1 x 0: 
 
Victor Valdés (goleiro, 35 anos)
Está sem clube desde 1º de julho, quando foi liberado pelo Middlesbrough após o fim do contrato. Desde que deixou o Barça, em 2014, também jogou por Manchester United e Standard Liege, mas sem nunca convencer. Segundo o Mundo Deportivo, recusou quatro propostas de times espanhóis, pois não quer voltar ao país.
 
Belletti (ex-lateral, 41 anos)
O brasileiro, herói mais improvável do título do Barcelona na Liga dos Campeões, trabalha como diretor do Coritiba para assuntos internacionais e embaixador do Barcelona. Antes de encerrar a carreira, jogou por Chelsea, Fluminense e Ceará.
 
Oleguer (ex-zagueiro, 37 anos)
O patinho feio do time titular encerrou a carreira cedo, aos 31 anos, depois de uma passagem pelo Ajax. É defensor ferrenho da causa catalã e chegou a recusar chamada da seleção espanhola. 
 
AFP
Carles Puyol (ex-zagueiro, 39 anos)
Está aposentado desde 2014, quando recusou todas as propostas para continuar a carreira. Puyol disse adeus aos gramados tendo jogado apenas pelo Barça: foram 589 partidas. Hoje, é assistente do comitê executivo do clube.
 
Giovanni van Bronckhorst (ex-lateral, 42 anos)
Ao deixar o Barcelona, voltou para o Feyenoord, time que o revelou, no qual passou três temporadas. Aposentou-se em 2010 e virou assistente técnico do clube até 2015, quando assumiu o comando. Ganhou o Campeonato Holandês em maio.
 
Rafa Márquez (volante, 38 anos)
Segue na ativa tanto no time quanto na seleção mexicana, da qual foi capitão na última Copa das Confederações. Hoje, defende o Atlas, em seu país natal. Depois de deixar o Barça, teve uma grande temporada pelo italiano Verona e também jogou pelo New York Red Bulls.
 
Deco (ex-meia, 39 anos)
Autor do único gol no jogo de estreia de Messi, o luso-brasileiro também passou pelo Chelsea antes de voltar ao país natal. No Fluminense, foram três anos, dois títulos brasileiros e um carioca. ( Atualmente o jogador Deco é jogador do Flamengo)
 
Xavi (meia, 37 anos)
Um dos maiores responsáveis pelo bom jogo do Barcelona neste século, Xavi defende o Al-Sadd, do Catar, há dois anos. Ele tem contrato por mais uma temporada e promete cumpri-lo para, depois, se aposentar. 
 
Samuel Eto'o (atacante, 36 anos)
Depois de deixar o Barcelona, viveu um novo auge da carreira na Inter de Milão, time no qual foi ídolo. Teve passagens apagadas por Anzhi, Chelsea, Everton e Sampdoria até chegar ao Antalyaspor, da Turquia, em 2015. Segue no clube.
 
Henrik Larsson (ex-atacante, 45 anos)
O sueco passou apenas um ano no Barça, o suficiente para ganhar a Liga dos Campeões. Defendeu o Manchester United por dois meses e passou o restante da carreira no Helsingborgs, time que o revelou.
 
Ronaldinho (ex-atacante, 37 anos)
Hoje, é a principal estrela do time de lendas do Barcelona. Depois de viver seu auge na Espanha, passou por Milan, Flamengo, Atlético-MG, Querétaro e Fluminense antes de aceitar o fim da carreira.
 
AFP
Frank Rijkaard (ex-técnico, 54 anos)
Pelo Barcelona, ganhou uma Liga dos Campeões e dois Campeonatos Espanhóis. Depois, o holandês treinou o Galatasaray e a seleção da Arábia Saudita, sem sucesso. Decidiu se aposentar da carreira. 
 
Andrés Iniesta (meia, 33 anos)
Entrou aos 22 minutos do segundo tempo, no lugar de Eto'o. Ainda era um jovem meia e raramente jogava como titular. Hoje, é um dos maiores ídolos da história do Barça, com 624 jogos disputados.
 
Lionel Messi (atacante, 30 anos)
Entrou aos 37 minutos do segundo tempo, no lugar de Deco. Messi usava a camisa 30 e teve atuação discreta no pouco tempo em que ficou em campo. 
 
Rubén Martínez (goleiro, 33 anos)
Ficou no banco e não foi acionado. Jogou a primeira metade da temporada no Deportivo La Coruña e a outra no Anderlecht, da Bélgica. Foi sempre reserva.
 
Damià (ex-lateral, 35 anos)
Ficou no banco e não foi acionado. Aposentou-se em 2016, pelo Middlesbrough, onde pouco jogou. Viveu o auge da carreira no Osasuna, único time em que conseguiu ser titular.
 
Fernando Navarro (lateral, 35 anos)
Ficou no banco e não foi acionado. Teve passagem vitoriosa pelo Sevilla, de 2008 a 2015, e hoje defende o Deportivo La Coruña. Prepara-se para a última temporada da carreira.
Relembre onde estão os jogadores que estavam em campo pelo Barcelona naquela vitória por 1 x 0: 
 
Victor Valdés (goleiro, 35 anos)
Está sem clube desde 1º de julho, quando foi liberado pelo Middlesbrough após o fim do contrato. Desde que deixou o Barça, em 2014, também jogou por Manchester United e Standard Liege, mas sem nunca convencer. Segundo o Mundo Deportivo, recusou quatro propostas de times espanhóis, pois não quer voltar ao país.
 
Belletti (ex-lateral, 41 anos)
O brasileiro, herói mais improvável do título do Barcelona na Liga dos Campeões, trabalha como diretor do Coritiba para assuntos internacionais e embaixador do Barcelona. Antes de encerrar a carreira, jogou por Chelsea, Fluminense e Ceará.
 
Oleguer (ex-zagueiro, 37 anos)
O patinho feio do time titular encerrou a carreira cedo, aos 31 anos, depois de uma passagem pelo Ajax. É defensor ferrenho da causa catalã e chegou a recusar chamada da seleção espanhola. 
 
AFP
Carles Puyol (ex-zagueiro, 39 anos)
Está aposentado desde 2014, quando recusou todas as propostas para continuar a carreira. Puyol disse adeus aos gramados tendo jogado apenas pelo Barça: foram 589 partidas. Hoje, é assistente do comitê executivo do clube.
 
Giovanni van Bronckhorst (ex-lateral, 42 anos)
Ao deixar o Barcelona, voltou para o Feyenoord, time que o revelou, no qual passou três temporadas. Aposentou-se em 2010 e virou assistente técnico do clube até 2015, quando assumiu o comando. Ganhou o Campeonato Holandês em maio.
 
Rafa Márquez (volante, 38 anos)
Segue na ativa tanto no time quanto na seleção mexicana, da qual foi capitão na última Copa das Confederações. Hoje, defende o Atlas, em seu país natal. Depois de deixar o Barça, teve uma grande temporada pelo italiano Verona e também jogou pelo New York Red Bulls.
 
Deco (ex-meia, 39 anos)
Autor do único gol no jogo de estreia de Messi, o luso-brasileiro também passou pelo Chelsea antes de voltar ao país natal. No Fluminense, foram três anos, dois títulos brasileiros e um carioca antes do fim da carreira.
 
Xavi (meia, 37 anos)
Um dos maiores responsáveis pelo bom jogo do Barcelona neste século, Xavi defende o Al-Sadd, do Catar, há dois anos. Ele tem contrato por mais uma temporada e promete cumpri-lo para, depois, se aposentar. 
 
Samuel Eto'o (atacante, 36 anos)
Depois de deixar o Barcelona, viveu um novo auge da carreira na Inter de Milão, time no qual foi ídolo. Teve passagens apagadas por Anzhi, Chelsea, Everton e Sampdoria até chegar ao Antalyaspor, da Turquia, em 2015. Segue no clube.
 
Henrik Larsson (ex-atacante, 45 anos)
O sueco passou apenas um ano no Barça, o suficiente para ganhar a Liga dos Campeões. Defendeu o Manchester United por dois meses e passou o restante da carreira no Helsingborgs, time que o revelou.
 
Ronaldinho (ex-atacante, 37 anos)
Hoje, é a principal estrela do time de lendas do Barcelona. Depois de viver seu auge na Espanha, passou por Milan, Flamengo, Atlético-MG, Querétaro e Fluminense antes de aceitar o fim da carreira.
 
AFP
Frank Rijkaard (ex-técnico, 54 anos)
Pelo Barcelona, ganhou uma Liga dos Campeões e dois Campeonatos Espanhóis. Depois, o holandês treinou o Galatasaray e a seleção da Arábia Saudita, sem sucesso. Decidiu se aposentar da carreira. 
 
Andrés Iniesta (meia, 33 anos)
Entrou aos 22 minutos do segundo tempo, no lugar de Eto'o. Ainda era um jovem meia e raramente jogava como titular. Hoje, é um dos maiores ídolos da história do Barça, com 624 jogos disputados.
 
Lionel Messi (atacante, 30 anos)
Entrou aos 37 minutos do segundo tempo, no lugar de Deco. Messi usava a camisa 30 e teve atuação discreta no pouco tempo em que ficou em campo. 
 
Rubén Martínez (goleiro, 33 anos)
Ficou no banco e não foi acionado. Jogou a primeira metade da temporada no Deportivo La Coruña e a outra no Anderlecht, da Bélgica. Foi sempre reserva.
 
Damià (ex-lateral, 35 anos)
Ficou no banco e não foi acionado. Aposentou-se em 2016, pelo Middlesbrough, onde pouco jogou. Viveu o auge da carreira no Osasuna, único time em que conseguiu ser titular.
 
Fernando Navarro (lateral, 35 anos)
Ficou no banco e não foi acionado. Teve passagem vitoriosa pelo Sevilla, de 2008 a 2015, e hoje defende o Deportivo La Coruña. Prepara-se para a última temporada da carreira.
 
Fonte df.superesportes

 

Completamente aberto no começo do jogo, time de Jair Ventura vê catarinenses abrirem 2 a 0

 

Vinícius Britto
 

 

 

 

A noite não poderia ter dado mais errado para o Botafogo. Derrota dentro de casa para o então lanterna, com direito a dois gols de Joel - que estava no clube duas semanas atrás - e lesão no começo de jogo por parte de Montillo. No placar, o 2 a 0 para o Avaí, no Nilton Santos, refletiu o que foi o começo de jogo.

Quanto mais busca propor o jogo e ser mais ofensivo - sem a sua trinca de volantes habitual - menos o Botafogo parece se entender dentro de campo. E a ocasião ainda era especial, com o retorno da dupla Camilo/Montillo, que era a grande esperança do time no começo da temporada. 

E foi decepcionante. Quase sem pegar na bola, o Avaí começou em cima e logo achou seu gol com Joel, em rebatida em Igor Rabello, aos seis minutos. Para piorar, Montillo sentiu a panturrilha e, mais uma vez, acabou saindo por lesão. 

E o camaronês ex-alvinegro estava pegando fogo. Dez minutos depois, recebeu de Pedro Castro e marcou o segundo tento catarinense. O curioso foi que, em 16 minutos em campo, Joel fez mais gols pelo Avaí do que na temporada inteira com a camisa do Botafogo. 

Até o final da primeira etapa, a esperada pressão de quem era mandante e estava atrás no placar. Douglas fez boas defesas, enquanto o Alvinegro desperdiçou alguns bons lances, seja com Camilo - que chegou a ser vaiado por parte da torcida no Nilton Santos - ou com Marcelo e Rabello, em confusões na área avaiana. O prejuízo já estava consumado, com o 2 a 0 contra no placar. 

No segundo tempo, o roteiro era mais do que esperado: tanto por parte das diversas chances desperdiçadas pelo Botafogo - que abusou nos cruzamentos - quanto no perigoso contra-ataque visitante, que ainda acertou o travessão de Gatito em chute de Júnior Dutra. Com a pouca efetividade dos atacantes, aliada a falta de repertório na criação, o Botafogo não conseguiu nem marcar um gol no time que, antes do jogo, era o lanterna da competição. 

O choque de realidade veio. O Botafogo de Jair Ventura precisa estar sempre no seu limite se deseja sonhar alto dentro da temporada. 

Agora, vem a sequência pesada - e decisiva - fora de casa, contra Atlético-MG, Corinthians e Nacional-URU. São três competições distintas. Será a chance de recuperação depois de uma noite decepcionante diante da torcida alvinegra. 

FICHA TÉCNICA: 

BOTAFOGO 0 x 2 AVAÍ 

Data/hora: 26/06/17, às 20h 
Local: Estádio Nilton Santos, no Rio de Janeiro (RJ) 
Arbitragem: Caio Max Augusto Vieira - RN (CBF) 
Cartões amarelos: Igor Rabello (BOT); Douglas, Leandro Silva e Luan (AVA) 
Público e renda: 20.396 pagantes / 22.819 presentes - Renda: R$ 353.360,00 
Gols: Joel (5'/1ºT - 0-1) e Joel (16'/1ºT - 0-2) 

BOTAFOGO: Gatito Fernández, Arnaldo, Marcelo, Igor Rabello (Pachu) e Victor Luís; Rodrigo Lindoso, Bruno Silva, Camilo (Leandrinho) e Montillo (Guilherme); Rodrigo Pimpão e Roger - Técnico: Jair Ventura 

AVAÍ: Douglas, Leandro Silva, Airton, Betão e Capa; Luan, Judson (Wellington Simão), Juan (Diego Tavares) e Pedro Castro; Rômulo e Joel (Júnior Dutra) - Técnico: Claudinei Oliveira

Para este jogo, mais de 8 mil entradas já haviam sido compradas no pacote que a diretoria fez pelos três primeiros jogos no estádio. Duelo será válido pelo Campeonato Brasileiro

Para emplacar a terceira vitória consecutiva no Campeonato Brasileiro, o Flamengo vai enfrentar o São Paulo no próximo final de semana, na Ilha do Urubu. Sócios-torcedores já podem garantir o lugar nas arquibancadas do novo estádio do Rubro-Negro, que ainda não perdeu na nova casa.

Como esse jogo entrou em um pacote para sócios e mais de 8 mil ingressos já haviam sido comprados para os três primeiros jogos do clube na Ilha do Urubu, carga será reduzida para este jogo. Setor Norte já estão esgotados.

Agora, restam apenas os setores Leste, Sul e Oeste. Os ingressos mais baratos, dentre estes, estão R$ 70, no setor Leste, para os sócios-torcedores dos planos acima do Tradição com direito à meia-entrada. Os mais caros são no Setor Oeste, para o público geral, que pagará R$ 360 na inteira. Para visitantes, a entrada custa R$ 200 (com R$ 100 pela meia).

Para este confronto contra o Tricolor paulista, ainda restam ingressos para os setores Leste, Sul e Oeste. Entradas variam entre R$ 70 e R$ 360. Torcedores do São Paulo que desejarem ir para este duelo no próximo fim de semana terão de pagar R$ 200. 

Sócios poderão realizarem suas compras nesta segunda-feira e também na terça. Na quarta, dia 28, vendas serão abertas para o público em geral. 


Confira a tabela de preço dos ingressos

Setor Norte
Público Geral - R$ 200 (meia R$ 100)
Sócios Tradição - R$ 150 (meia R$ 75)
Sócios Demais Planos - R$ 100 (meia R$ 50)

Setores Sul e Leste
Público Geral - R$ 280 (meia R$ 140)
Sócios Tradição - R$ 210 (meia R$ 105)
Sócios Demais Planos - R$ 140 (meia R$ 70)

Setor Oeste
Público Geral - R$ 360 (meia R$ 180)
Sócio Tradição - R$ 270 (meia R$ 135)
Sócio Demais Planos - R$ 180 (meia R$ 90)

Visitantes
R$ 200 (meia R$ 100)          

 

Por: Lance

 

 

Com salário de R$ 1 milhão na China, o atacante Geuvânio chegará por empréstimo de 18 meses ao Flamengo com o clube carioca pagando a metade, mas não haverá custos de aquisição.

 

 

Diogo Dantas

                                                                                                                                            O jogador foi visto como oportunidade de mercado para aumentar a média de gols do setor de ataque, que hoje conta basicamente com Guerrero como esperança. O peruano custa R$ 900 mil mensais.

 

No esquema atual, os demais jogadores que jogam pelas pontas e os atletas de meio-campo não fazem número nas finalizações certeiras. Para isso, Geuvânio vem para aliar a velocidade à pontaria na frente do goleiro. Everton, Gabriel, Ederson e até Berrío tem poucos gols no Rubro-Negro. No Santos, Geuvânio fez em 2014 quatorze gols, e em 2015, dez. No Tianjin Quanjian, foram nove ano passado em 29 jogos.

No Flamengo atual, Gabriel marcou no máximo nove gols, em 2014. Everton, por sua vez, fez dez no mesmo ano, sua melhor temporada. Esse ano, já tem cinco. Gabriel apenas dois. Berrío, outro velocista, marcou 17 no Atlético-COL ano passado, mas não se afirmou ainda. O jovem Vinícius Junior ainda não balançou as redes no profissional.

Sem nenhum incontestável, Geuvânio chega com status de titular e formaria o ataque com Guerrero, pela esquerda, enquanto Éverton Ribeiro atuaria pelo lado direito. O atacante desembarcou no Rio nesta quinta-feira, enquanto seus representantes finalizam a rescisão de contrato na China para concretizar o empréstimo, o que deve ser confirmado nesta quinta-feira. Geuvânio, assim como Éverton Ribeiro e Rhodolfo, os últimos reforços, serão regularizados a partir do dia 20, quando abre a janela de transferências internacionais.

 

 Fonte: Extra

 

Pagina 1 de 20
JR Esquadrias