Econômia (115)

Segunda, 13 Fevereiro 2017 21:10

Banco Mundial: crise pode levar 3,6 milhões de brasileiros

Escrito por

Na simulação mais otimista, 810 mil famílias passariam a depender do benefício para viver

Até o fim do ano, 3,6 milhões de brasileiros podem voltar a viver abaixo da linha da pobreza, ou seja, com menos de R$ 140 por mês. Com isso, o Brasil teria 29,6 milhões de pessoas vivendo numa situação de pobreza extrema. As estimativas são de um estudo do Banco do Mundial.

Mesmo num cenário mais otimista, considerando que ocorra um pequeno crescimento da economia neste ano, o Banco Mundial estima que serão 2,5 milhões de brasileiros voltando a viver abaixo da linha da pobreza até o fim de 2017.

Esses "novos pobres", como intitula o estudo, viviam com mais de R$ 140 por mês em 2015, mas tiveram o padrão de vida reduzido por causa da crise econômica. 

O aumento das taxas de pobreza deve acontecer principalmente em áreas urbanas, e menos em áreas rurais, onde já são altas, segundo o banco. 

Bolsa Família

O Banco Mundial também analisou o impacto que isso teria no programa Bolsa Família. 

No cenário mais pessimista, 1,16 milhões de novas famílias poderão se tornar dependentes do programa de transferência de renda do governo até o fim deste ano. Na simulação mais otimista, 810 mil famílias passariam a depender do benefício para viver.

Em 2016, o Bolsa Família tinha cerca de 14 milhões de famílias cadastradas, segundo o estudo (com base em dados do Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome).

Metodologia

O Banco Mundial fez cálculos e simulações considerando dados oficiais do país, como inflação, desemprego e PIB (Produto Interno Bruto), para chegar às conclusões do estudo.

Ampliar

Fotógrafa captura a pobreza dos que vivem com US$ 1 por dia8 fotos

1 / 8
Jestina Koko, 25, vive na Libéria e não anda desde os três anos. Ela se arrasta com a ajuda dos braços e mãos. Koko se sustenta lavando roupas, vendendo biscoitos caseiros e com esmolas. Ela tem esperança de que sua filha, Satta, frequente uma escola. A fotógrafa Renée C. Byer, ganhadora do prêmio Pulitzer, viajou para dez países em quatro continentes para documentar o cotidiano de pessoas que sobrevivem com apenas US$ 1 por dia

 

O montante será de R$ 134.672.685,59 milhões, já descontada a retenção do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb).

 

Será creditado nesta sexta-feira, 10 de fevereiro, nas contas das 223 prefeituras municipais paraibanas, o repasse do Fundo de Participação dos Municípios (FPM) referente ao 1º decêndio do mês de fevereiro de 2017. O montante será de R$ 134.672.685,59 milhões, já descontada a retenção do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb).

O 1º decêndio de fevereiro de 2017, comparado ao mesmo período de 2016, teve um crescimento de 7,68% em termos nominais, ou seja, com os valores comparados sem considerar os efeitos da inflação. Quando se considera o real valor dos repasses, levando em conta as consequências da inflação, o decêndio apresenta um expressivo crescimento de 2,73%.

Tendo em consideração o valor real total repassado aos Municípios em janeiro e fevereiro de 2017, pode-se verificar um crescimento de 4,10% em relação ao mesmo período do ano anterior.

Tal crescimento pode sinalizar uma melhora no cenário econômico nacional, mas ainda assim a Confederação Nacional de Municípios (CNM) ressalta a importância de que os gestores tenham pleno controle das finanças para que cumpram suas obrigações orçamentárias em dia.

Será creditado nesta sexta-feira, 10 de fevereiro, nas contas das 223 prefeituras municipais paraibanas, o repasse do Fundo de Participação dos Municípios (FPM) referente ao 1º decêndio do mês de fevereiro de 2017. O montante será de R$ 134.672.685,59 milhões, já descontada a retenção do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb).

O 1º decêndio de fevereiro de 2017, comparado ao mesmo período de 2016, teve um crescimento de 7,68% em termos nominais, ou seja, com os valores comparados sem considerar os efeitos da inflação. Quando se considera o real valor dos repasses, levando em conta as consequências da inflação, o decêndio apresenta um expressivo crescimento de 2,73%.

Tendo em consideração o valor real total repassado aos Municípios em janeiro e fevereiro de 2017, pode-se verificar um crescimento de 4,10% em relação ao mesmo período do ano anterior.

Tal crescimento pode sinalizar uma melhora no cenário econômico nacional, mas ainda assim a Confederação Nacional de Municípios (CNM) ressalta a importância de que os gestores tenham pleno controle das finanças para que cumpram suas obrigações orçamentárias em dia.

Oscilação do FPM

A principal fonte de renda dos Municípios, o FPM, oscila ao longo do ano, podendo haver mudanças, como com a queda na venda de automóveis que reduz a arrecadação do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI), assim como o aumento da taxa de desemprego provoca uma queda na arrecadação do Imposto sobre a Renda (IR).

Com CNM

Jornalista Vanderlan Farias

Será creditado nesta sexta-feira, 10 de fevereiro, nas contas das 223 prefeituras municipais paraibanas, o repasse do Fundo de Participação dos Municípios (FPM) referente ao 1º decêndio do mês de fevereiro de 2017. O montante será de R$ 134.672.685,59 milhões, já descontada a retenção do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb).

O 1º decêndio de fevereiro de 2017, comparado ao mesmo período de 2016, teve um crescimento de 7,68% em termos nominais, ou seja, com os valores comparados sem considerar os efeitos da inflação. Quando se considera o real valor dos repasses, levando em conta as consequências da inflação, o decêndio apresenta um expressivo crescimento de 2,73%.

Tendo em consideração o valor real total repassado aos Municípios em janeiro e fevereiro de 2017, pode-se verificar um crescimento de 4,10% em relação ao mesmo período do ano anterior.

Tal crescimento pode sinalizar uma melhora no cenário econômico nacional, mas ainda assim a Confederação Nacional de Municípios (CNM) ressalta a importância de que os gestores tenham pleno controle das finanças para que cumpram suas obrigações orçamentárias em dia.

Será creditado nesta sexta-feira, 10 de fevereiro, nas contas das 223 prefeituras municipais paraibanas, o repasse do Fundo de Participação dos Municípios (FPM) referente ao 1º decêndio do mês de fevereiro de 2017. O montante será de R$ 134.672.685,59 milhões, já descontada a retenção do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb).

O 1º decêndio de fevereiro de 2017, comparado ao mesmo período de 2016, teve um crescimento de 7,68% em termos nominais, ou seja, com os valores comparados sem considerar os efeitos da inflação. Quando se considera o real valor dos repasses, levando em conta as consequências da inflação, o decêndio apresenta um expressivo crescimento de 2,73%.

Tendo em consideração o valor real total repassado aos Municípios em janeiro e fevereiro de 2017, pode-se verificar um crescimento de 4,10% em relação ao mesmo período do ano anterior.

Tal crescimento pode sinalizar uma melhora no cenário econômico nacional, mas ainda assim a Confederação Nacional de Municípios (CNM) ressalta a importância de que os gestores tenham pleno controle das finanças para que cumpram suas obrigações orçamentárias em dia.

 

Oscilação do FPM

A principal fonte de renda dos Municípios, o FPM, oscila ao longo do ano, podendo haver mudanças, como com a queda na venda de automóveis que reduz a arrecadação do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI), assim como o aumento da taxa de desemprego provoca uma queda na arrecadação do Imposto sobre a Renda (IR).

Com CNM

FONTE: Jornalista Vanderlan Farias

 

Conheça 32 cidades com as melhores avaliações, segundo o IDH, e menos de meio milhão de moradores.

Os municípios com as melhores avaliações, segundo o IDH, e menos de meio milhão de moradores. Publicado em Veja, assinado pela jornalista Denise Chiarato e foto de Elaine Skowronski . Quanto maior a cidade, maiores os salários e melhores os serviços, certo? Nem sempre. Dados do IDH (Índice de Desenvolvimento Humano), referência usada para medição de qualidade de vida de uma região, mostra que os cinco melhores municípios para se viver no Brasil, levando em consideração a saúde (expectativa de vida da população), educação e renda, têm menos de 500 mil habitantes. 

 

São Caetano do Sul

 

Colada à capital paulista, a cidade de São Caetano do Sul lidera o ranking da cidade com melhor qualidade de vida do país. Apesar de ter apenas 15 quilômetros quadrados e cerca de 157 mil habitantes, tem jeitão de metrópole: é altamente verticalizada e tem uma frota de  mais de 100 mil veículos. Além de ter sido o berço da indústria automobilística do país, o alto poder aquisitivo de seus moradores justifica a grande quantidade de veículos. A renda de seus moradores, acima dos R$ 2.000 per capita ao mês, é o principal indicador no ranking do IDH, além da alta expectativa de vida ao nascer, de 78,2 anos, e ótimos resultados na área de educação.

Águas de São Pedro

 

Com apenas 3,2 quilômetros quadrados e menos de 3.100 moradores, a pequena Águas de São Pedro (a 182 km da capital paulista) tem  indicadores de fazer inveja às grandes metrópoles. Tem os melhores resultados em avaliações de educação no país, tanto no ensino fundamental quanto médio, com os alunos tendo aulas de reforço, música e esporte, o que já lhe garantiu destaque na imprensa internacional: do jornal espanhol “El País” ao alemão “Deutsche Welle”.  Além disso, a expectativa de vida de sua população é uma das mais altas do Brasil, 78,4 anos, e a renda per capita ao mês é de R$ 1.580,72. Apesar de pacata e ter o turismo como principal fonte de renda, é uma importante estância hidromineral, a cidade aposta na tecnologia _ tem câmeras de segurança e sensores para estacionamento e as consultas na rede pública de saúde é toda online.

Florianópolis

Considerada um dos principais pontos turísticos do país, Florianópolis investe na qualidade de vida de sua população e na educação _ o que lhe assegura o terceiro lugar no ranking do IDH brasileiro. São quase 462 mil habitantes em cerca de 440 quilômetros.  A expectativa de vida ao nascer é de 77,4 anos, renda per capita ao mês de quase R$ 1.800 e bons indicadores de educação (mais de 70% dos jovens de 15 a 17 anos têm o ensino fundamental completo).

Balneário Camboriú

A cidade de menos de 44 quilômetros quadrados no litoral de Santa Catarina, que no verão chega a receber quatro milhões de turistas do Brasil e do exterior, exibe os prédios mais altos do país e praias ainda conservadas, que atraem de surfistas a aposentados. Considerado o município com ótima infraestrutura urbana, Balneário Camboriú aparece em quarto lugar no ranking do IDH principalmente por conta da expectativa de vida ao nascer de seus moradores: 78,62 anos. A renda per capita ao mês é de R$ 1.625,59 e 93% das crianças de cinco a seis anos estão na escola. A cidade de 124.557 habitantes tem temperatura agradável, em média de 20 graus.

Vitória

Uma das cidades mais antigas do país, Vitória ainda preserva a qualidade de suas praias e parte de seu patrimônio cultural e arquitetônico. É a segunda melhor capital do Brasil para se viver, segundo os indicadores do IDH, sendo que a renda da população (R$ 1.866,58 per capita ao mês) é o que mais pesa para garantir a colocação, seguida pela longevidade (76,28 anos) e educação (97,9% das crianças de cinco a seis anos estão na escola). Sua economia é impulsionada pelos sete portos espalhados pelos 417 quilômetros de litoral e 100% da sua população de 352.104 habitantes vive na zona urbana, sendo que 99% dos domicílios têm coleta de lixo, água encanada e luz elétrica.

Ranking

1 º São Caetano do Sul (SP) 0.862 157,205
2 º Águas de São Pedro (SP) 0.854 3,073
3 º Florianópolis (SC) 0.847 461,524
4 º Balneário Camboriú (SC) 0.845 124,557
5 º Vitória (ES) 0.845 352,104
6 º Santos (SP) 0.84 433,565
7 º Niterói 0.837 495,470
8 º Joaçaba (SC) 0.827 28,705
9 º Jundiaí (SP) 0.822 397,965
10 º Valinhos (SP) 0.819 118,312
11 º Vinhedo (SP) 0.817 71,217
12 º Araraquara (SP) 0.815 224,304
13 º Santana de Parnaíba (SP) 0.814 123,825
14 º Nova Lima (MG) 0.813 88,672
15 º Ilha Solteira (SP) 0.812 26,242
16 º Americana (SP) 0.811 226,970
17 º São José (SC) 0.809 228,561
18 º Maringá (PR) 0.808 391,698
19 º Blumenau (SC) 0.806 334,002
20 º Presidente Prudente (SP) 0.806 220,599
21 º Rio Fortuna (SC) 0.806 4,569
22 º Assis (SP) 0.805 100,911
23 º São Carlos (SP) 0.805 238,958
24 º Rio Claro (SP) 0.803 198,413
25 º Jaraguá do Sul (SC) 0.803 160,143
26 º Rio do Sul (SC) 0.802 66,251
27 º Bauru (SP) 0.801 364,562
28 º São Miguel do Oeste (SC) 0.801 38,575
29 º Pirassununga 0.801 74,128
30 º Concórdia (SC) 0.8 72,073
31 º Vila Velha (ES) 0.8 465,690
32 º Taubaté (SP) 0.8 299,423

 

Os índices de aumento, no entanto, vão variar, já que cada estado tem sua própria alíquota de ICMS. Veja  se  seu plano está no meio.

 

Em 2017, o brasileiro terá uma surpresa quando chegar a conta de telefone. O preço vai subir em todo o país para grande parte dos usuários de celular com planos de conta, os chamados pós-pago e controle.

 

Esse grupo soma mais de 77,3 milhões de linhas, de acordo com a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel). Em alguns casos, a alta pode chegar a quase 20%. Para o telefone fixo ?" com 42 milhões de linhas em funcionamento ?", o aumento deve ser de até 13%, indica estimativa feita por fontes do setor.

 

O aumento é fruto de uma decisão do Supremo Tribunal Federal (STF), de outubro, que obriga as empresas de telefonia a recolherem o Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) sobre o valor da assinatura básica (ou pacote de assinatura) que é cobrada ao consumidor todo mês. Para o STF, a assinatura mensal pode ser considerada um serviço, já que representa "a efetiva prestação do serviço de comunicação". A decisão vale tanto para a telefonia fixa quanto para a móvel.

 

Os índices de aumento, no entanto, vão variar, já que cada estado tem sua própria alíquota de ICMS. No caso do Rio de Janeiro, a alíquota atual é de 30%. No início do ano, era de 29%. É uma das maiores do país, atrás de Rondônia (37%) e Mato Grosso (32%). Já São Paulo tem o menor valor do país, com 25%. No Distrito Federal, a alíquota é de 28%.

 

A ação no STF começou com uma discussão sobre a incidência de ICMS na assinatura da telefonia fixa no Rio Grande do Sul. Mas os juízes entenderam que a cobrança do pacote de assinatura deveria valer para qualquer serviço de telecomunicação.

 

No caso da telefonia móvel, os maiores afetados são os usuários de planos pós-pagos e controle, pois quase todos cobram pacote de assinatura mesmo, tendo ou não uma franquia de minutos. A classificação de pacote varia de acordo com a empresa, já que nem todos os planos cobram por um pacote de assinatura. O melhor é entrar em contato com a operadora ?" destacou uma fonte do setor ?" O Globo.

 

Fonte: Carlos Magno

A poucos dias do fim de 2016, cresce a expectativa para o sorteio da Mega-Sena da Virada. Este ano, o prêmio está acumulado em R$ 225 milhões até agora e pode aumentar até o sorteio, que ocorre no sábado (31), às 21h.                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                        As apostas para garantir uma vida milionária já fazem parte dos rituais de mudança de ano de muitos brasileiros. Na fila das lotéricas, apostadores de diferentes perfis preenchem as cartelas. Uns mais tímidos, outros mais confiantes, todos sonhando em virar o ano com a conta bancária recheada. Uma mulher que não quis se identificar diz que costuma jogar na Mega-Sena tradicional e este ano resolveu tentar pela primeira vez a Mega da Virada. "Sempre coloco os mesmos números. Vim fazer um exame, vi a lotérica e me chamou a atenção o número da virada. Quem sabe dá certo.                                                                                                                                                                                Já o funcionário público Francisco Brandão Lisboa aposta na Mega da Virada desde o início do concurso, em 2009. Persistente, só este ano já fez oito apostas individuais e ainda está participando do bolão do trabalho com mais 17 colegas. E até sábado, último dia para registrar as apostas, quer arriscar mais números. "Eu venho de casa com os números prontos. Escolho sozinho ou com a família", conta.                                                                                                                                                                                                                                                                                                                           Lisboa já chegou a gastar mais de R$ 2 mil em apostas. Para ele, a loteria é um investimento que vale a pena. "Se eu ganhar, me mudo de Brasília. A vida aqui está difícil", disse o funcionário público natural de Corrente, no Piauí.                                                                                                                                                                                                                                                                                                       As apostas para a Mega da Virada podem ser feitas até as 14h (horário de Brasília) de sábado em qualquer casa lotérica do país. Para quem joga seis números, o valor da apota é de R$ 3,5. Já o Bolão Caixa, que é a aposta feita em grupo, tem o valor mínimo de R$10 nas casas lotéricas. A probabilidade de acerto para quem jogou seis dezenas é de uma em 50.063.860.                                                                                                                                                                                                                 A premiação da Mega da Virada ocorre em três faixas: para apostadores de seis, cinco e quatro números. Se ninguém acertar as seis dezenas, o prêmio é dividido com os que acertaram cinco números. Não havendo acertadores de cinco, o prêmio é rateado entre os que acertaram quatro números. Se persistir a ausência de vencedores, o valor é acumulado para o concurso seguinte.                                                                                                                                                                             Desde 2009, quando ocorreu o primeiro concurso da Mega Sena da Virada, 28 brasileiros acertaram as seis dezenas. No primeiro ano, o prêmio de R$ 144,9 milhões foi dividido entre dois vencedores.   O maior prêmio acumulado foi sorteado em 2014, quando quatro apostadores dividiram R$ 263, 2 milhões. O ano passado teve o maior número de vencedores na faixa principal: seis apostadores (três deles do Espírito Santo) dividiram o valor de RS 247 milhões. Até hoje não houve vencedor solitário na primeira faixa de premiação.

 
 

Lideres empresariais, gestores públicos e parlamentares de Portugal e da Paraíba estarão reunidos em João Pessoa 

O evento começa nesta quarta-feira (30) e 1º de dezembro (quinta-feira), para a 3ª edição do Investe Nordeste – 2016 (Expo-Fórum de Investimentos e Negócios). O encontro tem como objetivo estreitar laços entre os principais empreendedores portugueses e paraibanos para estimular novos negócios. O governador da Paraíba, Ricardo Coutinho, tem presença confirmada.

O evento empresarial vai ser realizado nas dependências do Hotel Sapucaia, localizado em Tambaú, na orla da capital, a partir das 9h da manhã.  Entre os gestores paraibanos também confirmaram presenças o prefeito de João Pessoa, Luciano Cartaxo; o secretário municipal de Turismo (Setur-JP), Fernando Milanez, o secretário Executivo de Desenvolvimento Econômico do Estado da Paraíba, Wilber Holmes Jacome; e o secretário da Agência de Desenvolvimento do Conde (PB), Saulo Barreto.

O empresário Francisco de Assis Benevides Gadelha, presidente da Federação da Indústria do Estado da Paraíba (FIEP); presidente da Federação do Comércio secção Paraíba, Marconi Medeiros, o presidente do Grupo Conserpa Enger, José William, presidente do Grupo Manaçaí, Edvan Pereira da Silva, presidente da Empresa Brasileira Enerbras, Helder Ferreira e o secretário de estado Adjunto do Comércio, Paulo Alexandre Ferreira.

De Portugal estão confirmados o presidente da Associação Empresarial, Paulo Nunes de Almeida; o presidente da Câmara Municipal de Santo Tirso, Joaquim Couto, além do vereador José Pedro Machado; embaixador Jorge Cabral e o cônsul honorário de Portugal na cidade de Natal (RN), Francisco Falcão Lamy; deputados da República portuguesa, José Cesário e Carlos Pascoa; fundador e membro do Conselho Superior da Associação para Promoção da Gastronomia e Vinhos, Manuel Serrão; secretário de Estado-adjunto e do Comércio, Paulo Alexandre Ferreira;; diretor do Centro Distrital de Braga, Rui Barreira. De acordo com a organização do evento, o eurodeputado Nuno Melo vai participar através de videoconferência, diretamente de Bruxelas.

Na avaliação do governador Ricardo Coutinho, a terceira edição do Paraíba do Investe Nordeste tem uma enorme relevância pelo fato de que interliga países em um cenário de interesses mútuos na área de investimentos e negócios. “Vamos receber empresários, gestores e investidores internacionais que virão à Paraíba, no mês de novembro, interessados em conhecer nossas potencialidades e manter as relações comerciais aquecidas”, afirmou.

Secom Paraíba

 

 

 

A taxa de juros do cheque especial continuou em trajetória de alta em outubro. De acordo com dados do Banco Central (BC) divulgados nesta quinta feira (24), a taxa do cheque especial subiu 4 pontos percentuais de setembro para outubro e chegou ao novo recorde de 328,9% ao ano. Essa é a maior taxa da série histórica iniciada em julho de 1994.


Depois de três mês seguidos em alta, a taxa do rotativo do cartão de crédito caiu 3,9 pontos percentuais e ficou em 475,8% ao ano. O rotativo é o crédito tomado pelo consumidor quando paga menos que o valor integral da fatura do cartão.Neste ano, a taxa do cheque especial já subiu 41,9 pontos percentuais em relação a dezembro de 2015, quando estava em 287% ao ano.

Essas duas taxas – do cheque especial e do cartão de crédito – são as mais caras na pesquisa do BC e estão bem distantes dos juros médios do crédito para pessoa física, que ficaram em 73,7% ao ano, em outubro, com alta de 0,5 ponto percentual em relação a setembro.

Crédito a pessoas físicas e jurídicas

A inadimplência do crédito para pessoas físicas, em que são considerados atrasos acima de 90 dias, ficou estável em 6,2%, pelo quinto mês seguido.

A taxa de inadimplência das empresas também foi ajustada em 0,1 ponto percentual para 5,6%. A taxa média de juros cobrada das pessoas jurídicas ficou em 30,4% ao ano, com alta de 0,6 ponto percentual.

Esses dados se referem ao crédito livre, em que os bancos têm autonomia para aplicar o dinheiro captado no mercado e definir as taxas de juros.

No caso do crédito direcionado (empréstimos com regras definidas pelo governo, destinados, basicamente, aos setores habitacional, rural e de infraestrutura), a taxa de juros para as pessoas físicas caiu 0,2 ponto percentual, para 10,2% ao ano. A taxa cobrada das empresas ficou estável em 12% ao ano. A inadimplência das famílias permaneceu em 2% e das empresas subiu 0,5 ponto percentual para 1,8%.

O saldo de todas as operações de crédito concedidas pelos bancos caiu 0,5% de setembro para outubro, quando ficou em R$ 3,095 trilhões. Em 12 meses, o saldo das operações de crédito caiu 2%.

Esse saldo correspondeu a 50,3% de tudo o que o país produz – Produto Interno Bruto (PIB) –, ante o percentual de 50,8% registrado em setembro deste ano.

Edição: Lidia Neves

O dia da Black Friday, que acontece nesta sexta-feira (25), é o dia no qual os consumidores esperam ansiosamente para fazer compras. Com todos os produtos em oferta, a procura no comércio tende a aumentar consideravelmente. No entanto, a data pode também ser alvo de fraudes.

Pensando no consumidor o Procon Fortaleza e do Brasil, compartilhou em sua página oficial do Facebook uma lista realizada pelo Procon São Paulo sobre os 188 sites no qual o consumidor deve evitar realizar compras nesta sexta-feira.

A estimativa é que o mercado e-commerce, ou lojas virtuais, fature cerca de R$ 2,1 bilhões no dia da Black Friday, ou seja, cerca de 30% a mais em relação ao ano passado.

Na lista é possível identificar sites de vendas com grande abragência nacional.

Confira a lista:

Domingo, 20 Novembro 2016 21:42

Banco do Brasil anuncia fechamento de 402 agências

Escrito por

Banco também oferecerá plano de aposentadoria para 18 mil funcionários

 

O Banco do Brasil vai anunciar, nesta segunda-feira (21), em coletiva de imprensa, um plano de reestruturação da instituição, que reduzirá o número de agências e oferecerá um plano de aposentadoria incentivada para até 18 mil funcionários. 

 

Simulações extraoficiais obtidas pelo Broadcast, serviço de notícias em tempo real do Grupo Estado, apontam uma economia total de, aproximadamente, R$ 2,7 bilhões em 2017 somando a redução da estrutura física, corporativa e de pessoal, no caso de a adesão ao incentivo da aposentadoria antecipada chegar a 10 mil funcionários.

 

Segundo comunicado ao mercado divulgado no site da Comissão de Valores Mobiliários (CVM), o BB fechará 402 agências em todo o país e transformará outras 379 em postos de atendimento ao longo do próximo ano. A economia anual com o enxugamento da estrutura é estimada pelo BB em R$ 750 milhões, sendo R$ 450 milhões da nova estrutura organizacional e R$ 300 milhões de redução de gastos com transporte de valores, segurança, locação e condomínios, manutenção de imóveis, entre outras despesas. Atualmente, o BB conta com 5.430 agências e 1.791 postos de atendimento. 

 

O banco também fechará 28 superintendências regionais de varejo e três de governo, de um total de 140. Em comunicado ao mercado, o BB informou que haverá revisão e redimensionamento da estrutura organizacional em todos os níveis: direção geral, superintendências, órgãos regionais e agências. 

 

Em relação às agências, o BB afirmou que a rede "será reorganizada de forma a adequar-se ao novo perfil e comportamento dos clientes, com o aproveitamento de sinergias, a otimização de estruturas e a ampliação de serviços digitais, sem comprometer a presença do BB nos municípios em que atua". Serão criados 34 escritórios digitais e ampliados os 12 que já existem. O BB não fechará agência em município onde só o banco atua.

 

Aposentadoria

 

Aos funcionários, o banco oferecerá um plano de incentivos para até 18 mil empregados aposentarem-se antecipadamente. Os servidores que aderirem ao plano receberão 12 salários mais indenização pelo tempo de serviço, que vai de um a três salários. 

 

Além disso, o BB ainda ampliará o número de funcionários com jornada de seis horas de trabalho. A expectativa é que 6 mil funcionários gradativamente troquem a jornada de oito para a de seis horas. Após essa mudança, somente os cargos gerenciais ficarão com jornada de oito horas.

 

O BB conta atualmente com 109.159 funcionários. Tanto o plano de aposentadoria como a redução de jornada são voluntários.

Pagina 7 de 9
JR Esquadrias