Segunda, 13 Fevereiro 2017 21:10

Banco Mundial: crise pode levar 3,6 milhões de brasileiros

Escrito por  UOL
Avalie este item
(0 votos)
Banco Mundial: crise pode levar 3,6 milhões de brasileiros Pedro Ladeira/Folhapress

Na simulação mais otimista, 810 mil famílias passariam a depender do benefício para viver

Até o fim do ano, 3,6 milhões de brasileiros podem voltar a viver abaixo da linha da pobreza, ou seja, com menos de R$ 140 por mês. Com isso, o Brasil teria 29,6 milhões de pessoas vivendo numa situação de pobreza extrema. As estimativas são de um estudo do Banco do Mundial.

Mesmo num cenário mais otimista, considerando que ocorra um pequeno crescimento da economia neste ano, o Banco Mundial estima que serão 2,5 milhões de brasileiros voltando a viver abaixo da linha da pobreza até o fim de 2017.

Esses "novos pobres", como intitula o estudo, viviam com mais de R$ 140 por mês em 2015, mas tiveram o padrão de vida reduzido por causa da crise econômica. 

O aumento das taxas de pobreza deve acontecer principalmente em áreas urbanas, e menos em áreas rurais, onde já são altas, segundo o banco. 

Bolsa Família

O Banco Mundial também analisou o impacto que isso teria no programa Bolsa Família. 

No cenário mais pessimista, 1,16 milhões de novas famílias poderão se tornar dependentes do programa de transferência de renda do governo até o fim deste ano. Na simulação mais otimista, 810 mil famílias passariam a depender do benefício para viver.

Em 2016, o Bolsa Família tinha cerca de 14 milhões de famílias cadastradas, segundo o estudo (com base em dados do Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome).

Metodologia

O Banco Mundial fez cálculos e simulações considerando dados oficiais do país, como inflação, desemprego e PIB (Produto Interno Bruto), para chegar às conclusões do estudo.

Ampliar

Fotógrafa captura a pobreza dos que vivem com US$ 1 por dia8 fotos

1 / 8
Jestina Koko, 25, vive na Libéria e não anda desde os três anos. Ela se arrasta com a ajuda dos braços e mãos. Koko se sustenta lavando roupas, vendendo biscoitos caseiros e com esmolas. Ela tem esperança de que sua filha, Satta, frequente uma escola. A fotógrafa Renée C. Byer, ganhadora do prêmio Pulitzer, viajou para dez países em quatro continentes para documentar o cotidiano de pessoas que sobrevivem com apenas US$ 1 por dia

 

Ler 218 vezes Última modificação em Segunda, 13 Fevereiro 2017 21:25

PUBLICIDADE

JR Esquadrias