Futebol (42)

Pelo segundo jogo seguido, equipe carioca dominou a equipe mineira, mas dessa vez goleou por 4 a 1

Pelo segundo jogo seguido, o Fluminense dominou Cruzeiro e contou com a estrela do menino João Pedro para, dessa vez, vencer e golear com justiça por 4 a 1, no Maracanã. Nino e Luciano abriram 2 a 0, e Robinho recolocou a equipe mineira no jogo. Mas com dois passes de Marcos Paulo, o camisa 23 marcou duas vezes e construiu a goleada tricolor neste sábado, na partida válida pela quinta rodada do Campeonato Brasileiro.

O clube das Laranjeiras volta ao Maraca nesta quinta-feira, às 21h30, para confrontar o Atlético Nacional, pela Sul-Americana. A equipe mineira joga somente no domingo, às 19h, contra a Chapecoense, no Mineirão. Fluminense e Cruzeiro enfrentam-se novamente no dia 5 de junho, em Belo Horizonte, pela Copa do Brasil.

Fluminense x Cruzeiro

 
 
Fluminense x Cruzeiro
Foto: LUCAS MERÇON / FLUMINENSE F.C / LANCE!

Os 10 primeiros minutos de jogo foram melhores neste sábado do que na última quarta-feira. O Cruzeiro começou exercendo uma pressão moderada na saída de bola do Flu, que conseguia se desvencilhar bem e chegava à frente. Yony e Léo Artur tentaram, mas as finalizações do time tricolor encontravam sempre um pé cruzeirense no caminho para o gol.

Sem conseguir atrapalhar a construção de jogo do Flu, a equipe mineira recuou, mas não deixou de contra-atacar. Rodriguinho chutou de fora da área e a bola tirou tinta do ângulo esquerdo. Depois, Agenor saiu bem nos pés de Pedro Rocha para impedir que o cruzeirense marcasse. O time tricolor devolveu: livre da entrada da área, Daniel praticamente recuou para Rafael e desperdiçou.

No fim da primeira etapa, a defesa carioca desorganizou-se e por duas vezes, contou com os erros de Rocha para não sair no prejuízo. Mas quando o Cruzeiro era melhor, Nino atacou de cabeça. Daniel cobrou na primeira trave, o zagueiro ganhou de Henrique e cabeceou bonito para abrir o placar para o Flu.

Foram precisamente 35 segundos entre o início da etapa final e o segundo gol tricolor. Gilberto bateu forte, cruzado, Daniel tentou o desvio de letra e a bola se ofereceu para Luciano na pequena área. O camisa 18 limpou o goleiro, e aumentou a vantagem para os cariocas.

O Cruzeiro assimilou rapidamente o golpe e revidou na mesma moeda. Após erro de Ganso na saída de bola, Egídio lançou Rocha na esquerda, que cruzou para Fred. Agenor travou o centroavante, e no rebote, Robinho encheu o pé para estufar as redes e dar sobrevida à equipe mineira no jogo.

Xerém resolve!

São 17 anos e meio: essa é a idade dos dois últimos gols do Fluminense. Marcos Paulo, de 18 anos, recebeu na direita e cruzou. João Pedro, de 17, aproveitou o cochilo da zaga celeste para se antecipar e desviar de canela para a meta do Cruzeiro. No último lance do jogo, a dupla voltou a atacar: o camisa 32 tentou um chapéu na entrada da área, e a bola sobrou para camisa 23 invadir a área, marcar o segundo e completar o show de Xerém no Maracanã.

FICHA TÉCNICA

Data/Hora: 18/05/2019, às 18h (de Brasília)

Local: Maracanã, Rio de Janeiro (RJ)

Árbitro: Flávio Rodrigues de Souza

Auxiliares: Marcelo Carvalho Van Gasse (SP) e Alex Ang Ribeiro (SP-FIFA)

Árbitro de Vídeo: Heber Roberto Lopes (SC)

Público e renda: 11.437 /R$ 253.360,00

Gramado: Regular (pelas chuvas)

Cartões Amarelos: Rodriguinho (CRU), Allan, Luciano (FLU)

Gols: Nino 43'/1ºT (1-0), Luciano 01'/2ºT (2-0), Robinho 03'/2ºT (2-1), João Pedro 35'/2ºT (3-1)

FLUMINENSE

Agenor; Gilberto, Matheus Ferraz, Nino, Caio Henrique; Allan, Daniel (Igor Julião 38'/2º T), Paulo Henrique Ganso, Léo Artur (João Pedro 26'/2ºT); Yony González, Luciano (Marcos Paulo 32'/2ºT). Técnico: Fernando Diniz

CRUZEIRO

Rafael; Orejuela (M. Gabriel 12'/2ºT), Dedé, Léo, Egídio; Henrique, Lucas Romero; Robinho, Rodriguinho (Deivid 30'/2ºT), Pedro Rocha; Fred (Sassá 33'/2ºT). Técnico: Mano Menezes

Fonte: Portal Terra/Foto: LUCAS MERÇON 

As principais novidades ficaram por conta do retorno de Neymar, fora dos últimos amistosos por lesão no pé, e da convocação de David Neres

Agora é oficial. No fim da manhã desta sexta-feira (17), na sede da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), o técnico Tite convocou os 23 jogadores que defenderão a Seleção na Copa América, que será disputada entre os dias 14 de junho e 7 de julho em solo brasileiro depois de 30 anos. As principais novidades ficaram por conta do retorno de Neymar, fora dos últimos amistosos por lesão no pé, e da convocação de David Neres.                                                                                                                    Destaque do Ajax na temporada, Neres foi convocado por Tite pela primeira vez em março para os amistosos diante de Panamá e República Tcheca, substituindo o então lesionado Vinícius Júnior. No clube holandês, o ex-são paulino contribuiu com gols em jogos eliminatórios da Liga dos Campeões, como diante de Real Madrid e Juventus.                                                                                                                           De acordo com a programação, os jogadores começarão a se apresentar na Granja Comary, dia 22 de maio. Depois, a Seleção Brasileira ainda terá mais dois amistosos. No dia 5 de junho, em Brasília, no Estádio Mané Garrincha, a Seleção enfrentará pela primeira vez o Catar.                                                                                                 Quatro dias depois, o compromisso será diante de Honduras no Beira-Rio, em Porto Alegre. Cabeça de chave do Grupo A, o Brasil terá pela frente a Bolívia na abertura da 46ª edição da Copa América, dia 14 de junho, no Morumbi, em São Paulo. Depois, Tite e seus comandados medirão forças com a Venezuela, dia 18, na Arena Fonte Nova, em Salvador, e Peru, na Arena Corinthians, também na capital paulista, no dia 22. As duas melhores equipes de cada chave e os dois melhores terceiros avançam para as quartas de final.                                                                      Caso a Seleção termine a primeira fase em primeiro lugar, jogará as quartas na Arena do Grêmio, no dia 27 de junho. Avançando, disputará a semifinal no Mineirão, em Belo Horizonte, no dia 2 de julho. Já a grande final está confirmada para acontecer no Estádio do Maracanã, no Rio de Janeiro, em 7 de julho, às 17h. Agora, se passar em segundo lugar, o Brasil vai ao Maracanã nas quartas de final, no dia 28 de junho, e à Arena do Grêmio, no dia 3 de julho.

Confira abaixo a lista de convocados:

Goleiros:

Alisson, Cássio e Ederson

Laterais:

Daniel Alves (direito), Fagner (direito), Alex Sandro (esquerdo) e Filipe Luís (esquerdo)

Zagueiros:

Éder Militão, Marquinhos, Miranda e Thiago Silva

Meio-campistas

Allan, Arthur, Casemiro, Fernandinho, Lucas Paquetá, Philippe Coutinho.

Atacantes:

David Neres, Everton, Firmino, Gabriel Jesus, Neymar e Richarlison.

Portal: Terra

Náutico luta, mas sofre gol no fim e é eliminado na semifinal do Nordestão pelo Botafogo da Pb que vai decidir o titulo contra o Fortaleza

 

Faltou inspiração, mas sobrou luta para o Náutico. Ainda assim, esta não foi suficiente para o Timbu alcançar à inédita final da Copa do Nordeste. Mesmo após buscar o empate com Tarcísio Martins e tendo o goleiro Bruno defendendo pênalti na etapa complementar, o Alvirrubro sofreu o segundo gol aos 44 minutos do segundo tempo e perdeu para o Botafogo-PB por 2 a 1 nesta quinta-feira no estádio Almeidão.

 
Agora, a equipe comandada por Márcio Goiano vira a chave novamente para o Campeonato Brasileiro da Série C, onde voltará à campo neste domingo, contra o Ferroviário, às 18h, no estádio dos Aflitos, pela terceira rodada da competição.
 
O JOGO
 
O jogo começou intenso, com o Botafogo-PB partindo para cima. O Náutico - com cinco desfalques -, por sua vez, adotou uma postura mais cautelosa, iniciando a marcação no próprio campo, atuando de forma compacta. Para passar pelo bloqueio Alvirrubro, o Belo apostou em ligações diretas. E assim surgiu o primeiro grande susto para a meta Timbu. 
 
Após Nando receber lançamento, Bruno se precipitou na saída do gol e o centroavante cruzou rasteiro para Juninho que, sem goleiro, finalizou em cima de Camutanga. Aos oito, novamente uma chegada do Alvinegro por meio da bola longa. Dessa vez, o lateral Israel recebeu nas costas de Assis e cruzou, mas a defesa do Náutico afastou de novo com Camutanga. 
 
O Belo seguiu pressionando e aos 11 minutos quase abriu o placar. Em cobrança de falta na entrada da área, Marcos Aurélio caprichou e acertou o travessão. O Náutico, contudo, equilibrou rapidamente as ações. Aos 14, em jogada de Lucas Paraíba para Odilávio, o atacante entrou na área e, de frente para o goleiro, tocou para Wallace Pernambucano que, livre na pequena área, furou de forma incrível. 
 
O Timbu não demorou para assustar mais uma vez. Três minutos depois, Luiz Henrique cruzou para Wallace que se antecipou ao zagueiro e cabeceou com precisão, exigindo grande defesa de Saulo. Após essa alternância de chegadas, as equipes diminuíram o ímpeto, deixando a partida mais truncada na faixa central. 
 
Com uma atuação discreta de Wagninho e Lucas Paraíba, o Timbu pouco conseguiu reter a bola. Com mais posse, o Botafogo-PB voltou a atacar apenas no fim do primeiro, em jogadas pelas laterais. Na melhor delas, Nando imitou Wallace Pernambucano e furou o chute na pequena área, com a barra aberta. Apesar da igualdade no placar, o Timbu desceu para os vestiários tendo sido levemente inferior.
 
SEGUNDO TEMPO
                                                                                                                                            O segundo tempo começou sem substituições e de forma similar ao primeiro, com o Botafogo tentando pressionar desde o início. Mas foi justamente após uma chegada do Náutico que o Belo levou perigo. Aos cinco minutos, em contra-ataque após escanteio para o Timbu, o Alvinegro finalizou de fora da área, exigindo defesa de Bruno. E o goleiro não demoraria a aparecer novamente. Quatro minutos depois, o goleiro abafou bom chute de Nando.
 
E, de tanto martelar, o Belo chegaria ao gol. Aos 12 minutos, Nando recebeu lançamento nas costas da defesa e entrou cara a cara com Bruno, que fez a defesa parcial. No rebote, o centroavante dividiu com Assis e chutou para o fundo das redes.

Treinador lembrou que já trabalhou no Vasco no passado

O Vasco apresentou na última quarta-feira o técnico Vanderlei Luxemburgo. O treinador chega com a incumbência de tirar a equipe cruz-maltina da lanterna do Campeonato Brasileiro. Longe dos gramados desde 2017, o comandante sobre sobre seu retorno.

"É um prazer voltar ao futebol, voltar a fazer aquilo que fiz a vida toda. Poder viver esse ambiente, que está no meu DNA. Voltar ao futebol depois de muito tempo parado, olhando muito bem o que o futebol tem acontecido. As pessoas colocaram como um desafio, mas é uma possibilidade muito boa para o Vasco e para mim. O Vasco está me oferecendo uma oportunidade de voltar a ser o Luxemburgo que vocês questionaram por muito tempo", disse.

Luxemburgo afirmou que procurou se manter atualizado com o futebol neste período distante dos campos. "Nesse tempo parado, você faz uma reciclagem. Você faz uma auto-análise. Eu procurei me adaptar a uma realidade. Não brigar contra ela. Eu não vou conseguir isso. O que eu fiz? Fui estudar e ver o que as pessoas estão falando do futebol", declarou.


O treinador lembrou que já trabalhou no Vasco no passado. "O Vasco não é uma novidade para mim. Já trabalhei no Vasco com o Antonio Lopes. Sei o que o Vasco tem de fazer, suas necessidades. Minha proposta é vir para cá para trabalhar muito e recuperar a auto-estima do clube. É um trabalho que vai dar certo", comentou.

Por fim, Luxemburgo ressaltou que busca alçar o Vasco ao posto de um dos principais clubes do país. "Esse elenco joga no Vasco da Gama, que é uma grande marca, um grande clube. Quando o jogador joga num grande clube desse, ele tem de saber que precisa dar o máximo. No futebol é que o mais fraco pode ganhar do mais forte. Trabalhando no Vasco, você precisa olhar para cima. Nem sempre os melhores elencos são os campeões. O Vasco faz esse elenco se tornar campeão. A grandeza do Vasco faz com que o jogador cresça", falou.

Mesmo sendo apresentado nesta quarta-feira, Vanderlei Luxemburgo só vai iniciar o trabalho com o elenco na próxima segunda-feira por conta de compromissos particulares. No entanto, o comandante confirmou que vai estar no Pacaembu, onde o Vasco encara o Santos, neste domingo, pelo Campeonato Brasileiro.

 

Fonte: df.superesportes

Time desperdiça várias chances contra o time uruguaio, tem jogador expulso e sofre no fim

 Apesar de ter abusado do direito de perder gols, o Flamengo segurou o empate em 0 a 0 com o Peñarol, em Montevidéu, no Uruguai, e avançou em primeiro lugar no Grupo D para as oitavas de final da Libertadores da América.
Se não fossem as três oportunidades claríssimas de gols desperdiçadas pelo Flamengo, a maior de todas no pé de Gabriel, que entrou cara a cara com o goleiro e mandou para fora, a classificação teria sido confirmada com mais tranquilidade.
Mesmo com todo o clima tenso no estádio, ainda reflexo da briga generalizada entre brasileiros e uruguaios na partida do início de abril, o Mais Querido tomou conta do primeiro tempo. Foram seis chances reais de gols contra uma apenas dos donos da casa.
A partida até certo ponto tranquila mudou de rumo aos 18 minutos do segundo tempo, quando o lateral-direito Pará, que estava pendurado com um cartão amarelo, levou outro e foi expulso. Para piorar, a LDU, no Equador, vencia o San José, da Bolívia, por 2 a 0 e, àquela altura, eliminava o Peñarol.
Já nos acréscimos, Vitinho, que tinha entrado na vaga de Gabriel Barbosa, também conseguiu perder outro gol inacreditável de frente com o goleiro do Peñarol. Descontrolados, os uruguaios tiveram um jogador expulso e o jogo acabou numa pequena confusão e com o Flamengo classificado. 
Fonte: O Dia

 

Zidane descarta revolução e almeja evolução no elenco no Real Madrid; Treinador quer manter grande parte da equipe
 

Zinédize Zidane, treinador do Real Madrid tem em mente diversas mudanças para o seu novo ciclo no comando do clube, mas não uma revolução, e sim uma evolução. Apesar da ideia, o treinador não considera mudanças no gol, mas apresenta retoques em todos os setores da equipe, segundo o jornal espanhol AS.

A grande parte dos atletas que o treinador tem à disposição servirá para a próxima temporada. Zidane acredita que as últimas atuações do elenco precisam de mudanças, embora nada fora do comum.

A primeira coisa feita pelo Real para a temporada 2019/20, foi reforçar a defesa com a contratação de Militao. Vale destacar que a transferência já estava fechada quando Zidane retornou ao Santiago Bernabéu.

Ainda assim, um problema inesperado ocorreu: o possível desejo de Varane em deixar o clube. Apesar da saída do defensor ser considerado algo difícil nos bastidores, o Real já está trabalhando em possíveis planos caso isso ocorra. 

No setor de meio-campo, Zidane também acredita que alguns reforços são necessários, especialmente, porque o blancos não querem o retorno de Kovacic. A relação com o croata está completamente quebrada após a saída conturbada do jogador para o Chelsea. Casemiro, por sua vez, baixou muito o seu desempenho nesta temporada, feito que preocupa Zidane e aumenta o interesse em Ndombelé, do Lyon. Além disso, o treinador francês sempre deixou claro o interesse por Paul Pogba.

Paul Pogba Real Madrid      (Foto: Getty Images/Goal)

Outras opções estão sendo consideradas para reforçar essa demarcação. Porém, dependerá muito do que acontecer com o Isco ao longo dos dias, cuja continuidade no clube ainda não foi definida. Isco tem um problema sério: irritou tanto o clube quanto seus companheiros de equipe. A indisciplina que o mesmo mostrou no comando de Santiago Solari o deixou marcado negativamente, e se uma boa oferta chegar, será ouvida.

Na frente, a prioridade de Zidane é Hazard, já que o Real considera que Mbappé é quase impossível. O atacante do PSG é o que desperta maior interesse, mas ao que tudo indica, sua contratação não é viável. 

Neymar não é considerado mais um objetivo no clube. O treinador é a favor de apenas um grande jogador para o ataque já que demonstra confiar em Vinicius Júnior e Asensio.

 

Fonte: goal.com/br

 

Botafogo-PB pega o Nacional de Patos e o Atlético-PB enfrenta o Campinense nas semifinais da competição estadual

A 10ª rodada do Campeonato Paraibano 2019 foi marcada por cinco jogos na noite desta quarta-feira (27). Nos duelos, o Botafogo-PB garantiu a classificação com a liderança geral da primeira fase, vencendo por 2 a 0  o CSP, que acabou rebaixado para a segunda divisão do Estadual. O Atlético de Cajazeiras derrotou o Sousa por 1 a 0 e sustentou a ponta do Grupo B. O Nacional de Patos conseguiu a classificação às semifinais ao superar o rival Esporte, por 3 a 1. O Campinense, mesmo derrotado por 1 a 0 pelo Treze, conseguiu avançar à fase seguinte. A rodada ainda teve um empate em 3 a 3 entre Perilima e Serrano, que caiu para a segundona.

Com os resultados, ficam definidas as disputas das semifinais. O Botafogo-PB pega o Nacional de Patos e o Atlético-PB enfrenta o Campinense.

CSP 0 x 2 Botafogo-PB

Em partida realizada no Estádio Almeidão, em João Pessoa o primeiro tempo começou truncado, com as equipes explorando as partes mais enxutas do gramado para trocar passes. Porém, quem tomou a primeira atitude decisiva foi o Belo. Em jogada de Adalgiso Pitbull, o zagueiro Bahia colocou a mão na bola dentro da área e o árbitro marcou pênalti. Aos nove minutos, Fábio Alves abriu o placar para o Botafogo-PB.

Aos 41 minutos do segundo tempo, em uma bela trama na entrada da área, o atacante Paulo Renê tocou para Adalgiso Pitbull, que ajeitou para o volante Rogério, que chutou forte para o fundo das redes do goleiro Wallace, garantindo a vitória do Belo.

Atlético-PB 1 x 0 Sousa

No estádio Perpetão, em Cajazeiras, o Trovão fez a lição de casa, resistiu à pressão do Dinossauro e conquistou a vitória com gol do atacante Bruno, aos 40 minutos do segundo tempo. Após bonita triangulação, o camisa 9 aproveitou e mandou a bola para as redes.

Esporte 1 x 3 Nacional

O Nacional começou a trilhar o caminho para a vitória no estádio José Cavalcanti, em Patos, logo aos cinco minutos do primeiro tempo. Isaías colocou a bola na frente e foi puxado em lance dentro da área. O árbitro marcou pênalti. Três minutos depois, o próprio Isaías partiu para a cobrança e marcou o primeiro gol do jogo.

O Esporte chegou ao empate aos 20 minutos. Em contra-ataque, Jó Boy recebeu em profundidade, puxou para o meio e soltou chute. A bola foi morrer no cantinho esquerdo da rede. O Naça, no entanto, não se abalou e, aos 27 minutos, fez o segundo gol. Atuando como lateral, Birungueta bateu falta em direção do gol. Ninguém desviou e a bola acabou no fundo da meta. O Canário fechou o placar logo no primeiro minuto do segundo tempo, com gol de Jairo.

Campinense 0 x 1 Treze

A partida no estádio Amigão, em Campina Grande, marcou o fim de uma péssima campanha do Treze na edição 2019 do Paraibano. O Clássico dos Maiorais, contra o rival Campinense, acabou com vitória da equipe alvinegra com gol de Vanger, logo aos dois minutos do primeiro tempo. Após lançamento preciso de Coppetti para Matheus, o lateral fez cruzamento e o atacante, livre de marcação, marcou o único gol do jogo.

Perilima 3 x 3 Serrano-PB

No estádio presidente Vargas, em Campina Grande, as equipes entraram em campo para jogar a permanência na divisão de elite do futebol paraibano. A partida foi movimentada e terminou com um empate em 3 a 3, com gols de Lucas Silva (2) e Cristiano, pela Perilima; e Darlan, Lucas Silva e Ferreira, pelo Serrano-PB. Com o resultado, o Lobo da Serra, que precisava da vitória, foi rebaixado. A Perilima, por sua vez, assegurou a permanência na 1ª divisão.

Fonte: Gabriel Botto, do Jornal Correio

O Botafogo está em negociações avançadas para contratar Diego Souza, do São Paulo. Caso os últimos detalhes sejam alinhavados e haja a assinatura com o clube da Estrela Solitária, o atacante entrará para uma seleta lista de jogadores que vestiram a camisa dos quatro grandes clubes do Rio de Janeiro.

LANCE! cita alguns casos icônicos e, no geral, bem-sucedidos. Confira abaixo:

 

LÉO MOURA

 

 
Leo Moura
Leo Moura, em ação pelo Flamengo (Foto: Divulgação)


Natural de Niterói (RJ), Léo Moura deu os seus primeiros passos como profissional com a camisa do Botafogo, em 1997 - antes de passar pelas categorias de base do Linhares Esporte Clube, do Espirito Santo. Pelo clube alvinegro, na segunda passagem, chegou a atuar até como meia. 

De marcante, Léo virou ídolo no Flamengo, onde ficou de 2005 a 2015 e conquistou títulos importantes, como duas Copas do Brasil, um Brasileiro e cinco Cariocas. Antes, vestiu as camisas de Vasco (2002) e Fluminense (2004). 

VÁLBER 

Válber - Ex-Flamengo e Fluminense
Válber fez história nos clubes cariocas (Foto: Divulgação)

Multicampeão ao longo da carreira, o zagueiro Válber também atou nos quatro grandes cariocas. O primeiro foi o Fluminense, em uma de suas três passagens (de 1990 a 1991, em 1999, quando foi campeão da Série C, e em 2002). 

Neste ínterim das passagens pelo Tricolor, Válber vestiu as camisas dos três arquirrivais. Pelo Flamengo, chegou a conquistar o Campeonato Carioca em 1996, enquanto no Vasco, em 1997 e em 1998, integrou o grupo campeão brasileiro e da Libertadores, respectivamente - além de ser campeão estadual. Pelo Botafogo, acumulou duas passagens, no início e final dos anos 1990. 

AFONSINHO

Afonsinho
Afonsinho ficou marcado também fora de campo (Foto: Reprodução)

Afosinho é um dos personagens mais simbólicos do nosso futebol. Isso porque, ele ficou conhecido por ter sido o primeiro jogador brasileiro a ter "passe livre" e conseguir decidir onde jogaria - o episódio culminou em um documentário (Passe Livre, dirigido por Oswaldo Caldeira).

Afosinho, por usar cabelos compridos e cultivar uma longa barba ruiva, foi proibido de jogar futebol (e mesmo de treinar) no Botafogo, onde chegou a ser ídolo e conquistou o Brasileiro de 1968. Ainda teve uma passagem rápida pelo Vasco, em 1971, antes de jogar pelo Flamengo (1973 a 1974) e Fluminense, clube no qual encerrou a carreira, em 1982.

LEANDRO ÁVILA

Leandro Ávila - Vasco
Leandro Ávila pelo Vasco (Foto: Reprodução)

Revelado pelo Vasco, em 1991, Leandro Ávila conquistou o tricampeonato estadual de 1992-1993-1994. Em 1995, foi para rival Botafogo, sendo destaque na campanha do título do Brasileiro daquele ano. Leandro também vestiu a camisa do Fluminense, em 1997. 

No ano seguinte, Leandro Ávila transferiu-se para o Flamengo e conquistou títulos relevantes, como mais um tri do Estadual (1999, 2000 e em 2001), uma Copa Mercosul e uma Copa dos Campeões do Brasil. Ainda retornou ao Botafogo, antes de jogar pelo Flamengo pela última vez - a derradeira no futebol carioca em alto nível, em 2002.  

JÚLIO CÉSAR

Julio Cesar - Paysandu x Vasco
Júlio César, em passagem recente pelo Vasco (Foto: Divulgação) 

Recém-aposentado com a camisa do Boavista, Júlio César jogou pelo Vasco recentemente, mais preciso de 2015 a 2017, e foi campeão carioca. O primeiro dos grandes foi o Flamengo, onde subiu para os profissionais e chegou a ser chamado de Júlio Moraes, pois já havia outro Júlio César no elenco, o goleiro e ídolo. Também levou o Estadual.

No Botafogo, o lateral-esquerdo atuou em 2013 e 2014 e ajudou na campanha do Carioca de 2013. No Fluminense, um pouco antes, de 2010 a 2012, estava no grupo campeão brasileiro. 

 

RENATO SILVA

Renato Silva - Flamengo
Renato: jogou no Fla em 2005 e 06 (Foto: Cleber Mendes/Lancepress!)

O zagueiro Renato Silva chegou a fazer um rodízio de rivais cariocas em sequência. Entre 2005 e 2006, jogou no Flamengo - e foi campeão da Copa do Brasil. Em seguida, deixou o Rubro-Negro e foi para o Fluminense, em 2007, quando voltou a levar o torneio nacional de mata-mata e, em 2008, vestiu a camisa do Botafogo.

Já pelo Vasco, Renato Silva encerrou o ciclo de gigantes do Rio e atuou por lá de 2011 até 2013. E adivinha? Novamente foi campeão da Copa do Brasil (2011). 

PAULO CÉSAR CAJU

Paulo Cesar Caju
Paulo César Caju tem um currículo invejável (Foto: Reprodução)

Campeão mundial com a Seleção Brasileira em 1970, Paulo César Caju foi revelado pelo Botafogo, e projetado em 1967, um ano antes de levantar o caneco de campeão brasileiro pelo Glorioso, onde ficou até 1972. Depois, rumou para o Flamengo, cuja passagem durou duas temporadas e lhe rendeu dois títulos estaduais. 

A carreira de muito sucesso de Paulo César Caju ainda contou com a passagem pelo Fluminense nos dois anos seguintes, quando também foi duas vezes vencedor do Carioca. Em 1980, jogou também pelo Vasco.

 

CLÁUDIO ADÃO

Claudio Adao Flamengo
Cláudio Adão pelo Flamengo (Foto:Reprodução)

Cláudio Adão está entre os maiores ídolos do Flamengo, onde foi campeão brasileiro em 1983 - antes já havia vestido a camisa rubro-negra, ainda no início da década de 1970. Pelo Vasco, Adão teve duas passagens (1981 até 1982 e 1985), sendo campeão estadual em duas oportunidades.

O título do Carioca também foi comemorado por ele quando representou o Fluminense, em 1980, e pelo Botafogo, clube no qual vestiu o uniforme alvinegro em três oportunidades (1980, 1984 e 1988).

MOISÉS

Moisés - Vasco
Moisés, zagueiro duro e vitorioso (Foto: Divulgação/Vasco)

Conhecido pela fibra dentro das quatro linhas, o zagueiro Moisés ficou conhecido pela seguinte frase: "Zagueiro que se preza não pode ganhar o Belfort Duarte", ironizando o prêmio que era dado aos jogadores mais disciplinados. Ele foi campeão brasileiro em 1968, pelo Botafogo, e,  
em 1974, pelo Vasco. 

No Flamengo, Moisés jogou em 1978, e no Fluminense em 1978. Ele chegou a disputar uma partida em 1973 pela Seleção, quando jogava pelo Vasco.

CARLOS ALBERTO DIAS

Carlos Alberto Dias - com a camisa do Botafogo
Carlos Alberto Dias pelo Botafogo (Foto: Reprodução)

Meia de muita habilidade, Carlos Alberto Dias jogou no time do Botafogo bicampeão carioca em 1990 e ficou por lá até 1992, quando foi vice-campeão brasileiro pelo clube de General Severiano. 

Jogou no Vasco em 1993, quando foi campeão carioca novamente, no Flamengo em 1994 e no Fluminense em 1998. Hoje em dia, se aventura como treinador de futebol. 

Fonte: portal Lance

 

 

O jovem chegou oriundo do Flamengo no início de 2018/2019 e já soma 25 jogos no time principal do clube, sendo 16 partidas como titular enquanto Messi. O garoto já marcou quatro gols, além de ter servido outros oito.

Não se pode comparar Lionel Messi com Vinicius Jr. Afinal, o camisa 10 do Barcelona é um dos melhores jogadores da história do futebol e está até mesmo sendo comparado com Pelé. Mas em questão de números e início de temporada, o do jovem atacante do Real Madrid tem sido melhor do que o do argentino quando estreou como profissional no time catalão.

Messi fez a sua primeira partida oficial em 2004, tinha 17 anos e substituiu Deco. Ele tinha um a menos em relação a Vinícius. Em sua primeira temporada (2004-05), disputou um total de nove partidas – apenas duas como titular. O primeiro gol foi contra o Albacete, pela Liga Espanhola.

Messi também não era titular absoluto na equipe treinada por Frank Rijkaard na temporada seguinte de 2005-2006, mas foi mostrou que seu talento era grande. Foram oito gols e quatro assistências em 25 jogos. Disputou semifinal de Champions League, mas uma lesão muscular lhe tirou da decisão vencida sobre o Arsenal.

A primeira temporada de Vinicius Jr. no Real Madrid é muito melhor. O jovem chegou oriundo do Flamengo no início de 2018/2019 e já soma 25 jogos no time principal do clube, sendo 16 partidas como titular enquanto Messi. O garoto já marcou quatro gols, além de ter servido outros oito.

Leva a melhor na comparação com os primeiros 25 jogos do argentino, e já iguala em participações diretas para os tentos anotados na primeira temporada regular do argentino, 2005-06.

Portal Extra

 
Terça, 19 Fevereiro 2019 22:08

Botafogo carioca deixa de arrecadar R$ 1 milhão

Escrito por

Tinha até camarote reservado para o presidente da Câmara no Mané: entenda a frustração do Botafogo com a desistência do Vasco de jogar em Brasília

A crise na relação entre as diretorias dos principais clubes do Rio ganhou mais um capítulo nesta terça no desfecho do local do clássico entre Botafogo e Vasco neste fim de semana. Depois de o Flamengo se negar a enfrentar o Botafogo fora do Rio; e de Vasco e Fluminense disputarem o setor sul do Maracanã na final da Taça Guanabara; é a vez de o Botafogo se queixar do Vasco. O campeão do primeiro turno mudou de ideia e se recusou na última hora a disputar o clássico do fim de semana em Brasília. O blogapurou que o valor da cota fixa (R$ 300 mil para cada clube), avião fretado da companhia aérea Azul, dois hotéis no centro da cidade e até um camarote para o presidente da Câmara dos Deputados estavam reservados.

Como o blog publicou no último sábado, o Glorioso havia vendido o mando de campo da partida válida pela primeira rodada da Taça Rio para Brasília. O jogo seria disputado neste sábado, no Mané Garrincha, às 17h, mas a mudança de planos da diretoria cruz-maltina oficializou o duelo no Nilton Santos, às 19h30, e irritou a cúpula alvinegra. Em janeiro, o Flamengo também havia prejudicado o Botafogo na negociação do jogo com Manaus e Brasília. Em grave crise financeira, o clube de General Severiano receberia R$ 700 mil no confronto com o rubro-negro e R$ 300 mil diante do Vasco. Logo, deixou de faturar R$ 1 milhão.

A irritação do Botafogo com o Vasco diz respeito principalmente à pressa do arquirrival para receber a cota fixa prometida pelos promotores do clássico deste fim de semana. A diretoria exigia o depósito de R$ 337 mil até o fim da tarde de segunda-feira. Do total, R$ 300 mil referia-se à cota fixa para jogar em Brasília; e R$ 37 mil para aquisição de passagens no deslocamento de Vitória (ES) para Brasília após o duelo com o Serra pela segunda fase da Copa do Brasil. Em vez de retornar ao Rio para depois embarcar rumo ao DF, o Vasco pretendia viajar direto da capital capixaba para cá. Incluindo diárias de hotel e alimentação isso representaria gasto extra de R$ 70 mil para os promotores do jogo.

Os empresários chegaram a topar o pagamento do deslocamento , mas alegaram que só poderiam transferir o dinheiro na manhã desta terça-feira. Diante do impasse, o Vasco desistiu do acordo para jogar em Brasília e aborreceu o Botafogo.

Além da cota fixa de R$ 300 mil, os dois clubes viriam a Brasília com tudo pago. O blog apurou que um voo da companhia aérea Azul foi fretado por R$ 375 mil. A aeronave traria os dois times e representantes da Ferj que trabalhariam na partida. Como o Vasco queria embarcar de Vitória para Brasília, usaria o avião apenas na volta. Dois hotéis da capital também estavam locados para acomodar as delegações com direito a pensão completa.

Mandante da partida, o Botafogo chegou a pedir aos promotores do clássico camarote exclusivo no Mané Garrincha para um torcedor ilustre do clube: Rodrigo Maia (DEM-RJ), presidente da Câmara dos Deputados, era um dos convidados da cúpula alvinegra. O clube apostou inclusive na influência política para trazer o clássico para Brasília, mas nem mesmo o Governo do Distrito Federal foi capaz de convencer o presidente do Vasco, Alexandre Campello, a mudar de ideia. Com isso, Botafogo e Vasco se enfrentarão no Nilton Santos.

No início deste ano, o Botafogo tentou trazer para Brasília o duelo contra o Flamengo. No entanto, não houve acordo com a diretoria rubro-negra. Cada clube faturaria cota de R$ 700 mil, mas o clube da Gávea não aceito jogar em Manaus nem em Brasília. O confronto aconteceu no Estádio Nilton Santos. Na ocasião, o Flamengo preferiu ficar no Rio e frustrou o Botafogo. O arquirrival alegou que acabara de chegar de uma viagem longa para Orlando, nos Estados Unidos, onde havia disputado a Florida Cup.

O regulamento do Campeonato Carioca permite a realização de jogos da fase classificatória fora do Estado. Porém, os clubes, as federações e a tevê detentora dos direitos de transmissão (Globo) precisam concordar com a mudança. “Excepcionalmente, havendo acordo entre as partes e anuência da Ferj, qualquer partida do campeonato poderá ser realizada fora do Estado do Rio de Janeiro. Tal disposição não se aplica às partidas do turno semifinal e turno final do campeonato”, diz o artigo 58 nas “Disposições Gerais”.

 

Fonte: blogs correiobraziliense

 

Pagina 1 de 3
JR Esquadrias