Social (10)

O convívio intenso em virtude da quarentena tem sobrecarregado física e emocionalmente as famílias brasileiras

A procura por divórcio tem aumentado durante o período de isolamento social provocado pela pandemia da covid-19. Segundo a advogada da área de Família e Sucessões, Débora Guelman, o convívio intenso em virtude da quarentena tem sobrecarregado física e emocionalmente as famílias brasileiras.

“Esse isolamento social forçado pela pandemia aumenta o convívio entre os casais e justamente esse aumento do convívio gera conflitos. Por conta disso, a probabilidade de haver mais divórcios é muito maior”, disse Débora Guelman, em entrevista à Rádio Nacional.

A advogada afirma que cerca de 70% dos pedidos de divórcio são iniciados pelas mulheres, e a reclamação mais frequente é a tripla jornada. “Essas mulheres trabalham, cuidam dos filhos e cuidam da casa. Então, elas não aguentam relacionamentos machistas”, afirmou.

No Brasil há dois tipos de divórcios. No mais simples, chamado de “extrajudicial”, casais podem se separar de forma mais rápida, pelo cartório, amigavelmente. Já o divórcio judicial ou litigioso é realizado diante de um juiz e envolve questões mais complexas como falta de consenso entre o casal, partilha de bens, pensão e guarda de filhos.

“Se divorciar não é um processo rápido, pelo contrário. É um processo demorado e muito doloroso. Principalmente no aspecto emocional e no aspecto financeiro. Então, essa decisão de se divorciar envolve diversos fatores, que são impedimentos até para pessoa efetivar esse divórcio. Normalmente, a pessoa pensa por um ano e meio, até dois anos, antes de se efetivar o pedido”, explicou Débora Guelman.

Apoio

Em Belo Horizonte, um grupo terapêutico formado por três psicólogas e a advogada Gabriela Sallit foi criado para auxiliar mulheres que estão passando por esse momento. O grupo se reúne por meio de uma plataforma online, com participação de três a seis pessoas.

“O isolamento causado pela pandemia acirrou os conflitos nas relações, mas, por outro lado, dificultou o acesso aos advogados e ao Judiciário; e a recursos essenciais em uma separação, como mudar de casa, por exemplo”, explicou a psicóloga Lívia Guimarães, uma das responsáveis pela condução do grupo.

O grupo reúne mulheres que passam pelo momento pós-divórcio e aquelas que ainda estão se preparando para tomar essa decisão.

“Muitas vezes elas não têm com quem compartilhar suas angústias, suas dores, não tem o conhecimento de outras para aprenderem, não tem o acolhimento de quem passou pelo que elas estão vivendo”, disse a psicóloga.

Segundo Lívia Guimarães, depois do atendimento em grupo, as mulheres passam por uma escuta individual para orientações específicas.

“A posteriori do grupo, ofereceremos um plantão de acolhimento individual para essas mulheres entrarem em contato e para que possamos escutá-las na sua singularidade. Não é um dispositivo terapêutico. Mas um espaço para acolher alguma demanda ou sofrimento que por ventura o grupo possa ter desencadeado”, acrescentou a psicóloga.

 

Fonte: Da  Internet

O Conjunto Habitacional Aluízio Campos tem 3.012 casas e 1.088 apartamentos de até 48 metros quadrados, avaliados em R$ 61 mil cada, que beneficiarão 16 mil pessoas.

Bolsonaro entregou na manhã desta segunda-feira (11), em Campina Grande, na Paraíba, 4,1 mil moradias populares a famílias de baixa renda. O presidente fez agradecimentos às autoridades que colaboraram para a conclusão do novo conjunto habitacional, e disse que, na política, “ninguém faz nada sozinho”.

Em suas palavras ele disse“Para administrar esse país, temos que ter bons políticos ao nosso lado e, graças a Deus, o quadro de políticos no Brasil melhorou, e bastante. Temos aprovado muita coisa na Câmara e no Senado, com convencimento, com entendimento. Isso realmente faz uma boa política para o nosso Brasil”, disse ao lado do ministro do Desenvolvimento Regional, Gustavo Canuto, autoridades locais e parlamentares.

O Conjunto Habitacional Aluízio Campos tem 3.012 casas e 1.088 apartamentos de até 48 metros quadrados, avaliados em R$ 61 mil cada, que beneficiarão 16 mil pessoas. Os contemplados com as novas moradias têm renda familiar de até R$ 1,8 mil mensais e, para o sorteio, foram reservadas cotas para famílias com idosos, pessoas com deficiência e crianças com microcefalia.

O empreendimento contou com aporte de R$ 262,5 milhões da União e tem infraestrutura completa, dois ginásios cobertos, três creches, duas escolas, duas unidades básicas de Saúde (UBS), um Centro de Referência de Assistência Social (Cras) e dez praças com academias de saúde.

Materia da Internet

Pesquisa do IBGE aponta que 13,5 milhões de brasileiros viveram com menos do que U$ 1,90 por dia em 2018

extrema pobreza no Brasil bateu recorde em 2018 com mais de 13 milhões de pessoas vivendo com menos de  U$ 2  ao dia, segundo a pesquisa do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgada nesta quarta-feira (6).

Segundo a pesquisa do IBGE, o Brasil tinha cerca de 13,5 milhões de pessoas vivendo com menos de U$ 1,90 ao dia em 2018. O percentual de pessoas na extrema pobreza atingiu no ano passado 6,5% da população brasileira, maior patamar desde o início da pesquisa em 2012.

Em 2017, 6,4% dos brasileiros viviam na extrema pobreza e o menor patamar foi registrado em 2014, de 4,5%.                                                                                                                                                                                           "Em 2018 tínhamos na extrema pobreza o equivalente a mais que as populações de países como Portugal, Grécia e Bolívia", destacou o pesquisador do IBGE Leonardo Athias.                                                                                                                                                                                                O IBGE lembrou ainda que o Bolsa Família, principal programa social do país, tem como foco famílias com renda per capita de até R$ 89 ao mês, enquanto para o Banco Mundial uma pessoa se encontra em pobreza extrema com uma renda per capita de R$ 145 ao mês.                                                                                                                                                                                               "Quando ele [Bolsa Família] foi pensado lá atrás, era próximo da linha de extrema pobreza global. Mas não foi atualizado e criou esse gap de R$ 89 para R$ 145", disse Athias.                                                                                                                                                                                                               Crise econômica aumenta desigualdade                                                                                                                                                                                            O aumento da extrema pobreza no país nos últimos anos, explicou o IBGE, está diretamente ligado à recessão no biênio 2015/2016, que provocou demissões em massa. Parte dessas pessoas só conseguiu retornar ao mercado de trabalho mais tarde, em condições menos favoráveis.                                                                                                                                                     "A crise econômica puxou a pobreza. E para superar isso tem que haver políticas de combate à pobreza, medidas de estímulo ao mercado de trabalho, políticas distributivas para proteger as populações mais vulneráveis desses ciclos econômicas e estimular cada vez mais a educação", avaliou o gerente do IBGE André Simões.                                                                                                                                                                                                                                                                               O maior percentual de população vivendo com menos de U$ 5,50 ao dia foi registrado no Maranhão, de 53%. Na outra ponta está Santa Catarina, onde apenas 8% das pessoas tinham um renda domiciliar inferior a esse valor.                                                                                                                                                                                 Educação no Brasil segue abaixo do patamar internacional                                                                                                                                                                                    Segundo o IBGE, ao longo das últimas gerações houve um aumento considerável no nível de instrução da população brasileira, mas mesmo assim o país está distante do patamar internacional.                                                                                                                                                                                                                                                       A pesquisa mostrou que em 2017 --dado comparável a outros países-- 49% dos brasileiros com idade entre 25 e 64 anos não tinham concluído o ensino médio, mais que o dobro da média dos países da OCDE, cujo percentual era de 21,8%.                                                                                                                                                                O Brasil aparece à frente de países como México, Turquia, Costa Rica e Portugal, mas atrás de diversos outros como Colômbia, Argentina, Chile, África do Sul e a maioria dos europeus, além de Nova Zelândia, Austrália e Japão.                                                                                                                                                                                   "O aumento da escolaridade se deu de forma mais rápida nas gerações mais novas, que se beneficiaram do processo recente de expansão da educação básica e do ensino superior. Mas mesmo assim está abaixo da média da América Latina", disse a pesquisadora do IBGE Betina Fresneda.                                                                                                                                                                                                                     "Temos uma dívida educacional muito grande a ser pagar e uma inércia das nossas políticas públicas que ganharam mais força na década de 1990", completou a pesquisadora.                                                                                                                                                                                                                                                                     No Brasil, apenas 19,7% das pessoas com idade entre 25 e 34 anos tinham ensino superior completo em 2017, ao passo que a média da OCDE era de 36,7%, segundo o IBGE.                                                                                                                                                                                                                                                                              Os dados da pesquisa revelaram ainda que o Brasil tinha em 2015 uma das maiores taxas de analfabetismo da América Latina, de 8% das pessoas com 15 anos ou mais. Esse percentual é igual ao da República Dominicana e menor apenas que El Salvador, Honduras e Guatemala.

 

Fonte: Portal terra

 

 

 

Cursos são fruto de parceria da PMJP com o Serviço Nacional de Aprendizagem (Senai) e Aldeias Infantis SOS

A Secretaria de Desenvolvimento Social (Sedes) da Prefeitura Municipal de João Pessoa (PMJP) fechou parceria com o Serviço Nacional de Aprendizagem (Senai) e Aldeias Infantis SOS e passa a oferecer gratuitamente o curso de instalador hidráulico, dentro do programa de capacitação Escola Social. As inscrições estão abertas e podem ser feitas no Centro de Referência da Cidadania (CRC) no bairro de Mangabeira, na Rua Janduy Dantas, S/N.

Estão disponíveis 18 vagas, com carga horária total de 100 h e turmas nos períodos da manhã e tarde. No local também acontecerão as aulas e os critérios para frequentá-las são ter a partir de 16 anos completos e ter cursado até pelo menos o 6º ano do Ensino Fundamental II. Quem se interessar pelo curso também deve apresentar cópia do RG, CPF e dos comprovantes de residência e escolar.

Idosos

O programa Escola Social também está com vagas abertas para os cursos de Informática Básica para Idosos e oficinas de dança. O primeiro tem como objetivo a inclusão digital, autonomia e ampliação dos limites do público da terceira idade utilizando a tecnologia como um instrumento libertador e emancipatório. As aulas acontecem no laboratório da Faculdade Unopar, no bairro de Tambauzinho, e as inscrições podem ser realizadas em qualquer CRC do município.

As oficinas de dança também estão com inscrições abertas, desta vez no Centro Integracional Sinhá Bandeira. Os alunos terão acesso a aulas de Zumba e alongamento, orientados por um professor de educação física. Vale lembrar que as oficinas de dança não têm caráter profissionalizante, mas de proporcionar melhor qualidade de vida aos seus frequentadores. Os critérios são apenas o Número de Inscrição Social (NIS) e o aluno ter a partir de 16 anos. O Sinhá Bandeira fica na Avenida Capitão João Freire, 186, Expedicionários. 

 

 Fonte: Secom / portal correiodaparaiba

"A população de João Pessoa está dando uma grande prova de cidadania e democracia ao sair de casa para se encontrar com a gestão e, através do diálogo, buscar as melhores soluções e investimentos para a cidade". afirmou Luciano Cartaxo

Compromisso com a cidade e confiança no trabalho desenvolvido pela atual gestão da Prefeitura Municipal de João Pessoa (PMJP). Isso é o fator responsável pelo número de pessoas que estão se reunindo, nas noites de quinta-feira, nas Assembleias Regionais do Ciclo 2019 do Orçamento Participativo. Nesta quinta-feira (22), os moradores da 10ª e 11ª Regiões de Participação Popular (RPP) se encontraram com o prefeito Luciano Cartaxo e auxiliares da PMJP na Escola Municipal Violeta Formiga, em Mandacaru, para discutir prioridades e eleger novos conselheiros e conselheiras.

“A população de João Pessoa está dando uma grande prova de cidadania e democracia ao sair de casa para se encontrar com a gestão e, através do diálogo, buscar as melhores soluções e investimentos para a cidade. O calendário do OP é extenso e em todas as ocasiões a população se faz presente por acreditar no trabalho que estamos realizando e tem confiança de que contribuímos muito para a melhoria da qualidade de vida em sintonia com o que ela realmente espera do poder público”, afirmou o prefeito Luciano Cartaxo.

A 10ª Região é formada pelos bairros do Roger, Tambiá e Treze de Maio, além das comunidades Asa Branca, do ‘S’, Felipéia, Vila Japonesa, Riachinho, Terra do Nunca, Buraco da Gia e Cabeça de Burro. Já a 11ª Região engloba os bairros de Mandacaru, Pedro Gondim, Ipês I e II, Bairro dos Estados e Padre Zé, bem como as comunidades Boa Esperança, Jardim Ester, Jardim Mangueira, Beira da Linha, São Pedro, Porto João Tota, Beira Molhada e Rua do Cano.

Investimentos – Está na 10ª Região duas das obras mais representativas da atual gestão, que transforma para muito melhor a vida da população e, com ousadia, está fazendo o que nunca foi feito antes, enfrentando desafios históricos. Exemplo disso é o Novo Parque da Bica, que teve sua primeira etapa entregue no último dia 5 de agosto, em comemoração aos 434 anos da Cidade. Mas além disso, o projeto de urbanização da Comunidade do ‘S’, já em andamento, vai tirar 438 famílias de áreas de risco e de alta insalubridade para oferecer novos lares e equipamentos públicos.

Ainda na 10ª Região foi entregue a requalificação da Unidade de Saúde da Família Integrada do Roger. E muitas obras ainda estão para serem realizadas, como do programa Ação Asfalto em vias importantes, a exemplo da Avenida Airton Sena, e o programa LED nas Ruas que também chegará a diversas ruas da região na etapa já iniciada de implantação no Centro Histórico.

A 11ª Região também já foi contemplada com diversas obras fruto de demandas do Orçamento Participativo, como a requalificação da USF do Bairro dos Ipês e da Policlínica Municipal de Mandacaru, a pavimentação das ruas Monsenhor João Coutinho (Mandacaru), Hilda Parede de Moraes (Alto do Céu), o recapeamento asfáltico da Avenida João Vieira Carneiro (Pedro Gondim), a instalação de câmeras de monitoramento na Escola Violeta Formiga, a reforma da Praça da Cultura (Mandacaru) e entrega da Praça Jardim Mangueira (Mandacaru). Também estão para serem iniciadas obras do Ação Asfalto, Mais Pavimentação e LED nas RUAS na região.

Calendário – As assembleias são a 3ª etapa do ciclo e serão realizadas todas as quintas-feiras, sempre às 19h, até o dia 26 de setembro. Na ocasião, serão homologadas as candidaturas para o Conselho Regional do Orçamento Participativo. Durante as assembléias a fala é aberta a população para que os participantes possam expor suas dúvidas e sugestões.

  • 29/08 – 1ª e 13ª RPP: Escola Municipal Leonel Brizola (Rua Maria Caetano Fernandes de Lima, 488 – Tambauzinho);
  • 05/09 – 5ª e 7ª RPP: Escola Municipal Fenelon Câmara (Rua Adauto Tolêdo, 157 – Geisel);
  • 12/09 – 6ª e 9ª RPP: Escola Municipal Lynaldo Cavalcante (Rua da Ação, 40 – Distrito Industrial);
  • 19/09 – 14ª e 8ª RPP: Escola Municipal Olívio Ribeiro Campos (R. Esmeraldo Gomes Vieira, 195 – Bancários);
  • 26/09 – 3ª e 2ª RPP: Ginásio Hermes Taurino (Rua Prefeito Luís Alberto Moreira Coutinho, 51 – Mangabeira)

 

 

Ea participou de sessão solene no Congresso Nacional

Ao participar hoje (27) da sessão solene pelo Dia Mundial das Doenças Raras, no Congresso Nacional, a primeira-dama, Michelle Bolsonaro, destacou os pacientes que sofrem desses males devem receber a atenção necessária de políticas públicas e também de indústrias farmacêuticas, pesquisadores e profissionais de saúde.

“Estou certa de que os pilares da pesquisa, das políticas públicas e da solidariedade social para abordar as enfermidades raras são decisivos em outros três eixos fundamentais de ação: diagnóstico precoce, acesso a tratamento continuado e a reabilitação”, completou a primeira-dama.

Para a primeira-dama, o fato de aproximadamente 13 milhões de pessoas no país sofrerem de algum tipo de doença rara “não pode ser justificativa” para que deixem de receber os cuidados necessários.

Michelle Bolsonaro lembrou que as doenças raras são crônicas, progressivas e degenerativas. “Ameaçam a vida de seus portadores. Essas enfermidades alteram a qualidade de vida não só dos pacientes, mas de toda família, causando dor e sofrimento para os raros e seus cuidadores”, disse.

 A primeira-dama Michelle Bolsonaro e a senadora Mara Gabrilli participam da sessão solene no Congresso Nacional hoje (27), pela manhã, para lembrar o Dia Mundial das Doenças Raras
A primeira-dama Michelle Bolsonaro e a senadora Mara Gabrilli  (PSDB-SP) participam da sessão solene no Congresso Nacional para lembrar o Dia Mundial das Doenças Raras - Marcelo Camargo/Agência Brasil

Frente parlamentar

Sob coordenação do deputado Diego Garcia (Pode-PR), atuará no Congresso Nacional a Frente Parlamentar de Doenças Raras cujo objetivo é debater de forma mais aprofundada as enfermidades e a adoção de políticas públicas que garantam diagnóstico e tratamento de qualidade.

De acordo com a Organização Mundial de Saúde, uma doença é definida como rara quando atinge até 65 pessoas a cada 100 mil indivíduos. Estima-se que existem quase oito mil doenças raras no mundo.

No Brasil, segundo a Associação da Indústria Farmacêutica de Pesquisa (Interfarma), essas doenças afetam em torno de 13 milhões de pessoas. Cerca de 80% é de origem genética, enquanto as demais têm causas infecciosas, virais ou degenerativas.

O Congresso Nacional ganhou iluminação especial para chamar a atenção para o Dia Mundial das Doenças Raras, celebrado em 28 de fevereiro – e 29 nos anos bissextos. À noite, a cúpula e o anexo principal da Câmara dos Deputados fica iluminada de lilás e azul. O Senado garanhará iluminação nos tons de rosa e verde.

Por Paula Laboissière e Ana Cristina Campos                                                     Com informações da Agência Câmara.

Será realizada nesta sexta-feira (20) nas cidades de Campina Grande, Guarabira, Patos, Pombal, Sousa e Cajazeiras, e neste sábado (21), em João Pessoa, a eleição para escolha da nova diretora da API- Associação Paraibana de Imprensa para o triênio 2018/2021.

O  atual presidente,  jornalista João Pinto é candidato à reeleição, tendo como vice, a jornalista Sony Lacerda, diretora de jornalismo do jornal Correio da Paraíba, encabeçam a Chapa 1 – API Sempre Unida.

Compõem a diretoria executiva da chapa, o jornalista Cristiano Machado, na Secretaria Geral e o radialista Edmilson Pereira, na tesouraria.  O radialista Astrogildo Pereira  é candidato à diretoria de base em Campina Grande, Petson Santos, em Cajazeiras, o radialista Levi Dantas, em Sousa.

Na carta programa apresentada pela Chapa encabeçada por João Pinto e Sony Lacerda destaques para as propostas  que acaba com a reeleição na entidade, acompanhada da transparência administrativa, reforma estatuária, inserção da API nos principais conselhos representativos da sociedade, autonomia das representações de base no interior do Estado, reativação a corrida de São Liseu, criação de representações de bases em outras regiões do Estado, entre outras.

Também compõem a chapa 1, os jornalistas Joelma Alves, Joanildo Mendes, Marcus Werick, Messina Palmeira, Carlos Aranha,  Nena Martins, Padre Albeni, Zé Euflávio, Vanderlan Farias, Gil Figueiredo, Antonio Costa, Cleane Costa, Manoelito Freire, Antonio Vicente, Fernando Braz, Jackson Bandeira, Djane Barros, José Valdez, Teresa Duarte,  Damião Lucena, Geovaldo Carvalho,  Naldo Silva entre outros compõe outros cargos da diretoria e do conselho, garantindo representatividade de gênero e regiões do Estado.

O vereador licenciado e atual secretário de Ciência e Tecnologia (Secitec) da Prefeitura Municipal de João Pessoa,  à convite do presidente da Vila Vicentina Júlia Freire, Washington Cardoso, visitou a instituição para conhecer as instalações se comprometeu em adentrar o grupo de defesa da instituição. A Vila Vicentina, que atende 68 idosos no total com idades entre 60 a 109 anos, possui profissionais de enfermagem de plantão 24h e se mantém através de campanhas e doações.


Durval Ferreira afirma que a visita tem o objetivo de conhecer o funcionamento da casa e estabelecer parcerias em forma de ajuda em prol dos moradores. “É sempre bom doar nosso tempo e conhecer outras realidades. Visito esta instituição para estabelecer parcerias em prol dos moradores além de doar um pouco de tempo aos idosos que tanto precisam de atenção. Agora faço parte do grupo de pessoas que mantém essa instituição em funcionamento através de campanhas e mobilizações. Me coloco totalmente à disposição”, afirma o gestor.


De acordo com Washington, apesar de oferecer seis refeições diárias e atendimento de enfermagem 24 horas,  a parte emocional  também precisa de cuidados e a visita é sempre bem vinda. “Pela manhã eles têm uma programação muito pessoal que inclui banho, alimentação, atendimento médico mas, na parte da tarde, a visita é sempre bem vinda. Depois do almoço eles dormem um pouco e, quando acordam, ficam livres para todo tipo de recreações e visitas”, convida o presidente.

--


Assessoria de Comunicação 

Em uma de suas publicações, Gadêlha usa a hastag #GloboGolpista para reclamar do pouco tempo em que a Globo, emissora em que Fátima trabalha, dedicou à defesa de Dilma Rousseff

Apontado como novo namorado da apresentadora Fátima Bernardes, o advogado Túlio Gadêlha recebeu R$ 50 mil da empreiteira Carioca Christiani-Nielsen Engenharia, nas eleições de 2014, de acordo com o site de prestação de contas do TSE (Tribunal Superior Eleitoral). 

Filiado ao PDT de Pernambuco, Gadêlha havia concorrido ao cargo de deputado federal, mas não foi eleito. Segundo o TSE, a empresa consta como uma das doadoras do Comitê Financeiro do PDT e teria recebido cerca de R$ 1,1 milhão. Desse montante, cerca de R$ 50 mil foi repassado à campanha do advogado.

A Carioca Engenharia é citada várias vezes na Operação Lava Jato e em seus desdobramentos, como no pagamento de propina no contrato das obras do Arco Metropolitano, do PAC Favelas e da Linha-4 do Metrô, no Rio. A construtora também aparece como uma das empresas que teria feito pagamentos no exterior aos ex-deputados Henrique Eduardo Alves e Eduardo Cunha, ambos do PMDB.

Em 2014, receber doações de empresas privadas para gastos de campanha não era uma prática ilegal. A reportagem entrou em contato com Túlio Gadêlha, mas não obteve retorno até a publicação do texto. 


NOVO AFFAIR DE FÁTIMA BERNARDES

Túlio Gadêlha é formado em direito pela Universidade Católica de Pernambuco e é presidente da Juventude Socialista do PDT de Pernambuco. Em sua página no Facebook, o advogado também aparece como diretor da Fundacentro, em São Paulo.

Em 2014, Gadêlha se candidatou a deputado federal, mas recebeu apenas 3.495 votos e não foi eleito. Em fotos postadas em sua conta no Facebook, o advogado aparece ligado a movimentos sociais, como a CUT (Central Única dos Trabalhadores) e FUP (Federação Única dos Petroleiros), e em atos em defesa da ex-presidente Dilma Rousseff.

O advogado também é defensor de causas sociais, com a luta por direitos do movimento LGBT, e faz oposição ao governo Michel Temer. Em sua foto de capa no Facebook, Túlio Gadêlha aparece sentado na rampa do Congresso com um cartaz pedindo "Diretas Já".

Em uma de suas publicações, Gadêlha usa a hastag #GloboGolpista para reclamar do pouco tempo em que a Globo, emissora em que Fátima trabalha, dedicou à defesa de Dilma Rousseff, no ano passado.Fátima e o namorado foram flagrados juntos, por um fotógrafo, na noite da última quinta-feira (2). Mas desde setembro já eram vistos juntos. 

Fonte: jaenoticia

O Projeto de Lei 1.009/2017, de autoria da deputada Estela Bezerra

A Assembleia Legislativa da Paraíba (ALPB) aprovou, nesta terça-feira (16), o Projeto de Lei 1.009/2017, de autoria da deputada Estela Bezerra, que assegura o direito de uso do nome social a travestis e transexuais pela Administração Pública do Estado.

De acordo com o projeto, nome social é aquele pelo qual transexuais e travestis se identificam e são identificados pela sociedade. “Isso já é adotado, inclusive pelo Governo Federal, e também é adotado pelo Governo da Paraíba, o que nós estamos fazendo agora é transformar um decreto, que está seguro e que já é rotina nas administrações, em um Projeto de Lei, que garante que isso permaneça”, argumentou Estela. A parlamentar explicou que podem haver casos de constrangimentos em situações nas quais uma pessoa de aparência social feminina seja chamada pelo seu nome masculino, de acordo com seu registro de nascimento. “Quando uma pessoa vai chamar, por exemplo, numa fila, ela tem o seu nome de registro e seu nome social, ela chama pelo nome social, que é similar a aparência da pessoa masculina ou feminina conforme a sua identidade de gênero”, disse.

Os parlamentares também aprovaram, por unanimidade, o Projeto de Lei 284/2015, do deputado Caio Roberto, que proíbe a cobrança de despesas condominiais antes da entrega das chaves aos novos condôminos. “O comprador passa a efetuar o pagamento da taxa condominial a partir da emissão do Habite-se, então esse projeto proíbe e dispõe que essa taxa legalmente só possa ser cobrada a partir da entrega das chaves do imóvel”, declarou Caio Roberto.

A Casa de Epitácio Pessoa ainda aprovou, também por unanimidade, o reajuste salarial para os servidores da Assembleia Legislativa da Paraíba, assim como para os servidores do tribunal de Justiça da Paraíba, através dos Projetos de Lei 1414/2017 e 1393/2017.

PUBLICIDADE

JR Esquadrias