Cidades (103)

o desfecho do processo que sofre o Manaíra Shopping, e seu proprietário, consequente à acusação de ter praticado crime ambiental, ao desviar o curso do Rio Jaguaribe.

O cidadão José Mário Espínola, residente na Capital paraibana, oferece excelente sugestão à Justiça e ao Ministério Público Federal para encerrar o processo em que uma empresa do dono do Manaíra Shopping foi condenada a pagar R$ 10 milhões (corrigidos, seriam R$ 45 milhões) de multa por danos ambientais ao Rio Jaguaribe. Vejam só

                      Prezado Rubens Nóbrega,

Estamos todos acompanhando o desfecho do processo que sofre o Manaíra Shopping, e seu proprietário, consequente à acusação de ter praticado crime ambiental, ao desviar o curso do Rio Jaguaribe.

Causou má impressão a multa atribuída, insignificante diante do prejuízo ecológico acometido. Fiquei sabendo de que algum órgão de defesa do meio ambiente vai recorrer, ou já recorreu.

Foi levantada a possibilidade de o Manaíra Shopping vir a ter uma parte da sua estrutura demolida, exatamente a que desvia o leito do rio.

Concordei com um amigo que chamou a atenção para o fato, de que seria um imenso prejuízo para o estabelecimento comercial. Esse interlocutor aventou a possibilidade de o estabelecimento vir a ser penalizado com a realização de algum encargo, como já aconteceu oito anos atrás, quando presenteou a cidade com a belíssima reurbanização da Avenida Flávio Ribeiro Coutinho, o Retão do Manaíra.

Muito preocupado com a nossa Capital e atento aos dramas urbanos que nela se desenrolam, fiquei pensando numa boa “pena alternativa” para o Manaíra Shopping que ao mesmo tempo poupasse a sua estrutura e ao mesmo tempo compensasse a cidade pelo dano causado. E achei uma tarefa, um verdadeiro Trabalho de Hércules, que, se realizada, transformará num passe de mágica o proprietário do Manaíra Shopping de vilão em herói.

Seria determinar que ele assumisse a REVITALIZAÇÃO DA BARREIRA DO CABO BRANCO, em prazo a ser determinado, desde que viesse a ser um projeto amplamente aprovado.

É um trabalho que está ao alcance dele: tem um batalhão de excelentes técnicos, tem a determinação inesgotável de grande empreendedor que é e, o mais importante, tem o recurso necessário.

Para quem já desviou um rio, desviar o mar será um bom exercício.

Com a palavra a Justiça.

Um abraço,

José Mário Espínola

Cidadão de João Pessoa

 

Para saber mais sobres o embate judicial MPF X Manaíra Shopping, leia

Nota do Manaíra Shopping sobre a condenação dos R$ 10 milhões

MPF recorre de sentença que condenou Manaíra Shopping a pagar R$ 10 milhões por danos ambientais

MP pede bloqueio de receitas e de obras do Manaíra Shopping

 

 

O presidente e candidato à reeleição apresentou algumas das propostas para seu novo mandato

O atual presidente da Associação Paraibana de Imprensa (API) e candidato à reeleição, João Pinto, visitou na última sexta-feira (25) o município de Sousa, no sertão paraibano. O presidente apresentou algumas das propostas para seu novo mandato, caso seja eleito.

Além de conceder entrevista na rádio Líder FM, João Pinto, visitou aliados na cidade sorriso. O candidato à reeleição da API também realizou visitas em Cajazeiras.

Na região do sertão, João, tem como companheiro de chapa o radialista Levi Dantas, que atualmente apresenta um programa matinal na rádio Líder FM de Sousa.

João Pinto tem como concorrente á jornalista Sandra Moura que também fez visitas ao sertão e realizou diversos contatos na cidade de Sousa. As eleições para escolher o novo presidente da API ocorrerão em dois dias, sendo 20 de julho nas cidades do interior e 21 em João Pessoa.

 

 

Fonte: Debate Paraíba

Ações na área da saúde, são demandas frequentes e assim tem sido no nosso Governo, buscando atende-las dentro das possibilidades financeiros disponíveis do município”, disse a Prefeita. 
 
Maria Eunice Pessoa prefeita de Mamanguape autorizou, por meio da Secretaria Municipal de Saúde, a aquisição de duas câmaras frias para serem instaladas para armazenamento, distribuição e logística das salas de vacinas unidades de Atenção Básica no município, entrando em consonância ao que determina o Ministério da Saúde, através do Manual de Frio 2018.
 
Para a coordenadora de Vigilância em Saúde, Gianeide Camargo, a aquisição das câmaras frias representa a garantia da qualidade e conservação dos imunobiológicos também conhecido popularmente como (vacina), pois ela mantém estes imunos numa temperatura constante entre + 2°C até + 8°C não permitindo a oscilação de temperatura. A Coordenadora disse que em caso da falta de energia o equipamento mantém por 48 horas a conservação, garantindo assim a qualidade do imunobiológicos ofertado a população.
 
O secretário da Saúde, Antônio Neto, ressaltou que à aquisição teve como objetivo assegurar que os imunológicos disponibilizados no serviço de vacinação sejam mantidos em condições adequadas, fazendo com que permaneçam com suas características iniciais até o momento de sua administração nos usuários. “Desta forma a Secretaria de Saúde através do Núcleo de Vigilância em Saúde e Atenção Básica realiza as ações de promoção, prevenção de doenças e agravos à população”, acrescentou o Secretário.
 
A prefeita Eunice fez uma visita in loco, recebeu informações sobre o funcionamento dos equipamentos. Eunice disse que vários investimentos serão feitos na pasta da saúde, além dos já realizados. “Temos que fazer gestão para atender as necessidades das pessoas. Ações na área da saúde, são demandas frequentes e assim tem sido no nosso Governo, buscando atende-las dentro das possibilidades financeiros disponíveis do município”, disse a Prefeita.
 
 
 
Fonte:  Assessoria  
 

 

 

O CAU-PB alerta para a necessidade de vistorias por parte das entidades públicas e ações de manutenção pelos proprietários dos imóveis, como prevenção de possíveis acidentes. 

Pelo menos 80 prédios estão em risco iminente de desabar em João Pessoa por falta de manutenção. A informação foi repassada na última sexta (11) pelo presidente do Conselho de Arquitetura e Urbanismo (CAU) da Paraíba, Ricardo Vidal. Os mais críticos são os antigo prédios do INSS e o Edifício Régis, ambos localizados na Rua Duque de Caxias, Centro da Capital, além do Hotel Altiplano. Ele afirmou que os imóveis precisam de intervenções urgentes e a solução apontada seria utilizar as construções em programas de habitação social.
 
O levantamento que apontou risco em cerca de 80 imóveis foi feito pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico da Paraíba (Iphaep), em 2015. Por isso, segundo Vidal, não é possível precisar se esse número aumentou ou diminuiu. “É uma situação preocupante. Esses prédios ocupados estão em risco. O do INSS está assustador e o perigo não é só para quem está dentro, mas para os prédios vizinhos e quem passa perto”, alertou.
 
Segundo Vidal, existe um déficit habitacional muito grande em todo o país, o que não é diferente na Paraíba, nem João Pessoa. Por isso a sugestão de ocupar os prédios com moradia para famílias que não têm onde morar. Durante a reunião realizada pelo Ministério Público semana passada, os conselheiros do CAU, Rogério Nóbrega e Gustavo Nóbrega, defenderam a posição de que essas edificações devem ser reformadas e adaptadas para esse uso.
 
O CAU-PB alerta para a necessidade de vistorias por parte das entidades públicas e ações de manutenção pelos proprietários dos imóveis, como prevenção de possíveis acidentes. A reportagem não conseguiu ouvir o Iphaep para saber detalhes do levantamento.
 
O síndico do Edifício Régis, Almir Fernandes, disse que a administração do prédio, que possui 75 salas, não foi notificada ou recebeu uma fiscalização formal do CAU. Ele disse ainda que o imóvel passa por vistorias periodicamente na estrutura hidráulica e elétrica.
 
Prédio do TJ em risco
 
Nem os prédios ocupados de forma legal escapam do perigo de desabamento. De acordo com o CAU, no mês passado, o prédio sede do Tribunal de Justiça da Paraíba foi interditado pelo Ministério Público do Trabalho (MPT) devido ao perigo de colapso estrutural. No local, as instalações elétricas estão precárias e a cobertura vulnerável, com risco de desabamento. O prédio, que abriga o TJ desde 1939 e fica na Praça João Pessoa, é tombado pelo Iphaep e Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan).
 
 
Brasil
 
O Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Brasil, motivado pela tragédia que ocorreu recentemente em São Paulo, propôs uma Política Nacional de Recuperação dos Centros Urbanos com enfoque especial na habitação de interesse social. Segundo o CAU-BR, a ocupação dos imóveis abandonados nas áreas centrais das cidades é resultado da omissão do Estado, que não priorizou esses espaços para cobrir o crescente déficit habitacional, optando por programas nas periferias urbanas, que afastaram a população trabalhadora da proximidade de seus empregos.
 
“Esses prédios precisam ser ocupados e a melhor opção é com moradia. No Centro tem estrutura como saneamento, vias asfaltadas, e o custo seria mais baixo do que fazer um loteamento distante. Seria interessante e viável para o poder público, até porque a maioria dos prédios é pública, como o do INSS e do Ipase”. Ricardo Vidal, presidente do CAU-PB.
 
 
Sete ocupações irregulares em João Pessoa
 
 
Hotel Altiplano - particular
 
Escola Estadual Índio Piragibe (Varadouro) - pública
 
Fábrica de gelo – (Porto do Capim) – União
 
Curtume – (Porto do Capim) - União
 
Vila Nassau – (Porto do Capim) - União
 
Praça Dom Ulrico - particular
 
Antigo INSS – Duque de Caxias – União.
 
 
 
 
 
 
 
 
Fonte: Da Internet

 

 

O CAU-PB alerta para a necessidade de vistorias por parte das entidades públicas e ações de manutenção pelos proprietários dos imóveis, como prevenção de possíveis acidentes.

A Fenemp teve início no ano passado e percorreu as cidades de João Pessoa, São Bento, Bananeiras e Monteiro com o objetivo de incentivar a geração de empreendedores, oportunidades de negócios, além de promover um ambiente favorável para a interação entre os municípios.

O governador Ricardo Coutinho abriu, na última sexta-feira (4), a primeira edição de 2018 da Feira de Negócios e Empreendedorismo da Paraíba (Fenemp), no Shopping Cidade Luz, em Guarabira. Na ocasião, o chefe do Executivo Estadual assinou mais de R$ 504 mil em contratos créditos, beneficiando 81 empreendedores. O evento acontece até o proximo domingo (6), contando com diversos estandes de empreendedores, palestras, oficinas e promovendo a geração de novo

A Fenemp teve início no ano passado e percorreu as cidades de João Pessoa, São Bento, Bananeiras e Monteiro com o objetivo de incentivar a geração de empreendedores, oportunidades de negócios, além de promover um ambiente favorável para a interação entre os municípios. Este ano, além de Guarabira, a Feira será realizada em Picuí, Campina Grande e Itaporanga.

“Acredito muito no crescimento da economia de baixo para cima, ou seja, a partir das microempresas. O Empreender impulsiona a economia paraibana e se caracteriza como uma porta aberta para os empreendedores que buscam diversificar e ampliar seus negócios”, observou Ricardo Coutinho.

Ainda de acordo com o governador, aproximadamente 65% da geração de emprego na Paraíba vem da microeconomia. “O Empreender é muito importante para o fortalecimento dos empreendedores. A partir da liberação de recursos, os negócios crescem, a renda aumenta e isso movimenta a cadeia produtiva. O Empreender é uma resposta qualificada para a crise, porque só com investimentos é possível vencer esse momento complicado da economia”, comentou.

Segundo a secretária executiva do Empreendedorismo, Amanda Rodrigues, cerca de R$ 140 milhões já foram investidos pelo Empreender, desde a criação do Programa. “Muitos empreendedores tiveram a chance que precisavam para evoluir em seus negócios. A Fenemp é um instrumento que vem mostrando a produção desses empreendedores, gerando ocupação e renda e qualificando o trabalho dos empreendedores. Através do Empreender, eles aumentam seus negócios e contribuem com o desenvolvimento do Estado”, frisou.

O presidente da Assembleia Legislativa da Paraíba, Gervásio Maia, enfatizou que gerar emprego e renda é fundamental para o crescimento do Estado. “A Fenemp se consolida como um projeto importante que dá oportunidade de desenvolvimento para os empreendedores. Que estas pessoas possam ter, cada vez mais êxito em seus negócios”, disse.

Paula Neves é uma das empreendedoras que teve seu crédito liberado durante a solenidade. Com o crédito do Empreender, ela pretende abrir um estabelecimento de venda de alimentos. “Estou pensando em colocar um pequeno mercadinho e o recurso do Empreender vai me ajudar a realizar esse sonho. Hoje trabalho vendendo macaxeira em um ponto no centro de Alagoinha, mas sei que posso avançar e por isso vou agarrar esta oportunidade e investir no meu novo negócio”, comentou.

O Empreender também vai contribuir para que o Ezequias Vieira amplie a empresa de polpa de frutas em Pedras de Fogo. “O valor que vamos receber será muito importante para que a produção artesanal passe a ser industrial com uma capacidade muito maior. Vamos ter máquinas industriais e isso vai mudar a realidade atual. O Empreender veio na hora certa”, afirmou.

Já Maria dos Anjos é uma das expositoras dos estandes da Fenemp de Guarabira. Ela contou que o Empreender deu uma grande ajuda para a ampliação do seu negócio. “Eu faço bolsas e através do Empreender consegui comprar uma máquina de qualidade para costurar e aumentar minha produção. Agora já estou aqui expondo e vendendo meus produtos com muita alegria”, falou.

 

Fonte: Secom-PB

Os menores preços foram encontrados a R$ 6,99 (Dois Irmãos, em Jaguaribe, e Shammah, em Mangabeira), R$ 7,00 (Souza Rangel, no  Rangel), e R$ 7,25 (São Judas Tadeu, no Rangel).

 

A pesquisa foi realizada nos dias 10 e 11 de abril deste ano, em 31 estabelecimentos de 20 bairros da Capital

A pesquisa foi realizada nos dias 10 e 11 de abril deste ano, em 31 estabelecimentos de 20 bairros da capital onde o menor e o maior preços do quilo do pão francês se mantêm inalterados desde o mês de outubro de 2017 em João Pessoa, segundo pesquisa comparativa realizada pela Secretaria Municipal de Proteção e Defesa do Consumidor (Procon-JP), com valores de R$ 6,75 (Panificadora Pão da Vida, em Mangabeira) a R$ 13,90 (Padaria Bonfim, em Tambaú).  A diferença é de R$ 7,15, e variação é de 105,9%.
 
Os maiores preços registrados na pesquisa atual (além do praticado na Padaria Bonfim) foram R$ 12,95 (El Shaday, em 
Cabo Branco), R$ 12,90 (Pão Doce Pão, no Bairro dos Estados), e R$ 10,99 (Fino Pão, nos Expedicionários). A pesquisa foi realizada nos dias 10 e 11 de abril deste ano, em 31 estabelecimentos de 20 bairros da Capital.
 
Menores - Os menores preços foram encontrados a R$ 6,99 (Dois Irmãos, em Jaguaribe, e Shammah, em Mangabeira), R$ 7,00 (Souza Rangel, no  Rangel), e R$ 7,25 (São Judas Tadeu, no Rangel).
 
O secretário Helton Renê orienta ao consumidor que verifique a pesquisa antes da compra diária do pão francês, já que o levantamento de preços do Procon-JP abrange vários bairros da Capital.
 
"Nossa pesquisa cobre 20 bairros de João Pessoa, o que dá opção ao consumidor de comprar o pão de cada dia utilizando o percurso de rotina. Por isso é importante consultar nossa pesquisa para saber onde encontrar esse produto mais barato, o que se, certamente, se traduz em economia", diz Helton Renê.
 
A pesquisa visitou os seguintes estabelecimentos: Eldorado e Almeidão (Cristo); São Judas Tadeu e Souza Rangel (Rangel); Pontes (Cruz das Armas); Dois Irmãos e Jaguaribe (Jaguaribe); Bonfim e Fluminense (Centro); 13 de Maio (Mandacaru); Flor das Neves (Roger); Bariloche e Ipanema (Torre); Fino Pão e Pandelly (Expedicionários); Pão Doce Pão (Bairro dos Estados); Pão da Vida e Shammah (Mangabeira); Castelo Branco (Castelo Branco); Doce Pão (Valentina); Bancários (Bancários); N. S. da Penha (Costa e Silva); Cardoso e N. S. da Penha (Geisel); El Shaday (Cabo Branco); Bessa Pão e Shammah (Bessa); Manaíra (Manaíra); Casa dos Pães e Bonfim (Tambaú).
 

 

Fonte: Secom-JP                                                                            escrito por Evanice Gomes

A obra de duplicação e restauração do acesso ao Aeroporto Castro Pinto tem uma extensão de 780 metros em pista dupla e representa um investimento de R$ 2,2 milhões

O governador Ricardo Coutinho inspecionou, nesta segunda-feira (12), a obra de duplicação e restauração do acesso ao Aeroporto Castro Pinto e, em seguida, acompanhou a entrega de 10 novos ônibus do Consórcio Metropolitano que faz o transporte intermunicipal de passageiros entre Bayeux e João Pessoa, como parte de um acordo firmado pelo Governo do Estado e conduzido pelo Departamento de Estradas de Rodagem da Paraíba (DER-PB), a fim de melhor atender a população.

Os ônibus entregues são adaptados com plataforma elevatória, assentos especiais e motorização eletrônica. Para o governador Ricardo Coutinho, a obra do acesso ao Aeroporto é fundamental porque envolve o desenvolvimento do turismo, por isso o ritmo está acelerado e a ação deve ser concluída até julho.



"A gente tem um aeroporto com uma demanda crescente e é preciso que o acesso seja bom para dar mais conforto e deixar uma boa impressão para os turistas que visitam a Paraíba. O Governo do Estado tem um cuidado muito grande com as ações de mobilidade urbana e com intervenções que reforçam a perspectiva de crescimento do turismo", afirmou o governador.

A obra de duplicação e restauração do acesso ao Aeroporto Castro Pinto tem uma extensão de 780 metros em pista dupla e representa um investimento de R$ 2,2 milhões. Os principais serviços executados são: terraplenagem em cortes e aterros, pavimentação alfáltica em CBUQ, sistema de drenagem para águas subterrâneas e pluviais, iluminação ornamental, calçadas, ciclovia e sinalização.



Sobre os novos ônibus, o governador avaliou que, após a implantação do Consórcio Metropolitano, em fevereiro de 2017, a população está sendo melhor atendida pelo transporte urbano. "A entrada de um novo consórcio no ano passado foi essencial para Bayeux, que antes tinha ônibus velhos, com pneus inadequados, enfim, hoje toda a frota é acessível e oferece mais conforto para os usuários", frisou.

Segundo o superintendente do DER, Carlos Pereira, o Consórcio Metropolitano  é integrado pelas empresas Reunidas, Santa Maria, Santa Rita e Das Graças, as quais "mobilizam 31 ônibus novos e seminovos para atender, aproximadamente, 12 mil usuários de transporte coletivo por dia".



As empresas que compõem o Consórcio Metropolitano fazem as seguintes linhas: João Pessoa/Bayeux (Aeroporto); João Pessoa/Bayeux (Imaculada); João Pessoa/Bayeux (Mário Andreazza); João Pessoa/Bayeux (Sesi); João Pessoa/Bayeux (Tambaí) e João Pessoa/Bayeux (Jardim Aeroporto).

"Antes do Consórcio Metropolitano, alguns ônibus pareciam que iam quebrar no meio do caminho. As condições eram muito ruins e a gente era quem sofria. Hoje o povo tem ônibus novo e seguro para ir e vir de Bayeux a João Pessoa. Eu mesma moro aqui em Bayeux, mas trabalho no Centro de João Pessoa, então todos os dias tenho que pegar ônibus", comentou a vendedora Lúcia Gomes - Secom-PB.

 

Fonte: Carlos Magno

 

 

 

Rachaduras apareceram nas paredes de residências dos locais afetados e o asfalto cedeu em algumas ruas

Um tremor de terra causou pânico em Maceió, capital de Alagoas, na tarde deste sábado (3/3). Por conta do abalo sísmico, o asfalto cedeu em algumas ruas e diversas residências apresentaram rachaduras. A Defesa Civil está fazendo uma ronda nos bairros da capital para avaliar os danos. Desesperados, moradores esvaziaram saíram de vários prédios e foram para o meio da rua.

 

O Corpo de Bombeiros de Maceió informou que recebeu diversos chamados de moradores assustados. Até o momento, não existem relatos de feridos. O tremor foi sentido nos bairros de Pinheiro, Serraria, Farol, Bebedouro, Jatiúca e Cruz das Almas. Pouco antes da terra se movimentar, a chuva que atingia a cidade alagou ruas e prejudicou o trânsito. Buracos que já estavam abertos nas vias cresceram com o movimento do asfalto.
 
Diversos moradores relataram o fenômeno nas redes sociais. O músico Luiz Gustavo, morador da capital alagoana, relatou pelo Twitter que se assustou com o abalo sísmico. "Meu prédio tremeu. Achávamos que era problema na estrutura. Mas as notícias informam que o tremor atingiu vários bairros. Coisa de maluco, nunca vi isso por aqui", afirmou. 
 
O professor George França, do Laboratório Sismológico da Universidade de Brasília, afirmou que os equipamentos da instituição não detectaram ondas mecânicas em decorrência do abalo, mas tudo indica que a região foi atingida por um terremoto. "Conseguimos ver um sinal. Mas não conseguimos detectar a magnitude. É possível que tenha sido pequena. A única instituição que pode ter detectado esse abalo é a Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN)", afirmou.
 

Um tremor de terra causou pânico em Maceió, capital de Alagoas, na tarde deste sábado (3/3). Por conta do abalo sísmico, o asfalto cedeu em algumas ruas e diversas residências apresentaram rachaduras. A Defesa Civil está fazendo uma ronda nos bairros da capital para avaliar os danos. Desesperados, moradores esvaziaram saíram de vários prédios e foram para o meio da rua.

O abastecimento de água será interrompido, a partir das 8h30 até as 19h, nos bairros do Centro, Jaguaribe, Tambiá, Cordão Encarnado, Róger, Baixo Roger, Varadouro, Ilha do Bispo, Cidade Padre Zé, Alto do Mateus, Porto de João Tota, Salinas Ribamar e Vem-vem.

A Companhia de Água e Esgotos da Paraíba (Cagepa) vai executar, nesta quinta-feira (1º), uma parada no sistema adutor de Marés para a manutenção em um conjunto motor bomba.

Com isso, o abastecimento de água será interrompido, a partir das 8h30 até as 19h, nos bairros do Centro, Jaguaribe, Tambiá, Cordão Encarnado, Róger, Baixo Roger, Varadouro, Ilha do Bispo, Cidade Padre Zé, Alto do Mateus, Porto de João Tota, Salinas Ribamar e Vem-vem.

Mais informações sobre os serviços executados pela Cagepa podem ser obtidas gratuitamente pelo telefone 115, que agora também atende ligações de celular.

 

Houve registro de chuva nas cidades de Coxixola, Parari, Serra Branca, Sumé, Cordeiros, Livramento, Santo André e Caraúbas

A chuva que atingiu a região do Cariri elevou o volume do Rio Paraíba, em São Domingos do Cariri, no trecho que recebe as águas do Rio São Francisco. Moradores da região registraram o momento, nessa sexta-feira (23), na passagem que dá acesso à comunidade das Porteiras.

Houve registro de chuva nas cidades de Coxixola, Parari, Serra Branca, Sumé, Cordeiros, Livramento, Santo André e Caraúbas. Para hoje a previsão da Agência Estadual de Gestão as Águas (Aesa) é de nebulosidade variável, podendo chover em pontos isolados entre a tarde e a noite.

Escrito por MaisPB

Pagina 3 de 8
JR Esquadrias